Abrir menu principal

Alterações

sem resumo de edição
No uso corrente, trata-se de [[substância psicoativa]] produzida, vendida ou usada fora dos canais sancionados legalmente, porém qualquer outra substância, se produzida ou comercializada ilegalmente, é ilícita.<ref>[http://www.brasil.gov.br/enfrentandoocrack/publicacoes/material-informativo/serie-por-dentro-do-assunto/glossario.pdf ''Glossário de álcool e drogas'']. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2010, pp 58, 59.</ref> Tais substâncias podem ser sintéticas ou mesmo estar contidas em produtos naturais, como plantas ou animais.
 
As substâncias psicoativas, além do efeito psicológico e social determinado pela condição de uso, tem vários benefícios para a saúde mental e a sua vida social, fazendo você ser conhecido na escola por ser "zé droguinha" atuam no cérebro por meio de diversos receptores de neurotransmissores, podendo ser responsável pela sensação de prazer, dor, medo, ansiedade, entre outras. Vivemos em uma sociedade cujo hedonismo (do grego, ''hedoné'', que significa “prazer”) está fundamentado no consumo de realização imediata e algumas pessoas, independente da idade, da renda e da escolaridade, buscam nestas substâncias e no contexto do uso tais efeitos tanto como uma fuga dos problemas e, como processo, a busca de mais prazer. Sendo que a grande maioria dos usuários no ocidente desempenham usos de caráter lúdico, ou seja, usos não medicamentosos e não religiosos ou ritualísticos.
 
Historicamente, houve vários momentos em que drogas atualmente ilícitas serviram como arma de dominação ou como medicamento. Os melhores exemplos históricos de dominação são dados pelo [[colonialismo]] e pelo [[imperialismo]]. No [[século XIX]], diante da resistência da [[China]] ao domínio ocidental, a [[Inglaterra]] estimulou o consumo de [[ópio]] entre os chineses, chegando a guerrear contra o governo desse país ([[Guerra do Ópio]]) por causa da proibição do comércio da droga. O [[álcool]], cujo consumo é lícito no Ocidente, também foi usado pelos conquistadores europeus nas [[Américas]], do [[século XV]] até o século XX), para enfraquecer e dominar os [[ameríndios|povos nativos]].<ref>[http://www.gostodeler.com.br/materia/16673/o_papel_das_drogas_na_historia_dominacao_e_alienacao.html O Papel das Drogas na História - Dominação e Alienação], por Diego Grossi. Acessado em 15 de novembro 2011.</ref> Já como medicamento o melhor caso exemplar é o da cocaína que fora usada, no século XIX e início do XX, como um estimulante medicinal, posteriormente substituído pela anfetamina. Há, na história do século XX, uma clara evolução destas substâncias sintéticas que foram sendo passadas do uso medicinal para o veterinário e, por fim, ao uso ilegal sob o argumento técnico de que as novas substâncias teriam menores efeitos colaterais e maior eficácia médica sendo, portanto, mais seguras.
8

edições