Diferenças entre edições de "Automonitoramento"

4 bytes removidos ,  12h25min de 25 de março de 2019
m
Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por consoante diferente de “r” ou “s”
m (Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por consoante diferente de “r” ou “s”)
 
'''Automonitoramento''' é um conceito introduzido durante a década de 1970 por Mark Snyder , que mostra o quanto as pessoas monitoram suas auto-apresentações, comportamento expressivo e exibições afetivas não-verbais. <ref> Dia e Schleicher, 2009 </ref> Os seres humanos geralmente diferem substancialmente em suas habilidades e desejam se engajar em controles expressivos. <ref name="Snyder, 1974"> Snyder, 1974 </ref> É definido como um [[Teoria dos traços de personalidade|traço de personalidade]] que se refere à capacidade de regular o comportamento para acomodar situações sociais. As pessoas preocupadas com sua auto-apresentação expressiva tendem a monitorar de perto seu público para garantir aparências públicas apropriadas ou desejadas. <ref name=":0">{{Citar periódico|titulo=The Geography of Stigma Management|jornal=Socius: Sociological Research for a Dynamic World|volume=2|doi=10.1177/2378023115625172}}</ref> Os automonitores tentam entender como os indivíduos e grupos perceberão suas ações. Alguns tipos de personalidade geralmente agem espontaneamente (automonitores baixos) e outros são mais propensos a controlar propositalmente e ajustar conscientemente seu comportamento (automonitores altos). <ref name=":1">{{Citar livro|título=Public Appearances, Private Realities: The Psychology of Self-Monitoring|ultimo=Snyder|primeiro=Mark|isbn=978-0716717973}}</ref> Estudos recentes sugerem que deve ser feita uma distinção entre o automonitoramento aquisitivo e o protetor, devido às suas diferentes interações. <ref>{{Citar periódico|titulo=Self-Monitoring and the Metatraits|jornal=Journal of Personality|volume=84|doi=10.1111/jopy.12162|issn=1467-6494|pmid=25565551}}</ref> Isso diferencia o motivo por trás dos comportamentos de automonitoramento: com o propósito de adquirir avaliação de outros (aquisitivo) ou proteger-se da desaprovação social (proteção).
 
Uma pontuação de 0 a 8 na escala de Snyder indica baixo automonitoramento, enquanto uma pontuação de 13 a 25 indica um alto automonitoramento. Alguns traços de automonitores elevados incluem ajustar rapidamente seu comportamento em resposta às demandas da situação, enquanto os baixos automonitores se importam menos em modificar seu comportamento e tendem a manter as mesmas opiniões e atitudes independentemente da situação.<ref>Ajzen, Icek & Timko, Christine & B. White, John. (1982). Self-Monitoring and the Attitude-Behavior Relation. Journal of Personality and Social Psychology. 42. 426-435. 10.1037/0022-3514.42.3.426. </ref>
 
== Dimensões do Auto-monitoramentoAutomonitoramento ==
 
O automonitoramento consiste em duas dimensões. A auto-observação, uma das duas dimensões do automonitoramento, é um processo no qual o indivíduo examina a si mesmo, seus próprios processos espirituais, físicos e mentais, sentimentos, comportamentos e motivações<ref>automonitoramento Gangestad, S. W., & Snyder, M. (2000). Self-Monitoring: Appraisal and Reappraisal. American Psychological Association , 126 (4), 530-555.</ref>
 
Para Pinheiro (2004), é difícil para o indivíduo pensar de forma reflexiva e exibir comportamentos voltados para esse objetivo sem o automonitoramento. O número de pessoas que vai dizer ao indivíduo o que ele / ela deve fazer em qualquer caso diminuirá ou não precisará mais ser levado em consideração por meio de um bom automonitoramento.<ref>Pinheiro, J. D. (2004). Self-observation: a teacher development approach. Glosas Didactitas , 192-206</ref>
O autocontrole, a outra dimensão do auto-monitoramentoautomonitoramento, é um processo no qual o indivíduo mantém os comportamentos que ele / ela monitorou com a ajuda de uma ferramenta ou sem ferramentas em sua mente, para que os comportamentos pretendidos sejam repetidos.<ref>Snyder, M. (1987). The psychology of self-monitoring. New York: WH Freeman/Times Books.</ref>
 
Como o comportamento ou o conhecimento mantido em mente será mais tarde usado nos processos de reflexão, é um pré-requisito para o início de todos os autoprocessos (autogestão, autocontrole e auto-regulação, etc.) e para a sua realização.<ref>Arslantas, S. & Kurnaz, A. (2017). The effect of using self-monitoring strategies in social studies course on self-monitoring, self-regulation and academic achievement. International Journal of Research in Education and Science (IJRES), 3(2), 452-463. DOI: 10.21890/ijres.327905</ref>
== Ligações externas ==
* [https://openpsychometrics.org/tests/SMS/ Versão Interativa da escala de automonitoramento]
* [https://discovermyprofile.com/selfmonitoring.html Teste de Auto-monitoramentoAutomonitoramento]
{{referências}}
 
157 738

edições