Abrir menu principal

Alterações

1 byte removido, 13h48min de 3 de dezembro de 2018
m
—  Karl Marx, ''Grundrisse'', 1858<ref>Grundrisse: Foundations of the Critique of Political Economy, by Karl Marx & Martin Nicolaus, ''Penguin Classics'', 1993, <nowiki>ISBN 0-14-044575-7</nowiki>, p. 265</ref>
 
A histórica teoria materialista da história <ref>Evans, p. 53; Marx's account of the theory is the Preface to ''A Contribution to the Critique of Political Economy'' (1859). [http://www.marxists.org/archive/marx/works/1859/critique-pol-economy/index.htm <nowiki>[1]</nowiki>]. Another exposition of the theory is in ''The German Ideology''. It, too, is available online from [http://www.marxists.org/archive/marx/works/1845/german-ideology marxists.org]</ref> analisa as causas subjacentes do desenvolvimento social e muda a partir da perspectiva das formas coletivas que os seres humanos ganham a vida. Todas as características constitutivas de uma sociedade (classes sociais, pirâmide política, ideologias) são assumidas como decorrentes da atividade econômica, uma idéiaideia muitas vezes retratada com a metáfora da [[Infraestrutura e superestrutura|base e da superestrutura.]]
 
A metáfora da base e da superestrutura retrata a totalidade das relações sociais pelas quais os seres humanos produzem e re-produzem sua existência social. Segundo Marx, "a soma total das forças de produção acessíveis aos homens determina a condição da sociedade" e forma a base econômica de uma sociedade. A base inclui as forças materiais de produção, isto é, os meios de produção e mão-de-obra e as relações de produção, ou seja, os arranjos sociais e políticos que regulam a produção e a distribuição. A partir desta base surge uma superestrutura das "formas de consciência social" legais e políticas das instituições políticas e jurídicas que derivam da base econômica que condiciona a superestrutura e a ideologia dominante de uma sociedade. Os conflitos entre o desenvolvimento das forças produtivas materiais e as relações de produção provocam revoluções sociais e, portanto, as mudanças resultantes na base econômica levarão à transformação da superestrutura.<ref> See ''A Contribution to the Critique of Political Economy'' (1859), [http://www.marxists.org/archive/marx/works/1859/critique-pol-economy/preface.htm Preface], Progress Publishers, Moscow, 1977, with some notes by R. Rojas, and Engels: ''Anti-Dühring'' (1877), Introduction [http://www.marxists.org/archive/marx/works/1877/anti-duhring/introduction.htm General]</ref>Essa relação é reflexiva; Em primeiro lugar, a base dá origem à superestrutura e continua a ser a base de uma forma de organização social. Portanto, essa organização social formada pode atuar em ambas as partes da base e da superestrutura, de modo que essa relação não é unidirecional, mas um diálogo (uma [[dialética]]), expressada e impulsionada por conflitos e contradições. Como [[Friedrich Engels]] clarificou: "A história de toda a sociedade até então existente é a história das lutas de classe. Homens livres e escravos, patriciano e plebeu, senhor e servo, mestre de assosiações e jornalista, em uma palavra, opressor e oprimido, ficaram em constante oposição uns aos outros, levaram a luta ininterrupta, agora escondida, agora aberta, uma luta que cada vez Terminou, quer em uma reconstituição revolucionária da sociedade em geral, quer na ruína comum das classes concorrentes."<ref> Communist manifesto, chapter one 1847</ref>
330

edições