Veneza Júlia: diferenças entre revisões

9 bytes adicionados ,  16h15min de 28 de janeiro de 2019
m
sem resumo de edição
m
m
 
A parte da Veneza Júlia que permaneceu na Italia após o [[Tratado de Paris (1947)|Tratado de Paris de 1947]] e o [[Memorando de Londres]] de 1954 constitui, junto com o [[Friul]], a região autônoma do [[Friul-Veneza Júlia]]. As terras eslovenas são divididas entre as regiões de [[Goriška]], [[Litoral-Carso]] e [[Litoral-Carníola Interior]], e as croatas entre o [[condado da Ístria]] e o [[condado Litoral-Serrano]].
 
Historicamente, a Veneza Júlia ocupa, ''[[grosso modo]]'', o território da região denominada [[Litoral Austríaco]]. Foi o linguista [[Graziadio Isaia Ascoli]], natural de Gorizia, o primeiro a propor em [[1863]] a nomenclatura de "Venezia Giulia" para a região como uma alternativa a ''Litorale Austriaco''. Sua proposta não tinha motivações [[irredentismoIrredentismo italiano|irredentistas]], mas visava a evidenciar a ''italianidade'' da região<ref>Como foi precisamente observado pela historiadora Marina Cattaruzza: «La definizione... elaborata dall'Ascoli non si collocava in un'ottica separatista. Si trattava piuttosto, per il glottologo goriziano, di dare maggiore visibilità alla componente italiana nella monarchia asburgica, evidenziandone le ascendenze romane e venete...» Cit. tratta da: CATTARUZZA, Marina. ''L'Italia e il confine orientale'' (pag. 20), Bologna, Società editrice Il Mulino, 2007, {{ISBN|978-88-15-12166-0}}. E sempre Marina Cattaruzza: ...Graziadio Ascoli aveva coniato il termine Venezia Giulia, con cui intendeva dare espressione all'appartenenza culturale al Litorale alla Nazione italiana.. (Cit. tratta da ''Nazionalismi di frontiera'', pagina 11 introduzione a firma di Marina Catturazza, a cura di Marina Cattaruzza, Soveria Mannelli, Robbettino editore, 2003</ref>.
 
 
129 319

edições