Diferenças entre edições de "Gaúcho"

117 bytes adicionados ,  13h19min de 6 de dezembro de 2018
CARACTERISTICAS DE FALAR E NOMES DE CIDADES
(DATAS DE ACONTECIMENTOS CORRECAO ORTOGRAFICA E ETNIA DOS GAUCHOS)
Etiquetas: Editor Visual Possível resumo indevido
(CARACTERISTICAS DE FALAR E NOMES DE CIDADES)
Etiquetas: Editor Visual Possível resumo indevido
O termo também é correntemente usado como gentílico para denominar os MACHOS nascidos no estado brasileiro do [[Rio Grande do Sul]]. Além disso, serve para denominar um tipo folclórico e um conjunto de tradições codificadas e difundidas por um movimento cultural agrupado em agremiações, criadas com esse fim e conhecidas como [[Centro de Tradições Gaúchas]] ou CTG.SANTA CRUZ DO SU
 
== OrigemVEM PRO FUT GAUCHO ==
Um estudo genético realizado pela [[FAPESP]] revelou que os gaúchos brasileiros dos [[pampas]] são descendentes de uma mistura de [[europeus]] e de [[índios]], mas com algumas peculiaridades. O estudo apontou que os ancestrais [[europeus]] dos gaúchos seriam principalmente [[espanhóis]], e não [[portugueses]], como é mais comum em outras partes do Brasil.<ref>
{{Citar tese |sobrenome=MARRERO |nome=Andrea |data=2006 |titulo=Estudo genético dos Gaúchos: Dinâmica populacional do Sul do Brasil |grau=Doutorado |capitulo= |local= Porto Alegre |instituição=Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.|oclc= |url=http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10934/000592555.pdf |acessodata= }}</ref>
== Etimologia ==
 
O termo originou-se na região conhecida como PatagoniaSANTA noCRUZ DO SUL sul da Argentina, e região Pampeana, mas como fonte escrita originou-se no chamado [[Banda Oriental]], um território correspondente ao que são o [[Uruguai]] e o [[Rio Grande do Sul]] atuais, encontrada pela primeira vez escrita num documento oficial da administração espanhola em 1771, numa comunicação do comandante de [[Maldonado (Uruguai)|Maldonado]], Dom [[Pablo Carbonell]] ao ''virrey'' [[Juan José Vértiz]]: "Muy señor mío; haviendo noticia quie algunos gahuchos se havian dejado ver a la Sierra mande a los tenientes de Milicias Dn Jph Picolomini y Dn Clemente Puebla, pasasen a dicha Sierra con una Partida de 34 hombres..." Em 1780, em um documento de [[Montevidéu]] "que el expresado Díaz no consentirá en dicha estancia que se abriguen ningunos contrabandistas, bagamundos u ociosos que aqui se conocen por Gauchos." (8 de agosto de 1780). Guanches ou Guanchos gentílico dos habitantes das [[ilhas Canárias]] na fundação de Montevidéu. Gaúcho foi o Guancho fugido de Montevidéu. Quando o [[Rei da Espanha]] mandou casais de [[agricultores]] das ilhas Canárias povoarem a recém-fundada Montevidéu, eles transplantaram a palavra pela qual identificavam os habitantes autóctones das ilhas: guanches, ou guanchos. Foi esta a origem da palavra gaúcho, com pequena distorção de pronúncia: guanches ou guanchos.
 
Existem várias teorias conflitantes sobre a origem do termo "gaúcho"MACHO. O vocábulo pode ter derivado do [[quíchua|LATIN GURIZADA OU GURI]] (idioma ameríndio andino) ou de [[língua árabe|árabe]] "chaucho" (um tipo de [[chicote]] para controlar manadas de animais). Além disso, abundam hipóteses sobre o assunto. Um registro de seu uso se deu por volta de 1816, durante a [[independência da Argentina]], com o qual se denominavam os índios [[nômades]] de pele escura, os gaúchos ou "[[charruas]]" (daí o chá - [[chimarrão]], infusão de erva-mate verde seca e moída, tomada com água quente em cuia de cabaça ou porongo, sorvida por uma bomba de bambu ou metal), cavaleiros que domavam e cavalgavam "em pelo" os animais selvagens desgarrados das [[estância]]s [[Espanha|espanholas]], que procriavam nos [[pampa]]s [[argentinos]].{{carece de fontes|data=Dezembro de 2008}}
 
Segundo [[Barbosa Lessa]], em seu livro ''Rodeio dos Ventos'', publicado pela Editora Mercado Aberto, 2a edição, o primeiro registro da palavra se deu em 1787, quando o matemático português Dr. José de Saldanha participava da comissão demarcadora de limites [[Brasil]]-[[Uruguai]]. Em uma nota de rodapé do seu relatório de trabalho, o luso teria anotado a expressão usada pelos da terra para referir-se àqueles índios [[cavaleiros]].
 
== História DA GAUCHADA MACHO ALFA ==
[[Ficheiro:PedroII1865.JPG|thumb|right|O imperador [[Dom Pedro II]] em trajes gaúchos.]]
Guanches ou Guanchos gentílico dos habitantes das [[ilhas Canárias]] na fundação de [[Montevidéu]]. Gaúcho foi o Guancho fugido de [[Montevidéu]]. Quando o [[Rei da Espanha]] mandou casais de agricultores das ilhas Canárias povoarem a recém-fundada Montevidéu (1724), eles transplantaram a palavra pela qual identificavam os habitantes autóctones das ilhas: guanches, ou guanchos. Foi esta a origem da palavra gaúcho, com pequena distorção de pronúncia: guanches ou guanchos. Próximo ao [[rio Cebollatí]] no [[Uruguai]], foi formada uma espécie de republiqueta fortificada gaúcha de contrabandistas [[Ilhas Canárias|canários]] como uma forma de defesa das tropas de [[Portugal]] e [[Espanha]].
Os gaúchos apreciam mostrar-se como grandes [[cavaleiro]]s e o cavalo do gaúcho, especialmente o [[cavalo crioulo]], "era tudo o que ele possuía neste mundo". Durante as guerras do século XIX, que ocorreram na região, atualmente conhecida como [[Cone Sul]], as cavalarias de todos os países eram compostas quase que inteiramente por bravos cavaleiros gaúchos.
 
== Música BANDINHA DE COLONO ==
 
[[Ficheiro:Gauchos.jpg|thumb|left|''Gaúchos dançando uma dança típica do folclore'']]
A partir de 1970, com a criação da [[Califórnia da Canção Nativa]] em [[Uruguaiana]], começaram a surgir os [[Festival|festivais]], que serviram de incentivo para músicos e compositores lançarem novos estilos, popularmente chamados de "[[música nativista]]". Essa música é formada por ritmos pré-existentes, especialmente a milonga e o chamamé, porém com canções mais elaboradas e com letras dedicadas especialmente ao estado do [[Rio Grande do Sul]] e ao estado de [[Santa Catarina]], como em letras de Teixeirinha com a música "Santa Catarina", Elton Saldanha com as músicas "Herdeiro do Contestado" e "Linda Terra Santa Catarina", João Luiz Correia com a música "Bailando com as Galegas" e o grupo Musical Terceira Dimensão com a música "Vou pra Santa catarina".
 
== Vestimenta ou indumentária DAS PRENDA ==
[[Ficheiro:Gaucho 1868c.jpg|thumb|right|Gaúcho da [[Argentina]]]]
 
Os gaúchos usam roupas de origem indígena ([[poncho]], [[lenço]] colorado, [[Pala (vestimenta)|pala]], e [[Chiripá (roupa)|chiripá]]), europeia ([[camisa]], [[chapéu]], [[guaiaca]] e [[bota]], assim como a indumentária feminina) e [[Povos túrquicos|túrquica]] ([[bombacha]]), além de outros instrumentos [[autóctones]] como o tirador, todas adaptadas ao ambiente [[Pampa|pampeano]]. Uma grande parcela da população gaúcha rural, assim como de cidades de pequeno porte, mantém o uso das vestimentas tradicionais, pois são as mais adaptadas à vida campeira. A bombacha é muito utilizada nas regiões da campanha, da fronteira oeste e dos [[Campos de Cima da Serra (Rio Grande do Sul)|campos de cima da serra]]. Nas cidades maiores é possível perceber alguns gaúchos pilchados, sendo estes em sua maioria integrantes de grupos tradicionalistas ou independentistas/separatistas, ou simples mantenedores da cultura passada por seus ancestrais. Os avios do chimarrão (apetrechos usados para a preparação e consumo da erva-mate, na forma tradicional), assim como os utensílios de encilha tradicionais para o cavalo (incluindo as esporas do cavaleiro), juntamente com as vestimentas, perfazem a definição de pilcha em um sentido estrito. O chimarrão é amplamente consumido pelos gaúchos em todas as estações do ano. Nos dias mais frios, não raro, se vê uma variedade chamada "mate doce", onde se usa mel e cascas de bergamota, geralmente, para temperar o mate. Os gaúchos que saem a morar em outros estados do Brasil ou no exterior tendem a realçar seu "gauchismo", como forma de autoidentificação.
 
== Palavras e expressões regionalistas: o falar gaúcho É PINGO E BERNOSO ==
 
O modo de falar do [[Rio Grande do Sul]] e algumas partes de [[Santa Catarina]] e [[Paraná]] (especialmente o oeste destes estados), a exemplo do de outras partes do [[Brasil]], possui expressões próprias, diferenciadas da linguagem padrão brasileira. Muitas dessas expressões são compartilhadas pelas populações dos países vizinhos da bacia do [[rio da Prata]] - [[Argentina]] e [[Uruguai]]. É grande a influência do [[língua castelhana|castelhano]] no [[sotaque]] e no [[léxico]] gaúchos. Convencionou-se chamar o modo de falar do gaúcho de "[[dialeto gaúcho]]", ou "dialeto guasca", na sua nomenclatura tradicional. Muito do falar hodierno do gaúcho deriva de uma antiga língua crioula entre o castelhano e o português, com influência guarani, charrúa e até algumas palavras em [[língua quéchua]] (como china e guampa), que é exemplificada no filme [[Anahy de las Misiones]], de 1998. Com a imposição do uso do português, tal como ocorreu com o [[nheengatu]], do [[Norte brasileiro]], esta língua desapareceu. As migrações mais recentes de italianos e alemães deixaram alguma influência em palavras e expressões gaúchas como "cuca" - bolo tradicional, de origem germânica, de ''Kuchen'' (bolo em [[Língua alemã|alemão]]) - e "é vero" ("é verdade", de ''è vero'' em [[língua italiana|italiano]]). Existem diversos livros e dicionários que colecionam palavras e expressões gaúchas. Recentemente, um projeto chamado Tchepédia, <ref>{{citar web|URL=http://tchepedia.rs/|título=Tchepédia|data=30/08/2014|acessadoem=30/08/2014|publicado=|ultimo=|primeiro=|autor=|urlmorta=Yes}}</ref> busca reunir estas expressões de forma colaborativa online.
Utilizador anónimo