Sant'Anna a Ripa: diferenças entre revisões

440 bytes adicionados ,  6 de fevereiro de 2019
sem resumo de edição
 
== História ==
Antes de 1745, esta igreja era conhecida como ''Sant'Anna de Marmorata''. No final da [[Antiguidade]], ''Marmorata'' era o nome de um distrito de Roma que começava em ''[[Santa Maria in Cosmedin]]'' e ocupava a estreita faixa de terra entre o [[monte Aventino]] e o [[rio Tibre]] e também a estrada que circundava o lado oeste do monte até a ''[[Porta San Paolo]]'' (a moderna ''Via Marmorata''). O que hoje corresponde à parte norte do rione Testaccio era conhecido como "Orreu", um termo derivado do [[latim]] ''"[[hórreo|horrea]]"'', que designava os grandes celeiros que costumavam ficar no local.
Antes de 1745, esta igreja era conhecida como ''Sant'Anna de Marmorata'' apesar do atual distrito de Marmorata ficar do outro lado do Aventino, perto do [[Testaccio]]. Ela aparece no ''Catalogo di Torino'' ({{ca.}} 1320)<ref>{{citar web |url=http://penelope.uchicago.edu/Thayer/I/Gazetteer/Places/Europe/Italy/Lazio/Roma/Rome/churches/_Texts/Huelsen/HUECHI*/1/6.html#190 |subtítulo =Il catalogo di Torino (circa il 1320) | nome=Christian |sobrenome = Hülsen| título = Le chiese di Roma nel medio evo | língua = italiano}}</ref> como ''Ecclesia sancte Anne de Marmorata'' teria supostamente sido fundada pelos ''palafrenieri'', os [[pajem|pajens]] da corte papal no século XIII. Se for este o caso, esta igreja seria antecessora de ''[[Sant'Anna dei Palafrenieri]]'', no [[Vaticano]]<ref name=NIB>{{citar livro| título = Roma nell`Anno MDCCCXXXVIIIParte Prima Moderna| subtítulo =Sant'Anna detta dei Calzettari| sobrenome = Nibby| nome = Antonio| volume = 3| local = Roma| editora = Tip. delle Belle Arti| ano = 1839| url = http://dlib.biblhertz.it/Dg450-4380-3#page/116/mode/2up| página = 98| língua = italiano}}</ref><ref name=RAL>{{citar web | url = https://www.romeartlover.it/Vasi96.htm#Eremitorio| título = Monte Aventino e Ponte Sublicio| publicado =Rome Art Lover| língua = inglês}}</ref>.
 
Antes de 1745, esta igreja era conhecida como ''Sant'Anna de Marmorata'' apesar do atual distrito de Marmorata ficar do outro lado do Aventino, perto do [[Testaccio]]. Ela aparece no ''Catalogo di Torino'' ({{ca.}} 1320)<ref>{{citar web |url=http://penelope.uchicago.edu/Thayer/I/Gazetteer/Places/Europe/Italy/Lazio/Roma/Rome/churches/_Texts/Huelsen/HUECHI*/1/6.html#190 |subtítulo =Il catalogo di Torino (circa il 1320) | nome=Christian |sobrenome = Hülsen| título = Le chiese di Roma nel medio evo | língua = italiano}}</ref> como ''Ecclesia sancte Anne de Marmorata'' teria supostamente sido fundada pelos ''palafrenieri'', os [[pajem|pajens]] da corte papal no século XIII. Se for este o caso, esta igreja seria antecessora de ''[[Sant'Anna dei Palafrenieri]]'', no [[Vaticano]]<ref name=NIB>{{citar livro| título = Roma nell`Anno MDCCCXXXVIIIParte Prima Moderna| subtítulo =Sant'Anna detta dei Calzettari| sobrenome = Nibby| nome = Antonio| volume = 3| local = Roma| editora = Tip. delle Belle Arti| ano = 1839| url = http://dlib.biblhertz.it/Dg450-4380-3#page/116/mode/2up| página = 98| língua = italiano}}</ref><ref name=RAL>{{citar web | url = https://www.romeartlover.it/Vasi96.htm#Eremitorio| título = Monte Aventino e Ponte Sublicio| publicado =Rome Art Lover| língua = inglês}}</ref>.
 
No século XIV, ela tinha um pequeno mosteiro anexo para quatro monges, motivo pelo qual era chamado de ''eremitorio''. Na [[Idade Média]], o ''Clivo'' era a rota principal para os principais mosteiros do Aventino e este pequeno complexo vigiava a entrada. Em 1745, a igreja foi assumida pelos ''calzettari'', a [[guilda]] dos fabricantes de meias, que aparentemente a reformaram completamente. No século XIX, a igreja provavelmente ainda tinha um monge residente<ref name=ARM>{{citar livro| título = Le chiese di Roma dal secolo IV al XIX| subtítulo = Sant'Anna dei Calzettari| sobrenome = Armellini| nome = Mariano| local = Roma| editora = Tipografia Vaticana| ano = 1891| língua = italiano| url = http://dlib.biblhertz.it/Dm500-4870-a#page/624/mode/2up | página = 606}}</ref><ref name=NIB/>.
198 349

edições