Abrir menu principal

Alterações

biografia - dados sobre a sua origem e família
{{Info/Biografia
| nome = Maria O'Neill
| imagem = Maria = O'Neill.jpg
| imagem_tamanho =
| imagem_legenda = Retrato de Maria O'Neill (circa = 1906)
| nome_completo = Maria da Conceição Infante de Lacerda Pereira de Eça Custance O'Neill
| nascimento_data = {{nascimento|19|11|1873}}
|nascimento_local nascimento_local = [[Lisboa]], {{PRT1830}} [[Reino de Portugal|Portugal]]
| morte_data = {{nowrap|{{morte|lang=pt|23|3|1932|19|11|1873}}}}
| morte_local = [[Brasil]]{{BRAb}}
| residência =
| nacionalidade = {{PORb}} [[Portugal|Portuguesa]]
| ocupação = Escritora[[Escritor]]a, [[jornalista]] poetisa, activista feminista, jornalista, [[teosofia|teosofista]] e [[espiritismo|espírita]]
| magnum_opus = ''Os contos da mamã''
| website =
| prémios =
}}
'''Maria da Conceição Infante de Lacerda Pereira de Eça Custance O'Neill''' ([[Lisboa]], [[19 de novembro]] de [[1873]] - Costa brasileira, [[23 de março]] de [[1932]]) foi uma escritora, poetisa, feminista, jornalista, [[teosofia|teosofista]] e [[espiritismo|espírita]] [[portugal|portuguesa]].
 
== Biografia ==
'''Maria O’Neill''' nasceu em [[Lisboa]], a 19 de Novembro de 1873, filha de Carlos Tomás Torlades O'Neill, descendente do clã Clanaboy da dinastia O'Neill da [[Irlanda do Norte]], e Maria Carlota Pereira de Eça Infante de Lacerda, filha do general minhoto José António Pereira de Eça II, sendo ambos oriundos de famílias abastadas com longas carreiras militares e proprietárias de vários terrenos e negócios, como a Casa Comercial Torlades, a [[Quinta dos Bonecos]], a [[Quinta da Saboaria]] e a [[Quinta das Machadas]] em [[Setúbal]]. Era prima do escritor [[Eça de Queiroz|José Maria d'Eça de Queiroz]].
Estreou nas Letras com o livro de poesia "Nimbos", com prefácio de [[Raimundo António de Bulhão Pato]]. Seguiram-se outros trabalhos, como "A Luta de Sentimentos", "Ilusão Desfeita", "Um Drama de Ciúme", "Amar é sofrer", "Um noivado feliz", "Salmos de Amor", "Vida Real", "Almas Femininas", "A Víbora", "Folhas Soltas", "O Colar de Vera", "O Amor tudo consegue", entre outros. Os seus contos infantis, considerados dos melhores em língua portuguesa à época, foram traduzidos para vários idiomas.
 
Estreou-se nas Letras em 1908, com o livro de poesia ''"Nimbos"'', como qual continha o prefácio dedo poeta [[Raimundo António de Bulhão Pato]]. Seguiram-se outros trabalhos, como ''"A Luta de Sentimentos"'', ''"Ilusão Desfeita"'', ''"Um Drama de Ciúme"'', ''"Amar é sofrer"'', ''"Um noivado feliz"'', ''"Salmos de Amor"'', ''"Vida Real"'', ''"Almas Femininas"'', ''"A Víbora"'', ''"Folhas Soltas"'', ''"O Colar de Vera"'', ''"O Amor tudo consegue"'', entre outros. Os seus contos infantis, considerados dos melhores em língua portuguesa à época, foram traduzidos para vários idiomas.
Encontra-se colaboração da sua autoria nas revistas ''[[Brasil-Portugal (revista)|Brasil-Portugal]]''<ref>{{Citar web |autor=Rita Correia |data=29 de Abril de 2009 |título=Ficha histórica: Brasil-Portugal : revista quinzenal illustrada (1899-1914). |url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/FichasHistoricas/BrasilPortugal.pdf |formato=pdf |publicado=[[Hemeroteca Municipal de Lisboa]] |data=29 de Abril de 2009 |acessodata=26 de Junho de 2014}}</ref> (1899-1914), ''Serões''<ref>[http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/Seroes/Seroes.htm Serões: revista semanal ilustrada (1901-1911) [cópia digital, hemeroteca Digital<nowiki>]</nowiki>]</ref> (1910-1911), ''Illustração portugueza''<ref>[http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/IlustracaoPortuguesa.htm Illustração portugueza (1903-) [cópia digital, Hemeroteca Digital<nowiki>]</nowiki>]</ref> (1903-) e ''[[A Sátira (revista)|A Sátira]]'' <ref >{{Citar web |autor=Rita Correia |data=07 de fevereiro de 2011 |título=Ficha histórica:A Sátira. Revista humorística de caricaturas (1911) |url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/FichasHistoricas/ASatira.pdf |publicado=[[Hemeroteca Municipal de Lisboa]] |acessodata=16 de Janeiro de 2015}}</ref> (1911).
 
Encontra-se colaboração da sua autoria nas revistas ''[[Brasil-Portugal (revista)|Brasil-Portugal]]''<ref>{{Citar web |autor=Rita Correia |data=29 de Abril de 2009 |título=Ficha histórica: Brasil-Portugal : revista quinzenal illustrada (1899-1914). |url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/FichasHistoricas/BrasilPortugal.pdf |formato=pdf |publicado=[[Hemeroteca Municipal de Lisboa]] |data=29 de Abril de 2009 |acessodata=26 de Junho de 2014}}</ref> (1899-1914), ''[[Serões (revista)|Serões]]'' <ref>[http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/Seroes/Seroes.htm <nowiki>Serões: revista semanal ilustrada (1901-1911) [cópia digital, hemeroteca Digital<nowiki>]</nowiki>]</ref> (1910-1911), ''[[Illustração portuguezaPortuguesa|Illustração Portugueza]]'' <ref>[http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/IlustracaoPortuguesa.htm <nowiki>Illustração portugueza (1903-) [cópia digital, Hemeroteca Digital<nowiki>]</nowiki>]</ref> (1903-) e ''[[A Sátira (revista)|A Sátira]]'' <ref >{{Citar web |autor=Rita Correia |data=07 de fevereiro de 2011 |título=Ficha histórica:A Sátira. Revista humorística de caricaturas (1911) |url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/FichasHistoricas/ASatira.pdf |publicado=[[Hemeroteca Municipal de Lisboa]] |acessodata=16 de Janeiro de 2015}}</ref> (1911).
Participou no I Congresso Espírita Português ([[1925]]), tendo posteriormente colaborado com a [[Federação Espírita Portuguesa]]. Fez parte da redação da "[[Revista de Espiritismo]]", em que sempre colaborou.
 
Participou no I Congresso Espírita Português ([[1925]]), tendo posteriormente colaborado com a [[Federação Espírita Portuguesa]]. Fez parte da redação da "[[Revista de Espiritismo|''Revista de Espiritismo'']]", em que sempre colaborou.
 
Registou referências elogiosas em "[[O Comércio do Porto]]" (17 de novembro de 1929), na "[[Gazeta de Coimbra]]" (28 de novembro de 1929), "[[O Primeiro de Janeiro]]” (28 de novembro de 1929), entre outros.
381

edições