Abrir menu principal

Alterações

sem resumo de edição
 
== História ==
A aparição das escolas de samba está ligada à própria história do carnaval carioca em si, bem como da criação do samba moderno, tendo como precursor o [[rancho carnavalesco]]. O "Reis de Ouro", criado em 1893 pelo pernambucano [[Hilário Jovino Ferreira]], foi o primeiro rancho de carnaval, responsável por apresentar novidades como o [[enredo]], personagens como o casal de [[mestre-sala e porta-bandeira]] e o uso de instrumentos de cordas e de sopro.<ref name="A1">{{citar web|url=http://dicionariompb.com.br/hilario-jovino-ferreira|título=Hilário Jovino Ferreira|publicado=Dicionário Cravo Albin|acessodata=23-11-2017}}</ref><ref name="A2">{{citar web|url=http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Dossi-%20Matrizes%20do%20Samba.pdf|título=Dossiê das Matrizes do Samba no Rio de Janeiro|publicado=IPHAN|acessodata=23-11-2017}}</ref><ref name="A3">{{citar web|url=http://temas.folha.uol.com.br/100-anos-de-samba/a-historia-que-a-rua-escreveu/como-um-valentao-criou-uma-nova-forma-de-pular-o-carnaval.shtml|título=Como um valentão criou uma nova forma de pular o Carnaval|publicado=Folha de S.Paulo|acessodata=23-11-2017}}</ref><ref name="A4">{{citar web|url=http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/post/pesquisa-e-texto-legitimam-historia-do-samba-contada-em-livro-essencial.html|título=Pesquisa e texto legitimam história do samba contada em livro essencial|publicado=G1|acessodata=23-11-2017}}</ref> Já os sambistas do [[Estácio (bairro do Rio de Janeiro)|Estácio]], com a fundação da [[Deixa Falar]] em [[1928]], organizaram as bases das atuais escolas de samba. Entre eles [[Ismael Silva]], na sua ideia de criar um [[bloco carnavalesco]] diferente, que pudesse dançar e evoluir ao som do samba.<ref name="Nelson">FERNANDES, Nélson da Nóbrega. ''Escolas de Samba'': sujeitos celebrantes e objetos celebrados - pág 47</ref>
[[Ficheiro:Batuque.jpg|thumb|''Batuque'', por [[Johann Moritz Rugendas]], 1822-1825.]]
A aparição das escolas de samba está ligada à própria história do carnaval carioca em si, bem como da criação do samba moderno, tendo como precursor o [[rancho carnavalesco]]. O "Reis de Ouro", criado em 1893 pelo pernambucano [[Hilário Jovino Ferreira]], foi o primeiro rancho de carnaval, responsável por apresentar novidades como o [[enredo]], personagens como o casal de [[mestre-sala e porta-bandeira]] e o uso de instrumentos de cordas e de sopro.<ref name="A1">{{citar web|url=http://dicionariompb.com.br/hilario-jovino-ferreira|título=Hilário Jovino Ferreira|publicado=Dicionário Cravo Albin|acessodata=23-11-2017}}</ref><ref name="A2">{{citar web|url=http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Dossi-%20Matrizes%20do%20Samba.pdf|título=Dossiê das Matrizes do Samba no Rio de Janeiro|publicado=IPHAN|acessodata=23-11-2017}}</ref><ref name="A3">{{citar web|url=http://temas.folha.uol.com.br/100-anos-de-samba/a-historia-que-a-rua-escreveu/como-um-valentao-criou-uma-nova-forma-de-pular-o-carnaval.shtml|título=Como um valentão criou uma nova forma de pular o Carnaval|publicado=Folha de S.Paulo|acessodata=23-11-2017}}</ref><ref name="A4">{{citar web|url=http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/post/pesquisa-e-texto-legitimam-historia-do-samba-contada-em-livro-essencial.html|título=Pesquisa e texto legitimam história do samba contada em livro essencial|publicado=G1|acessodata=23-11-2017}}</ref> Já os sambistas do [[Estácio (bairro do Rio de Janeiro)|Estácio]], com a fundação da [[Deixa Falar]] em [[1928]], organizaram as bases das atuais escolas de samba. Entre eles [[Ismael Silva]], na sua ideia de criar um [[bloco carnavalesco]] diferente, que pudesse dançar e evoluir ao som do samba.<ref name="Nelson">FERNANDES, Nélson da Nóbrega. ''Escolas de Samba'': sujeitos celebrantes e objetos celebrados - pág 47</ref>
 
Data de [[1929]] o primeiro concurso de sambas, realizado na casa de [[Zé Espinguela]], onde saiu vencedor o [[Conjunto Oswaldo Cruz]], e do qual também participaram a [[GRES Estação Primeira de Mangueira|Mangueira]] e a Deixa Falar. Alguns consideram este como sendo o marco da criação das escolas de samba.<ref>[http://academiadosamba.com.br/memoriasamba/artigos/capitulo-1.htm Academia do Samba - Capítulo 1]</ref>
 
No entanto, entre [[1930]] e [[1932]], estas apenas foram consideradas como uma variação dos blocos, até que em 1932 o periódico ''[[Mundo Sportivo]]'', de propriedade do jornalista pernambucano [[Mário Rodrigues Filho|Mário Filho]] (irmão do dramaturgo [[Nelson Rodrigues]]), decidiu organizar o primeiro Desfile de Escolas de Samba, na [[Praça Onze]].<ref name="MultiRio">{{Citar web|url=http://www.multirio.rj.gov.br/index.php/leia/reportagens-artigos/reportagens/8651-a-historia-dos-desfiles-das-escolas-de-samba|título=A história dos desfiles das escolas de samba|publicado=Portal MultiRio|acessodata=22-7-2017}}</ref><ref name="MultiRio2">{{Citar web|url=http://www.multirio.rj.gov.br/index.php/leia/reportagens-artigos/reportagens/493-mario-filho-o-jornalista-que-ajudou-a-construir-a-alma-carioca|título=Mario Filho: futebol, carnaval e construção da alma carioca|publicado=Portal MultiRio|acessodata=22-7-2017}}</ref><ref name="Nelson 77">FERNANDES, Nélson da Nóbrega. ''Escolas de Samba'': sujeitos celebrantes e objetos celebrados - pág 77</ref> Na redação do jornal - que também abrigava compositores de sucesso (tais como [[Antônio Nássara]], [[Armando Reis]] e [[Orestes Barbosa]]), surgiu a ideia de realizar a organização de um desfile carnavalesco. O jornal, inaugurado no ano anterior por Mário Filho, irmão do jornalista Nelson Rodrigues, com o término do campeonato de futebol, estava sem assunto e perdia leitores; por este motivo, o jornalista [[Carlos Pimentel]], muito ligado ao mundo do samba, teve a ideia de realizar na Praça Onze um desfile de escolas de samba, na época ainda grafadas entre aspas.<ref name="Nelson 77"/>
[[File:Hilário Jovino Ferreira.jpg|thumb|esquerda|[[Hilário Jovino Ferreira]], o criador do primeiro rancho de carnaval, que deu origem às escolas de samba.]]
 
A convite do ''Mundo Esportivo'', 19 escolas compareceram. O jornal estabeleceu critérios para o julgamento das escolas participantes.<ref>{{Citar web |url=http://academiadosamba.com.br/memoriasamba/desfiles/1932.htm |título=O compositor Orestes Barbosa, o casal de atores Eugênia Brandão e Álvaro Moreyra e o repórter Fernando Costa eram alguns dos membros do júri de 1932. |língua2=pt |autor= |obra= |data= |acessodata=}}</ref> A tradicional "ala das baianas" era pré-requisito para concorrer, sendo que as escolas, todas com mais de cem componentes, deveriam apresentar sambas inéditos e não usar instrumento de sopro, entre outras exigências.<ref>FERNANDES, Nélson da Nóbrega. ''Escolas de Samba'': sujeitos celebrantes e objetos celebrados - pág 79</ref>
 
A escola vencedora foi a [[GRES Estação Primeira de Mangueira|Estação Primeira da Mangueira]], enquanto o segundo lugar coube ao grupo carnavalesco de Osvaldo Cruz, hoje [[GRES Portela|Portela]]. O sucesso garantiu a oficialização do concurso que permaneceu na Praça Onze até 1941.<ref>"Nosso Tempo", Turner Publishing, Inc. e Century Books, Inc. ''Nosso Tempo'', Volume I; pg. 239. Editora Klick. 1995</ref> Com o tempo, as escolas de samba aproveitaram muitos elementos trazidos pelos [[ranchos]], tais como o [[enredo]], o casal de mestre-sala e porta-bandeira e a comissão de frente, elementos aos quais Ismael Silva, ao idealizar o Deixa Falar, era contrário.<ref>{{citar web|data=02/11/2012|publicado=Revista Piauí|URL=http://piaui.folha.uol.com.br/questoes-musicais/o-grande-ismael-silva/|título=O grande Ismael Silva|acessadoem=29/06/2016|autor=Eliete Negreiros}}</ref>
[[Ficheiro:Samba in cold rain.jpg|thumb|esquerda|Escola de samba [[Império do Papagaio]], de [[Helsinque]], na [[Finlândia]], durante o carnaval de 2004.]]
 
Porém, as contribuições da Deixa Falar - que nunca chegou a desfilar como escola de samba realmente - foram fundamentais para fixar as características principais das escolas atuais. Entre elas destacam-se: o gênero musical (samba moderno), o cortejo capaz de desfilar sambando, o conjunto de percussão, sem a utilização de instrumentos de sopro,<ref>Regulamento da [[União Geral das Escolas de Samba|UGES]] de 1946, ver FERNANDES, Nélson da Nóbrega. ''[Escolas de Samba]'': sujeitos celebrantes e objetos celebrados - pág. 127 (145 no e-book)</ref> e a ala das baianas.<ref name="Superinteressante"/>
Essa comissão julga cada um dos quesitos, atribuindo notas a cada um deles, sendo que cada jurado julga apenas um quesito; atualmente, os envelopes com as notas são lacrados num envelope após o desfile, e pede-se sigilo sobre a avaliação até o dia da apuração, quando as diretorias e integrantes principais, além das [[torcida]]s, comparecem a um local predeterminado para que sejam apuradas as notas, sendo assim conhecida a campeã do ano. No dia da apuração, a avaliação final dos julgadores pode ser alterada a partir da aplicação de certas penalidades, as quais todas estão sujeitas, por descumprir certas regras, tais como a obrigatoriedade de desfilar num determinado tempo, a exibição de um mínimo de componentes e proibição de que qualquer um deles se apresente totalmente [[nudez|nu]].<ref>{{Citar web |url=http://www.portalmaratimba.com/noticias/news.php?codnot=221009 |título=Portal Maratimba |língua= |autor= |obra= |data= |acessodata=}}</ref>
 
Embora os desfiles de escolas de samba tenham características municipais, não raro algumas entidades trocam o desfile da cidade onde fica sua sede pelo desfile de municípios vizinhos. As escolas de samba [[Brasil]] e [[X-9 de Santos|X-9]] ambas de [[Santos]], já foram campeãs do carnaval da capital paulistanapaulista, enquanto no Rio de Janeiro, [[GRES Acadêmicos do Grande Rio|Grande Rio]], [[GRES Unidos do Porto da Pedra|Porto da Pedra]], [[GRES Unidos da Ponte|Unidos da Ponte]], [[GRES Beija-Flor|Beija-Flor]] e [[GRES Unidos do Viradouro|Viradouro]] são escolas de samba de cidades da [[Região Metropolitana do Rio de Janeiro]] que desfilam na capital, sendo que as duas últimas já conquistaram o campeonato.
 
Tal fenômeno se repete em [[Vitória (Espírito Santo)|Vitória]] com a [[Mocidade Unida da Glória]], em [[Porto Alegre]] com a [[SRCCAS Unidos de Vila Isabel|Vila Isabel de Viamão]], em [[Curitiba]] com a [[Unidos dos Pinhais]], em [[Belém do Pará]], com a [[AC Caprichosos da Cidade Nova|Caprichosos da Cidade Nova]] e em [[Macapá]], com a [[Império do Povo]]. Nas cidades da [[Baixada Santista]] (Santos, [[Guarujá]], [[São Vicente (São Paulo)|São Vicente]], [[Cubatão]] e [[Praia Grande (São Paulo)|Praia Grande]]), é comum ver as escolas trocarem de desfile, e até as várias cidades organizarem um evento único (Carnaval Regional). Historicamente também é comum a participação de escolas de samba de [[Niterói]] em [[São Gonçalo (Rio de Janeiro)|São Gonçalo]] e vice-versa.
== Desfile ==
[[Ficheiro:Gaviões da Fiel.jpg|250px|thumb|Desfile da escola de samba [[Gaviões da Fiel]], durante o [[Carnaval de São Paulo]], no [[Sambódromo do Anhembi]].]]
[[Ficheiro:. Viviane Araújo 001- Rainha da Bateria.jpg|250px|thumb|100px|esquerda|[[Viviane Araújo]], atual rainha de bateria da escola de samba [[Acadêmicos do Salgueiro]], no Desfile das Campeãs.]]
 
Nas principais cidades, o desfile de uma escola de samba atualmente dura cerca de uma hora, com algumas variações de acordo com as regras impostas pela organização do carnaval no [[município]].<ref>{{citar web|URL = http://carnaval.ig.com.br/rio/como-funciona-o-desfile-de-uma-escola-de-samba-na-sapucai/n1597622378071.html|título = Como funciona o desfile de uma escola de samba na Sapucaí|data = |acessadoem = 25/08/2014|autor = IG|publicado = IG}}</ref> No Grupo Especial da cidade do Rio de Janeiro, o desfile possui tempo máximo de uma hora e quinze minutos, em São Paulo o limite máximo é de 1 hora e cinco minutos.<ref>{{citar web|URL = http://www.ligasp.com.br/wp-content/uploads/2013/10/REGULAMENTO+2014+ESPECIAL+E+ACESSO-3.pdf|título = Regulamento|acessadoem = 25/08/2014|autor = LIGA SP|publicado = LIGA SP}}</ref> Enquanto o grupo especial de Porto Alegre tem a duração máxima de 60 (sessenta) minutos e o mínimo de 50 (cinquenta) minutos para realizarem os seus desfiles. Ao longo da pista, ficam espalhados relógios com [[cronômetro]]s, para marcar o espaço de tempo entre a saída do primeiro componente da concentração e a chegada do último componente à dispersão, quando finalmente é fechado o portão e o desfile é oficialmente encerrado.<ref>{{citar web|URL = http://www.baticumbum.com.br/p/regulamento-geral-do-carnaval-de-porto.html|título = Regulamento geral do carnaval de Porto Alegre|acessadoem = 25/08/2014|autor = Baticumbum|publicado = Baticumbum}}</ref>
 
 
=== Bateria ===
[[Ficheiro:Repique.JPG|thumb|200px|Um dos instrumentos de [[percussão]] de uma bateria de escola de samba: o [[repique]].]]
É uma espécie de [[orquestra]] com [[Instrumentos musicais|instrumentos]] de [[percussão]], que devem acompanhar o canto e conduzir o ritmo ([[seção rítmica]]) do desfile.<ref>Pandey, Ashish, Encyclopaedic Dictionary of Music, Volume 2, Gyan Publishing House, 2005, pg. 508, ISBN 9788182052925</ref> Quanto mais rápido e em ritmo mais forte a bateria toca, mais rápido os integrantes costumam desfilar, havendo portanto uma associação vital entre este quesito e o quesito evolução. No [[Grupo Especial do Rio de Janeiro|Grupo Especial carioca]], cada escola possui, atualmente, uma média de 250 a 300 instrumentistas.<ref name="Superinteressante"/> No quesito bateria, devem ser avaliados "''a manutenção regular e a sustentação da cadência da Bateria em consonância com o Samba-Enredo; a perfeita conjugação dos sons emitidos pelos vários instrumentos; a criatividade e a versatilidade da bateria''".<ref name="Quesitos"/>
 
=== A corte da bateria ===
{{Categoria2|Rainhas de bateria}}
[[Ficheiro:Luíza Brunet Imperatriz 2008.jpg|thumb|150pxesquerda|[[Luiza Brunet]], ex-rainha de bateria do carnaval carioca.]]
 
[[Ficheiro:Luíza Brunet Imperatriz 2008.jpg|thumb|150px|[[Luiza Brunet]], ex-rainha de bateria do carnaval carioca.]]
[[Ficheiro:Viviane Araújo 001.jpg|thumb|100px|esquerda|[[Viviane Araújo]], atual rainha de bateria do Salgueiro]]
 
Também são elementos que recebem destaque a ''rainha de bateria''<ref>{{citar web | url=http://web.archive.org/web/20090209051814/http://ego.globo.com/Gente/Noticias/0,,MUL932751-9798,00-ESQUENTANDO+OS+TAMBORINS+CONHECA+AS+RAINHAS+DE+BATERIA+DO+CARNAVAL.html| titulo=Conheça as rainhas de bateria do Carnaval 2009| data=03/01/2009| acessodata=11/07/2011| autor=Ego}}</ref> e suas derivadas: ''madrinha'', ''musa'', e ''princesa'', espécies de cargos figurativos onde pessoas da comunidade ou por vezes artistas famosas são escolhidas para desfilar a frente da bateria da agremiação.<ref name="Superinteressante"/>
Em [[São Paulo (cidade)|São Paulo]], está em construção a Fábrica dos Sonhos, modelo similar a Cidade do Samba. Em outras cidades ainda existem barracões próximos aos locais de desfile, como em [[Cabo Frio]], [[Manaus]], [[Macapá]] e [[Porto Alegre]].<ref>{{citar web|URL = http://carnavalsp.tv/fotos/cabo-frio-o-segundo-maior-desfile-rio/|título = Cabo Frio o segundo maior desfile do Rio|data = |acessadoem = 25/08/2014|autor = |publicado = Carnaval SP}}</ref>
==Escolas de samba pelo mundo==
[[Ficheiro:Samba in cold rain.jpg|thumb|esquerda|Escola de samba [[Império do Papagaio]], de [[Helsinque]], na [[Finlândia]], durante o carnaval de 2004.]]
{{AP|Lista de escolas de samba}}
== Ver também ==
17 379

edições