Diferenças entre edições de "Fátua"

121 bytes removidos ,  22h56min de 30 de setembro de 2018
sem resumo de edição
{{UnicodeArabe}}
{{Islã}}
'''Fátua'''<ref>"[http://www.priberam.pt/dlpo/fátua fátua]", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (em linha)</ref> ({{lang-ar|فتوى||''fatwā''}}, plural ''fataawa'') é um pronunciamento legal no [[Islão]] emitido por um especialista em [[lei]] religiosa, sobre um assunto específico.<ref>{{citar web |url=http://islam.about.com/od/law/g/fatwa.htm|título=Fatwa - About.com|língua=inglês}}</ref> Normalmente, uma fatwafátua é emitida a pedido de um indivíduo ou [[juiz]] de modo a esclarecer uma questão onde a [[fiqh]], a [[jurisprudência]] islâmica, é pouco clara; e não é considerada vinculativa. Um [[Acadêmico|académico]] que seja capaz de emitir fatwasfátuas é conhecido por [[mufti]].
 
Sua autoridade é baseada na [[educação]] e no status do mufti dentro da comunidade. Se o inquiridor não for persuadido pela fatwafátua, ele é livre para ir a outro mufti e obter outra opinião; mas uma vez que ele encontra uma opinião convincente, ele deve obedecer. Teoricamente, os muftis devem ser capazes de exercer um esforço de reflexão ([[ijtihad]]) jurídico independente das escolas de direito, embora os seguidores da tradição (''muqallids'') também possam emitir fatwasfátuas. Historicamente, as fatwasfátuas eram independentes do sistema judicial, embora alguns muftis estivessem oficialmente vinculados a vários tribunais. Nos sistemas políticos [[otomanos]] e [[mogois]], o grão-mufti foi designado como ''Shaykh al-Islam''. Outros muftis foram nomeados para cargos como inspetores de mercado, guardiões da moral pública e conselheiros do governo sobre assuntos religiosos. Sob o domínio colonial, as [[madraçais]] assumiram o papel de guias religiosos, e instituições especiais foram estabelecidas para emitir fatwasfátuas. Nos tempos modernos, a [[mídia impressa]] e [[Mídia eletrônica|eletrônica]] reforçou o papel e o impacto das fatwasfátuas, tornando-as instantaneamente disponíveis para o público. Os estados muçulmanos atuais tentaram controlar fatwasfátuas através de organizações consultivas oficiais dentro dos ministérios religiosos.<ref>{{citar web|url=http://www.oxfordislamicstudies.com/article/opr/t125/e646?_hi=14&_pos=1|titulo=Fatwa (em inglês)|publicado=Oxford Islamic Studies}}</ref><ref>Muhammad Khalid Masud, Joseph A. Kéchichian, Brinkley Messick, Joseph A. Kéchichian, Ahmad S. Dallal, Jocelyn Hendrickson {{citar web|url=http://www.oxfordislamicstudies.com/article/opr/t236/e0243?_hi=14&_pos=4|titulo=Fatwa (em inglês)|publicado=Oxford Islamic Studies}}</ref>
 
Dado não existir no Islão uma autoridade central, os diferentes Muftis podem emitir fatwasfátuas contraditórias<ref>{{citar web|url=http://orientxxi.info/mots-d-islam-22/fatwa,1318,1318|titulo=Fatwa|data=4 de Maio de 2016|acessodata=|publicado=OrientXXI|ultimo=Laffitte|primeiro=Roland}}</ref>
 
<h2>Fontes</h2><p>As fontes de fatwā incluem, entre outras:</p>
*[[Universidade do Cairo|Universidade do Cairo (]] Egipto) - Center of Islamic Research and Studies
*[http://islamopediaonline.org Islamopedia Online]- [[Islamopédia Online]]
*[http://www.IslamicEFoundation.org/ Islamic Enlightenment Foundation] Uma fonte de fatwas em Arabico, Inglês and Urdu. Fatwas emitidas por muftis de [[Jamia Uloom-ul-Islamia]], Binnori Town, ( Paquistão).
*[[Darul Uloom Karachi]] (Paquistão)
*[[IslamOnline]] website criado por [[Yusuf Al-Qaradawi|Yusuf al-Qaradawi]].
*[[IslamQA.com]] - website criado por [[Muhammad Al-Munajjhid.]]
* [[Permanent Committee for Islamic Research and Issuing Fatwas]] - website oficial de fatwas fátuas da Arábia Saudita.
* [[Darul Uloom Deoband]] (Índia)
 
== Exemplos contemporâneos ==
São constantemente emitidas fatwasfátuas, que vão desde pareceres cheios de bom senso (fatwasfátuas contra as armas atómicas, por exemplo)<ref>{{citar web|url=http://foreignpolicy.com/2014/10/16/when-the-ayatollah-said-no-to-nukes/|titulo=Quando o Ayatollah disse não ao nuclear (em inglês)|data=16 de Outubro de 2014|acessodata=|obra=|publicado=Foreign Policy|ultimo=|primeiro=}}</ref> , até opiniões ridículas (fatwasfátuas contra o rato Mickey<ref>{{citar web|url=http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/saudiarabia/2963744/Mickey-Mouse-must-die-says-Saudi-Arabian-cleric.html|titulo=O rato Mickey deve morrer, diz clérigo da Arábia Saudita|data=15 de Setembro de 2008|acessodata=|obra=|publicado=The Telegraph|ultimo=Beckford|primeiro=Martin}}</ref> ) e incitamentos ao crime (as variadas fatwasfátuas ordenando o assassínio dos apóstatas, como [[Salman Rushdie]] )<ref>{{citar web|url=http://www.independent.co.uk/news/people/salman-rushdie-iranian-state-media-renew-fatwa-on-satanic-verses-author-with-600000-bounty-a6887141.html|titulo=Irão renova a fatwafátua sobre o autor de d'Os Versos Satãnicos (em Inglêsinglês)|data=21 de Fevereiro de 2016|acessodata=|obra=|publicado=Independent|ultimo=Osborne|primeiro=Samuel}}</ref>.
 
A escritora [[Chahdortt Djavann]], considerando que o direito de criticar religiões e seus dogmas é um direito essencial, imprescindível à existência da democracia, em Fevereiro de 2008, pede que a União Européia reconheça que as fatwasfátuas incitando ao assassinato são um ato criminoso, e que haja mandatos internacionais contra aqueles que decretam tais fatwasfátuas.<ref>{{citar web|url=http://www.lefigaro.fr/debats/2008/02/16/01005-20080216ARTFIG00599-ayaan-hirsi-ali-ma-sur.php|titulo=Ayaan Hirsi Ali, ma sœur|data=16 de Fevereiro de 2008|acessodata=|publicado=Le Figaro|ultimo=Djavann|primeiro=Chahdortt}}</ref>
 
==Notas==