Abrir menu principal

Alterações

 
==Petróleo==
Em 1866, seu irmão William Rockefeller comprou outra refinaria em Cleveland e fez de John seu parceiro. Em 1867, Henry M. Flagler tornou-se sócio e a indústria Rockefeller, Andrews & Flagler foi estabelecida. Em 1868, com a continuação de empréstimos e reinvestindo seus lucros, controlando custos e utilizando os resíduos da refinaria, a empresa cresceu e logo se tornou duas, em Cleveland e uma subsidiária em Nova Iorque, sendo assim a maior refinaria de petróleo do mundo,<ref>{{citar web| url = http://www.pbs.org/wgbh/amex/rockefellers/peopleevents/p_rock_jsr.html |título=People & Events: John D. Rockefeller Senior, 1839–1937 |acessodata= 2008-06-10 |língua= inglês |publicado= PBS}}</ref><ref>{{citar web|url = http://www.exxonmobil.com/Corporate/history/about_who_history.aspx |título= Our History |acessodata= 2008-06-10 |língua= inglês |publicado= ExxonMobil}}</ref> antecedendo a [[Standard Oil Company]].
 
===Standard Oil===
Ao fim da Guerra Civil, Cleveland foi um dos cinco principais centros de refino dos Estados Unidos (junto com Pittsburgh, Filadélfia, Nova Iorque e a região da Pennsylvania). Em junho de 1870, Rockefeller formou a Standard Oil de Ohio, que rapidamente se tornou um dos mais prolíferos centros de refino de Ohio. Standard Oil cresceu ao ponto de se tornar um dos maiores transportadores de petróleo e querosene do país. As ferrovias estavam lutando ferozmente para o tráfego e em uma tentativa de criar um cartel para controlar as taxas de frete, formou-se a Companhia de Melhoramento do Sul, junto da Standard e de outros homens do petróleo e dos centros do petróleo{{Sfn | Segall | 2001 | p = 42}}. O cartel recebeu tratamento preferencial como um carregador de altos volumes, que incluía não apenas um desconto de até 50% para seu produto, mas também descontos para o transporte de produtos concorrentes{{Sfn | Segall | 2001 | p = 42}}. Parte desse esquema foi feito por causa das taxas de fretes que aumentavam acentuadamente. Esse novo negócio desencadeou um grande número de protestos dos proprietários independentes de petróleo, incluindo boicotes e vandalismo, o que eventualmente levou à descoberta da Standard Oil no negócio. A maior refinaria de Nova Iorque, a Charles Pratt & Co., dirigida por Charles Pratt e [[Henry Huttleston Rogers]], comandou o plano de oposição, e as ferrovias logo recuaram{{Sfn | Segall | 2001 | p = 43}}.
 
Sem se intimidar, embora fosse a primeira vez que a imprensa deu enfoque às suas práticas, Rockefeller continuou com o seu ciclo de auto-reforço de comprar refinarias concorrentes, melhorando a eficiência de suas operações, pressionando descontos em embarques de petróleo, prejudicando a sua concorrência, fazendo acordos secretos, levantando investimentos comuns. Em menos de quatro meses, em 1872, no que mais tarde ficou conhecido como "Conquista de Cleveland" ou "Massacre de Cleveland", a Standard Oil absorveu 22 de seus 26 concorrentes{{Sfn | Segall | 2001 | p = 44}}. Finalmente até os seus antigos adversários, como Pratt e Rogers, viram a inutilidade de continuar a competir contra a Standard Oil e em 1874 fizeram um acordo secreto com seu velho inimigo. Pratt e Rogers tornaram-se sócios de Rockefeller. Rogers, em particular, se tornou um dos homens-chave na formação da Standard Oil Trust. O filho de Pratt, Charles Millard Pratt tornou-se o secretário da Standard Oil. Rockefeller fazia ofertas decentes aos seus concorrentes; se recusassem vender, Rockefeller levava‐os à falência e em seguida comprava a indústria barata nos leilões. Via‐se como salvador da indústria, "um anjo de misericórdia", absorvendo os fracos e tornando a indústria como um todo mais forte, mais eficiente e mais competitiva{{Sfn | Segall | 2001 | p = 46}}. A Standard foi crescendo horizontal e verticalmente. Aumento os seus próprios oleodutos, vagões-tanques e a rede de entrega a domicílio. Manteve baixos preços do petróleo para afastar concorrentes e fez produtos acessíveis para as famílias de renda média. A indústria desenvolveu cerca de 300 produtos a base de petróleo, desde vaselina para pintura até vaselina para goma de mascar. Até o final da década de 1870, Standard refinava de mais de 90% do petróleo para os Estados Unidos{{Sfn | Segall | 2001 | pp = 48–49}} e Rockefeller já se tornara um milionário.
 
Em 1877, a Standard entrou em confronto com a Ferrovia Pensilvânia, sua principal transportadora. Rockefeller tinha previsto o uso de dutos como um sistema de transporte alternativo para o óleo e começou uma campanha para construir e adquiri-los.{{Sfn | Chernow | 1998 | p = 171}} . A estrada de ferro, vendo a tentativa de Rockefeller, contratacou e formou uma subsidiária para comprar petróleo e construir refinarias e oleodutos {{Sfn | Segall | 2001 | p = 57}}. Standard reagiu e segurou seus embarques, e com a ajuda de outras ferrovias começou uma guerra de preços que reduziu drasticamente o pagamento de fretes. Rockefeller acabou prevalecendo e a estrada de ferro vendeu todos os seus negócios de petróleo para a Standard{{Sfn | Segall | 2001 | p = 58}}.
 
====Monopólio====
[[Imagem:Rockefellers.png|thumb|right|200px|Rockefeller e seu filho [[John D. Rockefeller, Jr.]]em 1915]]
A Standard Oil gradualmente tinha o controle quase total do refino e comercialização de petróleo nos Estados Unidos. No setor de querosene, a Standard Oil substituiu o antigo sistema de distribuição. O sistema vertical que criou, fornecia querosene por vagões-tanques, levando o combustível para os mercados locais e em seguida para os clientes de varejo, ignorando assim, a atual rede de intermediários no atacado{{Sfn | Chernow | 1998 | p = 253}}. Apesar de melhorar a qualidade e a disponibilidade de produtos de querosene e de diminuir o preço do produto (o valor da querosene caiu quase que 80% ao longo da vida da empresa), as práticas de negócios da Standard Oil criaram polêmica. As armas mais potentes contra seus concorrentes foram os preços diferenciados e os descontos secretos de transporte{{Sfn | Chernow | 1998 | p = 258}}. A empresa foi atacada por jornalistas e políticos ao longo de sua existência, em parte por seus métodos monopolistas, dando impulso ao movimento anti-Standard. Em 1880, segundo o New York World, a Standard Oil foi o "monopólio mais cruel, insolente, impiedoso e forte que havia se firmado em um país"{{Sfn | Segall | 2001 | p = 60}}. Em resposta aos críticos, Rockefeller respondeu: "Em um negócio tão grande como o nosso, algumas coisas passam sem nossa aprovação. As corrigimos logo que chegam ao nosso conhecimento"{{Sfn | Segall | 2001 | p = 60}}.
 
Naquela época, muitas legislaturas criavam dificuldades para incorporar empresas em estados diferentes. Como resultado, Rockefeller e seus sócios compraram empresas que operavam em estados separados, tornando difícil a gestão de diferentes empresas. Em 1882, os advogados de Rockefeller criaram uma forma inovadora de centralizar suas participações nas empresas, dando à luz a Standard Oil Trust{{Sfn | Segall | 2001 | p = 61}}. A "Trust" foi a corporação das corporações e o tamanho da empresa e da riqueza atraiu muita atenção{{Sfn | Segall | 2001 | p = 61}}. Nove pessoas, incluindo Rockefeller, comandaram 41 companhias. A população e a imprensa imediatamente suspeitaram dessa nova entidade jurídica, mas outras empresas aproveitaram a ideia. A Standard Oil ganhou uma aura de invencibilidade, prevalecendo sempre contra os concorrentes, críticos e inimigos políticos. Tinha se tornado o maior, mais rico e mais temido negócio do mundo, aparentemente imune aos altos e baixos dos ciclos dos negócios, acumulando lucros de forma consistente ano após ano{{Sfn | Chernow | 1998 | p = 249}}.
 
Seu vasto império estadunidense incluía vinte mil poços domésticos, quatro mil quilômetros de gasodutos, cinco mil vagões-tanque e mais de cem mil funcionários{{Sfn | Chernow | 1998 | p = 249}}. A sua parte de refino de petróleo mundial chegou aos 90%, mas paulatinamente caiu para cerca de 80% até o fim do século{{Sfn | Segall | 2001 | p = 67}}. Rockefeller logo desistiu de seu sonho de controlar todo o refino de petróleo do mundo, admitindo mais tarde: "Percebemos que o sentimento público nos seria contrário se realmente refinássemos todo o petróleo"{{Sfn | Segall | 2001 | p = 67}}. O tempo e as novas descobertas estrangeiras fizeram que perdesse o domínio. No início da década de 1880, Rockefeller criou uma das mais importantes inovações. Em vez de tentar influenciar o preço do petróleo bruto, a Standard Oil exercia o controle indireto, alterando taxas de armazenagem de petróleo para atender às condições de mercado. Rockefeller, em seguida, decidiu ordenar a emissão de certificados de petróleo armazenados em seus dutos{{Sfn | Chernow | 1998 | p = 259}}, certificados que eram alvo de especulação, criando o primeiro mercado de futuros de petróleo, que estabeleceu os preços daí por diante. A Bolsa nacional de petróleo abriu em Manhattan no fim de 1882 para facilitar a negociação de futuros de petróleo.
 
Mesmo que 85% da produção mundial de petróleo ainda viesse da Pensilvânia na década de 1880, a perfuração de poços no exterior, na [[Rússia]] e no restante da [[Ásia]] principalmente, começava a tomar lugar no mercado mundial{{Sfn | Chernow | 1998 | p = 242}}. Robert Nobel tinha estabelecido a sua empresa de refino próprio no abundante e mais barato campo de petróleo russo, e adquirido o primeiro gasoduto da região e o primeiro navio-tanque do mundo. O Paris Rothschilds entraram na briga, oferecendo financiamento{{Sfn | Chernow | 1998 | p = 246}}. Os campos adicionais foram descobertos na Birmânia e Java. A invenção da lâmpada, gradualmente, começou a corroer o domínio da querosene na iluminação. Mas a Standard Oil adaptou-se e desenvolveu a sua presença na Europa, expandindo sua produção para o gás natural nos Estados Unidos e em seguida, gasolina para automóveis, que até então tinha sido considerado um resíduo{{Sfn | Segall | 2001 | p = 68}}.
Na década de 1890, Rockefeller expandiu seus negócios para minério de ferro e seu transporte, colidindo com o magnata do aço Andrew Carnegie; sua competição se tornou um grande assunto nos jornais e cartunistas{{Sfn | Segall | 2001 | p = 77}}. Entrou numa farra de aquisições maciças na produção de petróleo bruto em Ohio, Indiana e Virgínia{{Sfn | Chernow | 1998 | p = 287}} enquanto os campos originais da Pensilvânia se esgotavam. Em meio à expansão frenética, Rockefeller começou a pensar em aposentadoria. A gestão diária da empresa foi entregue a John Dustin Archbolg e Rockefeller comprou um imóvel novo, Pocantico Hills, ao norte de Nova Iorque, tendo mais tempo para atividades de lazer, incluindo esportes como ciclismo e golfe{{Sfn | Segall | 2001 | pp = 79–80}}. Na aposentadoria integral, aos 63 anos, Rockefeller ganhou mais de $8 milhões em investimentos em 1902{{Sfn | Segall | 2001 | p = 84}}.
 
Um dos mais eficazes ataques a Rockefeller e a sua empresa aconteceu com a publicação de {{Citation |ano= 1904 |título= The History of the Standard Oil Company |primeiro = Ida |último = Tarbell |língua= inglês}}{{Sfn | Segall | 2001 | p = 89}}. Ela documentou espionagem da empresa, guerra de preços, táticas de mão pesada de marketing e evasão de processos. Embora seu trabalho tivesse provocado uma reação de enorme desgosto popular com a empresa, Tarbell alega ter sido surpreendida com sua magnitude: "Nunca tive nada contra seu tamanho e riqueza, nunca me opus a sua forma corporativa. Queria que eles crescessem e ficassem ricos, mas de forma legal". O pai de Tarbell fôra alijado do setor de petróleo durante o caso da South Improvement Company.
 
Rockefeller chamou‐lhechamou-lhe privadamente ‘senhorita Tarrbell’, um trocadilho de seu nome com a palavra ‘piche’ (em inglês, ''tarr''), mas em público disse: "nenhuma palavra sobre essa mulher".{{Sfn | Segall | 2001 | p = 89}}. Com isso, Rockefeller começou uma campanha publicitária para colocar sua empresa (e a si mesmo) em melhor posição. Embora tivesse muito tempo, sempre manteve uma política de silêncio com a imprensa, mas decidiu se tornar mais acessível e respondeu com comentários com "capital e trabalho são duas forças selvagens que exigem legislação inteligente para mantê-los sob controle"{{Sfn | Segall | 2001 | p = 91}}. Ele escreveu e publicou as suas memórias a partir de 1908.{{Sfn | Segall | 2001 | p = 91}}.
 
Rockefeller e seu filho continuaram a consolidar os seus interesses sobre o petróleo da melhor maneira que puderam até que Nova Jérsei, em 1909, mudou suas leis de incorporação permitindo a recriação do truste na forma de uma única empresa detentora de participações. Rockefeller manteve sua participação e o título nominal de presidente da companhia até 1911. Finalmente, em 1911, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu que a Standard Oil Company de Nova Jérsei violava o Ato antitruste Sherman. Até então, a empresa ainda tinha participação de 70% no mercado de petróleo e refinados, mas apenas 14% no abastecimento de petróleo bruto dos Estados Unidos{{Sfn | Segall | 2001 | p = 93}}. O tribunal decidiu que a companhia se originou em práticas de monopólio ilegal e ordenou que fosse dividido em 34 novas empresas. Estas incluíam a Continental oil, que se tornou [[Conoco]], atual ConocoPhilips, Standard de Indiana (atual parte da [[BP]]), Standard da Califórnia ([[Chevron]]), Standard de Nova Jérsei (atual parte da [[ExxonMobil]]), Standard de Nova Iorque (ExxonMobil) e Standard de Ohio (BP){{Sfn | Segall | 2001 | p = 112}}.
6 102

edições