Abrir menu principal

Alterações

sem resumo de edição
| lonP = O | lonG = 37 | lonM = 56 | lonS = 45
| estado = Rio Grande do Norte
| região_intermediária = Mossoró
| mesorregião = [[Mesorregião do Oeste Potiguar|Oeste Potiguar]]
| data_mesorregião data_região_intermediária = [[IBGE]]/[[2008]]2017<ref name="IBGE_DTB_2008IBGE_DTB_2017">{{citar web |url=ftp://geoftp.ibge.gov.br/Organizacaoorganizacao_do_territorio/Divisao_Territorialdivisao_regional/2008divisao_regional_do_brasil/DTB_2008divisao_regional_do_brasil_em_regioes_geograficas_2017/tabelas/regioes_geograficas_composicao_por_municipios_2017_20180911.zipxls |titulotítulo=DivisãoBase Territorialde dodados Brasilpor |data=1municípios dedas julhoRegiões deGeográficas 2008Imediatas |obra=Divisãoe TerritorialIntermediárias do Brasil e Limites Territoriais| publicadoautor=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) |acessodatadata=112017 de outubro de 2008|acessodata=29/03/2019}}</ref>
| microrregião região_imediata = [[Microrregião de Pau dos Ferros|Pau dos Ferros]]
| data_microrregião data_região_imediata = [[IBGE]]/[[2008]]2017<ref name="IBGE_DTB_2008IBGE_DTB_2017" />
| região_metropolitana =
| vizinhos = Norte: [[Itaú (Rio Grande do Norte)|Itaú]]; Sul: [[Viçosa (Rio Grande do Norte)|Viçosa]] e [[Portalegre (Rio Grande do Norte)|Portalegre]]; Leste: [[Umarizal]] e [[Apodi]]; e Oeste: [[Taboleiro Grande]].
| dist_capital = 366
| data_pib_per_capita = IBGE/2013<ref name="IBGE_PIB"/>
}}
'''Riacho da Cruz''' é um [[município]] [[brasil]]eiro no [[Interior do Rio Grande do Norte|interior]] do [[Unidades federativas do Brasil|estado]] do [[Rio Grande do Norte]]. Localiza-se na [[Microrregião de Pau dos Ferros]] e [[Mesorregião do Oeste Potiguar]], a uma distância de 366 quilômetros a oeste da capital do estado, [[Natal (Rio Grande do Norte)|Natal]]. Ocupa uma [[área]] de aproximadamente 127&nbsp;km², e sua população na estimativa em 2016 era de 3.526 habitantes, pelo [[Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística]], sendo então o [[Lista de municípios do Rio Grande do Norte por população|Vigésimovigésimo segundo município menos populoso do Rio Grande do Norte]].
 
== História ==
</div></div>
 
De acordo com a divisão do [[Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística]] vigente desde 2017,<ref>{{citar web|URL=http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/default_div_int.shtm |título=Divisão Regional do Brasil |autor=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) |data=2017 |acessodata=29/03/2019 |wayb=20170925170226}}</ref> Riacho da Cruz pertence à [[região geográfica imediata]] de Pau dos Ferros, dentro da [[região geográfica intermediária]] de Mossoró.<ref name="IBGE_DTB_2017"/> Até então, com a vigência das divisões em [[Mesorregiões e microrregiões do Brasil|mesorregiões e microrregiões]], o município fazia parte da microrregião de Pau dos Ferros, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Oeste Potiguar.<ref>{{Citar periódico |autor=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) |ano=1990 |título=Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas |jornal=Biblioteca IBGE |página=44–45 |volume=1 |url=http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv2269_1.pdf |acessadoem=29/03/2019 |wayb=20170925170313}}</ref>
Riacho da Cruz está localizado na [[mesorregião do Oeste Potiguar]] e [[microrregião de Pau dos Ferros]], estado do [[Rio Grande do Norte]],<ref name="IBGE_DTB_2008" /> distante {{fmtn|366|km}} de [[Natal (Rio Grande do Norte)|Natal]], capital estadual,<ref>{{citar web|URL=http://www.distanciasentrecidades.com/pesquisa?from=Natal+-+RN%2C+Brasil&to=Riacho+da+Cruz+-+RN%2C+Brasil|título=Distância entre Natal e Riacho da Cruz|acessodata=09/10/2015}}</ref> e {{fmtn|1969|km}} de [[Brasília]], capital federal.<ref>{{citar web|URL=http://www.distanciasentrecidades.com/pesquisa?from=Bras%C3%ADlia+-+DF%2C+Brasil&to=Riacho+da+Cruz+-+RN%2C+Brasil|título=Distância entre Brasília e Riacho da Cruz|acessodata=09/10/2015}}</ref> Ocupa uma área territorial de {{fmtn|127.223|km²}}<ref name ="IBGE_Área"/> e se limita a norte com [[Itaú (Rio Grande do Norte)|Itaú]] e [[Taboleiro Grande]]; a sul com [[Viçosa (Rio Grande do Norte)|Viçosa]] e [[Portalegre (Rio Grande do Norte)|Portalegre]]; a leste com [[Umarizal]], [[Apodi]] e novamente Itaú e a oeste novamente Taboleiro Grande.<ref name="Riacho da Cruz">{{citar web|URL=http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/idema/DOC/DOC000000000013897.PDF|título=RIACHO DA CRUZ|data=2008|publicado=Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009184432/http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/idema/DOC/DOC000000000013897.PDF|arquivodata=09/10/2015}}</ref>
 
Riacho da Cruz está localizado na [[mesorregião do Oeste Potiguar]] e [[microrregião de Pau dos Ferros]], estado do [[Rio Grande do Norte]],<ref name="IBGE_DTB_2008" /> distante {{fmtn|366|km}} de [[Natal (Rio Grande do Norte)|Natal]], capital estadual,<ref>{{citar web|URL=http://www.distanciasentrecidades.com/pesquisa?from=Natal+-+RN%2C+Brasil&to=Riacho+da+Cruz+-+RN%2C+Brasil|título=Distância entre Natal e Riacho da Cruz|acessodata=09/10/2015}}</ref> e {{fmtn|1969|km}} de [[Brasília]], capital federal.<ref>{{citar web|URL=http://www.distanciasentrecidades.com/pesquisa?from=Bras%C3%ADlia+-+DF%2C+Brasil&to=Riacho+da+Cruz+-+RN%2C+Brasil|título=Distância entre Brasília e Riacho da Cruz|acessodata=09/10/2015}}</ref> Ocupa uma área territorial de {{fmtn|127.223|km²}}<ref name ="IBGE_Área"/> e se limita a norte com [[Itaú (Rio Grande do Norte)|Itaú]] e [[Taboleiro Grande]]; a sul com [[Viçosa (Rio Grande do Norte)|Viçosa]] e [[Portalegre (Rio Grande do Norte)|Portalegre]]; a leste com [[Umarizal]], [[Apodi]] e novamente Itaú e a oeste novamente Taboleiro Grande.<ref name="Riacho da Cruz">{{citar web|URL=http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/idema/DOC/DOC000000000013897.PDF|título=RIACHO DA CRUZ|data=2008|publicado=Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009184432/http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/idema/DOC/DOC000000000013897.PDF|arquivodata=09/10/2015}}</ref>
 
O [[Relevo (geografia)|relevo]] do município, com [[altitude]]s predominando entre 100 e 200 metros, é constituído pela [[Depressão Sertaneja-São Francisco|Depressão Sertaneja]], que compreende uma série de terrenos de transição entre o [[Planalto da Borborema]] e a [[Chapada do Apodi]]. Riacho da Cruz está situado em área de abrangência das [[rocha]]s metamórficas do [[Embasamento (geologia)|embasamento]] cristalino, originárias do período [[pré-cambriano]] médio, com idade entre um bilhão e 2,5 bilhões de anos. Geomorfologicamente predominam formas de relevos tabulares, com diferentes aprofundamentos de drenagens e ordens de grandeza, geralmente separados por vales com fundo plano.<ref name="Riacho da Cruz"/>
 
Riacho da Cruz possui [[Clima semiárido|clima semiárido quente]] (tipo ''Bsh'' na [[classificação climática de Köppen-Geiger]]),<ref>{{citar web|URL=http://www.banconordeste.gov.br/content/aplicacao/Investir_no_Nordeste/Mapa_do_Semi_Arido/gerados/rn_apresentacao.asp|título=Municípios localizados no Semi-árido|publicado=Banco do Brasil|acessodata=04/10/2015}}</ref> com temperatura média anual em torno de {{fmtn|27|[[Grau Celsius|°C]]}} e [[chuva]]s concentradas entre fevereiro e maio.<ref name="Climatologia_RiachodaCruz-RN"/> A [[umidade relativa do ar]] média anual é de 70% e o tempo de [[insolação]] chega a {{fmtn|2700}} horas/ano.<ref name="Riacho da Cruz"/> Segundo dados da [[Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte]] (EMPARN), desde 1959 o maior acumulado de [[Precipitação (meteorologia)|precipitação]] em 24 horas registrado em Riacho da Cruz foi de {{fmtn|177|mm}} em 3 de abril de 2008.<ref name="EMPARN_2008">{{citar web|URL=http://189.124.135.176/monitoramento/2008/graficos/d10701.html|título=Ocorrência de Chuvas (mm) - 2008 - Posto: Riacho da Cruz (EMATER)|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009204258/http://189.124.135.176/monitoramento/2008/graficos/d10701.html|arquivodata=09/10/2015}}</ref> Outros grandes acumulados foram {{fmtn|160|mm}} em 27 de janeiro de 2004,<ref>{{citar web|URL=http://189.124.135.176/monitoramento/2004/graficos/d10701.html|título=Ocorrência de Chuvas (mm) - 2004 - Posto: Riacho da Cruz (EMATER)|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009204412/http://189.124.135.176/monitoramento/2004/graficos/d10701.html|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|114|mm}} em 5 de abril de 2002,<ref name="EMPARN_2002">{{citar web|URL=http://189.124.135.176/monitoramento/2002/graficos/d10701.html|título=Ocorrência de Chuvas (mm) - 2002 - Posto: Riacho da Cruz (EMATER)|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009204635/http://189.124.135.176/monitoramento/2002/graficos/d10701.html|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|155|mm}} em 5 de março de 2008,<ref name="EMPARN_2008"/> {{fmtn|145|mm}} em 15 de abril de 1986,<ref>{{citar web|URL=http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1985&mes=4&xtela=1024&ytela=738|título=Chuvas - médias diárias - 4/1985 - Estação Riacho da Cruz|autor=Agência Nacional de Águas|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009224138/http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1985&mes=4&xtela=1024&ytela=738|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|144.6|mm}} em 20 de abril de 2013,<ref>{{citar web|URL=http://189.124.135.176/monitoramento/2013/graficos/d10701.html|título=Ocorrência de Chuvas (mm) - 2013 - Posto: Riacho da Cruz (EMATER)|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009204804/http://189.124.135.176/monitoramento/2013/graficos/d10701.html|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|137|mm}} em 5 de maio de 1975,<ref>{{citar web|URL=http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1975&mes=5&xtela=1024&ytela=738|título=Chuvas - Médias diárias - 5/1975 - Estação Riacho da Cruz|autor=Agência Nacional de Águas|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009205214/http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1975&mes=5&xtela=1024&ytela=738|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|136.5|mm}} em 23 de janeiro de 2009,<ref name="EMPARN_2009">{{citar web|URL=http://189.124.135.176/monitoramento/2009/graficos/d10701.html|título=Ocorrência de Chuvas (mm) - 2009 - Posto: Riacho da Cruz (EMATER)|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009204530/http://189.124.135.176/monitoramento/2009/graficos/d10701.html|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|132.4|mm}} em 12 de abril de 1966,<ref>{{citar web|URL=http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1966&mes=4&xtela=1024&ytela=738|título=Chuvas - médias diárias - 4/1966 - Estação Riacho da Cruz|autor=Agência Nacional de Águas|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009224250/http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1966&mes=4&xtela=1024&ytela=738|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|128.1|mm}} em 21 de fevereiro de 2009,<ref name="EMPARN_2009"/> {{fmtn|127|mm}} em 30 de abril de 1991,<ref>{{citar web|URL=http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1991&mes=4&xtela=1024&ytela=738|título=Chuvas - médias diárias - 4/1991 - Estação Riacho da Cruz|autor=Agência Nacional de Águas|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=https://archive.is/WxbEc|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|123.1|mm}} em 11 de fevereiro de 2017,<ref>{{citar web|URL=http://187.61.173.26/monitoramento/2017/graficos/d10701.html|título=Ocorrência de Chuvas (mm) - 2017 - Posto: Riacho da Cruz (EMATER)|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=26/06/2017|wayb=20170626175321}}</ref> {{fmtn|113|mm}} em 26 de abril de 2002,<ref name="EMPARN_2002"/> {{fmtn|108|mm}} em 2 de março de 1986,<ref>{{citar web|URL=http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1986&mes=3&xtela=1024&ytela=738|título=Chuvas - médias diárias - 3/1986 - Estação Riacho da Cruz|autor=Agência Nacional de Águas|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=https://archive.is/lRMZc|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|106|mm}} em 20 de março de 1985,<ref>{{citar web|URL=http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1985&mes=3&xtela=1024&ytela=738|título=Chuvas - médias diárias - 3/1985 - Estação Riacho da Cruz|autor=Agência Nacional de Águas|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=https://archive.is/dXHLD|arquivodata=09/10/2015}}</ref> {{fmtn|102.5|mm}} em 20 de abril de 1979, {{fmtn|102.4|mm}} em 5 de fevereiro de 2015<ref>{{citar web|URL=http://189.124.135.176/monitoramento/2015/graficos/d10701.html|título=Ocorrência de Chuvas (mm) - 2015 - Posto: Riacho da Cruz (EMATER)|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=http://web.archive.org/web/20151009204911/http://189.124.135.176/monitoramento/2015/graficos/d10701.html|arquivodata=09/10/2015}}</ref> e {{fmtn|100|mm}} em 20 de janeiro de 1961.<ref>{{citar web|URL=http://graficos_snirh.ana.gov.br/Aplicativos/grafico/graficoChuva.php?tipo=Chuvas&estacao=537009&ano=1961&mes=1&xtela=1024&ytela=738|título=Chuvas - médias diárias - 1/1961 - Estação Riacho da Cruz|autor=Agência Nacional de Águas|publicado=Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte|acessodata=09/10/2015|arquivourl=https://archive.is/ZNEtU|arquivodata=09/10/2015}}</ref>
{{Tabela/Clima climática
|localidade = Riacho da Cruz
|larguraporcentagem = 100
Considerando-se a [[nacionalidade]], toda a população municipal era de [[brasileiros natos]],<ref>{{citar web|URL=http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?c=1497&i=P&orc302=3&nome=on&qtu8=137&qtu14=3&tab=1497&opc302=2&opn8=0&opn14=0&unit=0&pov=3&OpcTipoNivt=1&opn1=0&nivt=0&orp=4&qtu3=27&qtu13=47&opv=2&pop=1&opn2=0&opn15=0&orv=2&qtu2=5&qtu15=3&sev=93&opp=f1&codigo=on&opn3=0&qtu6=5565&opn13=0&qtu18=10184&poc302=2&opn7=0&decm=99&sec302=0&qtu1=1&opn9=0&cabec=on&sep=33141&orn=1&qtu7=36&pon=1&qtu9=558&opn6=3&digt6=Riacho+da+Cruz&opn18=0&OpcCara=44&proc=1|título=Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra|data=2010|publicado=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística|acessodata=09/10/2015}}</ref> sendo {{fmtn|1896}} nascidos em Riacho da Cruz (59,89%) e {{fmtn|1269}} naturais de outros municípios (40,11%).<ref>{{citar web|URL=http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?c=1505&i=P&nome=on&qtu8=137&qtu14=3&tab=1505&opn8=0&opn14=0&unit=0&pov=3&OpcTipoNivt=1&opn1=0&nivt=0&orp=4&qtu3=27&qtu13=47&opv=2&pop=1&opn2=0&opn15=0&orv=2&qtu2=5&qtu15=3&sev=93&sec12017=0&opp=f1&codigo=on&opn3=0&qtu6=5565&opn13=0&qtu18=10184&opc12017=2&poc12017=2&sep=33142&orn=1&qtu7=36&orc12017=3&opn7=0&decm=99&pon=1&qtu9=558&opn6=3&digt6=Riacho+da+Cruz&opn18=0&OpcCara=44&proc=1&qtu1=1&opn9=0&cabec=on|título=Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra|publicado=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística|data=2010|acessodata=09/10/2015}}</ref> Em relação à [[Regiões do Brasil|região]] e ao [[Unidades federativas do Brasil|estado]] de nascimento, {{fmtn|3119}} eram nascidos na [[Região Nordeste do Brasil|Região Nordeste]] (98,55%), dos quais {{fmtn|3028}} no Rio Grande do Norte (95,68%), 51 no [[Ceará]] (1,6%), 33 na [[Paraíba]] (1,04%), cinco na [[Bahia]] (0,15%) e três no [[Maranhão]] (0,08%); trinta no [[Região Sudeste do Brasil|Sudeste]] (0,94%), todos no estado de [[São Paulo (estado)|São Paulo]] e doze no [[Região Centro-Oeste do Brasil|Centro-Oeste]] (0,03%), sete em [[Goiás]] (0,23%) e cinco no [[Distrito Federal (Brasil)|Distrito Federal]] (0,15%), além de quatro sem especificação (0,13%). Entre os naturais de unidades da federação, havia nove [[Ceará|cearenses]] (0,58%), oito [[Paraíba|paraibanos]] (0,48%), dois [[Paraná|paranaenses]] (0,12%) e um [[Bahia|baiano]] (0,07%).<ref>{{citar web|URL=http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?c=631&i=P&opc183=2&nome=on&qtu8=137&qtu14=3&tab=631&opn8=0&opn14=0&unit=0&pov=3&poc2=1&OpcTipoNivt=1&opn1=0&nivt=0&orp=5&qtu3=27&qtu13=47&opv=2&opc2=1&orc183=4&pop=1&opn2=0&opn15=0&orv=2&orc2=3&qtu2=5&qtu15=3&sev=93&sec2=0&opp=f1&codigo=on&opn3=0&qtu6=5565&opn13=0&poc183=2&ascendente=on&sep=24929&orn=1&qtu7=36&sec183=0&pon=1&qtu9=558&opn6=3&digt6=Riacho+da+Cruz&OpcCara=44&proc=1&qtu1=1&opn9=0&cabec=on&opn7=0&decm=99|título=Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento|data=2010|publicado=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística|acessodata=09/10/2015}}</ref>
 
Na [[Igreja Católica]], Riacho da Cruz pertence à [[Paróquia Nossa Senhora da Conceição (Portalegre)|Paróquia de Nossa Senhora da Conceição]], com sede em [[Portalegre (Rio Grande do Norte)|Portalegre]] (que também abrange os municípios de [[Francisco Dantas (Rio Grande do Norte)|Francisco Dantas]], [[São Francisco do Oeste]], Taboleiro Grande e Viçosa), subordinada à [[Diocese de Mossoró|Diocese de Santa Luzia de Mossoró]], e possui três capelas, duas na área urbana ([[Sagrado Coração de Jesus]] e [[Lúcia de Siracusa|Santa Luzia]]) e uma em zona rural ([[São Francisco de Assis]]). No censo de 2010 o catolicismo era a [[religião]] da maioria da população, com {{fmtn|2835}} seguidores, ou 89,57% dos habitantes.<ref name="SIDRA_Religião">{{citar web|URL=http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?c=2094&i=P&nome=on&qtu8=137&qtu14=3&tab=2094&opn8=0&opn14=0&unit=0&pov=3&poc133=2&OpcTipoNivt=1&opn1=0&nivt=0&orc86=3&orp=5&qtu3=27&qtu13=47&opv=2&poc86=1&opc133=2&pop=1&opn2=0&opn15=0&orv=2&orc133=4&qtu2=5&qtu15=3&sev=93&opc86=1&sec133=0&opp=f1&opn3=0&qtu6=5565&opn13=0&sec86=0&ascendente=on&sep=38559&orn=1&qtu7=36&pon=1&qtu9=558&opn6=3&digt6=Riacho+da+Cruz&OpcCara=44&proc=1&qtu1=1&opn9=0&cabec=on&opn7=0&decm=99|título=Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião|data=2010|publicado=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística|acessodata=09/10/2015}}</ref> Riacho da Cruz também possui alguns credos [[Protestantismo|protestantes]]. Em 2010 250 habitantes se declararam evangélicos (7,91%), dos quais 248 das igrejas pentecostais (7,83%), sendo que 147 eram da [[Assembleia de Deus (Brasil)|Assembleia de Deus]] (4,63%), 29 da [[Igreja Pentecostal Deus é Amor|Igreja Deus é Amor]] (0,92%) e 72 de outras pentecostais (2,28%). Outros dois seguiam outras religiões evangélicas (0,09%). Além do catolicismo e do protestantismo, outros oitenta [[Irreligião|não tinham religião]] (2,52%).<ref name="SIDRA_Religião"/>
 
O [[Índice de Desenvolvimento Humano]] do município é considerado baixo, de acordo com dados do [[Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento]]. Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era de 0,584, sendo o [[Lista de municípios do Rio Grande do Norte por IDH|131° maior do Rio Grande do Norte]] e o {{fmtn|4540|°}} do Brasil. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é de 0,751, o valor do índice de renda é de 0,545 e o de educação 0,487.<ref name="PNUD_IDH_2010"/> De 2000 a 2010, a proporção de pessoas com renda domiciliar ''per capita'' de até 140 reais reduziu 40,9%, de 70,1% para 41,4%. Em 2010, 58,6% da população vivia acima da [[linha de pobreza]], 22,1% abaixo da linha de indigência e 19,3% entre as linhas de indigência e de pobreza. No mesmo ano, o [[índice de Gini]] era 0,47 e os 20% mais ricos eram responsáveis por 50,9% do rendimento total municipal, valor quase dezenove vezes superior à dos 20% mais pobres, de apenas 2,7%.<ref name="Atlas-Brasil_Riacho-da-Cruz-RN"/><ref name="ODM-1">{{citar web|url=http://www.relatoriosdinamicos.com.br/portalodm/1-acabar-com-a-fome-e-a-miseria/BRA002024115/riacho-da-cruz---rn |título=1 - acabar com a fome e a miséria |publicado=Portal ODM |data=2010 |acessodata=09/10/2015}}</ref>