Diferenças entre edições de "Itália"

6 885 bytes adicionados ,  02h50min de 10 de novembro de 2018
Resgatando 40 fontes e marcando 1 como inativas. #IABot (v2.0beta10)
(Resgatando 40 fontes e marcando 1 como inativas. #IABot (v2.0beta10))
[[Roma]], a capital italiana, foi durante séculos o centro político e religioso da [[civilização ocidental]] como capital do [[Império Romano]] e como sede da [[Santa Sé]]. Após o declínio dos romanos, a Itália sofreu inúmeras invasões de povos estrangeiros, desde [[Povos germânicos|tribos germânicas]], como os [[lombardos]] e [[ostrogodos]], aos [[bizantinos]] e, mais tarde, os [[normandos]], entre outros. Séculos mais tarde, Itália tornou-se o berço das [[repúblicas marítimas]] e do ''[[Renascimento]]'',<ref>{{Citar jornal |título=Italy: Birthplace of the Renaisssance |obra= European Renaissance and Reformation |local=Township of Washington, NJ |publicado=Immaculate Heart Academy |acessodata=20/12/2009 |url=http://www.immaculateheartacademy.org/outside2/socialstudies/kuhns/1%20Italy%20Birthplace%20of%20the%20Renaissance.pdf}}</ref> um movimento intelectual extremamente frutífero que seria fundamental na formação subsequente do pensamento europeu.
 
Durante grande parte de sua história pós-romana, a Itália foi fragmentada em vários reinos (tais como o [[Reino da Sardenha]]; o [[Reino das Duas Sicílias]] e o [[Ducado de Milão]], etc.) e [[Cidade-Estado|cidades-Estado]], mas foi unificada em 1861,<ref>{{Citar web |url=http://library.thinkquest.org/TQ0312582/unification.html |título=Unification of Italy |publicado=Library.thinkquest.org |data=4/4/2003 |acessodata=19/11/2009 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20090307050237/http://library.thinkquest.org/TQ0312582/unification.html# |arquivodata=07/03/2009 |urlmorta=yes }}</ref> após um período tumultuado da história conhecido como "''[[Il Risorgimento]]''" ("O Ressurgimento"). Entre o final do {{séc|XIX}} e o fim da [[Segunda Guerra Mundial]], a Itália possuiu um [[Império colonial italiano|império colonial]] que estendia seu domínio até à [[Líbia]], [[Eritreia]], [[Somália]], [[Etiópia]], [[Albânia]], [[Dodecaneso]] e uma concessão em [[Tianjin]], na [[China]].<ref name="allempires.com" >{{Citar web|url=http://www.allempires.com/article/index.php?q=italian_colonial |título=The Italian Colonial Empire |publicado=All Empires|acessodata=30/10/2010}}</ref>
 
A Itália moderna é uma [[república]] [[Democracia|democrática]], classificada como o 24.º&nbsp;[[País desenvolvido|país mais desenvolvido]] do mundo<ref name="IDH"/> e com [[Índice de Qualidade de Vida|índice de qualidade de vida]] entre os dez primeiros do planeta.<ref name="economist.com">[http://www.economist.com/media/pdf/QUALITY_OF_LIFE.pdf The Economist Intelligence Unit’s quality-of-life index], Economist, 2005</ref> O país goza de um alto padrão de vida e tem um elevado [[Lista de países por PIB nominal per capita|PIB nominal ''per capita'']].<ref name="FMI"/> É um membro fundador da [[União Europeia]] e parte da [[zona euro]], além de ser membro do [[G8]], [[G20]], [[Organização do Tratado do Atlântico Norte|OTAN]], [[Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico|OCDE]], [[Organização Mundial do Comércio]] (OMC), [[Conselho da Europa]], [[União da Europa Ocidental]] e das [[Organização das Nações Unidas|Nações Unidas]]. A Itália tem a quarta maior [[Reservas de ouro|reserva de ouro]], o [[Lista de países por PIB nominal|oitavo maior PIB nominal]], o [[Lista de países por PIB (Paridade do Poder de Compra)|décimo maior PIB (PPC)]]<ref name="FMI"/> e o sexto maior orçamento público do mundo.<ref>{{Citar web|url=https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/fields/2056.html |título=CIA World Factbook, Budget |publicado=Cia.gov|acessodata=26/1/2011}}</ref> A República Italiana tem o [[Lista de países por gastos militares|nono maior orçamento de defesa do mundo]], acesso às [[Bomba nuclear|armas nucleares]] da OTAN e um papel proeminente nos assuntos militares, culturais e diplomáticos europeus e mundiais, o que a torna uma das principais [[Média potência|Potências Médias]] do mundo e uma [[Potência regional|Potência Regional]] de destaque na Europa.<ref name="Leonardis, 2003, p. 17" >M. De Leonardis, ''Il Mediterraneo nella politica estera italiana del secondo dopoguerra'', Bologna, Il Mulino, 2003, p. 17</ref><ref name="books.google.com">{{citar livro|url=http://books.google.com/?id=X4xw8-Oj9usC&pg=PA157&lpg=PA157&dq=regional+power+italy+in+europe#PPP1,M1 |título=The Middle East and Europe|publicadopor=Google Books |data=24/11/1998 |acessodata=30/5/2011}}</ref> O país tem um [[Índice de educação|elevado nível de escolaridade pública]] e é uma nação altamente [[Globalização|globalizada]].<ref>{{Citar web |url=http://globalization.kof.ethz.ch/static/pdf/press_release_2009_en.pdf |título=KOF – Pressemitteilung |formato=PDF |acessodata=27/5/2009 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20110427080724/http://globalization.kof.ethz.ch/static/pdf/press_release_2009_en.pdf# |arquivodata=27/04/2011 |urlmorta=yes }}</ref>
 
== Etimologia ==
As quatro mais proeminentes repúblicas marítimas foram a [[República de Veneza|Veneza]], [[República de Gênova|Gênova]], [[República de Pisa|Pisa]] e a [[República de Amalfi|Amalfi]], enquanto que as menos conhecidas são a [[República de Ragusa|Ragusa]], [[Ducado de Gaeta|Gaeta]], [[República Anconitana|Ancona]] e {{ilc|Noli|República de Noli|lk=Noli}}. Veneza e Gênova eram portas de entrada da Europa para o comércio com o Oriente, além de produtoras de vidro fino, enquanto que a [[República de Florença|Florença]] foi a capital da seda, lã, bancos e joalheria. A riqueza desses negócios trazidos à Itália significou o patrocínio público e privado de grandes projetos artísticos. As repúblicas estiveram pesadamente envolvidas com as [[Cruzada]]s, providenciando suporte mas especialmente, tomando vantagem das oportunidades políticas e de comércio resultante dessas guerras.<ref name=Lane/>
 
No sul, a Sicília se tornou um [[Emirado da Sicília|emirado islâmico]] no {{séc|IX}}, prosperando até que os ítalo-[[normandos]] o conquistaram no fim do {{séc|XI}} junto com a maioria dos principados lombardos e bizantinos no sul da Itália.<ref>{{citar livro|ultimo=Ali|primeiro=Ahmed Essa with Othman|titulo=Studies in Islamic civilization : the Muslim contribution to the Renaissance|ano=2010|publicado=International Institute of Islamic Thought|local=Herndon, VA|isbn=1-56564-350-X|páginas=38–40}}</ref> Por uma série de eventos complexos, o sul da Itália desenvolveu um reino unificado, primeiro sob a [[Dinastia de Hohenstaufen]], depois sob a [[Casa capetiana de Anjou]] e a partir do {{séc|XV}} com [[Reino de Aragão|reis aragoneses]]. Na [[Sardenha]], as antigas províncias bizantinas se tornaram estados independentes conhecidos como ''[[giudicati]]'', embora algumas partes da ilha se tornaram controladas por Gênova ou Pisa até à anexação aragonesa no {{séc|XV}}. A [[pandemia]] de [[Peste Negra]] de 1348 deixou a sua marca na Itália ao matar talvez cerca de um terço da população.<ref>Stéphane Barry and Norbert Gualde, "The Biggest Epidemics of History" (La plus grande épidémie de l'histoire), in ''L'Histoire'' n° 310, June 2006, pp. 45–46</ref><ref>{{Citar web|url=http://www.brown.edu/Departments/Italian_Studies/dweb/plague/effects/death_toll.shtml|título=Plague. The Death Toll|obra=Decameron Web|publicado=Brown University. www.brown.edu|língua=en|datali=junho de 2018|wayb=20090831003435|acessodata=19 de maio de 2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20090831003435/http://www.brown.edu/Departments/Italian_Studies/dweb/plague/effects/death_toll.shtml#|arquivodata=31 de agosto de 2009|urlmorta=yes}}</ref> Contudo, a recuperação da praga levou ao ressurgimento das cidades, comércio e economia, que permitiu o florescimento do [[humanismo]] e da [[Renascença]], que depois se espalhou pela [[Europa]].<ref name="Renascença">{{citar web |url=https://www.britannica.com/event/Renaissance |titulo=Renaissance |acessodata=31/5/2018|obra=Encyclopædia Britannica}}</ref>
 
=== Era moderna ===
[[Imagem:Costituzione della Repubblica Italiana.jpg|thumb|upright|esquerda|A [[Constituição da República Italiana|Constituição da Itália]] entrou em vigor em 1948]]
 
A Itália se tornou uma [[república]], após um referendo realizado em 2 de junho de 1946, um dia comemorado desde então como o Dia da República. Esta foi também a primeira vez que as mulheres italianas tiveram [[direito ao voto]].<ref>{{Citar web |url=http://www.insmli.it/pubblicazioni/35/Voto%20donne%20versione%20def.pdf |título=Italia 1946: le donne al voto, dossier a cura di Mariachiara Fugazza e Silvia Cassamagnaghi |formato=PDF |acessodata=30/5/2011 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20110520041048/http://www.insmli.it/pubblicazioni/35/Voto%20donne%20versione%20def.pdf# |arquivodata=20/05/2011 |urlmorta=yes }}</ref> O filho de [[Vítor Emanuel III da Itália|Vítor Emmanuel III]], [[Humberto II da Itália|Humberto II]], foi forçado a abdicar e foi [[Exílio|exilado]]. A [[Constituição da República Italiana|constituição republicana]] entrou em vigor em 1 de janeiro de 1948. Nos termos dos [[Tratado de Paris (1947)|Tratados de Paz de Paris]] de 1947, a área da fronteira oriental foi perdida para a [[República Socialista Federativa da Iugoslávia|Iugoslávia]] e, mais tarde, o [[Território Livre de Trieste]] foi dividido entre os dois Estados. O medo no eleitorado italiano de uma possível tomada [[Comunismo|comunista]] provou ser crucial para o resultado da primeira eleição com [[sufrágio universal]] em 18 de abril de 1948, quando os [[Democracia Cristã (Itália)|democratas-cristãos]], sob a liderança de [[Alcide De Gasperi]], obtiveram uma vitória esmagadora. Consequentemente, em 1949, a Itália tornou-se membro da [[OTAN]]. O [[Plano Marshall]] ajudou a reavivar a economia italiana, que, até final dos anos 1960, desfrutou de um período de crescimento econômico sustentado, o que foi comumente chamado de "[[Milagre econômico italiano|Milagre Econômico]]". Em 1957, a Itália foi um membro fundador da [[Comunidade Econômica Europeia]] (CEE), que posteriormente se tornou a [[União Europeia]] (UE) em 1993.<ref>{{citar web |url=https://www.nytimes.com/2018/04/27/opinion/italy-leave-european-union.html |titulo=Will Italy Leave the E.U.? Not So Fast |editor=[[The New York Times]]|data=27/4/2018 |acessodata=12/6/2018 |autor=Beppe Severgnini}}</ref>
 
Do final dos anos 1960 até o início dos anos 1980, o país experimentou os "[[Anos de chumbo (Itália)|anos de chumbo]]", um período caracterizado pela crise econômica (especialmente após a [[crise do petróleo]] de 1973), generalizados conflitos sociais e massacres terroristas realizados por grupos extremistas opostos, com o suposto envolvimento dos [[Serviço de inteligência|serviços de inteligência]] dos [[Estados Unidos]].<ref>{{it}} {{Citar web| título=Commissione parlamentare d'inchiesta sul terrorismo in Italia e sulle cause della mancata individuazione dei responsabili delle stragi (Parliamentary investigative commission on terrorism in Italy and the failure to identify the perpetrators) | ano=1995 | acessodata=2006-05-02 | url=http://www.isn.ethz.ch/php/documents/collection_gladio/report_ital_senate.pdf |wayb=20060819211212}}</ref><ref name="Docs">{{en}}/{{it}}/{{fr}}/{{de}} {{Citar web| título=Secret Warfare: Operation Gladio and NATO's Stay-Behind Armies | acessodata=2006-05-02 | publicado=Swiss Federal Institute of Technology / International Relation and Security Network | url=http://www.isn.ethz.ch/php/collections/coll_gladio.htm#Documents|wayb=20060425182721}}</ref><ref name="República italiana 1">{{Citar web|url = http://www.cambridgeclarion.org/press_cuttings/us.terrorism_graun_24jun2000.html |titulo = Clarion: Philip Willan, Guardian, 24 June 2000, page 19 |publicado = Cambridgeclarion.org |data = 24/6/2000 |acessodata = 24/4/2010}}</ref>
=== Ambiente ===
 
Depois do seu rápido crescimento industrial, a Itália levou um longo tempo para confrontar os seus problemas ambientais. Depois de várias melhorias, ela agora se posiciona na 84.ª&nbsp;posição no mundo com relação a sustentabilidade ecológica.<ref name=devp2>{{citar web|url=http://dev.prenhall.com/divisions/hss/worldreference/IT/environment.html |titulo=Italy – Environment |publicado=Dev.prenhall.com |acessodata=2/8/2010 |urlmorta=sim |wayb=20090701064224}}</ref> [[Parque nacional|Parques nacionais]] cobrem cerca de 5% do país.<ref>{{citar web|titulo=National Parks in Italy|publicado=Parks.it|data=1995–2010|url=http://www.parks.it/indice/NatParks.html|acessodata=15/3/2010|urlmorta=não|wayb=20100329203159|df=dmy-all}}</ref> Na década de 2010, a Itália se tornou um dos líderes do mundo em produção de [[energia renovável]], sendo o país com a quarta maior capacidade instalada de [[energia solar]] no mundo em 2010 e um dos países com a maior penetração de energia solar.<ref>{{citar web |url=http://www.ren21.net/Portals/97/documents/GSR/REN21_GSR2011.pdf |titulo=Renewables 2010 Global Status Report |publicado=REN21 |data=15/7/2010 |acessodata=16/7/2010 |urlmorta=yes sim|wayb=20110820095506 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20110820095506/http://www.ren21.net/Portals/97/documents/GSR/REN21_GSR2011.pdf# |arquivodata=20/08/2011 }}</ref><ref name="BaroPhoto2010">{{citar web|url=http://www.eurobserv-er.org/pdf/baro196.asp |titulo=Photovoltaic energy barometer 2010|publicado=EurObserv'ER |acessodata=30/10/2010|datali=junho de 2018|wayb=20110726043955}}{{Ligação inativa|1={{subst:DATA}} }}</ref> além de ter a sexta maior capacidade instalada de [[energia eólica]] em 2010.<ref name="wwea">{{citar web|autor=World Wind Energy Association|titulo=World Wind Energy Report 2010|formato=PDF|data= fevereiro de 2011|url=http://www.wwindea.org/home/images/stories/pdfs/worldwindenergyreport2010_s.pdf|acessodata=8/8/2011|urlmorta=simyes|wayb=20110904232058|arquivourl=https://web.archive.org/web/20110904232058/http://www.wwindea.org/home/images/stories/pdfs/worldwindenergyreport2010_s.pdf#|arquivodata=04/09/2011}}</ref>
[[Imagem:Italy natural parks.png|thumb|esquerda|upright|Parques nacionais (verde) e regionais (vermelho) na Itália]]
 
No entanto, a [[poluição atmosférica]] continua sendo um problema severo, especialmente no norte industrializado, atingindo o décimo maior nível mundial de emissão de [[dióxido de carbono]] industrial no anos 1990.<ref name="Encyclopedia of the Nations">{{citar web|titulo=Italy – Environment|publicado=Encyclopedia of the Nations|acessodata=7/4/2010|wayb=20110104111601|url=http://www.nationsencyclopedia.com/Europe/Italy-ENVIRONMENT.html|df=dmy-all}}</ref> Em 2009, a Itália era o 16.° maior lançador global de dióxido de carbono na atmosfera.<ref>{{Citar web|url=http://mdgs.un.org/unsd/mdg/SeriesDetail.aspx?srid=749&crid=|título=Carbon dioxide emissions (CO2), thousand metric tons of CO2 (CDIAC)|títulotrad=Emissões de dióxido de carbono (CO2), em milhares de toneladas métricas de CO2|data=21 de julho de 2015|publicado=Millennium Development Goals Indicators, ONU. mdgs.un.org|língua=en|acessodata=7 de junho de 2018}}</ref> Tráfico intenso e congestão nas maiores áreas metropolitanos continuam a causar severos problemas ambientais e de saúde pública, mesmo que os níveis de ''[[smog]]'' tenham diminuído dramaticamente entre os anos 1970 e 1980, com a presença de ''smog' se tornando um fenômeno cada vez mais raro e os níveis de [[dióxido de enxofre]] estavam diminuindo no início da década de 1990.<ref>{{Citar web|url=http://www.euro.who.int/document/hms/ehiexes_e.pdf|título=Environment and health in Italy|publicado=Word Health Organization Regional Office for Europe. www.euro.who.int|língua=en|wayb=20100303051309|acessodata=17 de maio de 2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20100303051309/http://www.euro.who.int/document/hms/ehiexes_e.pdf#|arquivodata=3 de março de 2010|urlmorta=yes}}</ref>
 
Muitos cursos de água e seções costeiras tem sido contaminados pela atividade industrial e agricultural, enquanto que em decorrência dos níveis crescentes da água, [[Veneza]] tem sido regularmente inundada em anos recentes. Lixo e contaminantes da atividade industrial nem sempre foram descartados por meios legais e têm levado a problemas permanentes de saúde na população das áreas afetadas, como no caso do [[acidente de Seveso]]. O país também operou várias [[Central nuclear|usinas nucleares]] entre 1963 e 1990, mas após o [[desastre de Chernobyl]] e um {{ilc|nlk=x|referendo sobre o assunto|Referendo italiano de 1987}} o programa nuclear civil foi terminado. Essa decisão foi revogada pelo governo em 2008, que planeava construir até quatro usinas nucleares com tecnologia francesa. O que por sua vez foi cancelado após o referendo sobre a questão nuclear logo depois do [[desastre de Fukushima]].<ref>{{citar web |autor=Kennedy, Duncan |url=http://www.bbc.co.uk/news/world-europe-13741105 |titulo=Italy nuclear: Berlusconi accepts referendum blow|data=14/6/2011 |acessodata=20/4/2013 |urlmorta=não |arquivourl=https://www.webcitation.org/5zOE5XqnJ?url=http://www.bbc.co.uk/news/world-europe-13741105 |arquivodata=12/6/2011 |df=dmy-all}}</ref>
{{Vertambém|Imigração italiana no Brasil}}
 
Do final do {{séc|XIX}} até a década de 1960, a Itália era um país de [[emigração]] em massa. Entre 1898 e 1914, os anos de pico da [[diáspora italiana]], aproximadamente {{formatnum:750000}} italianos emigravam do país a cada ano.<ref>{{citar web |url=http://library.thinkquest.org/26786/en/articles/view.php3?arKey=4&paKey=7&loKey=0&evKey=&toKey=&torKey=&tolKey= |título=Causes of the Italian mass emigration |publicado=ThinkQuest Library |data=15 de agosto de 1999 |wayb=20090701010600 |acessodata=7 de junho de 2018 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20090701010600/http://library.thinkquest.org/26786/en/articles/view.php3?arKey=4&paKey=7&loKey=0&evKey=&toKey=&torKey=&tolKey=# |arquivodata=1 de julho de 2009 |urlmorta=yes }}</ref>
 
[[Imagem:Italians Sao Paulo.jpg|thumb|esquerda|upright=1.3|[[Imigração italiana no Brasil|Imigrantes italianos]] na [[Hospedaria dos Imigrantes]] de [[São Paulo (cidade)|São Paulo]], [[Brasil]] (1890)]]
 
A diáspora atingiu mais de 25 milhões de italianos e é considerada a maior migração em massa da época contemporânea.<ref>Favero, Luigi e Tassello, Graziano. ''Cent'anni di emigrazione italiana (1861–1961)'' Introduction</ref> Como resultado, atualmente mais de 4,1 milhões de cidadãos italianos estão vivendo no exterior,<ref name=aire>{{citar web|url=http://www.interno.it/mininterno/export/sites/default/it/sezioni/servizi/legislazione/elezioni/0947_2010_02_01_DM27012010.html|título=Statistiche del Ministero dell'Interno|publicado=|urlmorta= simyes|wayb=20100227045432|df=dmy-all|acessodata=7 de junho de 2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20100227045432/http://www.interno.it/mininterno/export/sites/default/it/sezioni/servizi/legislazione/elezioni/0947_2010_02_01_DM27012010.html#|arquivodata=27 de fevereiro de 2010}}</ref> enquanto pelo menos 60 milhões de pessoas com ascendência italiana total ou parcial vivem fora da Itália, principalmente na [[Argentina]],<ref>{{citar web|url=http://www.asteriscos.tv/dossier-3.html |título=Unos 20 millones de personas que viven en la Argentina tienen algún grado de descendencia italiana |acessodata=27/6/2008 |último =Lee |primeiro =Adam |data=3/4/2006 |língua=espanhol |urlmorta= não|wayb=20080611032202|df=dmy-all}}</ref> [[Imigração italiana no Brasil|Brasil]],<ref>[http://www.consultanazionaleemigrazione.it/itestero/Gli_italiani_in_Brasile.pdf Consulta Nazionale Emigrazione. Progetto ITENETs – "Gli italiani in Brasile"; pp. 11, 19] {{webarchive|url=https://web.archive.org/web/20120212103430/http://www.consultanazionaleemigrazione.it/itestero/Gli_italiani_in_Brasile.pdf |date=12/2/2012}} . Acessado em 10/9/2008.</ref> [[Uruguai]],<ref>{{citar web|url=http://www.hotelsclick.com/hoteles/UY/Uruguay-DEMOGRAF%C3%ADA-5.html|título=Ethnic origins, 2006 counts, for Uruguay, provinces and territories – 20% sample data|urlmorta= não|wayb=20110511132255|df=dmy-all}}</ref> [[Venezuela]],<ref>Santander Laya-Garrido, Alfonso. ''Los Italianos forjadores de la nacionalidad y del desarrollo economico en Venezuela''. Editorial Vadell. Valencia, 1978</ref> [[Estados Unidos]],<ref>{{citar web|autor =American FactFinder, United States Census Bureau |url=http://factfinder.census.gov/servlet/IPTable?_bm=y&-reg=ACS_2006_EST_G00_S0201:543;ACS_2006_EST_G00_S0201PR:543;ACS_2006_EST_G00_S0201T:543;ACS_2006_EST_G00_S0201TPR:543&-qr_name=ACS_2006_EST_G00_S0201&-qr_name=ACS_2006_EST_G00_S0201PR&-qr_name=ACS_2006_EST_G00_S0201T&-qr_name=ACS_2006_EST_G00_S0201TPR&-ds_name=ACS_2006_EST_G00_&-TABLE_NAMEX=&-ci_type=A&-redoLog=true&-charIterations=047&-geo_id=01000US&-geo_id=NBSP&-format=&-_lang=en |título=U.S Census Bureau – Selected Population Profile in the United States |publicado=American FactFinder, United States Census Bureau |acessodata=30/5/2011 |urlmorta= sim|wayb=20110430031737}}</ref> [[Canadá]],<ref>{{citar web|url=http://www12.statcan.ca/english/census06/data/highlights/ethnic/pages/Page.cfm?Lang=E&Geo=PR&Code=01&Data=Count&Table=2&StartRec=1&Sort=3&Display=All&CSDFilter=5000 |título=Ethnic origins, 2006 counts, for Canada, provinces and territories – 20% sample data |urlmorta= não|wayb=20091101151108|df=dmy-all}}</ref> [[Austrália]]<ref>{{citar web|url=http://www.censusdata.abs.gov.au/ABSNavigation/prenav/ViewData?action=404&documentproductno=0&documenttype=Details&order=1&tabname=Details&areacode=0&issue=2006&producttype=Census%20Tables&javascript=true&textversion=false&navmapdisplayed=true&breadcrumb=LPTD&&collection=Census&period=2006&productlabel=Ancestry%20by%20Country%20of%20Birth%20of%20Parents%20-%20Time%20Series%20Statistics%20(2001,%202006%20Census%20Years)&producttype=Census%20Tables&method=Place%20of%20Usual%20Residence&topic=Ancestry& |título=20680-Ancestry by Country of Birth of Parents – Time Series Statistics (2001, 2006 Census Years) – Australia |publicado=[[Australian Bureau of Statistics]] |data=27/6/2007 |acessodata=30/12/2008 |urlmorta= sim|wayb=20071001032237}}</ref> e [[França]].<ref>"''[https://books.google.com/books?id=BLo2RqGdv_wC&pg=PA143&dq&hl=en#v=onepage&q=&f=false The Cambridge survey of world migration] {{webarchive|url=https://web.archive.org/web/20160413151427/https://books.google.com/books?id=BLo2RqGdv_wC&pg=PA143&dq&hl=en |date=13/4/2016 }}''". Robin Cohen (1995). [[Cambridge University Press]]. p.&nbsp;143. {{ISBN|0-521-44405-5}}</ref>
 
Em 2016, a Itália tinha cerca de 5,05&nbsp;milhões de residentes estrangeiros,<ref>{{citar web|título=Resident Foreigners on 31st December 2016|url=http://demo.istat.it/strasa2017/index_e.html|publicado=Istat|acessodata=15 de junho de 2017|urlmorta= não|wayb=20171015174714|df=dmy-all|língua=en}}</ref> representando 8,3% da população total. Os números incluem mais de meio milhão de crianças nascidas na Itália de pais estrangeiros — imigrantes de segunda geração, mas excluem os estrangeiros que posteriormente adquiriram a [[Nacionalidade italiana|cidadania italiana]].<ref>{{citar web|título=Immigrants.Stat|url=http://stra-dati.istat.it/Index.aspx|publicado=Istat|acessodata=15/6/2017|urlmorta= não|wayb=20170709143540|df=dmy-all}}</ref> Em 2016, cerca de {{formatnum:201000}} pessoas adquiriram a cidadania italiana<ref>{{citar web|título=National demographic balance 2016|url=https://www.istat.it/en/archive/201143|publicado=Istat|acessodata=15 de junho de 2017|língua=en}}</ref> e {{formatnum:130000}} em 2014).<ref>{{citar web|título=National demographic balance 2014|url=http://www.istat.it/en/archive/162261|publicado=Istat|acessodata=15 de junho de 2017|urlmorta= não|wayb=20170502084016|df=dmy-all}}</ref> Os números oficiais também excluem imigrantes ilegais, que, em 2008, foram estimados em pelo menos {{formatnum:670000}} pessoas.<ref>Elisabeth Rosenthal,{{webarchiveCitar web |url=http://www.boston.com/news/world/europe/articles/2008/05/16/italy_cracks_down_on_illegal_immigration/ |titulo=Cópia arquivada |acessodata=07/06/2018 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20130821061114/http://www.boston.com/news/world/europe/articles/2008/05/16/italy_cracks_down_on_illegal_immigration/# |datearquivodata=21/808/2013 |urlmorta= }}". ''[[The Boston Globe]]''. 16/5/2008.</ref>
 
A partir do início da década de 1980, até então uma sociedade linguisticamente e culturalmente homogênea, a Itália começou a atrair fluxos substanciais de imigrantes estrangeiros.<ref>{{citar livro|último1 =Allen|primeiro1 =Beverly|título=Revisioning Italy national identity and global culture|data=1997|publicado=University of Minnesota Press|local=Minneapolis|isbn=978-0-8166-2727-1|página=169}}</ref> Depois da [[queda do Muro de Berlim]] e, mais recentemente, dos [[Alargamento da União Europeia|alargamentos de 2004 e 2007]] da [[União Europeia]], grandes ondas de migração se originaram dos antigos [[países socialistas]] da [[Europa Oriental]] (especialmente [[Romênia]], [[Albânia]], [[Ucrânia]] e [[Polônia]]), mas também de países da [[Ásia]], como a [[China]].<ref>{{citar jornal|url=http://news.bbc.co.uk/2/hi/europe/6550725.stm|título=Milan police in Chinatown clash|último =Willey|primeiro =David|data=13 de abril de 2007|jornal=[[BBC News]]|acessodata=28 de agosto de 2013}}</ref> Atualmente, cerca de um milhão de cidadãos [[romenos]] (cerca de 10% dos quais pertencentes à etnia [[Ciganos|cigana]])<ref>"EUROPE: Home to Roma, And No Place for Them". [[Inter Press Service|IPS]] ipsnews.net. {{webarchiveCitar web |url=http://www.ipsnews.net/news.asp?idnews=42404 |titulo=Cópia arquivada |acessodata=7 de junho de 2018 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20120305064429/http://www.ipsnews.net/news.asp?idnews=42404# |datearquivodata=5 de março de 2012 |urlmorta=yes }}</ref> estão oficialmente registados como residentes em Itália, representando assim o mais importante país de origem, seguido por [[albaneses]] e [[marroquinos]] com cerca de {{formatnum:500000}} pessoas cada. O número de romenos não registrados é difícil de estimar, mas a Rede de Relatórios Investigativos dos Bálcãs sugeriu em 2007 que talvez houvesse meio milhão de pessoas ou mais.<ref>{{citar web|url=http://www.birn.eu.com/en/111/15/5745/ |arquivourl=https://web.archive.org/web/20081029110649/http://www.birn.eu.com/en/111/15/5745/ |urlmorta= sim|arquivodata=29 de outubro de 2008 |título=Balkan Investigative Reporting Network |publicado=Birn.eu.com |data=8 de novembro de 2007 |acessodata=4 de novembro de 2008 }}</ref>
 
=== Idioma ===
O [[Catolicismo Romano]] é a maior religião do país e embora a [[Igreja Católica]] não seja mais a [[religião oficial do estado]]. 87,8% dos italianos identificam-se como católicos romanos.<ref>{{Citar web |url=http://www.corriere.it/Primo_Piano/Cronache/2006/01_Gennaio/17/cattolici.shtml |título=Italia, quasi l'88% si proclama cattolico |língua= |autor= |obra= |data=31/5/2018 |acessodata=}}</ref> Contudo apenas um terço descrevem-se como membros ativos (36,8%). A sede mundial da Igreja Católica situa-se no [[Vaticano]] desde o {{séc|III}}, quando o bispo de Roma passou a ser considerado bispo supremo e recebeu o título "[[papa]]".<ref>{{citar web |url=https://www.britannica.com/place/Vatican-City |titulo=Vatican City|obra=Encyclopædia Britannica|acessodata=31/5/2018}}</ref>
 
Historicamente, a Igreja exerceu grande influência na vida política e social dos italianos. Embora continue influente, nos últimos anos, com o aumento da [[secularização]], a religião vem perdendo força na Itália, como em outros países desenvolvidos. Em pesquisa de 2012, 73% dos italianos se disseram religiosos, 15% não religiosos, 8% [[Ateísmo|ateus]] convictos e 4% não responderam.<ref>{{citar web |url=http://www.wingia.com/web/files/news/14/file/14.pdf |titulo= Global index of religiosity and atheism|wayb=20170114073001|datali=junho de 2018|ano=2012|acessodata=12/6/2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20131021065544/http://www.wingia.com/web/files/news/14/file/14.pdf#|arquivodata=21/10/2013|urlmorta=yes}}</ref> Apenas 25% dos católicos italianos dizem que a religião "é muito importante" e 31% dizem que rezam todos os dias, embora 95% da população em 2010 fosse batizada na igreja.<ref>[http://www.pewforum.org/2013/03/05/during-benedicts-papacy-religious-observance-among-catholics-in-europe-remained-low-but-stable/ During Benedict’s Papacy, Religious Observance Among Catholics in Europe Remained Low but Stable]. Acessado em 12/6/2018</ref> Apesar de cerca de 30% da população italiana afirmar que comparece à missa todos os domingos, uma pesquisa mostrou que o comparecimento real é de apenas 18,5%.<ref>{{citar web |url=http://www.paulopes.com.br/2012/06/pesquisa-mostra-como-italia-caminha.html#.UuA-QdJTut9 |titulo=Pesquisa mostra como a Itália caminha para secularização|editor=La Stampa |autor=Andrea Tornielli|data=21/6/2012|acessodata=12/6/2018}}</ref>
{{Religião na Itália}}
 
Outros grupos [[Cristianismo|cristãos]] na Itália incluem mais de 700 000 [[Cristianismo Ortodoxo|cristãos ortodoxos]],<ref>{{Citar web |url=http://www.ortodossia.it/it.html |título=Sacra Arcidiocesi Ortodossa d'Italia e Malta ed Esarcato per l'Europa Meridionale|língua=it|wayb=20070525093837|ligação inativa=março de 2017|acessodata=2 de outubro de 2008|arquivourl=https://web.archive.org/web/20070829062251/http://www.ortodossia.it/it.html#|arquivodata=29 de agosto de 2007|urlmorta=yes}}</ref> incluindo 470 000 imigrantes,<ref name="caritas">{{citar web|url=http://www.db.caritas.glauco.it/caritas/dati/news/2004-05/25/Scheda.pdf|wayb=20090304005600|ligação inativa=março de 2017|título=Le religioni degli immigrati all’inizio del 2004:bgli effetti della regolarizzazione|página=3|páginas=5|acessodata=2 de outubro de 2008|arquivourl=https://web.archive.org/web/20080819193223/http://www.db.caritas.glauco.it/caritas/dati/news/2004-05/25/Scheda.pdf#|arquivodata=19 de agosto de 2008|urlmorta=yes}}</ref> e por volta de 180 000 [[Igreja Ortodoxa Grega|gregos ortodoxos]], 550 000 [[Igreja Pentecostal|pentecostais]] e [[Evangelicalismo|evangélico]]s (0,8%) (dos quais 400 000 são membros da [[Assembleias de Deus na Itália|Assembleia de Deus da Itália]]), 245 657 [[Testemunhas de Jeová]] (0,4%),<ref>{{Citar web |url=http://www.cesnur.org/religioni_italia/t/testimoni_geova_02.htm |título=Le religioni in Italia: I Testimoni di Geova: }}</ref> e 104 000 de outras religiões.<ref>{{Citar web |url=http://www.chiesavaldese.org/pages/storia/dove_viviamo.php |título=Chiesa Evangelica Valdese - Unione delle chiese Metodiste e Valdesi: |acessodata=2 de outubro de 2008 |arquivourl=https://archive.is/20120724023747/http://www.chiesavaldese.org/pages/storia/dove_viviamo.php# |arquivodata=24 de julho de 2012 |urlmorta=yes }}</ref>
 
A minoria religiosa mais antiga do país é comunidade [[Judaísmo|judaica]], que compreende por volta de {{formatnum:28400}} pessoas,<ref>{{citar web |url=http://www.eurojewcong.org/communities/italy.html|wayb=20160311191155|datali=junho de 2018|titulo=The jewish community of Italy |editor=Europena Jewish Congress |acessodata=12/6/2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20130313095857/http://www.eurojewcong.org/communities/italy.html#|arquivodata=13/03/2013|urlmorta=yes}}</ref> mas não é mais o maior grupo não-cristão da Itália. Como resultado da significante imigração de outras partes do mundo, {{formatnum:825000}} [[muçulmanos]] (1,4% da população total) moram no país,<ref>{{Citar web |url=http://news.bbc.co.uk/2/hi/europe/4385768.stm |publicado=BBC News |obra=Europa |titulo=Muslims in Europe: Country guide |língua=en|acessodata=12/6/2018}}</ref> mas apenas {{formatnum:50000}} são [[Nacionalidade italiana|cidadãos italianos]]. Há também {{formatnum:110000}} [[Budismo|budistas]] (0,2%),<ref name="caritas"/><ref>{{Citar web |url=http://www.buddhismo.it/ente.htm |título=Unione Buddhista Italiana: l'Ente|acessodata=12/6/2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20070404034319/http://www.buddhismo.it/ente.htm#|arquivodata=04/04/2007|urlmorta=yes}}</ref><ref>{{Citar web |url=http://www.sgi-italia.org/ |título=Istituto Buddista Italiano Soka Gakkai|acessodata=12/6/2018}}</ref> {{formatnum:70000}} [[Siquismo|siques]],<ref>{{Citar web |url=http://www.etnomedia.org/14.htm |título=Etnomedia|acessodata=12/6/2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20090621064338/http://www.etnomedia.org/14.htm#|arquivodata=21/06/2009|urlmorta=yes}}</ref> e {{formatnum:70000}} [[Hinduísmo|hindus]] (0,1%).<ref name=EBdemog/>
 
=== Cidades mais populosas ===
A Itália tem uma economia de mercado caracterizada por um elevado [[PIB]] ''per capita'' e taxas de [[desemprego]] baixas. Em 2010, era a [[Lista de países por PIB nominal|oitava maior economia do mundo]] e a quarta maior da [[Europa]] em termos de PIB nominal.<ref>[http://siteresources.worldbank.org/DATASTATISTICS/Resources/GDP.pdf Estatísticas]. [[Banco Mundial]]. Acessado em 16/2/2012</ref> Por [[paridade do poder de compra]] (PPC), o país possui o [[Lista de países por PIB (Paridade do Poder de Compra)|décimo maior PIB do mundo]] e o quinto maior da Europa.<ref>[http://siteresources.worldbank.org/DATASTATISTICS/Resources/GDP_PPP.pdf Estatísticas PPC]. Banco Mundial. Acessado em 16/2/2012</ref>
 
Após a [[Segunda Guerra Mundial]], a Itália foi rapidamente transformada de uma economia baseada na [[agricultura]] para um dos países mais [[Indústria|industrializados]] do mundo<ref>{{Citar web |url=http://www.careersineurope.hobsons.com/country_italy.aspx |título=Hobsons Careers in Europe &#124; Country profiles |publicado=Careersineurope.hobsons.com |acessodata=2/8/2010 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20100225143346/http://www.careersineurope.hobsons.com/country_italy.aspx# |arquivodata=25/02/2010 |urlmorta=yes }}</ref> e um país líder em [[Comércio internacional|comércio mundial e exportações]]. É um [[país desenvolvido]], com a oitava [[Índice de qualidade de vida|melhor qualidade de vida]] do mundo<ref name="economist.com"/> e o 23º melhor [[Índice de Desenvolvimento Humano]] (IDH).<ref name="IDH"/> Apesar da [[Crise econômica de 2008-2011|recente crise econômica global]], o [[Lista de países por PIB (Paridade do Poder de Compra) per capita|PIB ''per capita'' italiano em PPC]] mantém-se aproximadamente igual à média da [[União Europeia]] (UE),<ref>{{Citar web|url=http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_PUBLIC/2-25062009-BP/EN/2-25062009-BP-EN.PDF|título=GDP per capita in PPS|publicado=Eurostat|acessodata=25/6/2009|arquivourl=https://web.archive.org/web/20090711153813/http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_PUBLIC/2-25062009-BP/EN/2-25062009-BP-EN.PDF#|arquivodata=11/07/2009|urlmorta=yes}}</ref> enquanto a taxa de [[desemprego]] (8,5%) se destaca como uma das mais baixas da UE.<ref>{{citar web |url=http://tg24.sky.it/tg24/economia/2010/06/14/ocse_tasso_disoccupazione_invariato_1.html |titulo=Ocse, tasso di disoccupazione stabile nell'eurozona |obra=Sky TG24 |data=14/6/2010 |acessodata=12/6/2018}}</ref> O país é bem conhecido por seu setor de negócios econômicos influente e inovador,<ref name=devp3>{{Citar web|url=http://dev.prenhall.com/divisions/hss/worldreference/IT/economics.html |título=Italy – Economics |publicado=Dev.prenhall.com |acessodata=2/8/2010}}</ref> um setor trabalhista e agrícola competitivo<ref name=devp3/> (a Itália é o maior produtor mundial de vinho)<ref name="Vinho">{{citar jornal|último =Pisa|primeiro =Nick|título=Italy overtakes France to become world's largest wine producer|url=http://www.telegraph.co.uk/foodanddrink/wine/8571222/Italy-overtakes-France-to-become-worlds-largest-wine-producer.html|acessodata=17/8/2011|jornal=The Telegraph|data=12/6/2011}}</ref> e por seus automóveis, indústria, eletrodomésticos e ''design'' de moda de alta qualidade.<ref name=devp3/>
 
A Itália tem um número menor de empresas multinacionais globais quando comparada a outras economias de tamanho similar, mas há um grande número de pequenas e médias empresas, notoriamente agrupadas em vários distritos industriais, que são a espinha dorsal da indústria italiana. Isso produziu um setor industrial focado principalmente na exportação de [[nicho de mercado]] e produtos de [[luxo]], que, se por um lado é menos capaz de competir em quantidade, do outro é mais capaz de enfrentar a concorrência da [[República Popular da China|China]] e de outras economias emergentes da [[Ásia]] com base em custos laborais mais baixos e com produtos de maior qualidade.<ref>{{citar jornal|url=http://web.worldbank.org/WBSITE/EXTERNAL/COUNTRIES/ECAEXT/0,,contentMDK:21808326~menuPK:258604~pagePK:2865106~piPK:2865128~theSitePK:258599,00.html|título=Knowledge Economy Forum 2008: Innovative Small And Medium Enterprises Are Key To Europe & Central Asian Growth|publicadopor=The World Bank|data=19/5/2005|acessodata= 17/6/2008}}</ref> Em 2009, o país era o [[Lista de países por exportações|sétimo maior exportador do mundo]].<ref>{{Citar web|url=http://www.wto.org/english/news_e/pres10_e/pr598_e.htm |título=2010 Press Releases – Trade to expand by 9.5% in 2010 after a dismal 2009, WTO reports – Press/598 |publicado=WTO|acessodata=30/5/2011}}</ref> Existem fortes laços comerciais da Itália com outros países da [[União Europeia]], com quem realiza cerca de 59% seu comércio total. Seus maiores parceiros comerciais da UE, em termos de [[quota de mercado]], são a [[Alemanha]] (12,9%), [[França]] (11,4%) e [[Espanha]] (7,4%).<ref name="cia.gov">{{Citar web|url=https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/it.html |título=CIA – The World Factbook |publicado=[[CIA]]|acessodata=26/1/2011}}</ref> Finalmente, o turismo é um dos setores de maior crescimento e rentabilidade da economia nacional: com 43,6 milhões de chegadas de turistas internacionais e receitas totais estimadas em {{Tooltip num|38.8|1 000 000 000|bilhões|9|38800000000}} de dólares em 2010, a Itália é ao mesmo tempo o quinto país mais visitado e que mais lucra com o turismo no mundo.<ref>[http://mkt.unwto.org/sites/all/files/docpdf/unwtohighlights11enhr_1.pdf Estimativas]. [[Organização Mundial de Turismo]]. Acessado em 16/2/2012.</ref>
[[Imagem:Canal_Grande_Chiesa_della_Salute_e_Dogana_dal_ponte_dell_Accademia.jpg|thumb|[[Veneza]], construída sobre 117 ilhas. A Itália recebe 37 milhões de turistas anualmente.<ref name="Turismo"/>]]
 
Apesar dessas importantes conquistas, a [[Economia da Itália|economia italiana]] hoje sofre de muitos e relevantes problemas. Depois de um forte crescimento do [[PIB]], entre 5 e 6% ao ano, da década de 1950 aos anos 1970<ref>{{citar livro|autor = Nicholas Crafts, Gianni Toniolo |título= Economic growth in Europe since 1945 |publicadopor= Cambridge University Press |ano= 1996 |local= |página= 428 | isbn = 0-521-49627-6}}</ref> e um abrandamento progressivo nas décadas de 1980 e 1990, as taxas médias de crescimento anual da Itália tiveram uma performance ruim, de 1,23%, em comparação com uma média taxa de crescimento anual de 2,28% em toda a UE.<ref>{{Citar web|url=http://epp.eurostat.ec.europa.eu/tgm/table.do?tab=table&init=1&plugin=1&language=en&pcode=tsieb020 |título=Real GDP growth rate – Growth rate of GDP volume – percentage change on previous year|autor=[[Eurostat]]|acessodata=10/5/2009}}</ref> Diante da [[estagnação econômica]], os esforços do governo para reavivar a economia através de maciços [[gastos públicos]] a partir dos anos 1980, geraram um forte aumento da [[dívida pública]]. De acordo com estatísticas do [[Eurostat]], a dívida pública italiana ficou em 116% do PIB em 2010 — a segunda maior relação dívida/PIB, somente superada pela [[Grécia]], com 126,8%.<ref>{{Citar web |url=http://www.europolitics.info/economy-monetary-affairs/deficits-increase-in-eurozone-and-eu-artb287086-50.html |título=Europolitics |publicado=Europolitics.info |acessodata=26/1/2011 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20110501045213/http://www.europolitics.info/economy-monetary-affairs/deficits-increase-in-eurozone-and-eu-artb287086-50.html# |arquivodata=01/05/2011 |urlmorta=yes }}</ref>
 
No entanto, a maior fatia da dívida pública italiana é de propriedade de italianos, o que é uma grande diferença entre a Itália e a Grécia.<ref>{{Citar web |url=http://www.cnbc.com/id/37207942/Could_Italy_Be_Better_Off_than_its_Peers |título=Could Italy Be Better Off than its Peers? |publicado=CNBC |data=18/5/2010 |acessodata=30/5/2011 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20110430030613/http://www.cnbc.com/id/37207942/Could_Italy_Be_Better_Off_than_its_Peers# |arquivodata=30/04/2011 |urlmorta=yes }}</ref> Além disso, os padrões de vida dos italianos também têm uma considerável desigualdade entre as regiões [[Geografia da Itália|norte]] e [[Mezzogiorno|sul do país]]. A média do PIB per capita no norte excede em muito a média da União Europeia, enquanto que muitas regiões do sul italiana têm uma renda dramaticamente baixa.<ref name="europa.eu" >{{Citar web|url=http://europa.eu/rapid/pressReleasesAction.do?reference=STAT/09/23&format=HTML&aged=0&language=EN&guiLanguage=en |título=EUROPA – Press Releases – Regional GDP per inhabitant in the EU27, GDP per inhabitant in 2006 ranged from 25% of the EU27 average in Nord-Est in Romania to 336% in Inner London |publicado=Europa |data=19/2/2009 |acessodata=30/10/2010}}</ref> A Itália tem sido muitas vezes referida o "''[[homem doente da Europa]]''",<ref>{{citar jornal|url=http://www.economist.com/opinion/displaystory.cfm?story_id=3987219|título=The real sick man of Europe|publicadopor=The Economist|data=19/5/2005|acessodata= 10/5/2009}}</ref> caracterizado pela estagnação econômica, instabilidade política e problemas em realizar programas de reforma.<ref>{{citar jornal|url=http://www.telegraph.co.uk/comment/3557277/Italy-The-sick-man-of-Europe.html|título=Italy: The sick man of Europe|publicadopor=The Daily Telegraph|data=29/12/2008|acessodata= 10/5/2009|local=Londres}}</ref>
 
Mais especificamente, a Itália sofre de deficiências estruturais, devido à sua conformação geográfica e a falta de [[Matéria-prima|matérias-primas]] e recursos energéticos: em 2006 o país importou mais de 86% do seu consumo total de energia (99,7% dos combustíveis sólidos, 92,5% de petróleo, 91,2% de gás natural e 15% da electricidade).<ref>{{citar jornal|url=http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_OFFPUB/KS-DK-08-001/EN/KS-DK-08-001-EN.PDF|título=Energy, transport and environment indicators|autor =[[Eurostat]]|acessodata=10/5/2009}}</ref><ref>{{citar jornal|url=http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_OFFPUB/KS-GH-09-001/EN/KS-GH-09-001-EN.PDF|título=Panorama of energy|autor =[[Eurostat]]|acessodata= 10/5/2009}}</ref> A economia italiana está enfraquecida pela falta de desenvolvimento da infraestrutura, reformas de mercado e investimento em pesquisa, além de um também elevado [[déficit público]].<ref name=devp3/> No [[Índice de Liberdade Econômica]] de 2008, o país ocupou o 64º lugar no mundo e o 29º na [[Europa]], a classificação mais baixa da [[zona euro]]. A Itália ainda recebe a ajuda ao desenvolvimento da União Europeia a cada ano. Entre 2000 e 2006, a Itália recebeu 27,4 bilhões de [[euro]]s da UE.<ref>{{Citar web|url=http://ec.europa.eu/regional_policy/sources/docgener/informat/country2009/it_en.pdf |título=European Cohesion Policy in Italy |formato=PDF|acessodata=30/10/2010}}</ref>
 
O país tem uma burocracia estatal ineficiente, baixa proteção aos direitos de propriedade e altos níveis de [[corrupção política]], além de uma tributação pesada e gastos públicos que em 2008 representavam cerca da metade do PIB nacional.<ref name="economicfreedom" >{{Citar web |url=http://www.heritage.org/research/features/index/country.cfm?ID=Italy |wayb=20080503060552 |título=Índice de Liberdade Econômica |publicado=[[Heritage Foundation]] |acessodata=4/11/2008 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20081104144657/http://www.heritage.org/research/features/index/country.cfm?id=Italy# |arquivodata=04/11/2008 |urlmorta=yes }}</ref> Além disso, os gastos do país em [[pesquisa e desenvolvimento]] (P&D) em 2006 foram equivalentes a 1,14% do PIB, abaixo da média da UE de 1,84% e do alvo [[Estratégia de Lisboa]] de dedicar 3% do PIB para atividades de P&D.<ref>{{Citar web|url=http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_OFFPUB/KS-SF-08-091/EN/KS-SF-08-091-EN.PDF|título=R&D Expenditure and Personnel|autor=[[Eurostat]]|acessodata=10/5/2009|arquivourl=https://web.archive.org/web/20090619173410/http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_OFFPUB/KS-SF-08-091/EN/KS-SF-08-091-EN.PDF#|arquivodata=19/06/2009|urlmorta=yes}}</ref> De acordo com um relatório de 2007 dos ''Confesercenti'', uma associação empresarial importante na Itália, o [[Máfia|crime organizado na Itália]] representava o "maior segmento da economia italiana", respondendo por 90 bilhões de&nbsp;€ em receitas e 7% do PIB da Itália.<ref name="mafia-7">{{citar jornal|título= Mafia crime is 7% of GDP in Italy, group reports |primeiro = Peter |último = Kiefer |data= 22/10/2007 |obra= [[New York Times]] | url= http://www.nytimes.com/2007/10/22/world/europe/22iht-italy.4.8001812.html}}</ref>
 
=== Turismo ===
O turismo também é muito importante para a economia italiana: com mais de 37 milhões de turistas por ano em 2004, a Itália é [[Turismo#Os principais destinos no mundo|classificada]] como o quinto principal destino turístico do mundo.<ref name="Turismo">{{citar web|url=http://www.world-tourism.org/facts/eng/pdf/highlights/2005_eng_high.pdf|titulo=Recibos Internacionais de Turismo|formato=PDF|obra=UNWTO Destaques do Turismo, Edição 2005|páginas=12|publicado=[[Organização Mundial do Turismo]]|acessodata=24/05/2006|arquivourl=https://web.archive.org/web/20070702200433/http://www.world-tourism.org/facts/eng/pdf/highlights/2005_eng_high.pdf#|arquivodata=02/07/2007|urlmorta=yes}}</ref> Em 2006, [[Roma]] era a terceira [[cidade]] mais visitada da [[União Europeia]],<ref>{{Citar web|url=http://www.euromonitor.com/Top_150_City_Destinations_London_Leads_the_Way |título=Top 150 City Destinations London Leads the Way > Euromonitor archive |publicado=Euromonitor.com |data=2007-10-11 |acessodata=2009-10-27}}</ref> sendo constantemente considerada como uma das mais belas cidades antigas do mundo.<ref>{{Citar web|url=http://webecoist.com/2009/06/03/10-of-the-worlds-most-beautiful-ancient-cities/ |título=10 of the World's Most Beautiful Ancient Cities &#124; WebEcoist &#124; Green Living |publicado=WebEcoist|acessodata=2009-10-27}}</ref> [[Veneza]] também é considerada a cidade mais bonita do mundo, segundo o ''[[New York Times]]'', que descreve a cidade como ''"sem dúvida a mais bela cidade construída pelo homem"''.<ref>{{citar jornal|último =Barzini |primeiro =Luigi |url=http://www.nytimes.com/1982/05/30/books/the-most-beautiful-city-in-the-world.html?sec=&spon=&pagewanted=2 |título=The Most Beautiful City In The World - New York Times |publicadopor=Nytimes.com |data=1982-05-30 |acessodata=2009-10-27}}</ref> O país também foi classificado com tendo a sexta melhor reputação internacional de 2009.<ref>[http://www.nation-branding.info/2009/10/07/nation-brands-index-2009/ Nation Branding » Nation Brands Index 2009]</ref>
 
== Infraestrutura ==
=== Transportes ===
[[Imagem:Elettrotreno_ETR.400.jpg|thumb|esquerda|O [[Frecciarossa 1000]] da [[Ferrovie dello Stato|FS]] chega a 400&nbsp;km/h<ref>{{citar web|título=Frecciarossa 1000 in Figures|url=http://www.fsitaliane.it/fsi-en/GROUP/Safety-and-Technology/Frecciarossa1000:-the-train-of-the-future/Frecciarossa-1000-in-Figures|publicado=Ferrovie dello Stato Italiane|acessodata=24/11/2014|urlmorta= simyes|wayb=20141218192603|df=dmy-all|arquivourl=https://web.archive.org/web/20141218192603/http://www.fsitaliane.it/fsi-en/GROUP/Safety-and-Technology/Frecciarossa1000%3A-the-train-of-the-future/Frecciarossa-1000-in-Figures#|arquivodata=18/12/2014}}</ref> e é o trem mais rápido da [[União Europeia]].<ref>{{citar web|url=http://www.railway-technology.com/projects/frecciarossa-1000-very-high-speed-train/ |título=Frecciarossa 1000 Very High-Speed Train |publicado=Railway Technology |data= |acessodata=2016/05/05}}</ref>]]
 
Em 2004 o setor de transporte na Itália gerou um valor de negócios de {{Tooltip num|119.4|1 000 000 000|bilhões|9|119400000000}} de euros, empregando {{formatnum:935500}} pessoas em {{formatnum:153700}} empresas. Com relação a rede nacional de estradas, haviam {{fmtn|668721|km}} de rodovias utilizáveis na Itália, incluindo {{fmtn|6487|km}} de autoestradas,<ref>{{Citar web |url=http://www.autostrade.it/en/index.html |título=Autostrade per l'Italia SpA |acessodata=2 de outubro de 2008 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20050312011423/http://www.autostrade.it/en/index.html# |arquivodata=12 de março de 2005 |urlmorta=yes }}</ref> possuídas pelo estado italiano mas operados pela empresa privada da [[Atlantia (empresa)|Atlantia]]. Em 2005, havia na Itália cerca de {{formatnum:34667000}} [[automóvel|carros de passageiros]] (590 carros por {{formatnum:1000}} pessoas).<ref name="European Commission">{{citar web|url=http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_OFFPUB/KS-DA-07-001/EN/KS-DA-07-001-EN.PDF|título=Panorama of Transport|formato=PDF|autor=[[Comissão Europeia]]|acessodata=3/5/2009|urlmorta=simyes|wayb=20090407142402|df=dmy-all|arquivourl=https://web.archive.org/web/20090407142402/http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_OFFPUB/KS-DA-07-001/EN/KS-DA-07-001-EN.PDF#|arquivodata=07/04/2009}}</ref>
 
As [[transporte ferroviário|linhas férreas]] na Itália totalizam {{fmtn|16627|km}}, a 17ª maior rede ferroviária do mundo, e são operadas pela [[Ferrovie dello Stato]]. [[Trem de alta velocidade|trens de alta velocidade]] incluem os da classe [[ElettroTreno|ETR]], dos quais o {{lknb|ETR|500}} viaja a 300&nbsp;km/h. Em 1991, a [[Treno Alta Velocità|Treno Alta Velocità SpA]] (TAV) foi criada, uma [[sociedade de propósito específico]] pertencente à [[Rete Ferroviaria Italiana|RFI]] (controlada pela Ferrovie dello Stato) para o planejamento e construção de linhas para [[trem de alta velocidade]] ao longo das linhas mais importantes e saturadas da Itália. O objetivo da construção do TAV é de melhorar a viagem ao longo das linhas ferroviárias mais saturadas da Itália e adicionar novos trilhos a estas linhas, notadamente nos eixos [[Milão]]-[[Nápoles]] e [[Turim]]-Milão-[[Veneza]].<ref name="European Commission2">{{citar web|url=http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_OFFPUB/KS-DA-07-001/EN/KS-DA-07-001-EN.PDF|título=Panorama of Transport|formato=PDF|autor =[[Comissão Europeia]]|acessodata=3/5/2009|arquivourl=https://web.archive.org/web/20090407142402/http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_OFFPUB/KS-DA-07-001/EN/KS-DA-07-001-EN.PDF#|arquivodata=07/04/2009|urlmorta=yes}}</ref>
 
Existem cerca de 133 aeroportos na Itália, incluindo os dois ''[[Hub (aviação comercial)|hubs]]'' de [[Aeroporto Internacional de Malpensa|Malpensa Internacional]] (perto de Milão) e o [[Aeroporto Leonardo da Vinci|Internacional Leonardo Da Vinci-Fiumicino]] (perto de Roma).<ref name="European Commission"/> O país tem 27 grandes [[Porto (transporte)|portos]], sendo o maior em [[Gênova]], que também é o segundo maior do [[mar Mediterrâneo]], depois de [[Marselha]]. {{fmtn|2400|km}} de hidrovias passam pela Itália.<ref name="European Commission"/>
A educação na Itália é gratuita e obrigatória entre os 6 e 16 anos de idade<ref>{{citar web|url=http://www.camera.it/parlam/leggi/06296l.htm |título=Law 27 December 2007, n.296|publicadopor=Italian Parliament|acessodata=30/9/2012}}</ref> e consiste em cinco fases: [[ensino infantil]] (''dell'infanzia scuola''), [[escola primária]] (''scuola primaria''), [[ensino secundário]] de primeiro grau (''scuola secondaria di primo grado''), ensino secundário de segundo grau (''scuola secondaria di secondo grado'') e universidade (''Università'').<ref>{{citar web|url=http://hdr.undp.org/en/media/HDR_20072008_EN_Complete.pdf |título=&#124; Human Development Reports |publicadopor=Hdr.undp.org|acessodata=18/1/2014}}</ref>
 
A educação primária dura oito anos. Os alunos recebem uma educação básica em [[Língua inglesa|inglês]], [[matemática]], [[ciências naturais]], [[história]], [[geografia]], [[estudos sociais]], [[educação física]] e [[artes visuais]] e musicais. O [[ensino secundário]] tem a duração de cinco anos e inclui três tipos tradicionais de escolas voltadas para diferentes níveis de ensino: o [[liceu]] prepara os alunos para os estudos universitários com um currículo clássico ou científico, enquanto o ''istituto tecnico'' e o ''istituto professionale'' preparam os alunos para o [[ensino profissional]]. No avaliação do [[Programa Internacional de Avaliação de Alunos]] (PISA) de 2012, o ensino secundário italiano foi classificado como ligeiramente abaixo da média da [[OCDE]], mas registava-se uma melhoria forte e constante nas notas de ciências e matemática desde 2003;<ref>{{citar web|título=PISA 2012 Results|url=http://www.oecd.org/pisa/keyfindings/PISA-2012-results-italy.pdf|publicadopor=OECD|acessodata=16/11/2015}}</ref> No entanto, existe uma grande diferença entre as escolas do [[Norte da Itália|Norte]], que tiveram um desempenho significativamente melhor do que a média nacional (entre os melhores do mundo em alguns casos), e as escolas no [[Sul da Itália|Sul]], que tiveram resultados muito mais pobres.<ref>{{citar web|título=The literacy divide: territorial differences in the Italian education system|url=http://new.sis-statistica.org/wp-content/uploads/2013/10/CO09-The-literacy-divide-territorial-differences-in-the-Italian.pdf|publicadopor=Parthenope University of Naples|acessodata=16/11/2015|arquivourl=https://web.archive.org/web/20151117015624/http://new.sis-statistica.org/wp-content/uploads/2013/10/CO09-The-literacy-divide-territorial-differences-in-the-Italian.pdf#|arquivodata=17/11/2015|urlmorta=yes}}</ref>
 
O [[ensino superior]] na Itália é dividido entre as universidades públicas, universidades privadas e as prestigiadas e seletivas escolas de graduação superior, como a [[Escola Normal Superior de Pisa]]. O sistema universitário na Itália é geralmente considerado como pobre para uma potência cultural mundial do nível do país, sem universidades classificadas entre as 100 melhores do mundo e apenas 20 entre as 500 melhores em 2015 no [[Ranking de Xangai]].<ref>{{citar web|url=http://www.shanghairanking.com/ARWU2015.html|título=Academic Ranking of World Universities 2015|publicadopor=Shanghai Ranking Consultancy|data=2015|acessodata=29/10/2015}}</ref> No entanto, em 2015, o governo tinha agendadas grandes reformas e investimentos a fim de melhorar a internacionalização e a qualidade global do sistema.<ref>{{citar jornal|título=Italy’s Budget/4: 500 new university "chairs of excellence" open up to foreign professors and scholars|url=http://www.italy24.ilsole24ore.com/art/government-policies/2015-10-15/italy-s-stability-law-funds-500-new-university-professors-open-to-foreign-candidates--174432.php?uuid=ACDy9uGB|acessodata=16/11/2015|publicadopor=Il Sole 24 Ore Digital Edition}}</ref>
O Estado italiano mantém um sistema de [[saúde pública]] universal desde 1978.<ref name=devp1>{{citar web|url=http://dev.prenhall.com/divisions/hss/worldreference/IT/health.html |título=Italy – Health |publicadopor=Dev.prenhall.com |acessodata=2/8/2010 |urlmorta= sim|wayb=20090701064229}}</ref> No entanto, ele é fornecido a todos os cidadãos e residentes através de um sistema misto público-privado. A parte pública é o ''Servizio Sanitario Nazionale'', que é organizado no âmbito do Ministério da Saúde e administrado numa base regional desconcentrada. As despesas de saúde na Itália foram responsáveis por 9,2% do PIB nacional em 2012, muito próximo da média dos países da [[OCDE]] de 9,3%.<ref name="OECD">{{citar web|url=http://www.oecd.org/els/health-systems/Briefing-Note-ITALY-2014.pdf |título=OECD Health Statistics 2014 How Does Italy Compare? |publicadopor=OECD|ano=2014|arquivodata=19/11/2015}}</ref>
 
Em 2000, o sistema de saúde italiano foi classificado como o segundo melhor do mundo.<ref name=devp1 /><ref name="photius.com">{{citar web|url=http://www.photius.com/rankings/healthranks.html |título=The World Health Organization's ranking of the world's health systems |publicadopor=ΦΩΤΗΣ ΚΟΥΤΣΟΥΚΗΣ (Photius Coutsoukis) |acessodata=27/10/2009}}</ref> A [[expectativa de vida]] na Itália era de 80 anos para os homens e 85 anos para as mulheres em 2007, colocando o país no sexto lugar do mundo em expectativa de vida. Em comparação com outros [[países ocidentais]], a Itália tem uma taxa relativamente baixa de [[obesidade]] adulta (abaixo de 10%<ref name=IOTF2008>{{citar web |url=http://www.iotf.org/database/documents/GlobalPrevalenceofAdultObesity16thDecember08.pdf |arquivourl=httphttps://www.webcitation.org/5lwMsu50m?url=http://www.iotf.org/database/documents/GlobalPrevalenceofAdultObesity16thDecember08.pdf# |arquivodata=11/12/2009 |título=Global Prevalence of Adult Obesity |formato=PDF |publicadopor=International Obesity Taskforce |acessodata=29/1/2008 |urlmorta=no }}</ref>), provavelmente graças aos benefícios de saúde da [[dieta mediterrânica]]. A proporção de [[Tabagismo|fumantes diários]] foi de 22% em 2012, abaixo dos 24,4% em 2000, mas ainda ligeiramente acima da média da OCDE.<ref name="OECD"/> Fumar em locais públicos, incluindo bares, restaurantes, discotecas e escritórios tem sido restrito a quartos especialmente ventilados desde 2005.<ref name="Deutsche Welle 10 01">{{citar jornal| url=http://www.dw-world.de/dw/article/0,,1453590,00.html|título= Smoking Ban Begins in Italy|publicadopor=[[Deutsche Welle]]|data=10/1/2005|acessodata=1/8/2010}}</ref>
 
Em 2013, a [[UNESCO]] acrescentou a [[dieta mediterrânica]] da Itália (promotor), [[Marrocos]], [[Espanha]], [[Portugal]], [[Grécia]], [[Chipre]] e [[Croácia]] à lista do [[Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade]].<ref>{{citar web| url=http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00473 |acessodata=3/4/2014 |título= UNESCO Culture Sector, Eighth Session of the Intergovernmental Committee (8.COM) – from 2 to 7 December 2013}}</ref><ref>{{citar web| url=http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00011&RL=00884 |acessodata=3/4/2014 |título= UNESCO - Culture - Intangible Heritage - Lists & Register - Inscribed Elements - Mediterranean Diet}}</ref>
 
A [[energia nuclear]] na Itália é um tópico controverso. Apesar de ter sido uma das primeiras nações a produzir energia nuclear no início dos anos 1960, todas as [[Central nuclear|usinas nucleares]] foram fechadas em 1990, na sequência de um referendo em 1987 em que a população italiana escolheu se opor a energia nuclear. Uma tentativa para mudar essa decisão ocorreu em 2008 pelo governo, que classificou o fim da produção de energia nuclear como um "grande erro, cujos custos totalizam mais de {{Tooltip num|50|1 000 000 000|bilhões|9|50000000000}} de euros".<ref>{{citar jornal|url= http://www.world-nuclear-news.org/NP_Nuclear_phase_out_a_50_billion_mistake_2010081.html|titulo=Nuclear phase out a '€50 billion mistake'|data= 20/10/2008|acessodata= 21/10/2008 }}
</ref> O Ministro do Desenvolvimento Econômico [[Claudio Scajola]] propôs construir até 10 novos [[Reator nuclear|reatores]], com o objetivo da energia nuclear passar a representar cerca de 25% da demanda de eletricidade da Itália por volta de 2030.<ref>{{citar web|url=http://www.canada.com/calgaryherald/news/calgarybusiness/story.html?id=6c824634-0230-49c8-8f78-08e8dc7690bb|titulo=Italy to build 8–10 nuclear reactors|data= 17/10/2008|acessodata=19/05/2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20160611122414/http://www.canada.com/calgaryherald/news/calgarybusiness/story.html?id=6c824634-0230-49c8-8f78-08e8dc7690bb#|arquivodata=11/06/2016|urlmorta=yes}}</ref> No entanto, o [[Acidente nuclear de Fukushima I|acidente nuclear de Fukushima]] em 2011 levou o governo italiano a declarar uma moratória de um ano nos planos de reutilização da energia nuclear.<ref>{{citar web |url=http://www.businessweek.com/ap/financialnews/D9M504RG0.htm |titulo=Italy puts 1 year moratorium on nuclear|data=23/3/2018}}</ref> Em 11 e 12 de junho de 2011, o povo italiano votou no referendo para cancelar os planos para novos reatores<ref>{{citar web |url= http://referendum.interno.it/referendum/refe110612/RFT0003.htm |titulo=Italy Nuclear Referendum Results|data=13/6/2011|urlmorta=simyes|wayb=20120325171121|acessodata=19/05/2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20120325171121/http://referendum.interno.it/referendum/refe110612/RFT0003.htm#|arquivodata=25/03/2012}}</ref>
 
A Itália tinha uma meta programada pela União Europeia de atingir em 2020 17% de cobertura por [[energia renovável|energias renováveis]] do seu consumo energético total, no entanto excedeu essa porcentagem em 2014, alcançando 17,1%.<ref>{{Cita web|url=http://ec.europa.eu/eurostat/documents/2995521/7155577/8-10022016-AP-EN.pdf/38bf822f-8adf-4e54-b9c6-87b342ead339|titulo=Share of renewables in energy consumption in the EU rose further to 16% in 2014. Eurostat News Release, 10 February 2016.}}</ref> O consumo bruto de energia de fontes renováveis aumentou de 17,36&nbsp;[[Tonelada equivalente de petróleo|tep]] em 2010 para 21,14&nbsp;tep no fim de 2015. A maior parte do crescimento se deu na eletricidade, no qual o setor aumentou em 58,3%. Em 2015, o [[Energia geotérmica|setor termal]] registrou um aumento de 5,7% enquanto que o de [[Transmissão de energia elétrica|transporte]] mostrou uma queda de 16,9%. A hidroeletricidade era o maior contribuinte para a energia renovável, com {{fmtn|18531|MW}} de capacidade instalada.<ref>{{Citar web|url=http://www.gse.it/it/Statistiche/RapportiStatistici/Pagine/default.aspx|título=Rapporti Statistici. Dati preliminari 2015|ano=2016|publicado=Gestore dei servizi energetici. www.gse.it|língua=it|acessodata=11 de junho de 2018|wayb=20160408233933|datali=junho de 2018|arquivourl=https://web.archive.org/web/20171018022905/http://www.gse.it/it/Statistiche/RapportiStatistici/Pagine/default.aspx#|arquivodata=18 de outubro de 2017|urlmorta=yes}}</ref>
 
== Cultura ==
{{Artigo principal|Arte da Itália|Pintura da Itália}}
 
A história das [[artes visuais]] italianas faz parte da história da [[pintura ocidental]]. A [[arte romana]] foi influenciada pela [[Arte da Grécia Antiga|da Grécia Antiga]] e pode, em parte, ser tomada como um descendente da pintura grega antiga. No entanto, a pintura romana tem importantes características únicas; as sobreviventes são [[Muralismo|pinturas murais]], muitas delas das [[Vila (Roma Antiga)|vilas]] da [[Campânia]], no sul da Itália. Essa pintura pode ser agrupada em 4 "estilos" ou períodos principais<ref>{{citar web|url=http://www.art-and-archaeology.com/roman/painting.html |título=Roman Painting |publicado=art-and-archaeology.com |urlmorta= não|wayb=20130726163006|df=dmy-all}}</ref> e pode conter os primeiros exemplos de ''[[trompe-l'oeil]]'', pseudo-perspectiva e paisagem pura.<ref>{{citar web |url=http://www.accd.edu/sac/vat/arthistory/arts1303/Rome4.htm |título=Roman Wall Painting |publicado=accd.edu |urlmorta=simyes |wayb=20070319123717 |acessodata=29 de maio de 2018 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20070319123717/http://www.accd.edu/sac/vat/arthistory/arts1303/Rome4.htm# |arquivodata=19 de março de 2007 }}</ref>
 
A pintura em painel torna-se mais comum durante o [[Arte românica|período românico]], sob a forte influência de [[ícone]]s [[Arte bizantina|bizantinos]]. Em meados do {{séc|XIII}}, a [[arte medieval]] e a [[Arte gótica|pintura gótica]] tornaram-se mais realistas, com o início do interesse na representação de volume e perspectiva na Itália com [[Cimabue]] e, em seguida, seu aluno [[Giotto]]. De Giotto em diante, o tratamento da composição pelos melhores pintores também foi muito mais livre e inovador. Eles são considerados os dois grandes mestres da pintura na [[cultura ocidental]].<ref>{{citar web |url=http://www.howtotalkaboutarthistory.com/reader-questions/why-was-cimabue-so-important/ |titulo=Why was Cimabue so Important? |editor=How To Talk About Art History |data=4/1/2017|acessodata=12/6/2018}}</ref><ref name="Arte">{{citar web |url=https://www.britannica.com/place/Italy/The-arts|titulo=The arts|obra=Encyclopædia Britannica|acessodata=29/5/2018}}</ref>
=== Música ===
{{Artigo principal|Música da Itália}}
[[Imagem:Giacomo Puccini pianoforte.jpg|thumb|[[Giacomo Puccini]], compositor italiano cujas óperas, incluindo ''[[La bohème]]'', ''[[Tosca]]'', ''[[Madama Butterfly]]'' e ''[[Turandot]]'', estão entre as mais frequentemente realizadas em todo o mundo no [[Lista das óperas mais importantes|repertório padrão]].<ref>{{citar web| |url=http://www.operaamerica.org/pressroom/quickfacts2006.html |título=Quick Opera Facts 2007 |publicado=OPERA America |ano=2007 |acessodata=23/4/2007 |wayb=20061001054025 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20061001054025/http://www.operaamerica.org/pressroom/quickfacts2006.html# |arquivodata=01/10/2006 |urlmorta=yes }}</ref><ref>{{citar web| url=http://opera.stanford.edu/misc/Dornic_survey.html |título=An Operatic Survey |publicado=Opera Glass |autor =Alain P. Dornic |ano=1995 |acessodata=23/4/2007 |urlmorta= não|wayb=20070914030020| df=dmy-all}}</ref>]]
[[Imagem:Luciano Pavarotti in Saint Petersburg.jpg|thumb|[[Luciano Pavarotti]], um dos mais famosos [[tenor]]es de todos os tempos]]
 
[[Imagem:Milan Fashion Week 2.jpg|thumb|[[Semana da Moda de Milão]]]]
 
A moda italiana tem uma longa tradição e é considerada uma das mais importantes do mundo. [[Milão]], [[Florença]] e [[Roma]] são as principais [[capitais da moda]] da Itália. De acordo com o Top Global Fashion Rankings 2013 da Global Language Monitor, Roma ficou em sexto lugar no mundo, enquanto Milão estava em décimo segundo lugar.<ref>{{citar web|url=http://www.languagemonitor.com/fashion/sorry-kate-new-york-edges-paris-and-london-in-top-global-fashion-capital-10th-annual-survey/|título=New York Takes Top Global Fashion Capital Title from London, edging past Paris|publicado=Languagemonitor.com|data=|acessodata=25/2/2014|urlmorta= simyes|wayb=20140222011026|df=dmy-all|arquivourl=https://web.archive.org/web/20140222011026/http://www.languagemonitor.com/fashion/sorry-kate-new-york-edges-paris-and-london-in-top-global-fashion-capital-10th-annual-survey/#|arquivodata=22/02/2014}}</ref> As grandes [[Marca|grifes]] italianas, como [[Gucci]], [[Armani]], [[Prada]], [[Versace]], [[Valentino (empresa)|Valentino]], [[Dolce & Gabbana]], [[Missoni]], [[Fendi]], [[Moschino]], [[Max Mara]], [[Trussardi]] e [[Ferragamo]], para citar algumas, são consideradas das melhores casas de moda do mundo. Além disso, a ''[[Vogue (revista)|Vogue Italia]]'' é considerada uma das mais conceituadas revistas de moda do mundo.<ref>{{citar periódico| url = https://books.google.com/?id=pkeaOOxb_isC&pg=PA16#v=onepage&q=&f=false |título= Your Modeling Career: You Don't Have to Be a Superstar to Succeed | isbn = 978-1-58115-045-2 |primeiro =Debbie |último = Press |ano= 2000}}</ref>
 
A Itália também é proeminente no campo do ''[[design]]'', notavelmente [[design de interiores]], design arquitetônico, [[design industrial]] e [[design urbano]]. O país produziu alguns renomados designers de móveis, como [[Gio Ponti]] e [[Ettore Sottsass]], e frases em italiano como "Bel Disegno" e "Linea Italiana" entraram no vocabulário do ''design'' de móveis.<ref>{{citar web |url=https://books.google.com.br/books?id=2AIso3ujCqkC&pg=PA191&lpg=PA191&dq=bel+Disegno%22+e+%22Linea+Italiana&source=bl&ots=wrBCeiAjcn&sig=7iCATRmDyrSm8CuaPJ9BuN09J48&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjC2_rSh87bAhUGkJAKHUW3AkYQ6AEIOjAG#v=onepage&q=bel%20Disegno%22%20e%20%22Linea%20Italiana&f=false |titulo=Twentieth Century Design |autor= Jonathan M. Woodham |data=1997 |acessodata=12/6/2018}}</ref> Exemplos de peças clássicas de móveis e móveis brancos italianos incluem as máquinas de lavar e geladeiras da [[Zanussi]],<ref name="Insight Guides 2004 p.220">Insight Guides (2004) p.220</ref> os sofás "New Tone" da [[Atrium]]<ref name="Insight Guides 2004 p.220"/> e a estante pós-moderna de [[Ettore Sottsass]], inspirada na música "Stuck Inside of Mobile with the Memphis Blues Again", de [[Bob Dylan]].<ref name="Insight Guides 2004 p.220"/> Hoje, Milão e [[Turim]] são líderes do país em design arquitetônico e design industrial. A cidade de Milão recebe a [[Fiera Milano]], a maior feira de design da Europa.<ref name="wiley.com">{{citar web|url=http://www.wiley.com/WileyCDA/WileyTitle/productCd-0470026839.html |título=Design City Milan |publicado=Wiley |acessodata=3/1/2010 |urlmorta= não|wayb=20101206052654|df=dmy-all}}</ref> Milão também hospeda grandes eventos e locais relacionados a design e arquitetura, como o "Fuori Salone" e o Salone del Mobile, além de abrigar os designers [[Bruno Munari]], [[Lucio Fontana]], [[Enrico Castellani]] e [[Piero Manzoni]].<ref>{{citar web |url=http://www.frieze.com/issue/article/milan_turin |título=Frieze Magazine – Archive – Milan and Turin |publicado=Frieze |acessodata=3/1/2010 |urlmorta=yes sim|wayb=20100110123141 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20100110123141/http://www.frieze.com/issue/article/milan_turin# |arquivodata=10/01/2010 }}</ref>
 
=== Culinária ===
[[Imagem:Italian food.JPG|thumb|esquerda|Pratos italianos: [[pizza]] ([[Pizza Margherita|margherita]]); ''[[Massa alimentícia|pasta]]'' ([[carbonara]]); ''[[Café expresso|espresso]]'' e ''[[gelato]]'']]
 
A [[culinária italiana]] se desenvolveu através de séculos de mudanças sociais e políticas, com raízes desde o {{-séc|IV}} A cozinha local, por si só, sofre influências diversas, incluindo de [[etruscos]], [[gregos antigos]], [[romanos antigos]], [[bizantinos]] e [[judeus]].<ref>{{citar web |url=http://www.inmamaskitchen.com/ITALIAN_COOKING/rome_Lazio/Rome_LAZIO.html |título=Italian Cooking: History of Food and Cooking in Rome and Lazio Region, Papal Influence, Jewish Influence, The Essence of Roman Italian Cooking |publicado=Inmamaskitchen.com |acessodata=24/4/2010 |urlmorta=yes sim|wayb=20100410100532 |df=dmy-all |arquivourl=https://web.archive.org/web/20100410100532/http://inmamaskitchen.com/ITALIAN_COOKING/rome_Lazio/Rome_LAZIO.html# |arquivodata=10/04/2010 }}</ref> Mudanças significativas ocorreram com a descoberta do [[Novo Mundo]] com a introdução de itens como [[batata]]s, [[tomate]]s, [[pimentões]] e [[milho]], agora centrais para a culinária italiana, mas não introduzidos em quantidade significativa até o {{séc|XVIII}}.<ref>{{citar web|url=http://www.epicurean.com/articles/making-of-italian-food.html |título=The Making of Italian Food...From the Beginning |publicado=Epicurean.com|acessodata=24/4/2010 |urlmorta= não|wayb=20100327080045|df=dmy-all}}</ref><ref>Del Conte, 11–21.</ref> A comida do país é conhecida por sua diversidade regional,<ref name="Culinária">{{citar web|autor =Related Articles |url=http://www.britannica.com/EBchecked/topic/718430/Italian-cuisine |título=Italian cuisine – Britannica Online Encyclopedia |publicado=Britannica.com |data=2/1/2009 |acessodata=24/4/2010 |urlmorta= não|wayb=20100716014306|df=dmy-all}}</ref><ref>{{citar web |url=http://www.indigoguide.com/italy/food.htm |título=Italian Food – Italy's Regional Dishes & Cuisine |publicado=Indigoguide.com |acessodata=24/4/2010 |urlmorta=yes sim|wayb=20110102020059 |df=dmy-all |arquivourl=https://web.archive.org/web/20110102020059/http://www.indigoguide.com/italy/food.htm# |arquivodata=02/01/2011 }}</ref><ref>{{citar web|url=http://www.rusticocooking.com/regions.htm |título=Regional Italian Cuisine |publicado=Rusticocooking.com|acessodata=24/4/2010 |urlmorta= não|wayb=20100410072851|df=dmy-all}}</ref> abundância de gostos, além de ser conhecida por ser uma das mais populares do mundo,<ref>{{citar web|url=http://travel.cnn.com/explorations/eat/worlds-best-food-cultures-453528 |título=Which country has the best food? |publicado=CNN |data=6/1/2013 |acessodata=14/10/2013 |urlmorta= não|wayb=20130629071154|df=dmy-all}}</ref> exercendo forte influência no exterior.<ref>{{citar web|último =Freeman |primeiro =Nancy |url=http://www.sallybernstein.com/food/cuisines/us/ |título=American Food, Cuisine |publicado=Sallybernstein.com |data=2/3/2007 |acessodata=24/4/2010 |urlmorta= não|wayb=20100418064119|df=dmy-all}}</ref>
 
A [[dieta mediterrânica]] constitui a base da cozinha italiana, rica em [[Massa (alimento)|massas]], [[peixe]], [[fruta]]s e [[vegetais]] e caracterizada pela sua extrema simplicidade e variedade, com muitos pratos com apenas quatro a oito ingredientes.<ref>The Silver Spoon {{ISBN|88-7212-223-6}}, 1997 ed.</ref> Os cozinheiros italianos confiam principalmente na qualidade dos ingredientes e não na preparação elaborada.<ref>Mario Batali Simple Italian Food: Recipes from My Two Villages (1998), {{ISBN|0-609-60300-0}}</ref> Pratos e receitas são muitas vezes derivados da tradição local e familiar, em vez de criados por [[chef]]s. Muitas receitas são ideais para cozinhar em casa, sendo esta uma das principais razões por trás da crescente popularidade mundial da culinária italiana, da [[América]]<ref>{{citar web|título=Most Americans Have Dined Outin the Past Month and, Among Type of Cuisine, American Food is Tops Followed by Italian|url=http://www.harrisinteractive.com/vault/HarrisPoll18-DiningOut_4-3-13.pdf|publicado=Harris interactive|acessodata=31/8/2013|urlmorta= não|wayb=20130520205539|df=dmy-all}}</ref> à [[Ásia]].<ref>{{citar jornal|último =Kazmin|primeiro =Amy|título=A taste for Italian in New Delhi|url=http://www.ft.com/intl/cms/s/0/7ab87234-9214-11e2-851f-00144feabdc0.html#axzz2dZCeLdLg|acessodata=31/8/2013|jornal=[[Financial Times]]|data=26/3/2013}}</ref>
226 962

edições