Abrir menu principal

Alterações

813 bytes removidos ,  11h16min de 29 de setembro de 2018
Erro ortográfico corrigido, Gramática corrigida, palavras certas
{{ver desambig|redir="Análise sintática"|o conceito em computação|Análise sintática (computação)}}
 
'''A Sintaxe''' (pronúncia no {{AFI2|sí'tasɨ}}) (do [[grego clássico]] σύνταξις "estrutura", de σύν, [[Transliteração|transl.]] ''syn'', "mais", e τάξις, transl. ''táxis'', "classe") é o estudo das regras que regem ana construção de [[frase]]sfrases nas [[línguasnaturais naturais]].<ref>[http://www.priberam.pt/dlpo/firefox.aspx?pal=sintaxe Priberam]</ref>. A sintaxe é a parte da [[gramática]] que estuda a disposiçãoTudo das [[palavra]]spalavras na [[frase]] e das frases no [[discurso]], incluindo a sua relação lógica, entre as múltiplas combinações possíveis para transmitir um significado completo e compreensível. À inobservância das regras de sintaxe chama-se [[solecismo]].<ref>[http://www.soportugues.com.br/secoes/sint/ O que é a sintaxe?]</ref>
{{gramática}}
 
Na [[linguística]], a sintaxe é o ramo que estuda os processos generativos ou combinatórios das frases das línguas naturais, tendo em vista especificar a sua estrutura interna e funcionamento. O termo "sintaxe" também é usado para referir o estudo das regras que regem o comportamento de sistemas matemáticos, como a [[Sintaxe (lógica)| lógica]], e as [[Linguagem de programação| linguagens e de programação de computadores]].
'''Sintaxe''' (pronúncia no {{AFI2|sí'tasɨ}}) (do [[grego clássico]] σύνταξις "estrutura", de σύν, [[Transliteração|transl.]] ''syn'', "mais", e τάξις, transl. ''táxis'', "classe") é o estudo das regras que regem a construção de [[frase]]s nas [[línguas naturais]].<ref>[http://www.priberam.pt/dlpo/firefox.aspx?pal=sintaxe Priberam]</ref> A sintaxe é a parte da [[gramática]] que estuda a disposição das [[palavra]]s na [[frase]] e das frases no [[discurso]], incluindo a sua relação lógica, entre as múltiplas combinações possíveis para transmitir um significado completo e compreensível. À inobservância das regras de sintaxe chama-se [[solecismo]].<ref>[http://www.soportugues.com.br/secoes/sint/ O que é a sintaxe?]</ref>
 
A sintaxe é importante pois a unidade falada é a [[oração (gramática)| oração]], não a palavra ou o som. Em termos práticos, o falante fala e o ouvinte ouve orações. Salvo o caso quando uma única palavra é portadora de sentido completo.<ref name="Borba">{{citar livro|autor =Borba, Francisco S. |autorlink = |coautor= |título=Introdução aos Estudos Linguísticos |data= 1975 |publicado=Companhia Editora Nacional |local= São Paulo | isbn= |página= 251}}</ref>
Na [[linguística]], a sintaxe é o ramo que estuda os processos generativos ou combinatórios das frases das línguas naturais, tendo em vista especificar a sua estrutura interna e funcionamento. O termo "sintaxe" também é usado para referir o estudo das regras que regem o comportamento de sistemas matemáticos, como a [[Sintaxe (lógica)|lógica]], e as [[Linguagem de programação|linguagens de programação de computadores]].
 
Os primeiros passos da tradição [[Europa|europeia]] no estudo da sintaxe foram dados pelos antigos [[Grécia| gregos]], começandocomo é com [[Aristóteles]], que foi o primeiro a dividir a frase em [[sujeito]]ssujeitos e [[Predicado (gramática)|predicados]]gramáticabpredicados. Um segundo contributo fundamental deve-se a [[Frege]]de que critica a análise aristotélica, propondo uma divisão da frase em função e argumento. Deste trabalho fundador, deriva toda a lógica formal contemporânea, bem como a sintaxe formal. No [[século XIX]] a [[filologia]]finologia dedicou-se sobretudo à investigação nas áreas da [[fonologia]] e [[Morfologia (linguística)| morfologia]], não tendo reconhecido o contributo fundamental de [[Frege]], que só em meados do século XX foi verdadeiramente apreciado.
A sintaxe é importante pois a unidade falada é a [[oração (gramática)|oração]], não a palavra ou o som. Em termos práticos, o falante fala e o ouvinte ouve orações. Salvo o caso quando uma única palavra é portadora de sentido completo.<ref name="Borba">{{citar livro|autor =Borba, Francisco S. |autorlink = |coautor= |título=Introdução aos Estudos Linguísticos |data= 1975 |publicado=Companhia Editora Nacional |local= São Paulo | isbn= |página= 251}}</ref>
 
Os primeiros passos da tradição [[Europa|europeia]] no estudo da sintaxe foram dados pelos antigos [[Grécia|gregos]], começando com [[Aristóteles]], que foi o primeiro a dividir a frase em [[sujeito]]s e [[Predicado (gramática)|predicados]]. Um segundo contributo fundamental deve-se a [[Frege]] que critica a análise aristotélica, propondo uma divisão da frase em função e argumento. Deste trabalho fundador, deriva toda a lógica formal contemporânea, bem como a sintaxe formal. No [[século XIX]] a [[filologia]] dedicou-se sobretudo à investigação nas áreas da [[fonologia]] e [[Morfologia (linguística)|morfologia]], não tendo reconhecido o contributo fundamental de [[Frege]], que só em meados do século XX foi verdadeiramente apreciado.
 
== Análise Sintática ==
Utilizador anónimo