Diferenças entre edições de "Identidade linguística"

31 bytes adicionados ,  22h14min de 26 de novembro de 2018
Correção de uma fonte e retirada de fonte-blog. Falta corrigir demais fontes.
(Desfeita a edição 53691372 de Fabiojrsouza)
Etiqueta: Desfazer
(Correção de uma fonte e retirada de fonte-blog. Falta corrigir demais fontes.)
{{Wikificação|data=novembro de 2018}}
'''Identidade linguística''' lhe permite considerar-se pertencente a uma determinada [[comunidade]] que é falante da sua [[língua natural]]. Nesta perspectiva, a comunidade conforma os seus valores e você conforma os valores da mesma. A língua de um grupo é o que a caracteriza de forma mais profunda a sua [[identidade]], influenciado pelo recurso simbólico da [[linguagem]] o que nos leva a compreensão da relação intrínseca entre a linguagem em si e nós mesmos.<ref>{{Citar [periódico|data=2013-06-25|titulo=Linguistic identities|url=https://jspark779.wordpress.com/2013/06/25/linguistic-identities/]|jornal=Joseph Sung-Yul Park / 박성열|lingua=en-US}}</ref>
 
Segundo Le Page: “todo ato de fala é um ato de identidade. A linguagem é o índice por excelência da identidade e as escolhas linguísticas são processos inconscientes que o falante realiza associado às múltiplas dimensões constitutivas da [[identidade social]] e aos múltiplos papéis sociais que o usuário assume na comunidade de fala, mas o que determina a escolha de uma ou outra variedade é a situação concreta de [[comunicação]].” (1980, p. 5 apud ARAÚJO; QUEIRÓZ; BUENO, 2012, p. 5)
Nunca na história da humanidade a identidade linguística das pessoas esteve tão sujeita como nos dias de hoje às influências estrangeiras, segundo Rajagopalan, inclusive volatilidade e instabilidade são marcas registradas da identidade linguística.
 
Já é reconhecida a importância do conceito da identidade linguística, tanto que a mesma está protegida na própria [[Declaração Universal dos Direitos Humanos]]. Esta declaração defende o direito e o respeito à identidade linguística de toda e qualquer comunidade de fala, afirma Hamel (2003). [https://obiahpodermagicodalinguagem.blogspot.com/2010/04/normal-0-21-false-false-false-pt-br-x.html]
 
{{Referências}}