Ara Pacis: diferenças entre revisões

59 bytes adicionados ,  14h52min de 8 de março de 2019
sem resumo de edição
'''Ara Pacis''' é um [[altar]] dedicado pelo [[imperador romano]] [[Augusto]] em [[30 de janeiro]] de {{AC|9|x}} à [[mitologia romana|deusa]] ''[[Pax]]'' ([[Paz]]), para celebrar o período da ''[[Pax Romana]]''. Foi colocado numa zona do [[Campo de Marte (Roma)|Campo de Marte]] consagrada à celebração das vitórias, local emblemático por estar a uma [[milha]] (1 472 m) dos limites sagrados da cidade de [[Roma]] (o [[pomério]]), onde os cônsules de retorno de uma expedição militar perdiam os poderes relativos (''imperium militiae'') e assumiam os poderes civis (''imperium domi'').
 
== História ==
Este monumento, uma [[obra-prima]] da [[arquitectura romana]], representa um dos mais significativos testemunhos da arte da época de Augusto, e pretende simbolizar o período de paz e prosperidade vivido durante a ''Pax Romana''). De facto, a [[5 de julho]] de {{AC|13|x}}, o [[Senado romano|senado]] decidiu construir um altar dedicado a esse feito, em ocasião do retorno de Augusto de uma expedição pacificadora de três anos na [[Hispânia]] e na [[Gália]] meridional. A dedicatória, i.e., a cerimónia de consagração solene, apenas teria lugar a [[9 de janeiro]] de {{AC|9|x}}, data importante por ser o aniversário de [[Lívia Drusa]], a esposa de Augusto.
 
 
Somente no século XVI ele foi reencontrado no subsolo de edificações posteriores, e vários fragmentos acabaram sendo dispersos entre museus da Europa. Sua recuperação teria de esperar até 1938, quando Mussolini o reinaugurou no encerramento das comemorações dos dois mil anos do nascimento de [[Augusto]]. Contudo, dada a impossibilidade de reconstituí-lo ''in situ'', os fragmentos subsistentes foram montados em outro local, próximo ao [[Mausoléu de Augusto]], e dentro de um pavilhão destinado a protegê-lo. Na década de 1950 se iniciaram obras de restauro e reforma do pavilhão, e na década de 1980 finalmente a estrutura foi desmontada e restaurada sistematicamente, incluindo a substituição de engates de ferro e outros elementos, a consolidação de restauros anteriores e a remoção de partes que não faziam parte do conjunto original e haviam sido erroneamente acrescentadas. Contudo, na década de 1990 verificou-se que o altar estava sofrendo acelerada degradação através da [[poluição atmosférica]] e excessivas variações de temperatura e umidade, e assim em 1995 a administração municipal decidiu construir um outro pavilhão, mais adequado, que foi inaugurado em 2006 e hoje não apenas protege o monumento mas também abriga o [[Museu da Ara Pacis]].
== Ver também ==
 
* [[Estela de Satúrnia]]
==Bibliografia==
{{Refbegin}}
198 345

edições