Abrir menu principal

Alterações

134 bytes adicionados ,  12h12min de 30 de dezembro de 2018
 
Além de muitas grandes [[cidade]]s, o bloco europeu também inclui várias regiões densamente povoadas, que não têm núcleo único, mas surgiram a partir da conexão de várias cidades e agora abrangem grandes [[Área metropolitana|áreas metropolitanas]].<ref name="Eurostat Urban zones">{{citar web|título=Indicators for larger urban zones 1999 - 2003|publicado=Europa web portal|autor =Eurostat|url=http://epp.eurostat.ec.europa.eu/portal/page?_pageid=1996,45323734&_dad=portal&_schema=PORTAL&screen=welcomeref&open=/&product=EU_MASTER_urban_audit&depth=2|acessodata=25 de janeiro de 2007}}</ref>
 
{{Cidades mais populosas da União Europeia}}
=== ReligiãoReligiões ===
{{Imagem múltipla
| align = left
| direction = vertical
| width = 220
 
| image1 = European Union Religions.svg
| caption1 = Religiões dominantes na UE.
 
| image2 = EU belief in god.png
[[Imagem:EU | beliefcaption2 in god.png|thumb|esquerda|= [[Existência de Deus|Crença em Deus]] por Estado-membro da UE.]]
}}
 
A União Europeia é um corpo secular sem nenhuma ligação formal com qualquer religião, mas o Artigo 17º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia reconhece o estatuto "ao abrigo do direito nacional, igrejas e associações religiosas", bem como a de "organizações filosóficas e não confessionais".<ref name="Consolidated Treaties"/> O preâmbulo ao [[Tratado da União Europeia]] menciona a "herança cultural, religiosa e humanista da Europa".<ref name="Consolidated Treaties">{{citar web | url=http://eur-lex.europa.eu/JOHtml.do?uri=OJ:C:2008:115:SOM:EN:HTML | título= Consolidada a versão do Tratado da União Europeia | publicado=eur-lex.europa.eu }}.</ref>
 
Discussões sobre projetos da Constituição Europeia e, posteriormente, o [[Tratado de Lisboa (2007)|Tratado de Lisboa]], incluíram propostas para mencionar o cristianismo ou [[Deus]], ou ambos, no preâmbulo do texto, mas esta ideia já chegou a enfrentar a oposição e foi descartada.<ref name="EUO Merkel God">{{citar web|url=http://web.archive.org/web/20080507004509/http://www.independent.co.uk/news/europe/eu-celebrates-its-50th-birthday--with-a-row-about-religion-440976.html|título=EU celebrates 50th birthday-with a row about religion|publicado=[[The Independent]]|acessodata=4 de março de 2008}}</ref> Esta ênfase sobre o cristianismo faz dela a maior religião na [[Europa]], bem como um marcador cultural para a Europa e muito influente na civilização ocidental ou europeia. Outras religiões importantes presentes na União Europeia são o [[islamismo]] e o [[judaísmo]].
 
Os cristãos do bloco estão divididos entre os seguidores de [[catolicismo romano]], numerosas denominações protestantes (especialmente na [[Europa Setentrional]]), [[Igreja ortodoxa|ortodoxas]] orientais e orientais católicas (no [[Bálcãs|Sudeste da Europa]]). Outras religiões, tais como islamismo e o judaísmo, também estão representados na sua população. Em 2009, a União Europeia havia estimado uma população muçulmana de 13 milhões de habitantes,<ref name="mgmpPRC">{{citar livro|editor-sobrenome = Miller |editor-nome = Tracy | data = outubro 2009|publicado= [[Pew Research Center]] |título= Mapping the Global Muslim Population: A Report on the Size and Distribution of the World’s Muslim Population | url=http://web.archive.org/web/20130725120239/http://www.pewforum.org/newassets/images/reports/Muslimpopulation/Muslimpopulation.pdf |acessodata= 11 de novembro de 2009 |páginas=31–32 }}</ref> e um número estimado de um milhão de [[judeu]]s.<ref>{{citar web|url=http://www.jafi.org.il/education/100/concepts/demography/demjpop.html|título=World Jewish Population (2002)|acessodata=3 de maio de 2007|autor =Sergio DellaPergola|obra=American Jewish Year Book|publicado=The Jewish Agency for Israel}}</ref>
 
Pesquisas de opinião mostram que em 2005 a maioria dos cidadãos do bloco (52%) acredita num Deus, e que a maioria tinha de alguma forma um sistema de crença, com 21% de vê-la tão importante. Muitos países sofreram queda no comparecimento da sociedade à igreja nos últimos anos.<ref name="About SecE">{{citar web|publicado=[[USA Today]]|url=http://www.usatoday.com/news/world/2005-02-21-god-europe_x.htm|título=What place for God in Europe|acessodata=24 de julho de 2009|data=22 de fevereiro de 2005|primeiro =Peter|último =Ford}}</ref> Em 2005, revelou-se que dos cidadãos europeus (na época o bloco tinha 25 Estados-membros), 52% acreditam num Deus, 27% creem em "algum tipo de espírito ou força de vida" e 18% não tinha qualquer forma de crença. Os países onde o menor número de pessoas relataram crença religiosa foram a [[República Checa]] (19%) e a [[Estónia]] (16%).<ref name="Eurostat Religion">{{citar web|título=Eurobarometer 225: Social values, Science & Technology|publicado=Europa web portal|autor =Eurostat|ano=2005|url=http://ec.europa.eu/public_opinion/archives/ebs/ebs_225_report_en.pdf|acessodata=21 de julho de 2007}}</ref>
 
Em 2005, revelou-se que dos cidadãos europeus (na época o bloco tinha 25 Estados-membros), 52% acreditam num Deus, 27% creem em "algum tipo de espírito ou força de vida" e 18% não tinha qualquer forma de crença. Os países onde o menor número de pessoas relataram crença religiosa foram a [[República Checa]] (19%) e a [[Estónia]] (16%).<ref name="Eurostat Religion">{{citar web|título=Eurobarometer 225: Social values, Science & Technology|publicado=Europa web portal|autor =Eurostat|ano=2005|url=http://ec.europa.eu/public_opinion/archives/ebs/ebs_225_report_en.pdf|acessodata=21 de julho de 2007}}</ref>
 
Os países mais religiosos são [[Malta]] (95%, predominantemente católicos romanos), o [[Chipre]] e a [[Roménia]], ambos com cerca de 90% dos cidadãos que afirmam acreditarem na [[existência de Deus]] (predominantemente ortodoxos orientais). Em toda a União Europeia, a crença foi maior entre as mulheres, que aumentou com a idade, pessoas com educação religiosa, que deixaram a escola aos quinze anos com um ensino básico e posicionamento dos "próprios à direita da escala política (57%)".<ref name="Eurostat Religion" />
 
=== Línguas ===
Entre as muitas línguas e dialetos utilizados na União Europeia, 24 delas são oficiais.<ref name="Official Languages">{{citar web|título=Council Regulation (EC) No 1791/2006 of 20 November 2006|publicado=Europa web portal|autor =EUR-Lex|obra=[[Official Journal of the European Union]]|data=12 de dezembro de 2006|url=http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=CELEX:31958R0001:EN:NOT|acessodata=2 de fevereiro de 2007}}</ref><ref>{{citar web|título=Languages in Europe - Official EU Languages|publicado=EUROPA web portal|url=http://web.archive.org/web/20100327214925/http://ec.europa.eu/education/languages/languages-of-europe/doc135_en.htm|acessodata=12 de outubro de 2009}}</ref> Os documentos importantes, como a legislação, são traduzidos em todas as línguas oficiais. O [[Parlamento Europeu]], com sede em [[Estrasburgo]] ([[França]]), dispõe de tradução em todos os idiomas de documentos e sessões plenárias.<ref>{{citar web|título=Europarltv |url=http://www.europarltv.europa.eu/pt/home.aspx|acessodata=8 de setembro de 2013}}</ref> Algumas instituições usam apenas um pequeno número de línguas como línguas de trabalho internas.<ref>{{citar web|título=Languages and Europe. FAQ: Is every document generated by the EU translated into all the official languages?|publicado=Europa web portal|ano=2004|url=http://europa.eu/languages/en/document/59#5|acessodata=3 de fevereiro de 2007}}</ref> A Política de Língua é da responsabilidade dos [[Estados-membros da União Europeia|Estados-membros]], mas as suas instituições promovem a aprendizagem de outras línguas.<ref>Ver Artigos 165 e 166 (ex Artigos 149 e 150) do [[Tratado de Lisboa (2007)]]. [http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=OJ:C:2008:115:0001:01:EN:HTML]</ref><ref>{{citar web|título=European Parliament Fact Sheets: 4.16.3. Language policy|publicado=Europa web portal |autor =European Parliament |ano=2004 |url=http://www.europarl.europa.eu/facts/4_16_3_en.htm |acessodata=3 de fevereiro de 2007}}</ref>
 
O [[Língua alemã|alemão]] é a língua materna mais falada (cerca de 88,7 milhões de pessoas a partir de 2006), seguido pelo [[Língua inglesa|inglês]], [[Língua italiana|italiano]] e [[Língua francesa|francês]]. O inglês é de longe a língua estrangeira mais falada, em mais de metade da população (51%), com o alemão e o francês a seguir. 56% dos cidadãos europeus são capazes de se envolver numa conversa numa língua diferente da sua língua materna.<ref name="Eurobarometer Languages">{{citar web|título=Special Eurobarometer 243: Europeans and their Languages (Survey)|publicado=Europa web portal|autor =European Commission|ano=2006|url=http://ec.europa.eu/public_opinion/archives/ebs/ebs_243_en.pdf|acessodata=3 de fevereiro de 2007}}<br />{{citar web|título=Special Eurobarometer 243: Europeans and their Languages (Executive Summary)|publicado=Europa web portal|autor =European Commission|ano=2006|url=http://ec.europa.eu/public_opinion/archives/ebs/ebs_243_sum_en.pdf|acessodata=3 de fevereiro de 2007}}</ref> A maioria das línguas oficiais do bloco europeu pertence à família de [[línguas indo-europeias]], exceto o [[Língua estoniana|estoniano]], o [[Língua finlandesa|finlandês]] e o [[Língua húngara|húngaro]], que pertencem à família de [[línguas urálicas]], e o [[Língua maltesa|maltês]], que é um [[Línguas afro-asiáticas|língua afro-asiática]]. A maioria das línguas oficiais da União estão escritas no [[alfabeto latino]] com exceção do [[Língua búlgara|búlgaro]], escrito no [[alfabeto cirílico]], e do [[Língua grega|grego]], escrito no [[alfabeto grego]].<ref name="Many tongues, one family">{{citar web|título=Many tongues, one family. Languages in the European Union|publicado=Europa web portal|autor =European Commission|ano=2004|url=http://ec.europa.eu/publications/booklets/move/45/en.pdf|acessodata=3 de fevereiro de 2007}}</ref>
 
A maioria das línguas oficiais do bloco europeu pertence à família de [[línguas indo-europeias]], exceto o [[Língua estoniana|estoniano]], o [[Língua finlandesa|finlandês]] e o [[Língua húngara|húngaro]], que pertencem à família de [[línguas urálicas]], e o [[Língua maltesa|maltês]], que é um [[Línguas afro-asiáticas|língua afro-asiática]]. A maioria das línguas oficiais da União estão escritas no [[alfabeto latino]] com exceção do [[Língua búlgara|búlgaro]], escrito no [[alfabeto cirílico]], e do [[Língua grega|grego]], escrito no [[alfabeto grego]].<ref name="Many tongues, one family">{{citar web|título=Many tongues, one family. Languages in the European Union|publicado=Europa web portal|autor =European Commission|ano=2004|url=http://ec.europa.eu/publications/booklets/move/45/en.pdf|acessodata=3 de fevereiro de 2007}}</ref>
Além das línguas oficiais, existem cerca de outras 150 línguas regionais e/ou minoritárias faladas por cerca de 50 milhões de pessoas. Destas, somente as línguas regionais espanholas, irlandesas e galesas,<ref>{{citar jornal|título=Welsh and Gaelic are official EU tongues|jornal=The Times|autor =Rory Watson|data=5 de julho de 2008|url=http://www.timesonline.co.uk/tol/news/world/europe/article4272797.ece|acessodata=13 de março de 2009 |local=London}}</ref> podem ser utilizadas pelos cidadãos na comunicação com as principais instituições europeias.<ref name="Mercator">{{citar web|título=Mercator Newsletter - n. 29|publicado=Mercator Central|ano=2006|url=http://www.mercator-central.org/newsletter/newsletter29.htm#2|acessodata=1 de fevereiro de 2007}}</ref> Embora os programas da União Europeia possam apoiar as línguas regionais e minoritárias, a proteção dos direitos linguísticos é uma questão definida por cada Estado-membro em individual. Embora a população de altofalantes do romani seja tripla<ref>{{citar web |url=http://www.ethnologue.com/show_language.asp?code=rom |título=Romany |editor=Ethnologue |acessodata=11 de fevereiro de 2014}}</ref> que de falantes de galês (apesar da ''Porajmos''), a história da povo roma (ciganos) na [[Europa]] é de sete longos séculos, onde a sua língua não é oficial, em qualquer Estado do bloco.
 
Além das línguas oficiais, existem cerca de outras 150 línguas regionais e/ou minoritárias faladas por cerca de 50 milhões de pessoas. Destas, somente as línguas regionais espanholas, irlandesas e galesas,<ref>{{citar jornal|título=Welsh and Gaelic are official EU tongues|jornal=The Times|autor =Rory Watson|data=5 de julho de 2008|url=http://www.timesonline.co.uk/tol/news/world/europe/article4272797.ece|acessodata=13 de março de 2009 |local=London}}</ref> podem ser utilizadas pelos cidadãos na comunicação com as principais instituições europeias.<ref name="Mercator">{{citar web|título=Mercator Newsletter - n. 29|publicado=Mercator Central|ano=2006|url=http://www.mercator-central.org/newsletter/newsletter29.htm#2|acessodata=1 de fevereiro de 2007}}</ref> Embora os programas da União Europeia possam apoiar as línguas regionais e minoritárias, a proteção dos direitos linguísticos é uma questão definida por cada Estado-membro em individual. Embora a população de altofalantes do romani seja tripla<ref>{{citar web |url=http://www.ethnologue.com/show_language.asp?code=rom |título=Romany |editor=Ethnologue |acessodata=11 de fevereiro de 2014}}</ref> que de falantes de galês (apesar da ''Porajmos''), a história da povo roma (ciganos) na [[Europa]] é de sete longos séculos, onde a sua língua não é oficial, em qualquer Estado do bloco.
Além das muitas línguas regionais, uma grande variedade de línguas de outras partes do mundo são faladas por comunidades de imigrantes nos Estados-membros, como o [[Língua turca|turco]], por exemplo. Muitos idosos das comunidades de imigrantes são bilíngues, sendo fluentes em ambos as línguas, a local e a de origem. As línguas dos migrantes não têm qualquer estatuto formal ou reconhecimento na União Europeia, embora a partir de 2007 fossem elegíveis para o apoio do ensino da língua parte do bloco.<ref name="Many tongues, one family"/>
 
Embora os programas da União Europeia possam apoiar as línguas regionais e minoritárias, a proteção dos direitos linguísticos é uma questão definida por cada Estado-membro em individual. Embora a população de altofalantes do romani seja tripla<ref>{{citar web |url=http://www.ethnologue.com/show_language.asp?code=rom |título=Romany |editor=Ethnologue |acessodata=11 de fevereiro de 2014}}</ref> que de falantes de galês (apesar da ''Porajmos''), a história da povo roma (ciganos) na [[Europa]] é de sete longos séculos, onde a sua língua não é oficial, em qualquer Estado do bloco.
=== Religião ===
[[Imagem:European Union Religions.svg|thumb|esquerda|Religiões dominantes na UE.]]
[[Imagem:EU belief in god.png|thumb|esquerda|[[Existência de Deus|Crença em Deus]] por Estado-membro da UE.]]
 
Além das muitas línguas regionais, uma grande variedade de línguas de outras partes do mundo são faladas por comunidades de imigrantes nos Estados-membros, como o [[Língua turca|turco]], por exemplo. Muitos idosos das comunidades de imigrantes são bilíngues, sendo fluentes em ambos as línguas, a local e a de origem. As línguas dos migrantes não têm qualquer estatuto formal ou reconhecimento na União Europeia, embora a partir de 2007 fossem elegíveis para o apoio do ensino da língua parte do bloco.<ref name="Many tongues, one family"/>
A União Europeia é um corpo secular sem nenhuma ligação formal com qualquer religião, mas o Artigo 17º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia reconhece o estatuto "ao abrigo do direito nacional, igrejas e associações religiosas", bem como a de "organizações filosóficas e não confessionais".<ref name="Consolidated Treaties"/> O preâmbulo ao [[Tratado da União Europeia]] menciona a "herança cultural, religiosa e humanista da Europa".<ref name="Consolidated Treaties">{{citar web | url=http://eur-lex.europa.eu/JOHtml.do?uri=OJ:C:2008:115:SOM:EN:HTML | título= Consolidada a versão do Tratado da União Europeia | publicado=eur-lex.europa.eu }}.</ref>
 
=== Cidades mais populosas ===
Discussões sobre projetos da Constituição Europeia e, posteriormente, o [[Tratado de Lisboa (2007)|Tratado de Lisboa]], incluíram propostas para mencionar o cristianismo ou [[Deus]], ou ambos, no preâmbulo do texto, mas esta ideia já chegou a enfrentar a oposição e foi descartada.<ref name="EUO Merkel God">{{citar web|url=http://web.archive.org/web/20080507004509/http://www.independent.co.uk/news/europe/eu-celebrates-its-50th-birthday--with-a-row-about-religion-440976.html|título=EU celebrates 50th birthday-with a row about religion|publicado=[[The Independent]]|acessodata=4 de março de 2008}}</ref> Esta ênfase sobre o cristianismo faz dela a maior religião na [[Europa]], bem como um marcador cultural para a Europa e muito influente na civilização ocidental ou europeia. Outras religiões importantes presentes na União Europeia são o [[islamismo]] e o [[judaísmo]].
{{Cidades mais populosas da União Europeia}}
 
Os cristãos do bloco estão divididos entre os seguidores de [[catolicismo romano]], numerosas denominações protestantes (especialmente na [[Europa Setentrional]]), [[Igreja ortodoxa|ortodoxas]] orientais e orientais católicas (no [[Bálcãs|Sudeste da Europa]]). Outras religiões, tais como islamismo e o judaísmo, também estão representados na sua população. Em 2009, a União Europeia havia estimado uma população muçulmana de 13 milhões de habitantes,<ref name="mgmpPRC">{{citar livro|editor-sobrenome = Miller |editor-nome = Tracy | data = outubro 2009|publicado= [[Pew Research Center]] |título= Mapping the Global Muslim Population: A Report on the Size and Distribution of the World’s Muslim Population | url=http://web.archive.org/web/20130725120239/http://www.pewforum.org/newassets/images/reports/Muslimpopulation/Muslimpopulation.pdf |acessodata= 11 de novembro de 2009 |páginas=31–32 }}</ref> e um número estimado de um milhão de [[judeu]]s.<ref>{{citar web|url=http://www.jafi.org.il/education/100/concepts/demography/demjpop.html|título=World Jewish Population (2002)|acessodata=3 de maio de 2007|autor =Sergio DellaPergola|obra=American Jewish Year Book|publicado=The Jewish Agency for Israel}}</ref>
 
Pesquisas de opinião mostram que em 2005 a maioria dos cidadãos do bloco (52%) acredita num Deus, e que a maioria tinha de alguma forma um sistema de crença, com 21% de vê-la tão importante. Muitos países sofreram queda no comparecimento da sociedade à igreja nos últimos anos.<ref name="About SecE">{{citar web|publicado=[[USA Today]]|url=http://www.usatoday.com/news/world/2005-02-21-god-europe_x.htm|título=What place for God in Europe|acessodata=24 de julho de 2009|data=22 de fevereiro de 2005|primeiro =Peter|último =Ford}}</ref> Em 2005, revelou-se que dos cidadãos europeus (na época o bloco tinha 25 Estados-membros), 52% acreditam num Deus, 27% creem em "algum tipo de espírito ou força de vida" e 18% não tinha qualquer forma de crença. Os países onde o menor número de pessoas relataram crença religiosa foram a [[República Checa]] (19%) e a [[Estónia]] (16%).<ref name="Eurostat Religion">{{citar web|título=Eurobarometer 225: Social values, Science & Technology|publicado=Europa web portal|autor =Eurostat|ano=2005|url=http://ec.europa.eu/public_opinion/archives/ebs/ebs_225_report_en.pdf|acessodata=21 de julho de 2007}}</ref>
 
Os países mais religiosos são [[Malta]] (95%, predominantemente católicos romanos), o [[Chipre]] e a [[Roménia]], ambos com cerca de 90% dos cidadãos que afirmam acreditarem na [[existência de Deus]] (predominantemente ortodoxos orientais). Em toda a União Europeia, a crença foi maior entre as mulheres, que aumentou com a idade, pessoas com educação religiosa, que deixaram a escola aos quinze anos com um ensino básico e posicionamento dos "próprios à direita da escala política (57%)".<ref name="Eurostat Religion" />
 
== Política ==
154 674

edições