Pierre Buyoya: diferenças entre revisões

Sem alteração do tamanho ,  20 de dezembro de 2018
sem resumo de edição
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
Esta comissão criou uma nova constituição que Buyoya aprovou em [[1992]]. Esta constituição apelou para um governo não étnico com um presidente e um parlamento. As eleições democráticas foram realizadas em junho de [[1993]], e o hutu [[Melchior Ndadaye]] obteve a vitória; este, criou um governo equilibrado entre hutus e tutsis. No entanto, o exército assassinou Ndadaye em outubro de 1993 e o [[Guerra Civil do Burundi|Burundi voltou à guerra civil]]. Cerca de 150.000 pessoas foram mortas quando a guerra recrudesceu. Houve várias tentativas de governo, mas até mesmo o governo de coalizão sob [[Sylvestre Ntibantunganya]] não foi capaz de parar com os combates.
 
Em [[25 de julho]] de [[1996]], com forte apoio do exército, Buyoya [[Golpe de Estado no Burundi em 1996|voltou ao poder em um golpe militar]], expulsando o presidente interino Ntibantunganya que estava sendo contestado pela população, devido à sua incapacidade de impedir os assassinatos perpetrados pelos rebeldes. A guerra civil tornou-se menos intensa, mas continuou. As sanções econômicas também foram impostas pela [[comunidade internacional]] devido à natureza do retorno ao poder de Buyoya, mas foram aliviadas quando Buyoya criou um governo etnicamente inclusivo. Buyoya escolheu como seu vice-presidente [[Domitien Ndayizeye]], um hutu. As condições do acordo governamental exigiam que Buyoya entregasse o poder em 20032005, o que ele fez.<ref>{{citar web|url=http://www.nytimes.com/2003/04/30/world/world-briefing-africa-burundi-power-transfer.html?ref=pierrebuyoya|título=World Briefing - Africa: Burundi: Power Transfer|data=30 de abril de 2003|publicado=[[The New York Times]]|acessodata=}}</ref> Ndayizeye tornou-se o Presidente do Burundi em [[30 de abril]].
 
Buyoya é atualmente um senador vitalício como um ex-chefe de Estado.
Utilizador anónimo