Diferenças entre edições de "Vida selvagem"

1 byte removido ,  13h32min de 2 de abril de 2019
m
sem resumo de edição
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 179.220.241.64, com Reversão e avisos)
m
As populações mundiais de peixes, aves, mamíferos e répteis sofreram uma redução de 52% entre 1970 e 2010.<ref name="publico">{{citar web|url=http://www.publico.pt/ciencia/noticia/populacoes-de-animais-selvagens-cairam-para-metade-desde-1970-1671349|título=Populações de animais selvagens caíram para metade desde 1970|acessodata=30 de setembro de 2014|publicado=Publico.pt}}</ref> O Relatório Planeta Vivo da [[World Wide Fund for Nature|WWF]], publicado de dois em dois anos, salienta que as exigências das populações humanas estão agora 50% acima do que a natureza é capaz de aguentar, com árvores a serem cortadas, [[aquífero]]s a serem bombeados e [[dióxido de carbono]] a ser emitido demasidado depressa para o planeta recuperar. Segundo o comunicado de Ken Norris, director científico da [[Sociedade Zoológica de Londres]], “estes danos não são inevitáveis, são uma consequência do estilo de vida que escolhemos”.<ref name="publico"/>
 
Segundo os novos resultados (2014), a pior quebra deu-se entre as populações de [[Peixe de água doce|peixes de água doce]], que caíram 76% nas últimas quatro décadas até 2010, enquanto ambos os números relativos às populações marinhas e terrestres desceram 39%. A principal razão do declínio das populações foi a perda de [[Habitat|habitats naturais]], a [[caça]] e a [[pesca]] e as [[alterações climáticas]].<ref name="publico"/>
 
== {{ver também}} ==