Diferenças entre edições de "Usuário(a):PCelsoCorrea/Testes"

6 051 bytes adicionados ,  13h47min de 7 de novembro de 2018
 
Logo que se inicia a subida do primeiro para o segundo andar, os visitantes vêem o Hall da Escada, decorado com motivos que homenageiam as artes: a pintura, o desenho, a arquitetura e a escultura. Cenas mitológicas que copiam os afrescos pintados pelo renascentista italiano [[Rafael]] (1483-1520) na [[Villa Farnesina|Villa Farnesiana]] completam a decoração que tem ainda visão central de uma cópia em metal da escultura [[Afrodite]] de [[Cápua]], que está no [[Museu Nacional de Nápoles]].
 
==== 2º andar ====
Nesse andar, no chamado “piso nobre”, destinado a recepções e cerimônias (tanto na época do Barão quanto da Presidência da Republica), nota-se o luxo e a diversidade temática dos salões, cada um deles retratando, ainda, seu uso específico no período imperial. A riqueza e os esquemas decorativos dos salões mostram como a rica burguesia da época procurava demonstrar um poder social que se consolidava<ref>{{citar livro|título=Um palácio quase romano|ultimo=Rodrigues|primeiro=Marcus Vinícius Macri|editora=Museu da República|ano=2017|local=Rio de Janeiro|páginas=|acessodata=}}</ref>.
 
Uma galeria, com vitrais executados na Alemanha e representando musas e outras figuras mitológicas, no período imperial fazia a ligação entre a escada íntima e a de serviços, além de servir de antecâmara da Capela. Como sede da República, esse espaço recebeu sofás e cadeiras de balanço.
 
A Capela era o local de recolhimento e oração dos moradores do Palácio. Ela apresenta o teto decorado por painéis reproduzindo a figura de apóstolos e duas telas, cópias das obras A Transfiguração, do italiano renascentista Rafael, e Imaculada Conceição, do espanhol barroco [[Bartolomé Esteban Murillo|Bartolomé Murillo]]. Para a instalação da Presidência da República, a decoração foi conservada, mas a sala teve sua utilização modificada. No período republicano, só foi usada como capela no casamento da filha do presidente [[Rodrigues Alves]] e no velório do presidente [[Afonso Pena]].
 
O Salão Francês, também chamado de Salão Azul, localizado entre a Capela e o Salão Nobre, servia de refúgio e apoio às recepções oferecidas no Palácio. Ele tem [[Estilo Luís XVI|estilo Luiz XVI]], como se vê nos ornatos do teto, nas molduras dos espelhos e nas sanefas. Mais tarde, as paredes receberam nova pintura com toques [[Art nouveau|art-nouveau]], adaptada à coloração pastel da sala.
 
O Salão Nobre ou Salão de Baile relembra a vida social e o luxo da corte. Nele eram realizadas as principais recepções do Palácio. As pinturas verticais representam cenas mitológicas associadas à música e às artes, e, na parte superior das paredes, pinturas em semicírculo referem-se à vida de [[Apolo]], deus da música e da poesia. A presença da música é notada, ainda, na [[Lira (instrumento musical)|lira]] que aparece no [[parquet]] do piso.
 
Como sede da Presidência, esse salão continuou sendo o espaço mais nobre, tendo recebido sobre as portas as Armas da República. A recente iluminação elétrica refletia-se nos espelhos bisotadas, por ocasião das festas. Em 1938, o painel do teto foi refeito pelo pintor acadêmico brasileiro [[Armando Viana|Armando Vianna]].
 
A função do Salão Pompeano era a de apoio aos Salões Nobre e Veneziano. Esse espaço é decorado com cenas que se reportam às descobertas artísticas das escavações da cidade de [[Pompeia|Pompéia]]. Nas obras de adaptação feitas no prédio, apenas o teto sofreu alteração, com a colocação das Armas Nacionais e das datas históricas: [[Descobrimento do Brasil|Descobrimento]], [[Independência do Brasil|Independência]], [[Lei Áurea|Abolição]] e República.
 
O Salão Veneziano (também chamado de Salão Amarelo) era usado como sala de visitas. Seu nome decorre do estilo do mobiliário, com móveis pesados e ricamente decorados. Nele há um lustre central em bronze e cristal, candelabros e grandes espelhos.
 
Na República, o salão foi usado como sala de música e para a realização de [[Sarau|saraus]]. Consta que, nele, realizou-se o famoso e polêmico sarau com músicas da compositora e maestrina [[Chiquinha Gonzaga]], promovido por D. [[Nair de Tefé|Nair de Teffé]], segunda esposa do presidente [[Hermes da Fonseca]], no qual ela apresentou um novo ritmo, o Corta-jaca, escandalizando a sociedade da época.
 
Um dos espelhos existentes na época da corte foi substituído por painel executado pelos pintores [[Antônio Parreiras|Antonio Parreiras]] e [[Décio Villares|Décio Vilares]].
 
O Salão Mourisco, em mais um diferente estilo (tem esse nome por sua decoração inspirada na [[arte islâmica]]), era um local masculino, usado como sala de jogos e de fumar. Tem um lustre de bronze dourado e cristal rubi, mobiliário em marfim e palhinha e é decorado por esculturas e um cinzeiro em forma de crocodilo.
 
O Salão de Banquetes tem sua função definida pela própria decoração. Foi também utilizado, durante o período em que Getúlio Vargas ocupou o Catete, como um espaço para reuniões ministeriais. No teto do salão vêem-se estuques com frutos, pinturas de [[Natureza-morta|naturezas mortas]] nos arcos, e o painel central é uma cópia adaptada da obra [[Diana (mitologia)|Diana]], a caçadora, do italiano [[Domenico Zampieri|Domenichino]].
 
==== 3º andar ====
O último andar do Palácio era destinado aos aposentos privados da família do barão de Nova Friburgo e, mais tarde, das famílias dos presidentes. Com o passar do tempo, o mobiliário e a decoração foram sendo alterados de acordo com as necessidades de cada morador. Com a instalação da Presidência, novos móveis e objetos funcionais e de decoração foram encomendados. Alguns exemplos deste mobiliário estão integrados ao circuito histórico. A galeria circunda todo o centro do prédio e possibilita uma visão mais aproximada da [[Claraboia|clarabóia]] composta por 266 peças e decorada por um vitral.
 
O quarto presidencial foi marcado pelo suicídio de Getúlio Vargas, em 24 de agosto de 1954.
 
==== Área externa ====
Além do jardim, o Museu possui pátio interno e varanda. Originária da construção do Palácio, a varanda tem piso em mármore branco e [[guarda-corpo]] em ferro fundido. É sustentada por seis colunas coríntias, com saia decorada com [[Cartela (arquitetura)|cartelas]] e [[Palmeta|palmetas]]. Na época da Presidência da República, foi palco de várias reuniões e solenidades, como atestam diversas fotos pertencentes ao Arquivo do museu.
 
==O Museu da República==
31

edições