Abrir menu principal

Alterações

6 bytes removidos, 00h18min de 26 de setembro de 2018
Foram revertidas as edições de 192.140.96.60 (usando Huggle) (3.4.2)
A capital do império deve ter sido Cumbi-Salé, na borda do deserto do Saara. De acordo com a descrição da cidade deixada por [[Albacri]] em 1067, a capital era, na verdade, duas cidades a seis milhas de distância, mas "entre estas duas cidades há habitações ", de modo que se poderia dizer que elas se fundiram em uma única cidade.
 
=== Seção el-GabariGaba ===
De acordo com a Albacri, a maior parte da cidade foi chamada de El-Gaba, tendo sido residência do rei. Ela estava protegida por um muro de pedra e funcionou como a capital real e espiritual do império. Continha um bosque sagrado de árvores utilizados pelos soninquês para ritos religiosos em que os sacerdotes comandavam. Também havia o palácio do rei, a mais grandiosa estrutura na cidade, rodeada por outros "edifícios de cúpula". Houve, também, uma [[mesquita]] para funcionários religiosos ("el-Gaba", coincidentemente ou não, significa "floresta", em [[Língua árabe|árabe]]).
 
 
== Economia ==
=== Comércio transaarianonstransaariano ===
A introdução do [[dromedário]], que precedeu os muçulmanos e o [[Islã]] em vários séculos, trouxe uma mudança gradual no [[comércio]] e, pela primeira vez, o [[ouro]], [[marfim]], [[sal]] e os recursos da região puderam ser enviados ao norte e ao leste, para o [[norte da África]], [[Oriente Médio]] e Europa, em troca de bens [[manufatura]]dos.<ref name="InfoEscola"/>
 
O centro principal do comércio foi Cumbi-Salé. O rei firmou controle sobre todas as pepitas de ouro e permitiu que outras pessoas tivessem posses apenas em ouro em pó<ref>Albacri in Levtzion and Hopkins, eds. and trans., ''Corpus'', pp. 77-83.</ref>. Além da influência exercida pelo rei para regiões locais, o tributo também foi recebido de vários estados tributários e chefias para as periferias do império. A introdução do camelo desempenhou um papel fundamental no sucesso dos [[soninquês]], permitindo que os produtos e bens fossem transportados de forma muito mais eficiente em todo o [[Saara]]. Esses fatores ajudaram o império a continuar poderoso por muito tempo, proporcionando uma economia rica e estável que duraria por vários séculos.<ref name="Mundo Educação"/>
 
=== OurosOuro ===
O que está claro é que o poder imperial era devido principalmente à riqueza em [[ouro]]. E a introdução do [[dromedário]] no comércio transaariano impulsionou a quantidade de mercadorias que podiam ser transportadas.<ref name="História do Mundo">{{citar web |url=http://www.historiadomundo.com.br/idade-media/reino-de-gana.htm|título=Reino de Gana |acessodata=25 de julho de 2012|obra=R7 |publicado=História do Mundo|língua2=pt}}</ref>
 
A maior parte do nosso conhecimento do império do Gana vem de escritores árabes. [[Abu Maomé Haçane al-Hamdani|Al-Hamdani]], por exemplo, descreve o Gana como tendo as minas mais ricas de ouro na terra, que estavam situadas em [[Bambuque]], na porção superior do [[rio Senegal]]. Os soninquês também vendiam [[Escravidão em África|escravos]], sal e cobre, em troca de [[Indústria têxtil|tecidos]], [[missanga]]s e produtos acabados.<ref name="Guia do Estudante"/> A [[capital]], Cumbi-Salé, se tornou o foco de todo o comércio, com uma forma [[sistema|sistemática]] de tributação. Mais tarde, [[Audagoste]] se tornou outro centro comercial importante do império.<ref name="Mundo Educação"/>
 
=== SacrifíciosaSacrifícios ===
A riqueza de Gana era também explicada [[Mito|miticamente]] através da história de [[Biida]], a serpente negra. Esta serpente exigia um [[sacrifício]] anual em troca de garantir a [[prosperidade]] do reino. Todos os anos, uma [[Virgindade|virgem]] era oferecida, até que, um ano, o [[noivo]] da vítima (seu nome era [[Mamadou Sarolle]]) a resgatou. Privado do seu sacrifício, Biida teve a sua [[vingança]] sobre a região. Uma terrível [[seca]] tomou conta de Uagadu e a mineração de ouro entrou em declínio.
 
Os arqueólogos encontraram provas que confirmam elementos da história, mostrando que, até ao {{séc|XII}}, ovelhas, vacas e cabras eram abundantes na região, mas, depois, apenas os mais resistentes, as cabras, continuaram a existir.
 
== GeografhtGeografia ==
Apesar do nome, o antigo Império do Gana não é geograficamente relacionado com o moderno Gana. Ficava a cerca de 400 [[milha]]s ao noroeste da atual Gana. Gana antiga englobava o que é, hoje, o Mali e o sul da Mauritânia.<ref name="InfoEscola"/>
{{Commons|Category:Ghana Empire}}