Diferenças entre edições de "Transplantação de órgãos"

105 bytes adicionados ,  12h42min de 30 de dezembro de 2018
m (Foram revertidas as edições de 2804:14C:3B9A:120C:F411:4841:3EB7:C50B para a última revisão de Stuckkey, de 18h10min de 17 de abril de 2018 (UTC))
Etiqueta: Reversão
 
==História==
[[File:Podolay transplantacia srdca 1968.jpg|thumb|right|282px|<center> {{PAGENAME}} (1968)</center>]]
 
As primeiras experiências de transplante, na antiguidade, visavam principalmente a reparar mutilações. No século VI a.C., cirurgiões hindus já faziam enxertos de tecidos. Em Alexandria, lesões do rosto e de outras partes do corpo eram atendidas com retalhos de pele.
Entre os casos modernos de transplante, são particularmente importantes os de coração. As primeiras experiências nesse domínio datam de 1905, quando, dois franceses, [[Alexis Carrel]] e [[Charles Claude Guthrie]], transplantaram o coração de um cão, que pulsou no corpo de outro durante cerca de uma hora. [[Vladimir Demikhov]] fez severos transplantes nos anos de [[1930]] e [[1950]], como a transplantação de um coração dentro de um animal e uma substituição de pulmão e coração em um animal. Após isso foi no ser Humano. O americano [[James Hardy|James Daniel Hardy]] em 1964 enxertou o coração de um chimpanzé num homem de 68 anos, que sobreviveu poucos minutos. Em dezembro de 1967, o sul-africano [[Christiaan Barnard]] conseguiu o primeiro êxito nesse tipo de operação, ao [[Transplante de coração|transplantar um coração]] de um humano para um paciente de 54 anos, em fase final de arteriosclerose coronária; o doente sobreviveu 18 dias, e morreu de pneumonia. A partir de então, inúmeros transplantes passaram a ser feitos, conseguindo-se sempre aumento de sobrevida.