Abrir menu principal

Alterações

Formatação referências
{{revisão|data=Agosto de 2011}}
[[Ficheiro:Mouse embryonic stem cells.jpg|thumb|300px|right|Células-tronco de um [[rato]].]]
As '''células-tronco''', também chamadas de '''células estamina'''is (do inglês '''''stem cell'')''', são [[célula]]s que permanecem indiferenciadas, ou seja, ainda não passaram pelo processo de [[diferenciação celular]]. Podemos definir célula-tronco como uma célula que quando se dividi (1)produz uma célula que retém esse caráter indiferenciado, (2) e uma segunda célula que pode sofrer um ou mais caminhos da diferenciação.<ref name=":0">{{Citar periódico|titulo=Scott F. Gilbert, (2010). Developmental Biology, Sinauer Associates, Inc., Sunderland, MA Ninth Edition|url=http://dx.doi.org/10.1134/s1062360411050043|jornal=Russian Journal of Developmental Biology|volume=42|numero=5|paginas=349–349|doi=10.1134/s1062360411050043|issn=1062-3604}}</ref>Com isso, vemos que uma célula tronco tem o potencial de se renovar a cada divisão enquanto também produz uma célula filha capaz de responder ao seu ambiente diferenciando-se de maneira particular (<u>esse potencial não é sempre que acontece</u> algumas células tronco se dividem simetricamente de modo que <u>ambas de suas filhas permanecem células-tronco</u>). <ref name=":0" />Ocorre muitos casos da célula-tronco permanecer em seu nicho enquanto sua irmã acaba deixando-o e se diferencia.
 
Uma célula-tronco tem uma extensa capacidade de proliferação, criando mais células-tronco (utilizada para manutenção de um devido organismo pois garante uma auto renovação constante, como por exemplo as [[Célula sanguínea|células sanguíneas]]), e criando descendentes celulares mais diferenciados.<ref name=":1" /> As células-tronco são um conjunto embrionário de células que se mantém mesmo em organismos adultos.<ref name=":1">Gilbert, S. F. 2003. Biologia do Desenvolvimento. Ribeirão Preto, SP: FUNPEC Editora, 5 ed.</ref>
== Tipos ==
As células-tronco podem ser de quatro tipos:
*'''Totipotentes:''' São células capazes de originar um organismo completo, totalmente funcional, já que possuem a capacidade de gerar todos os tipos de células e tecidos do corpo, incluindo os tecidos embrionários e os extra embrionários (como a placenta, por exemplo).<ref name=":2">{{Citar periódico|ultimo=Souza|primeiro=Verônica Ferreira deV.F.|ultimo2=Lima|primeiro2=LeonardoL. MunizM. CarvalhoC.|ultimo3=Reis|primeiro3=Sílvia ReginaS. deR. AlmeidaA.|ultimo4=Ramalho|primeiro4=LucianaL. MariaM. PedreiraP.|ultimo5=Santos|primeiro5=JeanJ. NunesN.|data=2003-01-01|titulo=Células-tronco: uma breve revisão|url=http://dx.doi.org/10.9771/cmbio.v2i2.4292|jornal=Revista de Ciências Médicas e Biológicas|volume=2|numero=2|doi=10.9771/cmbio.v2i2.4292|issn=2236-5222}}</ref>As '''células-tronco totipotentes''' podem ser exemplificadas pelo óvulo fecundado (zigoto) e pelas primeiras células provenientes do zigoto, ou seja, são as células de um embrião recém-formado. Porém essas células possuem curta duração, desaparecendo poucos dias após a fertilização<ref name=":2" />.
 
*'''Pluripotentes:''' Descendentes das células totipotentes<ref name=":3">{{Citar livro|url=https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=qmgvDwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT2&dq=info:_ZorixG0ENwJ:scholar.google.com/&ots=x4KoW5n-xS&sig=-j1N6MPKo1RqM2EwNylKtwYkfxk#v=onepage&q&f=false|título=O que é célula-tronco|ultimo=Marques|primeiro=Marília Bernardes|data=2017-09-08|editora=Brasiliense|lingua=pt-BR|isbn=9788511350579}}</ref>, apesar de não poderem originar um indivíduo completo, pois não são capazes de gerar trofoblasto <ref name=":0" /> (células extra embrionárias), '''as células-tronco pluripotentes''' possuem a capacidade de gerar células dos três folhetos embrionários ([[Ectoderme|ectoderma]], [[Mesoderme|mesoderma]] e [[Endoderme|endoderma]]), ou seja, são capazes de gerar qualquer tecido. Mesmo em menores quantidades, estas células estão presentes também em um indivíduo adulto (por exemplo, se estão na [[medula óssea]] originam células de [[sangue]], [[Osso|ossos]], [[pele]], entre outros.)<ref name=":2" />. Possuem grande aplicações clínicas e comerciais, são utilizadas também na criação de animais transgênicos<ref name=":2" />.
 
*'''Multipotentes:''' São células um pouco mais diferenciadas, possuem a capacidade de gerar um número limitado de células especializadas, as quais podem ser encontradas no corpo de um indivíduo adulto, e são capazes de originar células dos tecidos de que são provenientes, ou seja, as '''células-tronco multipotentes''' são designadas para originar células de acordo com o órgão de que se derivam (realizando regeneração tecidual)<ref name=":2" />. Assim, são tidas como as células que são capazes de gerar apenas células da mesma família<ref name=":3" />. Com avanços de pesquisas na área de células-tronco, a  existência desta categoria tem sido questionada, pois células antes classificadas como multipotentes acabaram sendo reveladas células-tronco pluripotentes (como por exemplo células-tronco neurais)<ref name=":2" />.
As células-tronco de [[embrião|embriões]] têm ainda a capacidade de se transformar, num processo também conhecido por diferenciação celular, em outros [[tecido]]s do corpo, como [[osso]]s, [[nervo]]s, [[músculo]]s e [[sangue]]. Devido a essa característica, as células-tronco são importantes, principalmente na aplicação terapêutica, sendo potencialmente úteis em [[terapia]]s de combate a doenças [[doença cardiovascular|cardiovasculares]], [[doença neurodegenerativa|neurodegenerativas]], [[Diabetes mellitus tipo 1]], [[acidente vascular cerebral|acidentes vasculares cerebrais]], doenças hematológicas, [[trauma]]s na [[medula espinhal]] e [[nefropatia]]s.
 
O principal objetivo das pesquisas com células-tronco é usá-las para recuperar tecidos danificados por essas doenças e traumas. No [[Zoológico de Brasília]] ([[Brasil]]), uma [[fêmea]] de [[lobo-guará]], vítima de atropelamento, recebeu tratamento com células-tronco. <ref>[http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2011/01/11/65024-lobo-guara-atropelado-por-caminhao-faz-tratamento-com-celulas-tronco.html Ambientebrasil] -(2011) "Lobo-guará atropelado por caminhão faz tratamento com células-tronco"</ref> Este foi o primeiro registro do uso de células-tronco para curar lesões num animal selvagem. <ref>[http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2011/01/lobo-guara-sobrevive-atropelamento-gracas-tratamento-com-celulas-tronco.html G1] -(2011) "Lobo-guará sobrevive a atropelamento graças a tratamento com células-tronco"</ref>
 
São encontradas em células embrionárias e em vários locais do corpo, como no [[cordão umbilical]], na [[medula óssea]], no [[sangue]], no [[fígado]], na [[placenta]] e no [[líquido amniótico]], conforme descoberta de pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Wake Forest, no estado norte-americano da [[Carolina do Norte]], noticiada pela imprensa mundial nos primeiros dias de 2007.<ref>([http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/story/2007/01/070108_stemcellsg.shtml BBC Brasil Notícia da BBC em português] (2007) "Cientistas obtêm células-tronco de líquido amniótico"</ref>
 
Há três possibilidades de extração das células-tronco. Podem ser [[adulto|adultas]], [[mesênquima|mesenquimais]] ou [[embrião|embrionárias]]:
*'''Embrionárias''' – São encontradas no embrião humano em estágio de blastocisto <ref name=":2" />e são classificadas como [[Pluripotência|pluripotentes]], devido ao seu poder de diferenciação celular de outros [[tecido (histologia)|tecidos]] e por possuirem alta capacidade de proliferação. A utilização de células estaminais embrionárias para fins de [[investigação]] e [[tratamento]]s médicos varia de país para país, em que alguns a sua investigação e utilização é permitida, enquanto em outros países é ilegal. O [[Supremo Tribunal Federal|STF]] autorizou as pesquisas no Brasil.<ref>(http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL583338-5598,00.html (2008) "Supremo libera pesquisas com células-tronco embrionárias"</ref>
*'''Adultas''' – São encontradas em diversos tecidos, como a [[medula óssea]], [[sangue]], [[fígado]], [[cordão umbilical]], [[placenta]], e outros, essas participam da homeostase tecidual, devido a renovação fisiológica ou em resposta a alguma lesão, por exemplo<ref name=":2" />. Estudos recentes mostram que estas células-tronco têm uma limitação na sua capacidade de diferenciação, o que dá uma limitação de obtenção de tecidos a partir delas.<ref>(http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI472268-EI1434,00.html (2005) "Células-tronco: o que são e para que servem"</ref>
*'''Mesenquimais''' – Células-tronco mesenquimais, uma população de células do estroma do tecido (parte que dá sustentação às células), têm a capacidade de se diferenciar em diversos tecidos. Por conta desta plasticidade, essas células têm sido utilizadas para reparar ou regenerar tecidos danificados como ósseo, cartilaginoso, hepático, cardíaco e neural. Além disso, essas células apresentam uma poderosa atividade imunossupressora, o que abre a possibilidade de sua aplicação clínica em doenças imunomediadas, como as autoimunes e também nas rejeições aos transplantes. Em adultos, residem principalmente na [[medula óssea]] e no [[tecido adiposo]] (hipoderme).
 
5

edições