Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 12h07min de 30 de dezembro de 2018
{{Artigo principal|Geografia da União Europeia}}
 
[[Imagem:European_Union_relief_laea_location_map.svg|thumb|upright=1.3|esquerda|Mapa topográfico da União Europeia.]]
{{Imagem dupla|left|Sulla strada per il rifugio Bertone.JPG|220|Polder Moordrecht.jpg|184|O [[Monte Branco]], nos [[Alpes]], [[Fronteira França-Itália|fronteira da França com a Itália]], é o ponto mais alto da União Europeia, com {{fmtn|4810}} metros de [[altitude]].|''Zuidplaspolder'', nos [[Países Baixos]], o ponto mais baixo da UE, a uma altitude de sete metros abaixo do [[nível do mar]].}}
 
Os [[Estados-membros da União Europeia|Estados-membros da UE]] cobrem uma área de {{fmtn|4423147}} quilómetros quadrados.{{nota de rodapé|Incluindo os cinco [[Departamentos de ultramar|departamentos ultramarinos franceses]] ([[Guiana Francesa]], [[Guadalupe]], [[Martinica]], [[Reunião (ilha)|Reunião]], [[Mayotte]]), que são parte integrante parte da UE, mas excluindo os [[Coletividades de ultramar|coletividades francesas no exterior]] e os [[Territórios de ultramar|territórios]], que não fazem parte da UE.}} Se fosse uma nação única, a UE teria a [[Lista de países e territórios por área|sétima maior área territorial]] do mundo e o seu pico mais elevado, o [[Monte Branco]], nos [[Alpes Graios]], está a {{fmtn|4810.45}} metros de [[altitude]] acima do [[nível do mar]].<ref>{{citar web|url=http://www.smh.com.au/environment/mont-blanc-shrinks-by-45cm-in-two-years-20091106-i0kk.html |título=Mont Blanc shrinks by {{convert|45|cm|2|abbr=on}} in two years |publicadopor=Smh.com.au |acessodata=26 de novembro de 2010}}</ref> O ponto mais baixo na UE é ''[[Zuidplaspolder]]'', nos [[Países Baixos]], a sete metros abaixo do nível do mar. A paisagem, clima e economia da UE são influenciados pelo seu litoral, que tem um total de {{fmtn|65993}} quilómetros de comprimento. O bloco tem a segunda maior costa do mundo, após a do [[Canadá]]. Os Estados-membros combinados compartilham [[Fronteiras da União Europeia|fronteiras terrestres]] com dezenove Estados não membros, totalizando {{fmtn|12441}} quilómetros de comprimento, a quinta maior fronteira do mundo.<ref name="CIA"/><ref name="Europa Members">{{citar web|título=European countries|publicado=Europa web portal|ano=2007|url=http://europa.eu/abc/european_countries/index_en.htm|acessodata=29 de junho de 2007}}</ref><ref name="Longest coasts">{{citar web|título=Countries of the Earth|publicado=home.comcast.net|ano=2006|url=http://web.archive.org/web/20070629202039/http://home.comcast.net/~igpl/Countries.html|acessodata=8 de agosto de 2007}}</ref>
 
A população da UE é altamente urbanizada, com cerca de 75% dos habitantes (e em crescimento, projetado para ser de 90% em sete Estados até 2020) a viver em áreas urbanas. As cidades são amplamente espalhadas em todo o bloco, embora exista um grande conjunto em torno do [[Benelux]]. Uma percentagem crescente disso deve-se à expansão de baixa densidade urbana que está ampliando em áreas naturais. Em alguns casos, este crescimento urbano tem sido devido ao influxo de fundos da UE para uma região.<ref>{{citar web | url=http://www.eea.europa.eu/publications/eea_report_2006_10/eea_report_10_2006.pdf | título= Urban sprawl in Europe: The ignored challenge | publicado=www.eea.europa.eu }} European Environmental Agency</ref>
 
=== Meio ambiente ===
[[Imagem:European Union biogeography countries.svg|thumb|esquerda|upright=1.43|[[Ecozona]]s da UE.]]
 
Em 1957, quando a União Europeia foi fundada, ela não tinha nenhuma política ou burocracia ambiental ou sequer leis ambientais.<ref>Jordan, A.J. and Adelle, C. (eds)(2012) Environmental Policy in the European Union: Contexts, Actors and Policy Dynamics (3e). Earthscan: London and Sterling, VA.</ref> Hoje, a UE tem algumas das políticas ambientais mais progressistas de todo o mundo e a legislação ambiental do bloco desenvolveu-se de uma forma notável nas últimas quatro décadas. A legislação europeia agora se estende por todas as áreas de proteção ambiental, como: controle de poluição do ar, a proteção da água, gestão de resíduos, conservação da natureza e o controle de produtos químicos, biotecnologia e de outros riscos industriais.<ref>Knill, C. and Liefferink, D.(2012) The establishment of EU environmental policy, In: Jordan, A.J. and Adelle, C. (eds) Environmental Policy in the European Union: Contexts, Actors and Policy Dynamics (3e). Earthscan: London and Sterling, VA.</ref> A Instituto Europeu de Política Ambiental estima que o corpo de leis ambientais da UE abranja bem mais de 500 directivas, regulamentos e decisões. A legislação ambiental tornou-se uma área central da política europeia.<ref name="European Environmental Policy 2012">Institute for European Environmental Policy (2012) Manual of European Environmental Policy, Earthscan, Londres.</ref>
 
Tais desenvolvimentos dinâmicos são surpreendentes, tendo em conta as condições legais e institucionais que existiam na década de 1950 e final dos anos 1960.<ref>Knill, C. and Liefferink, D.(2012) The etsbalishment of EU environmental policy, In: Jordan, A.J. and Adelle, C. (eds) Environmental Policy in the European Union: Contexts, Actors and Policy Dynamics (3e). Earthscan: London and Sterling, VA.</ref> Agindo sem qualquer autoridade legislativa, os decisores políticos europeus aumentaram a capacidade do bloco para agir através da definição da política ambiental como um problema comercial. A razão mais importante para a introdução de uma política ambiental comum era o medo de que barreiras ao comércio e distorções da concorrência no mercado comum poderiam surgir devido aos diferentes padrões ambientais existentes entre os países-membros.<ref>Johnson, S.P. and Corcelle, G. (1989) The Environmental Policy of the European Communities, Graham & Trotman, London</ref> No entanto, no decorrer do tempo, a política ambiental da UE emergiu como uma área política formal, com seus próprios atores, princípios e procedimentos políticos. A base legal da política ambiental da UE não era mais explicitamente estabelecida até a introdução do [[Acto Único Europeu]], em 1987.<ref name="European Environmental Policy 2012"/>
[[Imagem:Hommik_Viru_rabas.jpg|thumb|[[Parque Nacional de Lahemaa]], na [[Estónia]].]]
 
Inicialmente, a política ambiental da União Europeia era bastante introspectiva. Mais recentemente, no entanto, a UE tem demonstrado uma liderança crescente na governança ambiental global. O papel do bloco na garantia de ratificação e entrada em vigor do [[Protocolo de Quioto]], em face da oposição dos [[Estados Unidos]], é um exemplo nesse sentido. Esta dimensão internacional é refletida no Programa de Sexta Acção Ambiental da UE, que reconhece que seus objetivos estratégicos só podem ser alcançados se uma série de importantes acordos ambientais internacionais forem ativamente apoiados e devidamente implementados no mundo. A entrada em vigor do Tratado de Lisboa reforçou ainda mais as ambições de liderança ambiental da UE no planeta.<ref>Benson, D. and Adelle, C. (2012) European Union environmental policy after the Lisbon Treaty, In: Jordan, A.J. and Adelle, C. (eds) Environmental Policy in the European Union: Contexts, Actors and Policy Dynamics (3e). Earthscan: London and Sterling, VA.</ref>
 
O vasto corpo de legislação ambiental da UE que existe atualmente tem desempenhado um papel vital na melhoria do ''[[habitat]]'' e na proteção de espécies nativas da Europa, bem como contribuiu para melhorias na ar, na qualidade da água e na gestão de resíduos. No entanto, persistem desafios significativos, tanto para cumprir as metas e aspirações da dos Estados-membros existentes, quanto para criar novas metas e ações que irão melhorar ainda mais o meio ambiente e a qualidade de vida na Europa.<ref>Instituto Europeu de Política Ambiental (2012) Manual of European Environmental Policy, Earthscan, Londres</ref>
 
Uma das principais prioridades da política ambiental da UE é combater a [[mudança climática]]. Em 2007, os Estados-membros concordaram que a UE terá de usar 20% de [[energias renováveis]] no futuro e que tem de reduzir as emissões de [[dióxido de carbono]] até 2020 em pelo menos 20% em relação aos níveis de 1990.<ref name="EUO energy">{{citar jornal|url=http://www.guardian.co.uk/environment/2008/jan/23/climatechange.eu1|título=EU sets 20% target for carbon cuts|acessodata=29 de fevereiro de 2008|obra=The Guardian |primeiro =Jessica|último =Aldred|local=London|data=23 de janeiro de 2008}}</ref> Isto inclui medidas que determinam que, em 2020, 10% da quantidade total de combustível usado por carros e caminhões nos membros do bloco deve ser proveniente de fontes renováveis, como os [[biocombustíveis]]. Este é considerado um dos movimentos mais ambiciosos de uma importante região industrializada do mundo para combater as alterações climáticas.<ref name="Discovery energy">{{citar web|título=how the eu plans to fight climate change|url=http://web.archive.org/web/20110430040513/http://www.environmentconservation.org/environmental-global-warming/how-the-eu-plans-to-fight-global-warming/|acessodata=1 de Novembro de 2010}}</ref>
{{Galeria Geografia da UE}}
 
=== Estados-membros ===
 
Quatro países, que não são membros da UE, que formam a [[Associação Europeia de Livre Comércio]] (EFTA sigla em [[Língua inglesa|inglês]]) têm, em parte, comprometimentos com a economia e os regulamentos da UE: [[Islândia]], [[Liechtenstein]] e a [[Noruega]] são uma parte do [[mercado único]], através do [[Espaço Económico Europeu]], e a Suíça tem laços similares por meio de tratados bilaterais.<ref name="CH">{{citar web|título=The EU's relations with Switzerland|publicado=Europa web portal|url=http://eeas.europa.eu/switzerland/index_en.htm|acessodata=3 de novembro de 2010}}</ref> As relações dos [[microestado]]s europeus ([[Andorra]], [[Mónaco]], [[São Marino]] e o [[Vaticano]]) com a UE incluem o uso do [[euro]] e de outras áreas de cooperação.<ref name="euro use world">{{citar web|url=http://ec.europa.eu/economy_finance/euro/world/outside_euro_area/index_en.htm|título = Use of the euro in the world|publicado=Europa web portal|autor =European Commission|obra=The euro outside the euro area|acessodata=27 de fevereiro de 2008}}</ref>
 
=== Meio ambiente ===
[[Imagem:European Union biogeography countries.svg|thumb|esquerda|upright=1.4|[[Ecozona]]s da UE.]]
 
Em 1957, quando a União Europeia foi fundada, ela não tinha nenhuma política ou burocracia ambiental ou sequer leis ambientais.<ref>Jordan, A.J. and Adelle, C. (eds)(2012) Environmental Policy in the European Union: Contexts, Actors and Policy Dynamics (3e). Earthscan: London and Sterling, VA.</ref> Hoje, a UE tem algumas das políticas ambientais mais progressistas de todo o mundo e a legislação ambiental do bloco desenvolveu-se de uma forma notável nas últimas quatro décadas. A legislação europeia agora se estende por todas as áreas de proteção ambiental, como: controle de poluição do ar, a proteção da água, gestão de resíduos, conservação da natureza e o controle de produtos químicos, biotecnologia e de outros riscos industriais.<ref>Knill, C. and Liefferink, D.(2012) The establishment of EU environmental policy, In: Jordan, A.J. and Adelle, C. (eds) Environmental Policy in the European Union: Contexts, Actors and Policy Dynamics (3e). Earthscan: London and Sterling, VA.</ref> A Instituto Europeu de Política Ambiental estima que o corpo de leis ambientais da UE abranja bem mais de 500 directivas, regulamentos e decisões. A legislação ambiental tornou-se uma área central da política europeia.<ref name="European Environmental Policy 2012">Institute for European Environmental Policy (2012) Manual of European Environmental Policy, Earthscan, Londres.</ref>
 
Tais desenvolvimentos dinâmicos são surpreendentes, tendo em conta as condições legais e institucionais que existiam na década de 1950 e final dos anos 1960.<ref>Knill, C. and Liefferink, D.(2012) The etsbalishment of EU environmental policy, In: Jordan, A.J. and Adelle, C. (eds) Environmental Policy in the European Union: Contexts, Actors and Policy Dynamics (3e). Earthscan: London and Sterling, VA.</ref> Agindo sem qualquer autoridade legislativa, os decisores políticos europeus aumentaram a capacidade do bloco para agir através da definição da política ambiental como um problema comercial. A razão mais importante para a introdução de uma política ambiental comum era o medo de que barreiras ao comércio e distorções da concorrência no mercado comum poderiam surgir devido aos diferentes padrões ambientais existentes entre os países-membros.<ref>Johnson, S.P. and Corcelle, G. (1989) The Environmental Policy of the European Communities, Graham & Trotman, London</ref> No entanto, no decorrer do tempo, a política ambiental da UE emergiu como uma área política formal, com seus próprios atores, princípios e procedimentos políticos. A base legal da política ambiental da UE não era mais explicitamente estabelecida até a introdução do [[Acto Único Europeu]], em 1987.<ref name="European Environmental Policy 2012"/>
[[Imagem:Hommik_Viru_rabas.jpg|thumb|[[Parque Nacional de Lahemaa]], na [[Estónia]].]]
[[Imagem:Furnas_Beach,_VN_de_Milfontes,_Portugal.jpg|thumb|Praia em [[Vila Nova de Milfontes]], [[Alentejo]], [[Portugal]].]]
 
Inicialmente, a política ambiental da União Europeia era bastante introspectiva. Mais recentemente, no entanto, a UE tem demonstrado uma liderança crescente na governança ambiental global. O papel do bloco na garantia de ratificação e entrada em vigor do [[Protocolo de Quioto]], em face da oposição dos [[Estados Unidos]], é um exemplo nesse sentido. Esta dimensão internacional é refletida no Programa de Sexta Acção Ambiental da UE, que reconhece que seus objetivos estratégicos só podem ser alcançados se uma série de importantes acordos ambientais internacionais forem ativamente apoiados e devidamente implementados no mundo. A entrada em vigor do Tratado de Lisboa reforçou ainda mais as ambições de liderança ambiental da UE no planeta.<ref>Benson, D. and Adelle, C. (2012) European Union environmental policy after the Lisbon Treaty, In: Jordan, A.J. and Adelle, C. (eds) Environmental Policy in the European Union: Contexts, Actors and Policy Dynamics (3e). Earthscan: London and Sterling, VA.</ref>
 
O vasto corpo de legislação ambiental da UE que existe atualmente tem desempenhado um papel vital na melhoria do ''[[habitat]]'' e na proteção de espécies nativas da Europa, bem como contribuiu para melhorias na ar, na qualidade da água e na gestão de resíduos. No entanto, persistem desafios significativos, tanto para cumprir as metas e aspirações da dos Estados-membros existentes, quanto para criar novas metas e ações que irão melhorar ainda mais o meio ambiente e a qualidade de vida na Europa.<ref>Instituto Europeu de Política Ambiental (2012) Manual of European Environmental Policy, Earthscan, Londres</ref>
 
Uma das principais prioridades da política ambiental da UE é combater a [[mudança climática]]. Em 2007, os Estados-membros concordaram que a UE terá de usar 20% de [[energias renováveis]] no futuro e que tem de reduzir as emissões de [[dióxido de carbono]] até 2020 em pelo menos 20% em relação aos níveis de 1990.<ref name="EUO energy">{{citar jornal|url=http://www.guardian.co.uk/environment/2008/jan/23/climatechange.eu1|título=EU sets 20% target for carbon cuts|acessodata=29 de fevereiro de 2008|obra=The Guardian |primeiro =Jessica|último =Aldred|local=London|data=23 de janeiro de 2008}}</ref> Isto inclui medidas que determinam que, em 2020, 10% da quantidade total de combustível usado por carros e caminhões nos membros do bloco deve ser proveniente de fontes renováveis, como os [[biocombustíveis]]. Este é considerado um dos movimentos mais ambiciosos de uma importante região industrializada do mundo para combater as alterações climáticas.<ref name="Discovery energy">{{citar web|título=how the eu plans to fight climate change|url=http://web.archive.org/web/20110430040513/http://www.environmentconservation.org/environmental-global-warming/how-the-eu-plans-to-fight-global-warming/|acessodata=1 de Novembro de 2010}}</ref>
 
== Demografia ==
154 635

edições