Abrir menu principal

Alterações

4 441 bytes adicionados ,  14h09min de 20 de dezembro de 2018
 
A 15 de Novembro de 1941, o terreno finalmente congelou, resolvendo os problemas com a lama. As pontas-de-lança blindadas da Wehrmacht, consistindo de 51 divisões, podiam agora avançar com o objectivo de cercar a cidade de [[Noginsk]], a leste da capital. Para alcançar este objectivo, os 3.º e 4.º Grupos Panzer precisavam de concentrar as suas forças entre o [[Reservatório de Ivankovo|reservatório do Volga]] e Mozhaysk, prosseguir depois através do 30.ª Exército soviético para Klin e [[Solnechnogorsk]], cercando a capital a partir do norte. A sul, o 2.º Exército Panzer pretendia contornar Tula, ainda sob controlo do Exército Vermelho, e avançar para [[Kashira]] e [[Kolomna]], unindo-se com a pinça vinda do norte a partir de Noginsk. O 4.º Exército Terrestre alemão ao centro tinha como objectivo "imobilizar as tropas da Frente Ocidental."<ref name=GeorgyZhukov/>{{rp|33,42–43}}
 
==Avanço da Wehrmacht em direcção a Moscovo (1 de Novembro – 5 de Dezembro)==
 
===Fracasso do movimento em pinça===
A 15 de Novembro de 1941, as forças blindadas alemãs deram início à ofensiva em direcção a [[Klin (Oblast de Moscovo|Klin]], onde não existiam reservas soviéticas devido à intenção de Estaline de tentar lançar uma contra-ofensiva em [[Volokolamsk]], a qual forçou a realocação de todas as reservas disponíveis mais a sul. Os primeiros ataques alemães dividiram a frente em duas partes, separando o 16.º Exército do 30.º.<ref name="GlantzTTG"/> Seguiram-se vários dias de intensos combates. [[Gueorgui Jukov]] recordou nas suas memórias que "o inimigo, ignorando as baixas, efectuava ataques frontais, desejando chegar a Moscovo a tuodo o custo."<ref name="Zhukov28">Zhukov, tome 2, p. 28.</ref> Apesar dos esforços da Wehrmacht, a defesa em camadas diminuiu a as baixas do lado soviético, com o 16.º Exército soviético a recuar devagar e a atacar constantemente as divisões alemãs que tentavam penetrar através das fortificações.
 
[[File:Bundesarchiv Bild 146-2008-0317, Russland, Bergung eines Verwundeten.jpg|thumb|left|Soldados alemães cuidam de um camarada ferido perto de Moscovo, Novembro–Dezembro de 1941]]
 
O 3.º Exército Panzer capturou Klin após duros combates no sábado, 23 de Novembro, e, no domingo, 24 de Novembro, tomaram Solnechnogorsk. A resistência soviética continuava forte, e o resultado da batalha não ficou bem definido. Alegadamente, Estaline terá perguntado a Jukov se Moscovo podia ser bem defendida e deu-lhe ordem para "falar livremente, como um comunista." Jukov respondeu que era possível, mas que precisava urgentemente de reservas .<ref name="Zhukov28"/> A 27 de Novembro, a 7.ª Divisão Panzer tomou uma cabeça-de-ponte através do [[Canal Moscovo-Volga Canal]] — o último grande obstáculo antes de Moscovo — ficando a menos de 35 km do Kremlin;<ref name="GlantzTTG"/> mas um forte contra-ataque do [[1.º Exército de Choque]] fê-los recuar.<ref name="Zhukov30">Zhukov, tome 2, p. 30.</ref> A noroeste de Moscovo, a Wehrmacht chegou a [[Lobnya|Krasnaya Polyana]], a pouco mais de 29 km do Kremlin do centro de Moscovo;<ref>Guderian, p. 345.</ref> Os oficiais alemães conseguiram distinguir alguns dos principais edifícios da capital soviética através de seus binóculos. As forças soviéticas e alemãs estavam severamente esgotadas, dispondo, por vezes, de apenas 150–200 soldados — a força total de uma companhia — num regimento.<ref name="GlantzTTG"/>
 
[[File:Soldiers on guard in December 1941 to the west of Moscow.jpg|thumb|Soldados alemães a oeste de Moscovo, Dezembro de 1941]]
 
A sul, perto de Tula, os combates reiniciaram-se em 18 de Novembro de 1941, com o 2.º Exército Panzer a tentar cercar a cidade.<ref name="GlantzTTG"/> As forças alemãs envolvidas estavam extremamente maltratadas pelos combates anteriores e ainda não tinham roupas de inverno. Assim, os progressos iniciais dos alemães foram apenas de 5 km a 10 km por dia.<ref>Guderian, p. 340.</ref> A acrescentar, expôs os exércitos de blindados alemães a ataques pelos flancos pelos 49.º e 50.º Exércitos soviéticos, estacionados perto de Tula, atrasando ainda mais o avanço alemão. Ainda assim, Guderian conseguiu prosseguir com a ofensiva, dispondo as suas forças num ataque "em estrela", conquistando [[Stalinogorsk]] a 22 de Novembro de 1941, e cercando uma divisão de infantaria soviética ali estacionada. A 26 de Novembro, os tanques alemães aproximaram-se de [[Kashira]], uma cidade que controlava uma via principal para Moscovo. Em resposta, os soviéticos lançaram uma contra-ofensiva no dia seguinte. O 2.º Corpo de Cavalaria do general Belov, apoiada por formações reunidas à pressa, incluindo a 173.ª Divisão de Infantaria, a 9.ª Brigada de Tanques, dois batalhões de tanques, e unidades de milícias,<ref>Erickson, 'The Road to Stalingrad,' p. 260</ref> bloquearam o avanço alemão perto de Kashira.<ref name=GeorgyZhukov/>{{rp|35–36}}<ref>A.P. Belov, ''Moscow is behind us'', Moscow, Voenizdat, 1963, p. 97.</ref> No início de Dezembro, os alemães tiveram de recuar, controlando os acessos sul à cidade.<ref>Belov, p. 106.</ref> Tula manteve tanto os soldados como os civis, protegidos por fortificações e defensores determinados. A sul, a Wehrmacht nunca conseguiu aproximar-se da capital.
 
== Notas de rodapé ==