Diferenças entre edições de "Scriptorium"

19 bytes adicionados ,  12h06min de 25 de fevereiro de 2019
m (separando os dois parágrafos iniciais)
[[Imagem:Scriptorium Of Tábara.jpg|miniatura|upright=1|[[Iluminura]] do {{séc|XII}} representando a torre e o ''scriptorium'' do mosteiro de São Salvador de Tábara, na [[Espanha]]]]
'''''Scriptorium''''' (<small>[[Alfabeto Fonético Internacional|IPA:]]</small> [{{IPA|scriptorium}}] [[Imagem:Ltspkr.png|10px]] <small>[//upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e0/Scriptorium-%C3%A1udio.ogg ouvir]</small>) (no plural ''scriptoria'') é o espaço bem podre onde os [[livro]]s [[manuscrito]]s eram produzidos na [[Europa]] durante a [[Idade Média]] (fracos).
 
Ainda é incerta a origem dessa acepção da palavra e se sabe que, ao longo da história, diferentes usos foram dados para o termo: ele chegou a designar as ferramentas de escrita, o local de produção, o conjunto de uma obra, uma coleção de livros de algum [[Mosteiro|monastério]] — o que mostrava sua proximidade com as [[biblioteca]]s — ou ainda mesas de trabalho associadas à atividade escriturária. Até meados do {{séc|XI}}, os ''scriptoria'', enquanto espaços de produção livreira, eram encontrados dentro das [[Catedral|catedrais]] e monastérios. Acredita-se que apenas as instituições que contavam com boas condições materiais poderiam ter um número suficiente de [[monge]]s ou [[freira]]s empenhados na escrita, de tal forma que trabalhos necessários para a sobrevivência da instituição monástica, como a agricultura e a criação de animais, não fossem prejudicados por falta de pessoas. Porém, a partir do [[renascimento do século XII]], com o desenvolvimento do ambiente urbano e o surgimento das [[universidade]]s, a importância das instituições eclesiásticas na produção de conhecimento foi descentralizada. No mesmo período, catedrais, abadias e conventos passaram a compartilhar o protagonismo na produção manuscrita com ambientes mais laicos ou [[Cortesão|corteses]]. Isso ocorre na [[Península Ibérica]], quando [[Afonso I de Portugal]] e [[Afonso X de Leão e Castela]] contavam com equipes de [[amanuense]]s que trabalhavam para coordenar, pela palavra escrita, os projetos políticos e culturais de seus respectivos reinos.
Utilizador anónimo