Diferenças entre edições de "Automonitoramento"

2 102 bytes adicionados ,  15h09min de 23 de março de 2019
sem resumo de edição
{{Sem cat|data=março de 2019}}
'''Auto-monitoramento''' é um conceito introduzido durante a década de 1970 por Mark Snyder , que mostra o quanto as pessoas monitoram suas auto-apresentações, comportamento expressivo e exibições afetivas não-verbais. <ref> Dia e Schleicher, 2009 </ref> Os seres humanos geralmente diferem substancialmente em suas habilidades e desejam se engajar em controles expressivos. <ref name="Snyder, 1974"> Snyder, 1974 </ref> É definido como um [[Teoria dos traços de personalidade|traço de personalidade]] que se refere à capacidade de regular o comportamento para acomodar situações sociais. As pessoas preocupadas com sua auto-apresentação expressiva tendem a monitorar de perto seu público para garantir aparências públicas apropriadas ou desejadas. <ref name=":0">{{Citar periódico|titulo=The Geography of Stigma Management|jornal=Socius: Sociological Research for a Dynamic World|volume=2|doi=10.1177/2378023115625172}}</ref> Os auto-monitores tentam entender como os indivíduos e grupos perceberão suas ações. Alguns tipos de personalidade geralmente agem espontaneamente (auto-monitores baixos) e outros são mais propensos a controlar propositalmente e ajustar conscientemente seu comportamento (altos monitores automáticos). <ref name=":1">{{Citar livro|título=Public Appearances, Private Realities: The Psychology of Self-Monitoring|ultimo=Snyder|primeiro=Mark|isbn=978-0716717973}}</ref> Estudos recentes sugerem que deve ser feita uma distinção entre o automonitoramento aquisitivo e o protetor, devido às suas diferentes interações. <ref>{{Citar periódico|titulo=Self-Monitoring and the Metatraits|jornal=Journal of Personality|volume=84|doi=10.1111/jopy.12162|issn=1467-6494|pmid=25565551}}</ref> Isso diferencia o motivo por trás dos comportamentos de automonitoramento: com o propósito de adquirir avaliação de outros (aquisitivo) ou proteger-se da desaprovação social (proteção).
 
 
 
== Escala Snyder de Automonitoramento ==
 
Em 1974, Mark Snyder originalmente desenvolveu uma escala para medir se as pessoas eram auto-monitores altos ou baixos como uma medida de 25 itens. Em seu estudo original, ele descobriu que os estudantes da Universidade de Stanford pontuaram significativamente mais alto na escala do que os pacientes internados em psiquiatria, mas significativamente mais baixos do que as pessoas na profissão de ator.<ref name="Snyder, 1974"> Snyder, 1974 </ref>
A escala foi revisada em uma medida de 18 itens que é considerada psicometricamente superior à escala original e tem sido amplamente utilizada em estudos de automonitoramento. Houve grande debate sobre se a escala de automonitoramento é ou não um fenômeno unitário. Durante a década de 1980, a análise fatorial afirmou que a escala de automonitoramento estava realmente medindo várias dimensões distintas. A solução de três fatores foi a mais comum e geralmente interpretada como Atuação, Extroversão e Outros Direcionamentos. Houve consenso sobre a natureza multifatorial dos itens na escala de automonitoramento, no entanto, ainda existem interpretações divergentes sobre se isso é o modelo ideal ou não.<ref>Ajzen, Icek & Timko, Christine & B. White, John. (1982). Self-Monitoring and the Attitude-Behavior Relation. Journal of Personality and Social Psychology. 42. 426-435. 10.1037/0022-3514.42.3.426. </ref>
 
===Auto-monitores altos / baixos===
 
Um escore de 0 a 8 na escala de Snyder indica baixo automonitoramento, enquanto um escore de 13 a 25 indica um alto automonitoramento. Alguns traços de auto-monitores elevados incluem ajustar rapidamente seu comportamento em resposta às demandas da situação, enquanto os baixos automonitores se importam menos em modificar seu comportamento e tendem a manter as mesmas opiniões e atitudes independentemente da situação.<ref>Ajzen, Icek & Timko, Christine & B. White, John. (1982). Self-Monitoring and the Attitude-Behavior Relation. Journal of Personality and Social Psychology. 42. 426-435. 10.1037/0022-3514.42.3.426. </ref>
 
 
{{referências}}
21

edições