Diferenças entre edições de "Itálico"

8 bytes adicionados ,  23h56min de 20 de fevereiro de 2019
m
Foram revertidas as edições de 177.37.205.197 para a última revisão de Ygor Alves, de 12h53min de 19 de janeiro de 2019 (UTC)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
m (Foram revertidas as edições de 177.37.205.197 para a última revisão de Ygor Alves, de 12h53min de 19 de janeiro de 2019 (UTC))
Etiqueta: Reversão
 
===História===
Em 1501, Francesco Grifo (1450/1518) criou o "itálico tipográfico": tipos em metal inspirados nas letras cursivas das chancelarias Italianas para a imprensa venziana de [pirola[Aldo Manúcio]]. Os tipos itálicos de Griffo economizavam espaço, em relação aos tipos romanos e foram utilizados para compor, em 1501, uma obra de [[Virgílio]] na oficina de Manúcio. O itálico foi criado, naquela época, para ser utilizado como fonte de texto e não como fonte auxiliar, como é utilizada atualmente.<ref>[Heitlinger, Paulo. Site tipográfos.net. Disponível em: http://www.tipografos.net/historia/griffo.html Acesso em 17.12.2012 </ref>
 
Francesco Griffo trabalhou junto com Aldo Manúcio para desenvolver o primeiro tipo itálico baseado nas letras de chancelaria. As letras minúsculas da tipografia em metal itálica foram projetadas para uso em livros. A ideia de Manúcio era a de usar os tipos itálicos para economizar espaço e manter o custo da produção baixo, devido a economia de papel.<ref>Clair, Kate. Manual de Tipografia; a historia, as técnicas e a arte. Bookman, 2009. ISBN 978-85-7780-371-2</ref>