Abrir menu principal

Alterações

30 bytes removidos, 04h19min de 25 de novembro de 2018
m
traduzindo nome/parâmetro, rm duplicados nas citações, outros ajustes usando script
|água_pc = 0,8
|população_estimada_ano = 2018
|população_estimada = 126 440 000<ref>{{citecitar web|url=http://www.e-stat.go.jp/SG1/estat/GL08020101.do?_toGL08020101_&tstatCode=000001080615&requestSender=search|script-title=ja:最新結果一覧 政府統計の総合窓口 GL08020101|publisherpublicado=Statistics Bureau of Japan|accessdateacessodata=23 de novembro de 2018}}</ref>
|população_estimada_pos = 10
|população_censo_ano =
A [[crise do petróleo de 1973]] também incentivou o uso eficiente da energia, devido à falta no Japão de recursos naturais.<ref>{{citar web | url=http://web.archive.org/web/20080216005103/http://nice.erina.or.jp/en/pdf/C-SEKIYAMA.pdf | título=Japan' international cooperation for energy efficiency & conservation in Asian region | autor= Takeshi Sekiyama | publicado= Energy Conservation Center | data= 2008}}</ref> Questões prioritárias ambientais atuais incluem a [[poluição do ar]] urbano ([[NOx]], partículas em suspensão, substâncias tóxicas), [[gestão integrada de resíduos sólidos]], [[eutrofização]] da água, conservação da natureza, [[Mudança do clima|mudanças climáticas]], gestão de produtos químicos e a cooperação internacional para a conservação do meio ambiente.<ref>{{citar web | url=http://www.oecd.org/dataoecd/0/17/2110905.pdf | título=OECD Environmental Performance Review of Japan | publicado= [[Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico]]}}</ref>
 
Atualmente, o Japão é um dos líderes mundiais no desenvolvimento de novas tecnologias amigas do ambiente. Os [[Automóvel híbrido|veículos híbridos]] da [[Honda]] e da [[Toyota]] foram nomeados para ter a maior economia de combustível e as menores emissões. Isto é devido à [[Alta tecnologia|avançada tecnologia]] em sistemas híbridos, os [[biocombustíveis]], o uso de material mais leve e melhor [[engenharia]].<ref>{{citar web | url=http://www.ucsusa.org/clean_vehicles/vehicles_health/automaker-rankings-2007.html | título=Automaker Rankings 2007: The Environmental Performance of Car Companies }} [[Union of Concerned Scientists]], 10/15/07.</ref>
 
Como signatário do [[Protocolo de Quioto]] e anfitrião da conferência de 1997 que o criou, o Japão é tratado no âmbito de obrigações de reduzir suas emissões de [[dióxido de carbono]] e tomar outras medidas relacionadas como combater as alterações climáticas. A campanha ''[[Cool Biz]]'' introduzida pelo antigo primeiro-ministro [[Junichiro Koizumi]] foi orientada a reduzir o [[consumo de energia]] através da redução da utilização do [[ar condicionado]] nos escritórios do governo. O Japão se prepara para forçar a indústria a fazer grandes cortes nos [[gases do efeito estufa]], tomando a liderança de um país que luta para cumprir suas obrigações do Protocolo de Quioto.<ref>{{citar web |autor=WBCSD |url=http://www.wbcsd.org/plugins/DocSearch/details.asp?type=DocDet&ObjectId=MzAyNzQ |titulo=World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) |publicado=WBCSD |data= |acessodata=20/11/2009 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20090104200639/http://www.wbcsd.org/plugins/DocSearch/details.asp?type=DocDet&ObjectId=MzAyNzQ# |arquivodata=04/01/2009 |urlmorta=yes }}</ref> O país é classificado na 20º posição no mundo no [[Índice de Desempenho Ambiental]] de 2010.<ref>{{citar web|url=http://epi.yale.edu/Countries|titulo=Environmental Performance Index 2010: Country scores|publicado=yale.edu|lingua=inglês|acessodata=1 de agosto de 2010|arquivourl=https://web.archive.org/web/20100413233353/http://epi.yale.edu/Countries/#|arquivodata=13 de abril de 2010|urlmorta=yes}}</ref>
[[Ficheiro:Japan Factory Ship Nisshin Maru Whaling Mother and Calf.jpg|thumb|Uma [[baleia]] e um filhote sendo carregados para dentro de um [[barco-fábrica]], o ''[[Nisshin Maru]]''.]]
 
Em 2010, o país que contribui para o desmatamento fora de seu território, em nações de florestas tropicais, por exemplo, comprometeu-se a reduzir o desmatamento e a degradação ambiental, doando, ao lado de outros países, cerca de 3,5 bilhões de dólares.<ref>{{citar web|url=http://mercadoetico.terra.com.br/arquivo/paises-lancam-parceria-para-preservar-florestas/|titulo=Países lançam parceria para preservar florestas|publicado=Mercado Ético|acessodata=6 de agosto de 2010}}</ref><ref>{{citar web|url=http://pt.mongabay.com/rainforests/0817.htm|titulo=Riquezas em Perigo—Florestas Tropicais Ameaçadas|publicado=Mogabay|acessodata=6 de agosto de 2010}}</ref> Em contrapartida, sua área florestal intacta ou replantada cobre 70% do território nacional, preservação esta comparada apenas aos países escandinavos.<ref>{{citar web|url=http://correiogourmand.com.br/roteiros_internacionais_japao_02_o_pais.htm|titulo=Japão - a terra do Sol nascente|publicado=Caderno Japão|acessodata=6 de agosto de 2010}}{{Ligação inativa|1={{subst:DATA}} }}</ref>
 
A [[caça à baleia no Japão]] em uma escala industrial começou por volta da década de 1890 quando o país começou a participar da indústria moderna da pesca da baleia, na época uma indústria da qual muitos países participavam.<ref>{{citar web |url=http://www.seashepherd.fr/news-and-media/editorial-060627-1.html |título=The Truth about "Traditional" Japanese Whaling |primeiro=Paul |último=Watson |publicado=Sea Shepherd France |data=27 de junho de 2006 |acessodata=29 de agosto de 2018 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20130601115117/http://www.seashepherd.fr/news-and-media/editorial-060627-1.html# |arquivodata=1 de junho de 2013 |urlmorta=yes }}</ref> Estas atividades historicamente se estenderam para fora das águas territoriais japonesas. Durante o século XX, o Japão esteve intensamente envolvido na pesca comercial da baleia. Isto continuou até que a moratória da Comissão Internacional da Pesca da Baleia (IWC) entrasse em efeito em 1986. O Japão, no entanto, continuou a caçar baleias usando a previsão de pesquisa científica no acordo.<ref name="bbc.782697">{{citar jornal|url=http://news.bbc.co.uk/2/hi/science/nature/782697.stm |primeiro =Alex |último =Kirby |título=Whaling ban set to end |publicado=BBC News |data=11 de junho de 2000 }}</ref> A carne dessas baleias caçadas com propósitos científicos é vendida em lojas e restaurantes.<ref>{{citar jornal|url=http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5jXjpaZ912uoeLiMQYgIdg6HsXzTg |título=Anti-whaling activist faces arrest on arrival in Japan |agência=AFP |data=11 de março de 2010 |deadurlurlmorta=yes sim|arquivodata=31/01/2014|arquivourl=http://web.archive.org/web/20140131045439/http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5jXjpaZ912uoeLiMQYgIdg6HsXzTg }}</ref> A prática é uma fonte de conflito entre os países e organizações anti-caça à baleia. Países, cientistas e organizações ambientais contrárias à caça à baleia consideram o programa de pesquisa japonesa como desnecessário e que é uma operação comercial de caça à baleia disfarçada.<ref name="nytimesletter">{{citar web |último1 =Briand |primeiro1 =F |último2 =Colborn |primeiro2 =T |último3 =Dawkins |primeiro3 =R |último4 =Diamond |primeiro4 =J |último5 =Earle |primeiro5 =S |último6 =Gomez |primeiro6 =E |último7 =Guillemin |primeiro7 =R |último8 =Klug |primeiro8 =A |último9 =Konishi |primeiro9 =M |displayauthors =9 |url =http://www.baleinesendirect.net/pdf/whaling-letter_to_NY_Times.pdf |formato =PDF |título =An Open Letter to the Government of Japan on "Scientific Whaling" |obra =New York Times |data =20 de maio de 2002 |deadurl =yes |arquivourl =https://web.archive.org/web/20070819151058/http://www.baleinesendirect.net/pdf/whaling-letter_to_NY_Times.pdf# |arquivodata =19/08/2007 |acessodata =29/08/2018 |urlmorta =yes }}</ref><ref name="timesonline.co.uk">{{citar jornal|último =Larter |primeiro =Paul |título=Australia condemns bloody killing of whale and calf by Japanese fleet |obra=The Times |local=London |data=8 de fevereiro de 2008 |url=http://www.timesonline.co.uk/tol/news/world/asia/article3325580.ece }}</ref><ref name="bloomberg.com">{{citar jornal|último =Biggs |primeiro =Stuart |título=Kyokuyo Joins Maruha to End Whale Meat Sales in Japan |publicado=Bloomberg |data=30 de maio de 2007 |url=http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601101&sid=aPhG1CfyPue0}}</ref><ref>{{citar jornal|url=http://www.time.com/time/world/article/0,8599,1686486,00.html |primeiro =Toko |último =Sekiguchi |título=Why Japan's Whale Hunt Continues |obra=Time |data=20 de novembro de 2007 }}</ref>
 
== Demografia ==
|url=http://www.state.gov/g/drl/rls/irf/2006/71342.htm |titulo=International Religious Freedom Report 2006 |autor=Bureau of Democracy, Human Rights, and Labor |publicado=U.S. Department of State |data=2006-09-15 |acessodata=2007-12-04}}</ref> No entanto, essas estimativas baseiam-se em pessoas com uma associação com um templo, ao invés do número de pessoas que realmente seguem a religião. O professor Robert Kisala da Universidade de Nanzan sugere que apenas 30% da população do país se identifique como pertencente a alguma religião.<ref name=Kisala>{{citar livro |ultimo = Kisala |primeiro = Robert | editor= Robert Wargo|titulo = The Logic Of Nothingness: A Study of Nishida Kitarō |publicado = University of Hawaii Press|ano = 2005|páginas = 3–4 | isbn = 0824822846}}</ref>
 
O [[taoísmo]], o [[confucionismo]] e o [[budismo]] da [[República Popular da China|China]] também têm influenciado as crenças e os costumes japoneses. A religião no Japão tende a ser sincrética por natureza e isso resulta em uma variedade de práticas, tais como pais e filhos celebrando rituais xintoístas, os estudantes rezando antes dos exames, alguns casais celebrando um [[casamento]] em uma [[Igreja (edifício)|igreja]] cristã e funerais sendo realizados em templos budistas. Uma minoria (2.595.397 de pessoas ou 2,04% da população) professam o [[cristianismo]].<ref>{{citar web | url=http://www.bunka.go.jp/english/pdf/chapter_10.pdf | título=Religious Juridical Persons and Administration of Religious Affairs | publicado= [[Agency for Cultural Affairs]] | acessodata= 25 de agosto de 2008}}</ref>
 
Além disso, desde meados do {{séc|XIX}}, numerosas seitas religiosas (''[[Shinshūkyō]]'') surgiram no Japão,<ref>{{citar web|url=http://www.br.emb-japan.go.jp/cultura/downloads/religiao.htm|titulo=RELIGIÃO: origens autóctones e influência estrangeira|acessodata=4 de agosto de 2010|publicado=EMB}}</ref> como a ''[[Tenrikyo]]'', ''[[Aum Shinrikyo]]'' (ou Aleph)<ref>{{citar web|url=http://www.tenrikyo.or.jp/en/download/portuguese/port1b.pdf|titulo=A vida plena de alegria|acessodata=4 de agosto de 2010}}</ref> e ''[[Soka Gakkai]]''.<ref>{{citar web |url=http://www.sgi.org/about-us/what-is-sgi.html |título=''What is SGI?'' |editor=SGI |acessodata=17 de setembro de 2012}}</ref>
As principais atividades econômicas do Japão circulam entre as ilhas de [[Hokkaido]], [[Honshu]], [[Shikoku]] e [[Kyushu]]. O Japão é cortado por uma eficiente malha rodoviária e ferroviária que liga o país de norte a sul. Em 2004, havia 1.177.278&nbsp;km de rodovias pavimentadas, 173 aeroportos e 23.577&nbsp;km de ferrovias.<ref name="ciaecon"/> O transporte aéreo é em grande parte operado pela [[All Nippon Airways]] (ANA) e pela [[Japan Airlines]] (JAL). Já as ferrovias são operadas pela [[Japan Railways]] entre outras. Os aeroportos mais movimentados ficam nas regiões mais populosas do país, [[Região de Kanto|Kanto]] e [[Kinki]]. O [[Aeroporto Internacional de Narita]], por exemplo, é o mais movimentado do país e o oitavo mais movimentado do mundo. Há muitos voos internacionais de várias cidades e países do Japão e para o país. Já o transporte portuário, apesar de fundamental para um país insular, encontra-se em baixa, desde um pico na década de 1980.<ref name="Transportes">Web Japan. [http://web-japan.org/factsheet/en/pdf/e38_transportation.pdf Transportation: Speed and efficiency through technological advancement]. PDF (799,07 KB). Visitado em 13 de Agosto de 2007.</ref>
 
Uma vez que apenas 15% das terras japonesas são apropriadas para o cultivo,<ref>ROY, Kingshuk. [http://www.nourin.tsukuba.ac.jp/~tasae/Japan.pdf Recursos hídricos com relação a questões agroambientais maiores no Japão]. PDF (111,95 KB). College of Bioresource Sciences, Nihon University (2006). Visitado em 21 de Fevereiro de 2007.</ref> o sistema de terraceamento é usado em pequenas áreas. Isto resulta em um dos mais elevados níveis de produtividade por unidade no mundo. O pequeno setor agrário do Japão, contudo, é muito subsidiado e protegido. O Japão precisa importar cerca de 50% dos [[cariopse|grãos]] consumidos excetuando o arroz, e depende de importações para seu suprimento de carne.<ref>Strategis. [http://strategis.ic.gc.ca/epic/site/ibi-iai.nsf/en/bi18701e.html Japan: Country Information]. Visitado em 1 de Abril de 2007.</ref>
 
O Japão é o segundo maior produtor de pescado do mundo por tonelada depois da China e tem uma das maiores frotas de pesqueiros do mundo que responde por quase 15% da pesca mundial.<ref name="ciaecon"/> O país depende de países estrangeiros em 80% para o seu suprimento de petróleo e alimentos como a carne bovina.<ref>Ministério da Defesa do Japão. [http://www.mod.go.jp/e/defense_policy/example/maritime/index.htm Um exemplo de operações marítimas]. Visitado em 26 de Março de 2007.</ref>
|arquivodata = 19/08/2008
|urlmorta = yes
}}</ref> O Japão tem catorze [[patrimônios mundiais]] da [[UNESCO]], incluindo o [[Castelo de Himeji]] e os [[Monumentos Históricos da Antiga Quioto (cidades de Quioto, Uji e Otsu)]]. [[Quioto (cidade)|Quioto]] recebe mais de 30 milhões de turistas anualmente.<ref name="fodors1996">{{citar livro | autor=Scott, David |data=1996 | titulo=''Exploring Japan'' |editora= Fodor's Travel Publications, Inc. |isbn= 0-679-03011-5}}</ref>
 
A extensa rede ferroviária, juntamente com os voos domésticos, permitem viagens eficientes e rápidas. Os estrangeiros que visitam as cidades de [[Tóquio]] e [[Nara (cidade)|Nara]], o [[Monte Fuji]], utilizam o ''[[shinkansen]]'' e tiram proveito da rede de hotéis do país.<ref name="fodors1996"/>
 
O [[turismo]] doméstico continua a ser uma parte vital da economia e da sociedade japonesa. Crianças em idade escolar em muitas escolas secundárias realizam visitas à ''[[Tokyo Disneyland]]'' ou à [[Torre de Tóquio]]. No turismo receptivo, o Japão ficou em [[Lista de destinos turísticos mundiais|28ª posição no mundo]] em 2007.<ref>{{citar web |url=http://www.tourismroi.com/Content_Attachments/27670/File_633513750035785076.pdf |titulo=UNTWO World Tourism Barometer, Vol.5 No.2 |acessodata=26/03/2008 |ultimo=UNTWO |data=Junho de 2008 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20080819191518/http://www.tourismroi.com/Content_Attachments/27670/File_633513750035785076.pdf# |arquivodata=19/08/2008 |urlmorta=yes }}</ref>
}}
 
A [[alfabetização]] no Japão remonta anterior à introdução da escrita [[kanji]] no {{séc|VI}}. Inicialmente restrita às classes aristocráticas, a educação atingiu a população em geral no [[Período Edo]], em que havia escolas específicas para a classe dos samurais, mas também escolas mistas que ensinavam escrita, leitura e aritmética. Graças a esse sistema, calcula-se que em 1868, época da [[Restauração Meiji]], 40% da população japonesa fosse alfabetizada.<ref name="Educação">Web Japan. [http://web-japan.org/factsheet/en/pdf/e37_education.pdf Education: Foundation for growth and prosperity]. PDF (425,26 KB). Visitado em 13 de Agosto de 2007.</ref>
 
A divisão em escolas primárias, secundárias e universidades foi introduzida no Japão em 1871 como parte da [[Restauração Meiji]].<ref>ELLINGTON, Lucien. (1 de Fevereiro de 2003). [http://www.fpri.org/footnotes/087.200312.ellington.japaneseeducation.html Beyond the Rhetoric: Essential Questions About Japanese Education] {{Wayback|url=http://www.fpri.org/footnotes/087.200312.ellington.japaneseeducation.html# |date=20070405075716 }}. Foreign Policy Research Institute. Visitado em 1 de Abril de 2007.</ref>
 
Desde 1947, a educação obrigatória no Japão inclui a [[educação infantil]] (shõgakkõ), o qual dura 6 anos (dos seis aos onze ou doze anos)e o [[ensino fundamental]], ''chugakkō'', o qual dura três anos. Quase todas as crianças continuam seus estudos indo para o colegial, ''koukō'', de três anos e, de acordo com o Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia, cerca de 75,9% dos formandos do ensino secundário cursaram a [[universidade]], a [[educação profissional]], ou outros cursos pós-secundários em 2005.<ref>Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia. [http://www.mext.go.jp/english/statist/05101901/005.pdf School Education] {{Wayback|url=http://www.mext.go.jp/english/statist/05101901/005.pdf# |date=20080102112620 }} (PDF). Visitado em 10 de Março de 2007.</ref>
 
O ano letivo no Japão tem início em abril e pode ser dividido em dois ou três períodos. O currículo de cada série é determinado pelo [[Ministério da Educação, da Cultura, dos Esportes, da Ciência e da Tecnologia do Japão|Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia]], bem como há avaliações periódicas do material escolar utilizado.<ref name="Educação"/>
 
A [[educação no Japão]] é muito competitiva,<ref>ROSSMANITH, Kate. (5 de Fevereiro de 2007). [http://www.usyd.edu.au/news/international/226.html?newsstoryid=1568 Rethinking Japanese education] {{Wayback|url=http://www.usyd.edu.au/news/international/226.html?newsstoryid=1568# |date=20090113182728 }}. The University of Sydney. Visitado em 1 de Abril de 2007.</ref> em especial, o ingresso em instituições de ensino superior. De acordo com o Suplemento de Educação Superior do ''[[The Times]]'', as universidades mais importantes do Japão são a [[Universidade de Tóquio]], a [[Universidade de Quioto]] e a [[Universidade de Osaka]].<ref>TSL Education. [http://www.alnaja7.org/success/Education/times_world_ranking_2005.pdf The Times Higher Education Supplement World University Rankings] {{Wayback|url=http://www.alnaja7.org/success/Education/times_world_ranking_2005.pdf# |date=20150109034911 }}. PDF (311,36 KB). (28 de Maio de 2005). Visitado em 27 de Março de 2007.</ref>
 
No momento, a educação japonesa passa por uma reestruturação que tenta adaptá-la ao {{séc|XXI}}, mudando sua ênfase da disciplina e do respeito a tradição para a liberdade e a criatividade.<ref name="Educação" />
}}
 
Antes de 1985, o Japão vivia em um sistema de bi-monopólio, no qual a ''[[Nippon Telegraph and Telephone Public Corporation]]'' dominava a telefonia doméstica, e a ''Kokusai Denshin Denwa'' a telefonia internacional. Na primeira reforma, a NTT sofreu uma privatização parcial, através da qual surgiu uma espécie de competição controlada do mercado, no qual o Ministério dos Correios e Telecomunicações japonês intervinha para que não houvesse perdedores.<ref name="telecomunicações"/>
 
Na segunda etapa desta reforma, ocorrida a partir de 1997, viu-se o claro objetivo de aumentar a competição no mercado e uma diminuição da regulamentação implementada até então, graças ao acordo junto à [[Organização Mundial do Comércio]]. Todavia, o que se seguiu foi o nascimento da NTT como competidora internacional de telecomunicações.<ref name="telecomunicações">{{citar web|url=http://www2.mre.gov.br/ipri/Rodrigo/Jap%C3%A3o/3%20Cl%C3%A9lia%20Piragibe.rtf|titulo=A política de telecomunicações no Japão|acessodata=10 de agosto de 2010|publicado=Seminário sobre o Japão|autor=Piragibe, Clélia}}</ref>
}}
 
O Japão passou por profundas transformações em pouco mais de cem anos em suas estruturas socioeconômicas e culturais, saindo de um sistema [[Feudalismo|feudal]] para um mundo moderno e industrial. Suas [[Política habitacional|políticas habitacionais]] não fugiram às mudanças e foram desenvolvidas e solidificadas nos últimos quarenta anos, até 2006, gerando moradias e qualidade de vida.<ref name="Hab1"/><ref name="Hab2"/>
 
No entanto, foi reconhecido que sua alta [[densidade populacional]], o alto preço das terras e a queda no volume de negócio no [[mercado imobiliário]] geraram um novo desafio para o governo: reabilitar áreas degradadas para alocar o crescimento [[Demografia|demográfico]]. Para esses locais, estudam-se projetos que aloque a população em cidades subterrâneas e nas chamadas super-torres, estruturas verticais gigantescas capazes de suportarem uma pequena cidade como [[Sky City 1000]], [[Shimizu Mega City Pyramid]] e [[X-Seed 4000]].<ref name="Hab1"/><ref name="Hab2"/>
 
Nestes projetos, está ainda inserida a [[urbanização]], voltada para o [[meio-ambiente]] e à integração do homem com a natureza, visando o resgate histórico de sua cultura, esquecida nas construções de massa moderna para abrigar o largo crescimento populacional que acompanhou as modificações no cenário econômico nacional.<ref name="Hab1">{{citar web|url=http://pcc5839.pcc.usp.br/Textos_Tecnicos/Gest%C3%A3oHabitacionalJap%C3%A3oJunho2006.pdf|titulo=Gestão habitacional no Japão|autor=Costa, Debora & Hypólito, João & Niubó, Jorge|acessodata=10 de agosto de 2010|publicado=USP}}</ref><ref name="Hab2">{{citar web|url=http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u338703.shtml|titulo=Governo do Japão admite problemas em habitação e consumo|acessodata=10 de agosto de 2010|publicado=Folha UOL}}</ref>
 
Sua tecnologia aliada aos recursos naturais deram ao Japão acesso à [[água potável]] e [[tratamento de esgoto]] em quase todo o território nacional. Devido à rápida [[urbanização]] de suas grandes cidades, ocorreu a [[degradação ambiental]] que causou enchentes, aridez e piora da qualidade da água.<ref name="Água"/>
 
Para atenuar os danos causados por esses problemas, foram implantadas medidas para melhorar os mecanismos de coordenação sobre o uso da água e prevenir a sua contaminação. Como resultado, o Japão obteve drásticas melhorias em seus [[recursos hídricos]] e de higiene e abastecimento de [[água potável]] em seu território. Cidades como [[Tóquio]] e [[Quioto (cidade)|Quioto]] foram as grandes beneficiadas dos projetos.<ref name="Água">{{citar web|url=http://www.br.emb-japan.go.jp/politica/speech_two.htm |titulo=Governança Global da Água - Melhorando o Acesso ao Saneamento e à Água Tratada |autor=Koumura, Masahiko |publicado=Universidade das Nações Unidas |acessodata=10 de agosto de 2010}}</ref>
[[imagem:Anime-Store-In-Akihabara.jpg|thumb|esquerda|Loja de [[anime]] em [[Akihabara]], [[Tóquio]].]]
 
A história japonesa produziu uma cultura que mescla influências da tradição chinesa e as formas indianas e ocidentais desde sua arquitetura à sua gastronomia. Primordialmente, o Japão sofreu influência direta da China, em um processo iniciado há cerca de 1 500 anos. O Japão e outros reinos asiáticos eram estados tributários da China desde tempos antigos. No entanto, o Japão parou de enviar tributos à China em 894 d.C. A partir daí, a cultura japonesa desenvolveu-se de forma independente e floresceu numa variedade de campos livremente.<ref>{{harvnb|Vohra|1999|p=22}}</ref>
 
O processo de nacionalização cultural acelerou-se durante os últimos 250 anos anteriores ao que o Japão se manteve isolado, até 1868, quando se abriu para o mundo ocidental com a assinatura do [[Tratado de Kanagawa]].<ref name=CULT>{{citar web|url=http://correiogourmand.com.br/roteiros_internacionais_japao_05_cultura.htm|titulo=A cultura japonesa|acessodata=10 de agosto de 2010|publicado=Japão - terra do Sol nascente}}</ref>
 
Nos últimos séculos foi influenciada pela [[Europa]] e pelos [[Estados Unidos]]. Através dessas influências, gerou um complexo próprio de [[arte]]s, [[artesanato|técnicas artesanais]] como [[bonecas]] e objectos lascados e [[cerâmica]] ([[bonsai]], ''[[origami]]s'') e outras artes com papel, (''[[ikebana]]''), [[espetáculo]]s e [[dança]]s (''[[bunraku]]'', ''[[kabuki]]'', ''[[noh]]'', ''[[rakugo]]'', ''[[shibu]]'', ''[[Yosakoi Soran]]'') e [[tradição|tradições]] e [[jogo]]s (''[[onsen]]'', ''[[sento]]'', [[cerimónia do chá]]), além de uma [[Culinária do Japão|culinária]] única.<ref name=CULI/>
 
A [[cultura popular]] japonesa tornou-se conhecida a partir dos [[mangá]]s e dos [[anime]]s. Os [[mangá]]s surgiram com a união entre a pintura tradicional japonesa sobre madeira e a arte Ocidental.<ref>NMP International. [http://www.dnp.co.jp/museum/nmp/nmp_i/articles/manga/manga1.html A History of Manga]. Visitado em 27 de Março de 2007.</ref> A animação e os filmes influenciados pelo mangá são chamados [[anime]]. Os [[console de videogame|consoles de videogames]] feitos no Japão prosperaram desde os anos 1980.<ref>HERMAN, Leonard; HORWITZ, Jer; KENT, Steve e MILLER, Skyler. [http://uk.gamespot.com/gamespot/features/video/hov/index.html The History of Video Games] {{Wayback|url=http://uk.gamespot.com/gamespot/features/video/hov/index.html# |date=20070929122934 }}. Gamespot. Visitado em 1 de Abril de 2007.</ref>
O futebol começou a crescer com a criação da [[Campeonato Japonês de Futebol|J-League]] em 1991<ref>The Japan Forum. [http://www.tjf.or.jp/takarabako/PDF/TB09_JCN.pdf Soccer as a Popular Sport: Putting Down Roots in Japan]. PDF (2,6 MB). Visitado em 1 de Abril de 2007.</ref> e a contribuição de "[[Arthur Antunes Coimbra|Zico]]" no [[Kashima Antlers]] entre outros técnicos.<ref name="Desporto" /> Sendo já o segundo esporte mais praticado nas escolas procura-se gerar uma cultura do futebol que garanta sua prática pela população. Desde então, os clubes da liga contam com muitos atletas estrangeiros.<ref>Web Japan. [http://web-japan.org/factsheet/en/pdf/e14_soccer.pdf Soccer]. PDF (547,25 KB). Visitado em 13 de Agosto de 2007.</ref>
 
O Japão já foi sede de várias competições internacionais, como os [[Jogos Olímpicos de Inverno de 1972]], os de [[Jogos Olímpicos de Inverno de 1998|1998]] e as [[Jogos Olímpicos de Verão de 1964|Olimpíadas de 1964]] em que o judô foi incluído como modalidade olímpica.<ref name="Olimpíadas">Web Japan. [http://web-japan.org/factsheet/en/pdf/18Olympics.pdf Japan and The Olympics: Asia's first Olympic host]. PDF (591,54 KB). Visitado em 13 de Agosto de 2007</ref> O histórico de participações do Japão nos Jogos Olímpicos remonta a 1912 em [[Jogos Olímpicos de Verão de 1912|Estocolmo]] e desde 1964 o país participou de todos os eventos olímpicos, a não ser por um breve momento em 1980.<ref name="Olimpíadas" /> Em 2002, o país sediou a [[Copa do Mundo de 2002|Copa do Mundo de Futebol]] em conjunto com a [[Coreia do Sul]], chegando à fase de oitavas-de-final. Na [[Copa do Mundo FIFA de 2006|edição seguinte]], a equipe nacional que era comandada por Zico não repetiu o sucesso e foi eliminada na primeira fase da competição enquanto na [[Copa do Mundo FIFA de 2010|Copa do Mundo de 2010]] a seleção japonesa chegou novamente às oitavas-de-final.<ref>{{citar web|url=http://www.quadrodemedalhas.com/futebol/copa-do-mundo/selecao-japao-copa-do-mundo.htm|titulo=Seleção do Japão nas Copas do Mundo|acessodata=3 de agosto de 2010|publicado=Quadro de medalhas}}</ref> O país sediará na sua capital, em 2020, os [[Jogos Olímpicos de Verão de 2020|Jogos Olímpicos]] (pela segunda vez) e [[Jogos Paralímpicos de Verão de 2020|Paralímpicos]] de Verão (pela primeira vez).<ref>{{Citar web|url=https://tokyo2020.jp/en/|titulo=Tokyo 2020 &#124; The Tokyo Organising Committee of the Olympic and Paralympic Games|acessodata=2016-08-31}}</ref><ref>{{Citar web|url=http://g1.globo.com/hora1/noticia/2016/08/toquio-sedia-proxima-olimpiada-e-preparativos-estao-bem-adiantados.html|titulo=Tóquio é a anfitriã da Olimpíada de 2020 e preparativos estão adiantados|data=2016-08-22|acessodata=2016-08-31}}</ref> Cinco novas modalidades esportivas serão disputadas nos Jogos de 2020 em Tóquio, sendo elas: surfe, skate, beisebol/softbol, escalada e caratê. <ref>{{Citar web|url=http://globoesporte.globo.com/olimpiadas/noticia/2016/08/jogos-de-toquio-2020-terao-escalada-surfe-skate-carate-e-beisebolsoftbol.html|titulo=Jogos de Tóquio 2020 terão escalada, surfe, skate, caratê e beisebol/softbol|acessodata=2016-08-31}}</ref>
 
== Ver também ==