Diferenças entre edições de "Automonitoramento"

138 bytes removidos ,  01h32min de 23 de março de 2019
Incluiu referências
(bot: eliminação rápida (modificação de uma página recentemente eliminada (6. Conteúdo publicitário, promocional ou panfletário) : -30))
(Incluiu referências)
Etiquetas: Editor Visual Retirada de marcação de eliminação
{{Usuário:Salebot/Impróprio|[[Usuário(a):Salebot|Salebot]] ([[Usuário(a) Discussão:Salebot|discussão]]) 01h30min de 23 de março de 2019 (UTC)}}
 
 
'''Auto-monitoramento''' é um conceito introduzido durante a década de 1970 por Mark Snyder , que mostra o quanto as pessoas monitoram suas auto-apresentações, comportamento expressivo e exibições afetivas não-verbais. <ref> Dia e Schleicher, 2009 </ref> Os seres humanos geralmente diferem substancialmente em suas habilidades e desejam se engajar em controles expressivos. <ref name="Snyder, 1974"> Snyder, 1974 </ref> É definido como um [[Teoria dos traços de personalidade|traço de personalidade]] que se refere à capacidade de regular o comportamento para acomodar situações sociais. As pessoas preocupadas com sua auto-apresentação expressiva tendem a monitorar de perto seu público para garantir aparências públicas apropriadas ou desejadas. <ref name=":0">{{Citar periódico|titulo=The Geography of Stigma Management|jornal=Socius: Sociological Research for a Dynamic World|volume=2|doi=10.1177/2378023115625172}}</ref> Os auto-monitores tentam entender como os indivíduos e grupos perceberão suas ações. Alguns tipos de personalidade geralmente agem espontaneamente (auto-monitores baixos) e outros são mais propensos a controlar propositalmente e ajustar conscientemente seu comportamento (altos monitores automáticos). <ref name=":1">{{Citar livro|título=Public Appearances, Private Realities: The Psychology of Self-Monitoring|ultimo=Snyder|primeiro=Mark|isbn=978-0716717973}}</ref> Estudos recentes sugerem que deve ser feita uma distinção entre o automonitoramento aquisitivo e o protetor, devido às suas diferentes interações. <ref>{{Citar periódico|titulo=Self-Monitoring and the Metatraits|jornal=Journal of Personality|volume=84|doi=10.1111/jopy.12162|issn=1467-6494|pmid=25565551}}</ref> Isso diferencia o motivo por trás dos comportamentos de automonitoramento: com o propósito de adquirir avaliação de outros (aquisitivo) ou proteger-se da desaprovação social (proteção).
 
 
'''Auto-monitoramento''' é um conceito introduzido durante a década de 1970 por Mark Snyder , que mostra o quanto as pessoas monitoram suas auto-apresentações, comportamento expressivo e exibições afetivas não-verbais. <ref> Dia e Schleicher, 2009 </ref> Os seres humanos geralmente diferem substancialmente em suas habilidades e desejam se engajar em controles expressivos. <ref name="Snyder, 1974"> Snyder, 1974 </ref> É definido como um [[Teoria dos traços de personalidade|traço de personalidade]] que se refere à capacidade de regular o comportamento para acomodar situações sociais. As pessoas preocupadas com sua auto-apresentação expressiva tendem a monitorar de perto seu público para garantir aparências públicas apropriadas ou desejadas. <ref name=":0">{{Citar periódico|titulo=The Geography of Stigma Management|jornal=Socius: Sociological Research for a Dynamic World|volume=2|doi=10.1177/2378023115625172}}</ref> Os auto-monitores tentam entender como os indivíduos e grupos perceberão suas ações. Alguns tipos de personalidade geralmente agem espontaneamente (auto-monitores baixos) e outros são mais propensos a controlar propositalmente e ajustar conscientemente seu comportamento (altos monitores automáticos). <ref name=":1">{{Citar livro|título=Public Appearances, Private Realities: The Psychology of Self-Monitoring|ultimo=Snyder|primeiro=Mark|isbn=978-0716717973}}</ref> Estudos recentes sugerem que deve ser feita uma distinção entre o automonitoramento aquisitivo e o protetor, devido às suas diferentes interações. <ref>{{Citar periódico|titulo=Self-Monitoring and the Metatraits|jornal=Journal of Personality|volume=84|doi=10.1111/jopy.12162|issn=1467-6494|pmid=25565551}}</ref> Isso diferencia o motivo por trás dos comportamentos de automonitoramento: com o propósito de adquirir avaliação de outros (aquisitivo) ou proteger-se da desaprovação social (proteção). {{Referências}}
[[Categoria:Juventude]]
[[Categoria:Comportamento]]
21

edições