Diferenças entre edições de "Remilitarização da Renânia"

2 bytes adicionados ,  17h26min de 11 de fevereiro de 2019
Correção de erro.
(Correção de erro.)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
O destacamento militar foi escasso, médio e até mesmo ridículo, mas o fato consistia numa violação do Tratado de Versalhes e do mais recente [[Tratados de Locarno]]. A área da Renânia, a leste do [[Rio Reno]], era de importância estratégica diante de qualquer possível invasão da [[França]] pela Alemanha (e vice-versa) ao constituir uma barreira natural do rio dentro do território da Alemanha.<ref>{{citar web|URL=http://www.bbc.co.uk/bitesize/higher/history/roadwar/rhine/revision/1/|título=The Importance of the Rhineland: Rhineland Invasion, March 1936|autor=|data=|publicado=BBC|acessodata=}}</ref> A região foi ocupada pelas tropas aliadas no final da [[Primeira Guerra Mundial]], que se retiraram em [[1930]], cinco anos antes do acordo, em uma demonstração de reconciliação para a [[República de Weimar]], não sem deixar um ressentimento na população local que saudou com entusiasmo a remilitarização de Hitler.
 
A crise diplomática foi curta e foi de alcance limitado, pois, apesar do exército francês poder ter respondido de forma eficaz e facilmente (na verdade, o exército alemão tinha ordens para não resistir e retirar se necessário), os governos francês e britânico continuaram com a [[política de apaziguamento]] que posteriormente viria a permitir a Hitler a [[Anschluss|incorporação da Áustria]] e, posteriormente, permitir a [[ocupação alemã da ChecoslováquiaTchecoslováquia|ocupação da ChecoslováquiaTchecoslováquia]] após a [[Crise dos Sudetos]], na sequência do [[expansionismo]] irredentista que levou à [[Segunda Guerra Mundial]].
 
{{referências}}
Utilizador anónimo