Análise de sistemas: diferenças entre revisões

32 bytes adicionados ,  26 de março de 2019
sem resumo de edição
'''Análise de sistemas''' é a atividade que tem como finalidade a realização de estudos de processos a fim de encontrar o melhor caminho racional para que a informação possa ser processada. Os analistas de sistemas estudam os diversosdrsos sistemas existentes entre hardwares (equipamentos), softwares (programas) e o usuário final.
 
Os seus comportamentos e aplicações são desenvolvidos a partir de soluções que serão padronizadas e transcritas da forma que o computador possa executar.
 
Os profissionais da área geram softwares (programas), que são executados em hardwares (equipamentos) operados por usuários (indivíduos), preparados e treinados em procedimentos operacionais padronizados, dotadosggdfgddotados de conhecimentos do software e hardware para seu trabalho. A partir de então a análise de sistemas é uma profissão cujas responsabilidades concentram-se na análise do [[sistema]] e na administração de [[sistemas computacionais]]. Cabe a este profissional parte da organização, implantação e manutenção de [[aplicativo]]s e [[rede de computadores|redes de computadores]], ou seja, o analista de sistemas é o responsável pelo levantamento de informações sobre uma [[empresa]] a fim de utilizá-las no desenvolvimento de um sistema para a mesma ou para o levantamento de uma necessidade específica do cliente para desenvolver este programa específico com base nas informações colhidas.
 
O profissional geralmente possui conhecimento adquirido em faculdades de [[Sistemas de informação]], [[Desenvolvimento web|Sistemas para Internet]], [[Ciência da computação]], Análise de sistemas, [[Engenharia da Computação]], [[Engenharia de software|Engenharia de Software]], [[Processamento de dados]], [[Informática]], [[Licenciatura em Computação]] ou outros cursos similares, mas a ausência de restrições para o exercício do cargo permite a profissionais capacitados de cdjshdusc\outras áreas ou mesmo que não possuem educação superior cumprirem este papel nas empresas.
 
Como é uma ênfase, o foco e o núcleo de trabalho está voltado para o [[processo de desenvolvimento de software]], levando em conta a área tecnológica em que irá auxiliar. O analista de sistemas deve servir como um tradutor entre asase necessidades do [[usuário]] e o programa a ser desenvolvido pelo [[programador]]. Para isto, deve ter conhecimento abrangente da [[área de negócio]] na qual o sistema será desenvolvido, a fim de que possa implementar corretamente as [[regras de negócio]].
 
== FormaçãoFormaçãovujfdm ==
[[Imagem:Classes and Methods.png|thumb|250px|Exemplo de [[código fonte]] em [[Java (linguagem de programação)|Java]], uma das [[linguagens de programação]] mais utilizadas.]]
 
O '''tecnólogo em análise e desenvolvimento de sistemas''' é um profissional de [[Ensino superior|nível superior]] formado em um Curso Superior de Tecnologia. Essa modalidade de [[graduação]] visa formar profissionais para atender campos específicos do mercado de trabalho. Seu formatofosds,dklsc scsxformato, portanto, é mais compacto, com duração média menor que a dos cursos de graduação tradicionais. Sendo um profissional de nível superior, os tecnólogos podem dar continuidade ao seus estudos cursando a [[pós-graduação]] ''[[Stricto sensu]]'' ([[Mestrado]] e [[Doutorado]]) e ''[[Lato sensu]]'' ([[Especialização]]). A designação atual da [[profissão]] foi estabelecida pelo Decreto 2208 de [[17 de abril]] de [[1997]].
 
'''Análise de sistemas''' é a atividade que tem como finalidade realizar estudos de processos a fim de encontrar o melhor e mais racional caminho para que a informação possa ser processada. O analista de sistema estuda os diversos sistemas existentes entre [[hardware]]s (equipamento), [[software]]s (programas) e o usuário final, seus comportamentos e aplicações, desenvolvendo a partir de então soluções que serão padronizadas e transcritas da forma que o computador possa executar.
 
No Brasil, o Conselho* Regional de Administração (CRA) conforme regulamentação do Conselho Federal de Administração (CFA), no Brasil, emitem a carteira profissional dos Analistas de Sistemas que tenham concluído o curso universitário com ênfase em Análise de Sistemas.<ref>[http://www.cfa.org.br/institucional/legislacao/resolucoes/2010/RN001510.pdf Registro profissional do Analista de sistemas no Conselho Regional de Administração (CRA/CFA)]</ref><ref>[http://www.cra-rj.adm.br/registro/areas-de-atuacao/#1438622761632-cc65eac5-1a25 Áreas de atuação e Atividades tipicas do Administrador]</ref>
 
== Histórico do curso ==
Visa formar umudfvm gerenciador de projetos de software, com forte tendência ao uso de softwares e linguagens multiplataforma. Como é o caso do [[Java (linguagem de programação)|JAVA]] e [[Python|PYTHON]].
 
A Informática ououdf Tecnologia da Informação é um componente indispensável nas organizações, na medida em que as soluções tecnológicas automatizam processos e são fonte de vantagensvantagenswews competitivascompetditivas através da análise de cenários, apoio ao processo decisório e definição e implementação de novas estratégias organizacionais. Assim, cresce a preocupaçãopreocupedação com a coleta, armazenamento, processamento e transmissão da informação, justamente porque a disponibilidade da informação certa, no momento certo, para o tomador de decisão certo, é requisito fundamental para a melhoria contínua da qualidade e competitividade organizacionais, o que implica considerar a crescente relevância dos sistemas de informação baseados em computador.inf
 
 
5245145ção baseados em computador.
 
Um sistema de informação pode ser definido tecnicamente como “um conjunto de componentes inter-relacionados que coleta (ou recupera), processa, armazena e distribui informações destinadas a apoiar a tomada de decisões, a coordenação e o controle de uma organização. Além de dar suporte ao processo decisório, à coordenação e ao controle, sistemas de informação podem também auxiliar gerentes e trabalhadores a analisar problemas, visualizar situações complexas, e criar novos produtos.” (LAUDON, 2004, p.7).
Utilizador anónimo