Diferenças entre edições de "Racionalismo"

107 bytes removidos ,  22h03min de 17 de fevereiro de 2019
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 192.140.81.66, com Reversão e avisos
(Correção de texto)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 192.140.81.66, com Reversão e avisos)
{Usem essa resposta: O racionalismo usa inicialmente o raciocínio para chegar a conclusões específicas} O '''racionalismo''' é a corrente [[Filosofia|filosófica]] que iniciou com a definição do [[raciocínio]] como uma operação mental, discursiva e [[lógica]] que usa uma ou mais [[proposição|proposições]] para extrair conclusões, ou seja, se uma ou outra proposição é verdadeira, falsa ou provável. Essa era a ideia central comum ao conjunto de [[doutrina]]s conhecidas tradicionalmente como racionalismo. O racionalismo é em parte, a base da [[Filosofia]], ao priorizar a [[razão]] como o caminho para se alcançar a [[verdade]].<ref>{{citar web|URL=http://www.infopedia.pt/$racionalismo;jsessionid=ZPey56qapVP78KWwggIYzA__|título=Racionalismo|autor=Infopedia, Porto Editora}}</ref>
 
O racionalismo afirma que tudo o que existe tem uma causa inteligível, mesmo que essa [[causalidade|causa]] não possa ser demonstrada empiricamente, tal como a causa da [[origem do Universo]]. Privilegia a [[razão]] em detrimento da [[Experiência (filosofia)|experiência]] do mundo sensível como via de acesso ao [[conhecimento científico|conhecimento]]. Considera a [[dedução]] como o método superior de [[investigação]] filosófica. [[René Descartes]], [[Baruch Spinoza]] e [[Gottfried Wilhelm Leibniz]] introduzem o racionalismo na [[filosofia moderna]]. [[Georg Wilhelm Friedrich Hegel]], por sua vez, identifica o racional com o real, supondo a total inteligibilidade deste último.