Diferenças entre edições de "Espaço urbano"

4 bytes adicionados ,  23h18min de 10 de dezembro de 2018
Vale lembrar que a ação destes agentes é criada dentro de um marco jurídico que regula a atuação deles. Reflete no interesse de quem está dominando.
 
Os grandes proprietários industriais e as grandes empresas comerciais são os grandes consumidores de espaço. Já os proprietários de terras agem com a intenção de terem a maior renda fundiária de suas propriedades. Por promotores imobiliários, produzem domicílios com inovações, que passam a obter um valor maior que as habitações antigas, assim, eles passam a ter um valor de venda cada vez maior. E por consequência disto, acabam aumentando a exclusão das camadas populares. O [[Estado]] age também na organização do espaço da cidade. Sua ação tem sido complicada e modificável tanto no tempo como no espaço, refletindo a dinâmica da sociedade. E, por fim, os grupos sociais excluídos são aqueles que não tem condições de pagar nem o [[aluguel]] que seja digno, e menos ainda, uma renda suficiente para comprar um [[imóvel]].<blockquote>É importante notar que as estratégias que estes agentes adotam variam no tempo e no espaço, e esta variabilidade decorre tanto de causas externas aos agentes, como de causas internas, vinculadas as contradições inerentes ao tipo de capital de cada agente face ao movimento geral de acumulação capitalista e dos conflitos de classe (CORRÊA, 2004, p. 12-13). <sup>[[Usuário(a):Melayroots/Testes#cite%20note-%3A1-1|[1]]]</sup></blockquote>A produção do espaço urbano deriva da atividade de um certo grupo que, ao reproduzir-se, produz na organização espacial e no cenário urbano seus registros correspondentes. O espaço urbano agrupa campos com diferentes conteúdos técnicos e socioeconômicos. Sobre a biodiversidade, existe uma diversidade socioespacial, incluída em ecologias sociotécnicas reformuladas por toda a evolução urbana e expandida atualmente, conhecida como redes urbanas. E assim, garante às cidades a chance de abrigar atividades diversas, efetivadas através de níveis técnicos, de capital e de organização. Desse modo, tais cidades abrigam todos os tipos de bens econômicos e todos os tipos de afazeres. Milton afirma que está aí a sua riqueza. <ref>{{Citar livro|url=https://books.google.com.br/books?id=JRvh0ebaIXoC&printsec=frontcover|título=A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção|ultimo=Santos|primeiro=Mílton|data=2002|editora=EdUSP|lingua=pt|isbn=9788531407130}}</ref>
 
== Características ==
17

edições