Abrir menu principal

Alterações

68 bytes removidos ,  21h05min de 25 de novembro de 2018
m
sem resumo de edição
Diferentemente de seu ancestral haplóide, as embriófitas caracterizam-se por ter um [[ciclo de vida]] haplo-diplonte, com [[gametófito]] (indivíduo da geração haplóide) e [[esporófito]] (indivíduo da geração multicelular). O esporófito multicelular passa inicialmente por um estágio de [[Embrião (botânica)|embrião]], caracterizado por ser protegido pelo gametófito onde a ovocélula foi produzida, e também por ser nutrido às custas do gametófito, através de um tecido de transferência designado por [[Placenta (botânica)|placenta]].
{| align=right
|[[Image:Embryophyta_alternancia-de-generaciones.png|thumb|25epx253px|Diagrama esquemático do ciclo de vida das plantas terrestres (Embryophyta).
----
<small> Legenda:<br />
A especialização dos órgãos sexuais do gametófito (os ''[[gametângio]]s''), o aparecimento de caules e ramos com mecanismos de transporte de fluidos (os ''[[Tecido vascular|tecidos vasculares]]''), os tecidos estruturais (como o ''[[lenho]]''), as estruturas da epiderme especializadas em trocas gasosas (como os ''[[estoma]]s''), as folhas e raízes de vários tipos, os vários órgãos portadores de esporos (''[[esporângio]]s''), as sementes e o hábito arborescente, são características que evoluíram no final do período [[Devoniano]].
=== Dominância do gametófito vs. dominância do esporófito ===
Nos últimos anos, estudos paleobotânicos cuidadosos revelaram que alguns fósseis de embriófitos iniciais são, na verdade, gametófitos haplóides, carregando anterídios e arquegónios.<ref>Remy, W. 1982. Lower Devonian gametophytes: Relation to the phylogeny of land plants. ''Science'' 215: 1625-1627.</ref><ref>Remy, W, PG Gensel, & H Hass. 1993. The gametophyte generation of some early Devonian land plants. ''Int. J. Plant Sci.'' 154: 35-58.</ref> Estes fósseis são notáveis porque são grandes, eretoserectos e ramificados e, em geral, têm a aparência da fase esporofítica do [[ciclo de vida]] dos actuais embriófitos. Esta descoberta levou à hipótese de que os primeiros membros da linhagem de plantas vasculares exibiam [[alternância de gerações]] mais ou menos similares. Admitindo essa possibilidade e levando em conta os grupos de briófitos, parece que tanto o gametófito quanto o esporófito eram já fases elaboradas.
 
Esse conhecimento permite reconstituir a sequência de eventos que levaram ao ciclo de vida que ocorre nas [[plantas vasculares]] atuaisactuais. Este ciclo de vida inclui uma redução dramática da fase gametofítica e um desenvolvimento igualmente impressionante da fase esporofítica. Nas primeiras plantas vasculares, o gametófito era nutricionalmente independente do esporófito, e esta condição é retida hoje nas linhagens de ''esporos livres'', como os [[Monilophyta]] e [[Lycophyta]]. Com a evolução das [[plantas com sementes]], no entanto, o gametófito foi bastante reduzido e acabou por se tornar completamente dependente do esporófito.
 
Visto neste contexto, os grupos de [[Bryophyta sensu lato|briófitas ''sensu lato'']] (especialmente os [[musgos]]) e as plantas vasculares parecem ter explorado dois mecanismos diferentes para aumentar o número de esporos produzidos pelo evento de [[fertilização]].<ref name="Mishler y Churchill 1985">Mishler BD y SP Churchill. 1985. Transition to a land flora: Phylogenetic relarionships of the green algae and bryophytes. ''Cladistics'' 1: 305-328.</ref> Nos musgos, este aumento na produção de esporos foi alcançado pela intercalação de um estado de [[protonema]] filamentoso que pode produzir inúmeros gametófitos foliares não ramificados, cada um carregando um único esporófito não ramificado terminado num único esporângio. Em contraste, na linhagem de plantas vasculares, o número de esporângios foi aumentado pela ramificação do esporófito, de modo que cada extremo de cada ramo pudesse suportar um esporângio.
 
*A hipótese mais difundida assenta na possibilidade do esporófito, tendo dois conjuntos de [[cromossoma]]s em vez de um, ser menos vulnerável a [[Mutação genética|mutações genéticas]], o que consequentemente aumenta a diversidade de genes e a probabilidade de uma adaptação com sucesso quando o ambiente muda;
*Uma segunda hipótese, que não contradiz necessariamente a primeira, assenta na constatação de que o esporófito não tem limitações ecológicas para crescer em altura, já que não precisa de qualquer tipo interacção para produzir os esporos e proceder à sua libertação no ambiente. Por outro lado, o gametófito, produtor de gâmetas masculinos e femininos, deve ter uma constituição que garanta que os gâmetas masculinos possam nadar até os femininos para que ocorra a fertilização e o ciclo seja reiniciado. Isso limitaria muito a exploração de diferentes morfologias nodo gametófito, que necessariamente deve estar ligado ao solo para garantir a fertilização e, portanto, a sobrevivência da espécie.<ref name="judd1" />
== Filogenia ==
Os grupos monofiléticos das embriófitas viventes estão representados no seguinte cladograma:
** [[Spermatophyta]] - as plantas que se reproduzem por semente
*** [[Pinophyta]] - coníferas
*** [[Cycadophyta]] - cicadáceascicas
*** [[Ginkgophyta]]
*** [[Gnetophyta]]
***** [[Angiospermae]]
 
FilogenéticamenteFilogeneticamente, lasas plantas terrestres sesão dividendivididas enem dosdois clados: (1) por unum lado, elo clado de[[Marchantiophyta]], lasdas hepáticas, lasque cuales mantienenmantém características primitivas tais como unum esporófito efímeroefémero de grangrande simplicidadsimplicidade estructuralestrutural, gametófitoem frecuentementegeral num gametófito dorsoventral ye, enem lugarvez de estomas tiene, poros aeríferosde paraar elpara contacto concom ela aire.atmosfera; Ele otro(2) cladoo es '''clado [[Stomatophyta''']], que incluye a losinclui musgos, antocerosantóceros ye plantas vasculares, enonde dondeocorre evoluciona unum esporófito persistente ye complejocomplexo, gametófito variado ye presenciaa presença de verdaderos [[estoma]]s verdadeiros.<ref name ="Estébanez">Belén Estébanez et al. 2011, [http://historia.bio.ucm.es/rsehn/cont/publis/boletines/127.pdf Briófitos: una aproximación a las plantas terrestres más sencillas.] Memorias R. Soc. Esp. Hist. Nat., 2ª ép., 9, 2011</ref>
<!---------------------------------------------
 
=== Clado Stomatophyta ===
Filogenéticamente, las plantas terrestres se dividen en dos clados: por un lado el clado de las hepáticas, las cuales mantienen características primitivas como un esporófito efímero de gran simplicidad estructural, gametófito frecuentemente dorsoventral y en lugar de estomas tiene poros aeríferos para el contacto con el aire. El otro clado es '''Stomatophyta''', que incluye a los musgos, antoceros y plantas vasculares, en donde evoluciona un esporófito persistente y complejo, gametófito variado y presencia de verdaderos [[estoma]]s.<ref name ="Estébanez">Belén Estébanez et al. 2011, [http://historia.bio.ucm.es/rsehn/cont/publis/boletines/127.pdf Briófitos: una aproximación a las plantas terrestres más sencillas.] Memorias R. Soc. Esp. Hist. Nat., 2ª ép., 9, 2011</ref>
 
SiSe tomamosforem entidos cuentaem losconta principalesos principais grupos extintos, laa filogenia aproximada (Kenrické &a Crane 1997)seguinte:<ref name="Kenrick">Kenrick, Paul & Crane, Peter R. (1997), [http://biology.kenyon.edu/courses/biol112/Biol112WebPage/Syllabus/Topics/Week%207/land%20plants.pdf The Origin and Early Diversification of Land Plants]: a Cladistic Study, Washington, D.C.: Smithsonian Institution Press, ISBN 978-1-56098-730-7</ref> es la siguiente:
=== Grupos extintos ===
Si tomamos en cuenta los principales grupos extintos, la filogenia aproximada (Kenrick & Crane 1997)<ref name="Kenrick">Kenrick, Paul & Crane, Peter R. (1997), [http://biology.kenyon.edu/courses/biol112/Biol112WebPage/Syllabus/Topics/Week%207/land%20plants.pdf The Origin and Early Diversification of Land Plants]: a Cladistic Study, Washington, D.C.: Smithsonian Institution Press, ISBN 978-1-56098-730-7</ref> es la siguiente:
 
{{clade|style=font-size:100%;line-height:100%
|label1='''Embryophyta'''
|1={{clade
|1=&nbsp;[[Bryophyta sensu lato|BriofitasBryophyta ''sensu lato'']] ([[Parafilético|P]])
|label2=[[Polysporangiophyta]]
|2={{clade
|1=&nbsp;[[ProtraqueofitasProtraqueófitas]] ([[Parafilético|P]]) †
|label2=[[Tracheophyta]]
|2={{clade
|label2=[[Euphyllophyta]]
|2={{clade
|1=[[Trimerophytopsida|TrimerofitasTrimerófitas]] ([[Parafilético|P]]) †
|2={{clade
|1=[[Monilophyta]]
|1=[[Progimnosperma]]s ([[Parafilético|P]]) †
|2=[[Spermatophyta]]}} }} }} }} }} }} }} }}
<!---------------------------------------------
 
=== Otras consideraciones ===