Diferenças entre edições de "Dialética"

384 bytes adicionados ,  05h05min de 18 de novembro de 2018
(→‎Visões sobre a dialética: Significação errada na aplicação da frase.)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
Com o trabalho, surge a oportunidade de o [[ser humano]] atuar em contraposição à [[natureza]]. O homem faz parte da natureza, mas, com o trabalho, ele vai além. Para Hegel, o trabalho é o conceito chave para compreensão da superação da dialética, atribuindo o verbo suspender (com três significados): negação de uma determinada realidade, conservação de algo essencial dessa realidade e elevação a um nível superior. Mas Marx criticou Hegel, pois Hegel não viveu nessa realidade, mas apenas em sala de aula e bibliotecas, não enxergando problemas como a alienação nesse trabalho.
 
Na ordem, a segunda contradição é justamente essa alienação. O trabalho é a atividade na qual o homem domina as forças naturais, cria a si mesmo, e torna-se seu algoz, na visão Marxista da dialética. Tudo isso devido à divisão do trabalho, [[e da propriedade privada]], segundo Marx, outros pensadores tem outras visões sobre o trabalho e refutam a visão Marxista de trabalho. Mas não são apenas os trabalhadores que foram afetados. A [[burguesia]] também, pela busca do [[lucro]] não consegue ter uma perspectiva totalizante, segundo Marx. A visão Marxista de trabalho e como a burguesia se porta foram duramente criticadas no século seguinte, a própria noção de burguesia é proletáriado em Marx é de certa maneira ultrapassada pela revoluções industriais.
 
== Dialética e totalidade ==
Utilizador anónimo