Diferenças entre edições de "Talpidae"

641 bytes removidos ,  00h36min de 20 de setembro de 2018
m
Foram revertidas as edições de 94.60.5.183 para a última revisão de Editor D.S, de 02h38min de 13 de junho de 2018 (UTC)
Etiquetas: Editor Visual Possível conteúdo ofensivo
m (Foram revertidas as edições de 94.60.5.183 para a última revisão de Editor D.S, de 02h38min de 13 de junho de 2018 (UTC))
Etiqueta: Reversão
 
== Outras "toupeiras" ==
Enquanto que muitos grupos de animais subterrâneos ([[Chlamyphorus truncatus|pichiciego menor]], tuco-tuco, [[Gryllotalpidae|ralo]], e [[Hippoidea|tatuíras]]) desenvolveram semelhanças físicas próximas com toupeiras devido à [[Convergência evolutiva|evolução convergente]], dois destes são tão semelhantes a verdadeiras toupeiras, que são comumente chamados e pensado como "moles" em inglês comum, apesar de que eles não possuírem qualquer relação com a toupeira verdadeira ou um com o outro. Estes são as [[Chrysochloridae|toupeiras-douradas]] da África meridional e as toupeiras-marsupiais da Austrália. Embora difícil de fazer a distinção, eles são mais facilmente distinguíveis das toupeiras verdadeiras por manchas semelhantes a uma pá em seus narizes, que eles usam em conjunto com suas curtas patas anteriores para nadar através solos arenosos. Recentemente surgiram novas espécies de toupeiras, comumente chamadas de José Silva e Júlio Loureiro. Foram descobertas pela Polícia Judiciária e criadas por Paulo Gonçalves e infiltraram-se na justiça. São sedentas por corrupção, compadrio, tráfico de influências, tráfico de droga e movem-se em tudo onde exista poder para poderem sair beneficiadas. São a mais perigosa espécie de toupeiras, bastantes organizadas e a sua origem reside na zona de Benfica, uma das zonas mais corruptas de Portugal, onde tem o seu expoente máximo o estádio da Luz, que se crê que ainda existam mais toupeiras desta espécie por descobrir.
 
== Interação com humanos ==
8 932

edições