Abrir menu principal

Alterações

Resgatando 23 fontes e marcando 0 como inativas. #IABot (v2.0beta14)
[[Imagem:Lemmy Kilmister Motorhead in NYC by John Gullo.jpg|thumb|210px|[[Motörhead]] em ''show'' de 2011]]
 
O papel de relevo do [[baixo]] também é crucial para o som do ''metal'', e o intercâmbio entre o baixo e a guitarra formam um elemento central do estilo. O baixo fornece o som grave necessário para tornar a música "pesada".<ref name="W24">Weinstein (2000), p. 24</ref> As [[Linha de baixo|linhas de baixo]] do ''metal'' variam enormemente em termos de complexidade, desde a manutenção de um simples [[ponto pedal]] grave até servir como "alicerce" para os guitarristas, dobrando ''riffs'' e ''licks'' complexos juntamente com as guitarras base e/ou ritmo. Algumas bandas contam com o baixo como um instrumento solo, um enfoque popularizado pelo baixista [[Cliff Burton]], do Metallica, no início da década de 1980.<ref>{{Citar web |url=http://www.bassplayer.com/article/the-king-metal/Feb-05/164 |título=Cliff Burton's Legendary Career: The King of Metal Bass ''[[Bass Player]]'', fevereiro de 2005. visitado em 13 de novembro de 2007. |data= |acessodata= |arquivourl=https://web.archive.org/web/20151106164523/http://www.bassplayer.com/article/the-king-metal/Feb-05/164 |arquivodata=2015-11-06 |urlmorta=yes }}</ref>
 
A essência da bateria do ''metal'' consiste em criar uma batida alta e constante para a banda, usando a "trifeta da velocidade, força e precisão".<ref>Dawson, Michael. [http://www.moderndrummer.com/site/2006/08/chris-adler/#.VJEuZEDL-Yg "Lamb of God’s Chris Adler: More Than Meets The Eye] ''[[Modern Drummer]] Online''. visitado em 13 de novembro de 2007.</ref> A bateria do ''metal'' "requer uma quantidade excepcional de resistência", e os bateristas do estilo têm de desenvolver "destreza, coordenação e velocidade consideráveis para tocar os padrões complexos" utilizados no ''metal''.<ref name="Berry">Berry and Gianni (2003), p. 85</ref> Uma técnica característica da bateria do ''metal'' é o abafamento do prato, que consiste na percussão de um prato seguida pelo seu silenciamento imediato, através do uso da outra mão (ou, em alguns casos, da própria mão que o percutiu), produzindo uma curta emissão sonora. O ''setup'' da bateria do metal geralmente é muito maior do que o que é utilizado em outras formas de ''[[rock]]''.<ref name="W24"/>
 
Nas performances ao vivo o [[volume (som)|volume]] — "um ataque sonoro", na descrição do sociólogo Deena Weinstein — é considerado vital.<ref name="W23"/> Em seu livro ''Metalheads'', o psicólogo Jeffrey Arnett se refere aos ''shows'' de ''heavy metal'' como "o equivalente sensorial da guerra."<ref>Arnett (1996), p. 14</ref> Logo após os primeiros passos dados por [[Jimi Hendrix]], [[Cream]] e [[The Who]], as primeiras bandas de ''heavy metal'', como [[Blue Cheer]], estabeleceram novos marcos em termos de volume. Segundo o próprio vocalista do Blue Cheer, Dickie Peterson, "tudo o que sabíamos é que queríamos mais força."<ref name = "vdqxbw">Walser (1993), p. 9</ref> Uma crítica de um ''show'' do Motörhead de 1977 registrou como "o volume excessivo figura com destaque particular no impacto da banda."<ref>Paul Sutcliffe, citado em Waksman, Steve. [http://www.echo.ucla.edu/Volume6-issue2/waksman/waksman3.html "Metal, Punk, and Motörhead: Generic Crossover in the Heart of the Punk Explosion".] {{Wayback|url=http://www.echo.ucla.edu/Volume6-issue2/waksman/waksman3.html |date=20070618140351 }} ''Echo: A Music-Centered Journal'' 6.2 (Outono de 2004). visitado em 15 de novembro de 2007</ref> Segundo Weinstein, da mesma maneira que a [[melodia]] é o principal elemento da [[música pop|música ''pop'']] e o [[ritmo]] é o principal foco da ''[[house music]]'', som, timbre e volume poderosos são os elementos-chave do ''metal''; o volume excessivo teria como intenção "varrer o ouvinte para dentro do som", fornecendo-lhe uma "dose de vitalidade jovial".<ref name="W23"/> A fixação do ''heavy metal'' com o volume foi satirizada no documentário de [[comédia]] ''[[This Is Spinal Tap]]'', no qual um guitarrista de ''metal'' alega ter modificado seus amplificadores para "irem até o onze".<ref>{{citar web|url=http://www.adorocinema.com/filmes/filme-26322/trailer-19370333/|título=Isto É Spinal Tap|data=|acessodata=17 de dezembro de 2014}}</ref>
 
=== Linguagem musical ===
 
==== Típicas estruturas harmônicas ====
O ''heavy metal'' costuma estar fundamentado em ''[[riff]]s'' criados com os três principais traços [[Harmonia|harmônicos]]: [[Escala musical|escalas]] em progressões modais, [[trítono]]s e progressões cromáticas, além do uso de [[ponto pedal|pontos pedais]]. O ''heavy metal'' tradicional tende a empregar escalas modais, em especial os modos [[Modo frígio|frígio]] e [[Modo eólio|eólio]].<ref>Walser (1993), p. 46</ref> Harmonicamente, isto significa que o estilo costuma incorporar progressões de acordes modais, como as progressões eólias I-VI-VII, I-VII-(VI) ou I-VI-IV-VII e as progressões frígias que implicam a relação entre I e ♭II (I-♭II-I, I-♭II-III, ou I-♭II-VII, por exemplo). Relações cromáticas ou de trítonos, de sonoridade tensa, são usadas em diversas progressões de acordes do metal.<ref>Marshall, Wolf. "Power Lord—Climbing Chords, Evil Tritones, Giant Callouses," ''Guitar Legends'', Abril de 1997, p. 29</ref><ref name="MH">Dunn, Sam (2005). "[http://www.metalhistory.com/ Metal: A Headbanger's Journey] {{Wayback|url=http://www.metalhistory.com/ |date=20180807081407 }}". Warner Home Video (2006). Acessado em 19 de março de 2007</ref>
 
O trítono, um [[intervalo musical]] que abrange três tons inteiros — como [[dó]] e [[fá sustenido]] — era uma [[dissonância]] proibida no [[Canto (música)|canto]] [[Igreja Católica|eclesiástico]] [[Idade Média|medieval]], que fez com que os [[monge]]s o chamassem de "''diabolus in música''" —"o [[diabo]] na [[música]]", em [[latim]].{{nota de rodapé|A primeira proibição explícita do intervalo parece ter ocorrido com o "desenvolvimento do sistema [[Hexacorde|hexacórdio]] de [[Guido d'Arezzo]], que fez do si bemol uma nota [[diatônica]], mais especificamente como o quarto grau do hexacorde em fá. A partir de então, até ao fim do [[Renascimento]], o trítono, apelidado de "''diabolus in musica''", passou a ser visto como um intervalo instável, e rejeitado como uma "consonância"." (Sadie, Stanley [1980]. "Tritone", in ''The New Grove Dictionary of Music and Musicians'', 1ª ed. MacMillan, pp. 154–5. ISBN 0-333-23111-2. Ver também Arnold, Denis [1983]. "Tritone", in ''The New Oxford Companion to Music, Volume 1: A-J''. Oxford University Press. ISBN 0-19-311316-3). Durante os períodos [[Barroco (música)|barroco]] e [[Classicismo (música)|classicista]], o intervalo passou a ser aceito, embora de uma maneira específica e controlada. Foi apenas durante o [[Romantismo (música)|período romântico]] e com a [[Música clássica do século XX|música clássica moderna]] que os compositores passaram a usá-lo com liberdade, explorando as conotações más com as quais ele costumava ser associado até então, culturalmente.}} Devido a esta associação simbólica original, o intervalo passou a ser visto na convenção cultural do [[Ocidente]] como "mau".<ref>{{citar web|url=http://www.revistanine.com.br/Materia/detalhes/628/CULTURA|título=CULTURA|data=|publicado=www.revistanine.com.br|acessodata=}}</ref> O ''heavy metal'' usou extensivamente o trítono em seus [[solo de guitarra|solos]] e ''[[riff]]s'' de guitarra, dos quais um dos exemplos mais notórios é o início da canção "[[Black Sabbath (canção)|Black Sabbath]]", da [[Black Sabbath|banda homônima]].<ref name="Wolf">Marshall, Wolf. "Power Lord—Climbing Chords, Evil Tritones, Giant Callouses". Guitar Legends, abril de 1997, p. 2</ref><ref>Cooke Deryck, ''The Language of Music'', chapter 2 "The Elements of Musical Expression- the Augmented Fourth". Oxford University Press, Oxford New-York, 1959, Reimpression 2001, p. 84.</ref><ref name="headbanger">Dunn, Sam (2005). "Metal: A Headbanger's Journey". Warner Home Video (2006).</ref>
|acessodata= 2007-11-28 }}</ref>
 
Desde as raízes do gênero no ''blues'', o [[sexo]] é outro importante tópico das letras do ''heavy metal'' — um filão que vai desde as letras sugestivas do Led Zeppelin até às referências mais explícitas das bandas de ''[[Glam metal|glam]]'' e ''[[nu metal]]''.<ref>Weinstein (1991), p. 36</ref> Tragédias românticas são um tema corriqueiro do ''[[Metal gótico|gothic]]'' e ''[[doom metal]]'', bem como do ''nu metal'', onde a ira e a revolta [[adolescente]] é outro tópico central.<ref name="gothic">{{citar web|título=Gothic Metal |url= http://radio.darkness.com/gothic-metal/ |publicado=Radio Darkness |acessodata=2012-12-01}}</ref> Canções de ''heavy metal'' frequentemente apresentam letras inspiradas pelo bizarro e pelo fantástico, o que lhes dá uma qualidade escapista.<ref name="gothic"/> As canções do Iron Maiden, por exemplo, inspiravam-se em peças da [[mitologia]], da [[ficção]] e da [[poesia]], como "Rime of the Ancient Mariner", baseada no [[Rime of the Ancient Mariner|poema homônimo]] de [[Samuel Taylor Coleridge]].<ref name="mariner">{{citar web|url=http://consultoriadorock.com/2012/07/09/por-que-iron-maiden-the-rime-of-the-ancient-mariner-2/|título=Por que Iron Maiden? The Rime of the Ancient Mariner|data=|publicado=consultoriadorock.com|acessodata=17/12/2014|arquivourl=https://web.archive.org/web/20141218011459/http://consultoriadorock.com/2012/07/09/por-que-iron-maiden-the-rime-of-the-ancient-mariner-2/|arquivodata=2014-12-18|urlmorta=yes}}</ref> Outros exemplos incluem "The Wizard", do Black Sabbath, "The Conjuring" e "Five Magics", do [[Megadeth]], e "Dreamer Deceiver", do Judas Priest. A partir da década de 1980, com a ascensão do ''[[thrash metal]]'' e de canções como "[[...And Justice for All (canção)|...And Justice for All]]", do Metallica, e "[[Peace Sells]]", do Megadeth, mais letras do ''metal'' passaram a incluir críticas sociopolíticas.<ref>{{citar web|url=http://www.thegauntlet.com/article/1225/13637/Top-10-Political-Metal-Bands.html|título=Top 10 Political Metal Bands|data=|publicado=www.thegauntlet.com|acessodata=17/12/2014}}</ref> Gêneros como o [[death metal melódico|''death metal'' melódico]], o [[metal progressivo|''metal'' progressivo]] e o ''[[black metal]]'' costumam explorar temas filosóficos.{{sfn|Purcell|2003|p=39-42}}<ref name="bmlyric">{{citar vídeo|último =Dome |primeiro =Michael |ano=2007 |título=Murder Music: Black Metal |tipo=motion picture |publicado=Rockworld TV}}</ref>
 
O conteúdo temático do ''heavy metal'' tem sido por muito tempo alvo de críticas. De acordo com [[Jon Pareles]], "o principal assunto do ''heavy metal'' é simples e virtualmente universal. Com grunhidos, gemidos e letras subliterárias, ele celebra... uma festa sem limites... O grosso da música é estilizado e formulista."<ref name="JP"/> Diversos críticos de música definiram as letras do metal como juvenis e banais, enquanto outros manifestaram suas objeções ao que viam como a apologia à [[misoginia]] e ao [[ocultismo]].<ref name="parent"/> Durante os anos 80, a organização americana [[Parents Music Resource Center]] enviou uma petição ao [[Congresso dos Estados Unidos]] visando regulamentar a indústria da música popular, devido ao que o grupo via como letras questionáveis, especialmente em canções de ''heavy metal''.<ref name="parent">{{citar web|url=http://love-it-loud.com/retrospectives/parents-music-resource-center-pmrc/|título=Parents Music Resource Center (PMRC)|data=|publicado=love-it-loud.com|acessodata=|arquivourl=https://web.archive.org/web/20141030063132/http://love-it-loud.com/retrospectives/parents-music-resource-center-pmrc/|arquivodata=2014-10-30|urlmorta=yes}}</ref> Em 1990 o Judas Priest foi processado nos Estados Unidos pelos pais de dois rapazes que se suicidaram cinco anos antes, supostamente depois de terem ouvido uma mensagem subliminar (''do it'', "façam isso") numa canção da banda. Embora o caso tenha atraído muita atenção da mídia, acabou sendo arquivado.<ref>Ver, por exemplo, Ewing and McCann (2006), pp. 104–113</ref> Em países predominantemente [[Islão|muçulmanos]] o ''heavy metal'' é denunciado oficialmente como uma ameaça aos valores tradicionais; em países como [[Marrocos]], [[Egito]], [[Líbano]] e [[Malásia]] foram registrados incidentes de prisões e condenações de músicos e fãs de ''heavy metal''.<ref>{{citar web|autor=Whitaker, Brian|data=2 de junho de 2003| título = Highway to Hell| url = http://www.guardian.co.uk/world/2003/jun/02/worlddispatch.brianwhitaker|obra =[[The Guardian]]|acessodata= 3 de março de 2009 }}</ref><ref>{{citar web|data=4 de agosto de 2001| título = Malaysia Curbs Heavy Metal Music| url = http://news.bbc.co.uk/2/hi/asia-pacific/1473198.stm|publicado=[[BBC News]]|acessodata= 3 de março de 2009 }}</ref>
 
=== Imagem e vestimenta ===
 
== Etimologia ==
A origem do termo [[Língua inglesa|inglês]] ''heavy metal'' ("[[metal]] pesado") em um contexto musical é incerta; a frase foi relacionado por séculos com a [[química]] e a [[metalurgia]], onde a tabela periódica organiza os elementos como metais leves e [[metal pesado|metais pesados]] (exemplo: urânio). Um exemplo de um dos primeiros usos da palavra na cultura popular moderna foi feito pelo [[escritor]] [[contracultura]]l [[William S. Burroughs]], que, em seu [[romance]] de 1962, ''The Soft Machine'', incluiu um personagem conhecido como ''"Uranian Willy, the Heavy Metal Kid"''. Seu romance seguinte, ''Nova Express'', de 1964, desenvolveu o tema, usando ''heavy metal'' como uma metáfora para [[droga]]s que viciam: ''"Com suas doenças e drogas orgásticas e suas formas de vida parasitas e assexuadas — Pessoas de Metal Pesado de Urano, envoltas numa fria névoa azul de notas de dinheiro vaporizadas — e as Pessoas Inseto de Minraud, com a música metal."''<ref>''"With their diseases and orgasm drugs and their sexless parasite life forms—Heavy Metal People of Uranus wrapped in cool blue mist of vaporized bank notes—And The Insect People of Minraud with metal music."''.<br />Burroughs, William S. ''[http://www.efn.org/~dredmond/PP3.html Nova Express] {{Wayback|url=http://www.efn.org/~dredmond/PP3.html |date=20070414232023 }}''. Nova York: Grove Press, 1964. Pg. 112</ref>
 
[[Imagem:Steppenwolf (1971).png|thumb|left|[[Steppenwolf]] em 1971]]
O historiador de ''metal'' Ian Christe, descreveu o que os componentes do termo significavam em "''hippiespeak''", a "linguagem dos ''[[hippie]]s''" da época: "''heavy''", "pesado", seria um sinônimo aproximado de "potente" ou "profundo", e "''metal''" indicaria um certo tipo de estado de espírito, pesado e opressivo como o metal.<ref>Christe (2003), p. 10</ref> A palavra "''heavy''", neste sentido, era um elemento básico da cultura ''[[beatnik]]'' e, posteriormente, da [[gíria]] usada na contracultura, e referências à "música pesada" ("''heavy music''") — tipicamente variações mais lentas e mais amplificadas das canções ''pop'' tradicionais — já eram comuns em meados da década de 1960. O álbum de estreia do [[Iron Butterfly]], lançado no início de 1968, recebeu o título de ''[[Heavy (álbum de Iron Butterfly)|Heavy]]''. O primeiro uso do termo ''heavy metal'' numa gravação foi a referência a uma [[motocicleta]] na canção "[[Born to Be Wild]]", da banda [[Steppenwolf]], também lançada naquele ano:<ref>Walser (1993), p. 8</ref> "''I like smoke and lightning/Heavy metal thunder/Racin' with the wind/And the feelin' that I'm under.''" Uma alegação posterior, e questionada, sobre a fonte do termo, foi feita por [[Chas Chandler|"Chas" Chandler]], ex-empresário do [[Jimi Hendrix Experience]]; numa entrevista de 1995 ao programa ''Rock and Roll'', da [[Public Broadcasting Service|PBS]], ele assegurou que ''heavy metal'' "era um termo que veio de um artigo do ''[[The New York Times|New York Times]]'' sobre um ''show'' de [[Jimi Hendrix]]", onde o jornalista comparou o evento a "ouvir metal pesado caindo do céu." A fonte para esta alegação nunca foi encontrada.<ref name="origin">{{citar web|url=http://www.udiscovermusic.com/features/heavy-metal-thunder|título=Heavy metal thunder |data=|publicado=www.udiscovermusic.com|acessodata=}}</ref>
 
O primeiro uso documentado da expressão para descrever um tipo de ''rock'' foi em matérias do crítico musical Mike Saunders. Na edição de 12 de novembro de 1970 da revista ''[[Rolling Stone]]'', Saunders comentou a respeito de um álbum lançado no ano anterior pela banda britânica [[Humble Pie]]: "''As Safe As Yesterday Is'', seu primeiro lançamento nos Estados Unidos, provou que o Humble Pie podia ser tedioso das mais diversas maneiras. Aqui eles se mostravam uma banda de um ''rock'' de merda, ''heavy metal'' arrastado, barulhento e sem melodia, com as partes altas e barulhentas óbvias demais. Havia umas duas canções boas… e uma pilha monumental de lixo."<ref>"''[[As Safe As Yesterday Is|Safe As Yesterday Is]],'' their first American release, proved that Humble Pie could be boring in lots of different ways. Here they were a noisy, unmelodic, heavy metal-leaden shit-rock band with the loud and noisy parts beyond doubt. There were a couple of nice songs…and one monumental pile of refuse."</ref> Ele ainda descreveu o seu álbum mais recente, lançado com o mesmo nome da banda, como "mais da mesma porcaria de ''metal'' pesado de 27.ª categoria."<ref>{{citar web|título=Humble Pie: Town and Country; As Safe As Yesterday Is; Humble Pie|autor=Saunders, Mike|obra=Rolling Stone|data=12 de novembro de 1970|url=http://www.rocksbackpages.com/Library/Article/humble-pie-town-and-country-as-safe-as-yesterday-is-humble-pie |acessodata=17 de dezembro de 2007}}</ref> Numa crítica do álbum ''Kingdom Come'', de Sir Lord Baltimore, na edição de maio de 1971 da revista ''[[Creem]]'', Saunders escreveu: "Sir Lord Baltimore parece ter dominado todos os melhores truques do manual do ''heavy metal''.<ref>''"Sir Lord Baltimore seems to have down pat most all the best heavy metal tricks in the book."''; {{citar web|título=SIR LORD BALTIMORE – KINGDOM COME (1970)|autor=Saunders, Mike|obra=[[Creem]]|data= maio de 1971|url=http://bandaspread.com/sir-lord-baltimore-kingdom-come-1970/ |acessodata= 17 de março de 2007|arquivourl=https://web.archive.org/web/20141217115107/http://bandaspread.com/sir-lord-baltimore-kingdom-come-1970/|arquivodata=2014-12-17|urlmorta=yes}}</ref> O crítico [[Lester Bangs]], da ''Creem'', recebeu o crédito pela popularização do termo, através de seus ensaios, escritos no início da década de 1970, sobre bandas como [[Led Zeppelin]] e [[Black Sabbath]].<ref>Weinstein (1991), p. 19</ref> Por toda a década, a expressão ''heavy metal'' foi usada por alguns críticos como uma forma praticamente automática de se fazer um comentário depreciativo. Em 1979 o popular crítico musical do ''New York Times'', John Rockwell, descreveu o que ele chamou de "''heavy-metal rock''" como "música brutalmente agressiva tocada principalmente para mentes enevoadas pelas drogas,"<ref>Rockwell, John. ''[[The New York Times]]'', 4 de fevereiro de 1979, p. D22</ref> e, num artigo diferente, como "um exagero cru dos elementos básicos do ''rock'' que agrada a adolescentes brancos."<ref>Rockwell, John. ''The New York Times'', 13 de agosto de 1979, p. C16</ref>
 
Cunhado pelo baterista [[Bill Ward]] do Black Sabbath, "''downer rock''" foi um dos primeiros termos usados para descrever o estilo. Somente mais tarde, o termo seria substituído por "''heavy metal''".<ref>Kevin Holm-Hudson, ''Progressive Rock Reconsidered'', (Routledge, 2002), ISBN 0815337159</ref>
|arquivo = Led Zeppelin Whole Lotta Love.ogg
|título = "Whole Lotta Love"
|descrição = Trecho da canção "[[Whole Lotta Love]]" do álbum ''[[Led Zeppelin II]]'', da banda [[Led Zeppelin]]. Com um ''riff'' base pesado e letras extraídas do ''blues'' de [[Willie Dixon]], a canção chegou a quarta posição das paradas da ''Billboard''.<ref>{{citar web|título=Whole Lotta Love |publicado= RollingStone.com |ano=2003 | url=http://www.rollingstone.com/news/story/6595920/whole_lotta_love |acessodata=03-04-2007|arquivourl= httphttps://web.archive.org/web/20071014175923/http://www.rollingstone.com/news/story/6595920/whole_lotta_love |arquivodata=14 de outubro de 2007-10-14|urlmorta= simyes|língua=inglês}}</ref>
|posição = direita
}}
 
O Led Zeppelin definiu aspectos centrais do gênero que emergia, com o estilo altamente distorcido de guitarra de Page, e os vocais dramáticos e lamuriosos de [[Robert Plant]].<ref>Charlton (2003), p. 239</ref> Segundo o [[Allmusic]], o Led Zeppelin foi a banda definitiva do gênero, não apenas pela sua interpretação agressiva e pesada do ''blues'', mas também por terem incorporado a mitologia, o misticismo e uma variedade de outros gêneros ao seu som. Ao fazer isso, eles teriam estabelecido o formato dominante do gênero.<ref>''"Led Zeppelin was the definitive heavy metal band. It wasn't just their crushingly loud interpretation of the blues — it was how they incorporated mythology, mysticism, and a variety of other genres (most notably world music and British folk) — into their sound. In doing so, they established the dominant format for heavy metal, as well as the genre's actual sound."'', [http://www.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=11:wifexqe5ldde]</ref> Outras bandas, com um som de ''metal'' mais "puro", mais consistentemente pesado, também se revelariam igualmente importantes na codificação do gênero. Os lançamentos em 1970 do [[Black Sabbath]] (''[[Black Sabbath (álbum)|Black Sabbath]]'' e ''[[Paranoid (álbum)|Paranoid]]'') e [[Deep Purple]] (''[[Deep Purple in Rock|In Rock]]'') foram cruciais neste ponto.<ref name = "eyaqji"/> O Black Sabbath havia desenvolvido um som particularmente pesado, em parte devido a um acidente industrial que o guitarrista [[Tony Iommi]] havia sofrido antes de cofundar a banda, e feriu sua mão; incapaz de tocar normalmente seu instrumento, Iommi tinha que utilizar afinações mais graves em sua guitarra, para que seus dedos pudessem alcançar as notas desejadas, e usava ''[[power chord]]s'', que exigiam dedilhados mais simples.<ref>di Perna, Alan. "The History of Hard Rock: The 70's." ''[[Guitar World]]''. Março de 2001.</ref> O Deep Purple, que havia flutuado entre diversos estilos no seu início, foi levado rumo ao ''heavy metal'', com a entrada, em 1969, do vocalista [[Ian Gillan]] e do guitarrista [[Richie Blackmore]].<ref>Charlton (2003), p. 241</ref> Em 1970 o Black Sabbath e o Deep Purple conseguirem grande sucesso nas paradas britânicas com "[[Paranoid (canção)|Paranoid]]" e "[[Black Night]]", respectivamente.<ref>{{citar web|url=http://www.allmusic.com/song/paranoid-mt0012009915|título=Paranoid|data=|publicado=www.allmusic.com|acessodata=18 de dezembro de 2014}}</ref><ref>{{citar web|url=http://www.allmusic.com/song/black-night-mt0029870317|título=Black Night|data=|publicado=www.allmusic.com|acessodata=18 de dezembro de 2014}}</ref> Naquele mesmo ano, três outras bandas britânicas lançaram álbuns de estreia no estilo: [[Uriah Heep]], com ''Very 'eavy… Very 'umble'',<ref>{{citar web|url=http://www.allmusic.com/album/very-eavy-very-umble-mw0000203517|título=Very 'eavy… Very 'umble|data=|publicado=www.allmusic.com|acessodata=18 de dezembro de 2014}}</ref> [[UFO (banda)|UFO]], com ''[[UFO 1]]'',<ref>{{citar web|url=http://www.allmusic.com/album/ufo-1-mw0000653184|título=UFO 1|data=|publicado=www.allmusic.com|acessodata=18 de dezembro de 2014}}</ref> e Black Widow, com ''Sacrifice''.<ref name="Metallized">{{citar web | url=http://www.metallized.it/recensione.php?id=3573 | título="Recensione: Black Widow - Sacrifice" }} (in Italian). ''Metallized''. Retrieved 27 February 2013.</ref> O [[Wishbone Ash]], embora não fosse comumente identificado como ''metal'', introduziu um estilo duplo de guitarra-solo/guitarra-base que muitas bandas de ''metal'' das gerações posteriores adotariam,<ref>{{citar web |url=http://www.wishboneash.co.uk/history/1.aspx |título=Martin Turner's Wishbone Ash – official site – history – 1960s |publicado=Wishboneash.co.uk |data= |acessodata=19 de agosto de 2011 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20121111220851/http://www.wishboneash.co.uk/history/1.aspx |arquivodata=2012-11-11 |urlmorta=yes }}</ref> enquanto a banda [[Budgie (banda)|Budgie]] trouxe o novo som do ''metal'' para um contexto do ''power trio''.<ref name="Sharpe-Young, Garry 2007, p. 30">Sharpe-Young, Garry (2007), p. 30</ref> As letras e o imaginário de [[ocultismo]] empregados por bandas como Black Sabbath, Uriah Heep e Black Widow se provariam particularmente influentes; o Led Zeppelin também começou a experimentar com estes elementos em seu [[Led Zeppelin IV|quarto álbum]], lançado em 1971.<ref>{{citar web|url=http://www.allmusic.com/album/led-zeppelin-iv-untitled-mw0000190736|título=Led Zeppelin IV|data=|publicado=www.allmusic.com|acessodata=18 de dezembro de 2014}}</ref>
 
 
[[Imagem:Iron Maiden - bass and guitars 30nov2006.jpg|thumb|[[Iron Maiden]], uma das bandas centrais do movimento ''[[New Wave of British Heavy Metal]]'']]
 
As vendas dos discos de ''heavy metal'' diminuíram drasticamente no final da década de 1970, perdendo espaço para o ''[[punk rock]]'', ''[[música disco|disco]]'' e outros tipos de ''rock''.<ref name="gnwtey"/> Com as grandes gravadoras fixadas no ''punk'', muitas bandas britânicas novas de ''heavy metal'' foram influenciadas pelos movimentos agressivos, sons de alta energia e tendência de [[baixa fidelidade]] e "[[faça você mesmo]]". Bandas de ''metal underground'' começaram a surgir com gravações feitas de forma independente e barata para pequenas audiências.<ref>Christe (2003), pp. 30, 33</ref> O [[Motörhead]], fundado em 1975, foi a primeira banda importante a ficar em uma posição intermediária entre o ''punk'' e o ''metal''. Com a explosão do ''punk'' em 1977, outras bandas seguiram a mesma linha. Não demorou até os jornais musicais britânicos como o ''[[NME]]'' e ''[[Sounds (revista)|Sounds]]'' tomarem conhecimento do que foi batizado por Geoff Barton como movimento ''[[New Wave of British Heavy Metal]]'' ("Nova Onda do ''Heavy Metal'' Britânico").<ref>Christe (2003), p. 33</ref> O ''NWOBHM'', que incluía bandas como [[Iron Maiden]], [[Saxon (banda)|Saxon]] e [[Def Leppard]], deu uma nova carga de energia ao gênero. Seguindo o exemplo de [[Judas Priest]] e Motörhead, as bandas de ''heavy metal'' endureceram os seus sons, reduzindo os elementos do ''blues'' e colocando [[andamento]]s cada vez mais rápidos.<ref>{{citar web|título=Judas Priest|autor =Erlewine, Stephen Thomas, and Greg Prato|publicado=Allmusic|data=|url={{Allmusic|class=artist|id=p4646|pure_url=yes}}|acessodata=30-04-2007}} {{citar web|título=Genre—New Wave of British Heavy Metal|publicado=Allmusic|data=|url={{Allmusic|class=explore|id=style/d7760|pure_url=yes}}|acessodata=17-03-2007|língua=inglês}}</ref> Em 1980, o ''NWOBHM'' invadiu o ''mainstream'', com álbuns do Iron Maiden e Saxon, bem como Motörhead, atingindo o top 10 das paradas britânicas. Embora menos bem-sucedidas comercialmente, outras bandas do ''NWOBHM'' tais como [[Venom (banda)|Venom]] e [[Diamond Head]], também tiveram uma influência significativa no desenvolvimento do ''metal''.<ref>Weinstein (1991), p. 44</ref> Em 1981, o Motörhead tornou-se a primeira banda desta nova geração a atingir o topo das paradas do Reino Unido com ''[[No Sleep 'til Hammersmith]]''.<ref>{{citar web|arquivourl=httphttps://web.archive.org/web/20080209095724/http://www.theofficialcharts.com/all_the_no1_albums.php?show=4|arquivodata=9 de fevereiro de 2008-02-09|url=http://www.theofficialcharts.com/all_the_no1_albums.php?show=4|título=Number 1 Albums – 1980s|publicado=[[The Official Charts Company]]|acessodata=28 de junho de 2011|urlmorta=no}}</ref>
 
[[Imagem:Venom, Conrad „Cronos“ Lant at Party.San Metal Open Air 2013 09.jpg|thumb|left|[[Conrad Lant|Cronos]] com a banda [[Venom (banda)|Venom]], que teve grande influência sobre o [[metal extremo]]]]
Enquanto isso, as primeiras bandas de ''heavy metal'' foram perdendo o centro das atenções. O Deep Purple havia acabado com a saída de [[Ritchie Blackmore]] em 1975, e o Led Zeppelin se dissolveu após a morte do baterista [[John Bonham]] em 1980. O Black Sabbath era constantemente ofuscado pela banda que abria os seus ''shows'', o [[Van Halen]].<ref>Christe (2003), p. 25</ref> [[Eddie Van Halen]] estabeleceu-se como um dos melhores guitarristas de sua época — seu solo em "[[Eruption]]", no álbum ''[[Van Halen (álbum)|Van Halen]]'', é considerado um marco.<ref>Christe (2003), p. 51</ref> [[Randy Rhoads]] e [[Yngwie Malmsteen]] também eram guitarristas destacados pela sua habilidade, associados com o que seria conhecido como [[metal neoclássico|''metal'' neoclássico]].<ref name="ym">{{citar livro|url=http://books.google.de/books?id=386hAgAAQBAJ&pg=PT98&dq=Neoclassical+metal |editor-nome =Gerd |editor-sobrenome =Bayer |primeiro =Helen |último =Farley |capítulo=Demons, The Occult Devils and Witches: in Heavy Metal Music |título=Heavy Metal Music in Britain |páginas=80–81 |editora=[[Ashgate Publishing]] |ano=2013 |isbn=978-1-409493853}}</ref> A inserção de elemento da música clássica tinha começado com Blackmore e pelo guitarrista dos [[Scorpions]], [[Uli Jon Roth]];<ref>{{citar web|url=http://www.allmusic.com/artist/rainbow-mn0000391933/biography|título=Rainbow biography |data=|publicado=www.allmusic.com|acessodata=18 de dezembro de 2014}}</ref> essa nova geração ocasionalmente fazia uso da [[guitarra clássica]] (violão), como Rhoads fez em "Dee" de ''[[Blizzard of Ozz]]'' (1980), o primeiro álbum solo do antigo vocalista do Sabbath, [[Ozzy Osbourne]].<ref>All Music [{{Allmusic|class=album|id=r375893|pure_url=yes}} Quiet Riot 1977] Retrieved July 18, 2008.</ref>
 
Inspirados pelo sucesso do Van Halen, uma outra vertente do ''metal'' começou a se desenvolver no sul da Califórnia ao final da década de 1970. Vindas dos clubes da Sunset Strip em Los Angeles, bandas como [[Quiet Riot]], [[Ratt]], [[Mötley Crüe]] e [[W.A.S.P.]] foram influenciadas pelo ''heavy metal'' tradicional do início da década de 1970,<ref>Rivadavia, Eduardo. "[{{Allmusic|class=artist|id=p5209|pure_url=yes}} Quiet Riot]". Allmusic. Consultado em 25 de março de 2007; Barry Weber & Greg Prato. "[{{Allmusic|class=artist|id=p4964|pure_url=yes}} Mötley Crüe]". Allmusic. Página acessa em 3 de abril de 2007; Dolas, Yiannis. "[http://www.rockpages.gr/detailspage.aspx?id=637&type=1&sub=%20&lang=EN Blackie Lawless Interview] {{Wayback|url=http://www.rockpages.gr/detailspage.aspx?id=637&type=1&sub=%20&lang=EN |date=20141006102604 }}" Rockpages. Página acessada em 7 de abril de 2007.</ref> incorporando as performances teatrais (às vezes com maquiagem) do ''[[glam rock]]'' de bandas como [[Alice Cooper]] e Kiss.<ref>Christe (2003), pp. 55–57</ref> As letras dessas bandas de ''glam rock'' normalmente enfatizavam o hedonismo e o comportamento selvagem.<ref name="Weinstein2000pp45-7">D. Weinstein, ''Heavy Metal: The Music and Its Culture'' (Cambridge, MA: Da Capo Press, 2000), ISBN 0-306-80970-2, pp.&nbsp;45–7.</ref> Musicalmente, o estilo era distinguido pelos rápidos solos de guitarra ''[[shred]]'',<ref>D. Bukszpan, ''The Encyclopedia of Heavy Metal'' (London: Barnes & Noble Publishing, 2003), ISBN 0-7607-4218-9, p. 63.</ref> coros e uma abordagem melódica relativamente ''pop''.<ref name="Pillsbury2006p45">G. T. Pillsbury, ''Damage Incorporated: Metallica and the Production of Musical Identity'' (New York, NY: CRC Press, 2006), ISBN 0-415-97374-0, p. 45.</ref> O movimento do ''glam metal'' — juntamente com os estilos semelhantes, como o da banda nova-iorquina [[Twisted Sister]] — tornou-se uma grande força no espectro do ''rock''.<ref>E. Rivadavia, [{{Allmusic |class=artist |id=p5719 |pure_url=yes}} "Twisted Sister"], ''AllMusic''. Consultado em 7 julho de 2010.</ref>
 
{{Escute
Em meados da década de 1980, o ''glam metal'' era presença dominante nas paradas dos EUA, nos canais musicais e na programação das casas de ''shows''. Novas bandas, tais como os californianos do [[Warrant (banda dos Estados Unidos)|Warrant]] e também bandas da costa leste, como [[Poison (banda)|Poison]] e [[Cinderella (banda)|Cinderella]], conseguiram grande sucesso, enquanto Mötley Crüe e Ratt continuavam populares. Preenchendo a lacuna entre o ''hard rock'' e o ''glam metal'', o [[Bon Jovi]] de Nova Jérsei conseguiu um enorme sucesso com o seu terceiro álbum, ''[[Slippery When Wet]]'' (1986). O estilo semelhante da banda sueca [[Europe]] fez com que chegassem ao topo das paradas internacionais, com o álbum ''[[The Final Countdown (álbum)|The Final Countdown]]'' (1986). A sua faixa-título tornou-se um ''hit'' número 1 em 25 países.<ref>{{citar jornal|título=Rock Group Europe Plan Comeback|editora=BBC News|data=03-10-2003|url=http://news.bbc.co.uk/2/hi/entertainment/3162506.stm|acessodata=28-11-2008 |local=Londres|língua=inglês}}</ref> Em 1987, estreou na MTV o programa ''[[Headbangers Ball]]'', dedicado exclusivamente a videoclipes de ''heavy metal''. No entanto, o público do ''metal'' começou a se dividir e muitos começaram a favorecer estilos mais ''underground'' e pesados, desacreditando os estilos mais populares como o "''light metal''" ou "''hair metal''".<ref>Walser (1993), p. 14; Christe (2003), p. 170</ref>
 
Uma banda que atingiu diversos públicos foi o [[Guns N' Roses]]. Em contraste com os seus conterrâneos do ''glam metal'' de Los Angeles, eles eram vistos como uma banda mais crua e pesada. Com o lançamento do álbum de estreia, ''[[Appetite for Destruction]]'' (1987) conseguiram reinventar quase sozinho o estilo da Sunset Strip por vários anos.<ref>Christe (2003), p. 165</ref> No ano seguinte, o [[Jane's Addiction]] surgiu da mesma cena dos clubes de ''hard rock'' de Los Angeles, com seu famoso álbum ''[[Nothing's Shocking]]''. Na crítica do álbum, a ''Rolling Stone'' declarou: "Jane's Addiction são os verdadeiros herdeiros do Led Zeppelin."<ref>{{citar web|título=Jane's Addiction: ''Nothing's Shocking''|autor =Steve Pond|publicado=Rolling Stone|data=20-10-1988|url=http://www.rollingstone.com/artists/janesaddiction/albums/album/119704/review/5942383/nothings_shocking|acessodata=2007-05-01|arquivourl= httphttps://web.archive.org/web/20071002080218/http://www.rollingstone.com/artists/janesaddiction/albums/album/119704/review/5942383/nothings_shocking |arquivodata= 7 de outubro de 2007-10-02|urlmorta= simyes}}</ref> O grupo foi o primeiro a ser identificado como "[[metal alternativo|''metal'' alternativo]]", tendência que viria à tona na próxima década. Enquanto isso, novas bandas como o [[Winger (banda)|Winger]] de Nova Iorque e [[Skid Row]] de Nova Jérsei sustentavam a popularidade do ''glam metal''.<ref name="Covach">Covach, John. [http://www2.wwnorton.com/college/music/rockhistory/outlines/ch12.htm "Heavy Metal, Rap, and the Rise of Alternative Rock (1982–1992)"] ''What's That Sound? An Introduction to Rock and its History'' (W. W. Norton). Página acessada em 16 de novembro de 2007..</ref>
 
=== Outros gêneros do ''metal'': décadas de 1980, 1990, 2000 e 2010 ===
}}
 
Embora com menos sucesso comercial do que o resto do Big Four, o Slayer foi responsável pelo disco considerado definitivo do gênero: ''[[Reign in Blood]]'' (1986). A revista ''[[Kerrang!]]'' descreveu-o como "o álbum mais pesado de todos os tempos".<ref name="Lostprophets scoop rock honours">{{citar jornal|título= Lostprophets scoop rock honours |editora= BBC News |data= 25-08-2006| url = http://news.bbc.co.uk/2/hi/entertainment/5282780.stm|acessodata=1-10-2008 |local=Londres |língua=inglês}}</ref> Duas décadas depois, a ''Metal Hammer'' nomeou-o como o "melhor álbum dos últimos vinte anos".<ref name="Golden Gods Awards Winners">{{citar web|título= Golden Gods Awards Winners|publicado= Metal Hammer|data= 13-06-2006| url = http://www.metalhammer.co.uk/news/?id=44410|acessodata= 10-01-2007|arquivourl= https://web.archive.org/web/20081216125723/http://www.metalhammer.co.uk/news/?id=44410|arquivodata= 2008-12-16|urlmorta= yes}}</ref> O disco, que foi melhor produzido que os antecessores, levou o Slayer a um novo patamar dentro da cena do metal, ajudando na popularização do subgênero e influenciando futuros grupos de metal extremo.<ref name="Interview With Paul Mazurkiewicz of Cannibal Corpse">{{citar web | titulo = Interview with Paul Mazurkiewicz of Cannibal Corpse | autor = Wilson, David L. | publicado = Metal-rules.com | data = 13-12-1999 | url = http://www.metal-rules.com/interviews/cannibal.htm |acessodata=9 de fevereiro de 2007}}</ref>
 
No início dos anos 1990, o ''thrash'' chegou ao seu ponto máximo de sucesso, desafiando e redefinindo o ''mainstream'' do ''metal''.<ref>Walser (1993), p. 15</ref> Em 1991, o Metallica com seu [[Metallica (álbum)|álbum autointitulado]] (conhecido por muitos como ''Black {{Typo|Album}}''), chegou ao topo das paradas da ''Billboard'', devido à seu afastamento do ''thrash'' e se aproximando de um ''heavy metal'' mais clássico.<ref>[http://www.billboard.com/#/charts/billboard-200?chartDate=1991-08-31 Billboard 200, 31 de agosto de 1991]</ref> O Megadeth com ''[[Countdown to Extinction]]'' (1992) chegou à segunda posição,<ref>[http://www.billboard.com/#/charts/billboard-200?chartDate=1992-08-01 Billboard 200, 8 de janeiro de 1992]</ref> e o Anthrax e Slayer conseguiram o top 10.<ref>{{citar web | url=http://www.billboard.com/#/charts/billboard-200?chartDate=1993-06-12 | título=Billboard 200, 12 de junho de 1993 }}; [http://www.billboard.com/#/charts/billboard-200?chartDate=1994-10-15 Billboard 200, 15 de outubro de 1994]</ref> Bandas mais regionais, como o Testament e Sepultura conseguiram chegar ao top 100.<ref>{{citar web | url=http://www.billboard.com/#/album/testament/ritual/50471 | título=Billboard 200 Chart Position: Testament – ''Ritual'', 30 de maio de 1992 }}; [http://www.billboard.com/#/album/sepultura/chaos-a-d/147266 Billboard 200 Chart Position: Sepultura – ''Chaos A.D.'', 6 de novembro de 1993]</ref>
}}
 
Os fãs e grupos de ''death metal'', assim como os de ''thrash metal'', geralmente rejeitam a teatralidade dos estilos de ''metal'' anteriores.<ref name="MS28">Moynihan, Søderlind (1998), p. 28</ref> Mas essa regra possui exceções, como [[Glen Benton]] do [[Deicide]] que costumava usar uma cruz invertida na testa e armadura durante suas apresentações.<ref>{{citar web|url=http://www.theroc.org/roc-mag/textarch/roc-11/roc11-10.htm|título=ROC'S INTERVIEW WITH GLEN BENTON|autor=John Woods & Mike Heck|data=|publicado=www.theroc.org|acessodata=18 de dezembro de 2014|arquivourl=https://web.archive.org/web/20070629221232/http://www.theroc.org/roc-mag/textarch/roc-11/roc11-10.htm|arquivodata=2007-06-29|urlmorta=yes}}</ref>
 
Deicide, [[Morbid Angel]], Death e Obituary foram os maiores precursores da cena do ''death metal'' que surgiu na Flórida em meados da década de 1980. No Reino Unido, o estilo relacionado conhecido como ''[[grindcore]]'' era liderado por bandas como o [[Napalm Death]] e [[Extreme Noise Terror]], emergindo do ''[[anarcopunk]]''.<ref name="LOC27"/>
Na década de 1990, os integrantes do Mayhem regularmente usavam ''[[corpse paint]]'' ("pintura de cadáver") nas apresentações; várias outras bandas de ''black metal'' também adotaram esse visual. O Bathory foi a banda líder dos movimentos ''[[viking metal]]'' e ''[[folk metal]]'', e o [[Immortal]] foi quem trouxe as ''blast beats'' à tona. Algumas bandas e fãs do ''black metal'' escandinavo do início da década de 1990 foram associados a grandes atos de violência, como os incêndios criminosos de igrejas naquela região. O sucesso comercial do ''death metal'' também incomodava; de acordo com [[Gaahl]], ex-vocalista do [[Gorgoroth]], o "''black metal'' nunca foi destinado a atingir um público... [Nós] tínhamos um inimigo comum, que era o cristianismo, o socialismo e tudo que a democracia representa."<ref name="Campion"/>
 
Em 1992, a cena do ''black metal'' começou a emergir em áreas fora da Escandinávia, como Alemanha, França e Polônia.<ref>Moynihan, Søderlind (1998), pp. 271, 321, 326</ref> Em 1993, o assassinato de [[Euronymous]], do Mayhem por [[Varg Vikernes]] do Burzum foi amplamente comentando pela mídia.<ref name="Campion"/> Por volta de 1996, quando muitos consideravam que o movimento estava estagnado,<ref>Vikernes, Varg. "[http://www.burzum.org/eng/library/a_burzum_story06.shtml A Burzum Story: Part VI—The Music]". Burzum.org, Julho de 2005; Página acessada em 4 de abril de 2007.</ref> várias bandas do estilo, como o Burzum, começaram explorar a [[Dark ambient|música ambiente]], enquanto bandas como os suecos do [[Tiamat (banda)|Tiamat]] e os suíços do [[Samael]] tocavam o chamado [[black metal melódico|''black metal'' melódico]].<ref>[{{Allmusic|class=explore|id=style/d11957|pure_url=yes}} Genre—Symphonic Black Metal]. Allmusic. Página acessada em 9 de abril de 2007.</ref> No final de década de 1990 e começo da de 2000, os noruegueses do [[Dimmu Borgir]] trouxeram o ''black metal'' mais próximo do ''mainstream'',<ref>John Serba. [http://www.allmusic.com/album/death-cult-armageddon-mw0000322109 "Dimmu Borgir's 'Death Cult'"]. ''Allmusic'', Novembro de 2003. Página acessa em 10 de setembro de 2007</ref> assim como o [[Cradle of Filth]], que segundo a ''[[Metal Hammer]]'' é a banda inglesa de maior sucesso desde o Iron Maiden.<ref>Bennett, J. [httphttps://web.archive.org/web/20070515040459/http://www.decibelmagazine.com/features/jun2007/dimmuborgir.aspx "Dimmu Borgir"]. ''Decibel'', Junho de 2007. Página acessada em 10 de setembro de 2007.</ref>
 
==== Power metal ====
=== Tendências recentes: meio e fim da década de 2000 ===
{{Artigo principal|Deathcore|Mathcore|Metalcore|New Wave of American Metal}}
O ''metal'' voltou a popularizar-se nos anos 2000, principalmente na Europa Continental. No novo milênio, a Escandinávia emergiu como uma área produtora de bandas inovadoras e de sucesso, enquanto Bélgica, País Baixos e especialmente Alemanha, foram os mercados mais importantes.<ref>K. Kahn-Harris, ''Extreme Metal: Music and Culture on the Edge'' (Oxford: Berg, 2007), ISBN 1845203992, pp. 86 e 116.</ref> Se estabeleceram bandas continentais que colocaram vários álbuns no top 20 das paradas alemãs entre 2003 e 2008, como a banda finlandesa [[Children of Bodom]],<ref>{{citar livro |último = |título= Finland's Children Of Bodom Debut At #22 On Billboard Chart With New Album, 'Blooddrunk'|periódico= Guitar Player|data=| |url= http://www.guitarplayer.com/article/finland--39;s/April-2008/35205|arquivourl=http https://www.webcitation.org/5wiVCU59l ?url=http://www.guitarplayer.com/article/finland--39;s/April-2008/35205|arquivodata= 23 de fevereiro de 2011-02-23|língua= inglês|acessodata= 2012-02-24|urlmorta= yes}}.</ref> os noruegueses do [[Dimmu Borgir]],<ref>{{citar livro |último = |título= Chartverfolgung / Dimmu Borgir / Long play|periódico= music line.de|data=| |url= http://www.musicline.de/de/chartverfolgung_summary/artist/Dimmu+Borgir/?type=longplay|arquivourl=http https://www.webcitation.org/5wiVpMP9i?url=http://www.musicline.de/de/chartverfolgung_summary/artist/Dimmu+Borgir/?type=longplay|arquivodata= 23 de fevereiro de 2011 -02-23|língua= inglês|acessodata= 2012-02-24|urlmorta= yes}}.</ref> alemães do [[Blind Guardian]]<ref>{{citar livro |último = |título= Chartverfolgung / Blind Guardian / Long play|periódico= music line.de|data=| |url= http://www.musicline.de/de/chartverfolgung_summary/artist/Blind+Guardian/?type=longplay|arquivourl=http https://www.webcitation.org/5wiWICFm3?url=http://www.musicline.de/de/chartverfolgung_summary/artist/Blind+Guardian/?type=longplay|arquivodata= 23 de fevereiro de 2011-02-23|língua= inglês|acessodata= 2012-02-24|urlmorta= yes}}.</ref> e suecos do [[HammerFall]].<ref>{{citar livro |último = |título= Chartverfolgung / Hammer Fall / Long play|periódico= music line.de|data=| |url= http://www.musicline.de/de/chartverfolgung_summary/artist/HAMMERFALL/?type=longplay|arquivourl=http https://www.webcitation.org/5wiYWL3qD?url=http://www.musicline.de/de/chartverfolgung_summary/artist/HAMMERFALL/?type=longplay|arquivodata= 23 de fevereiro de 2011-02-23|língua= inglês|acessodata= 2012-02-24|urlmorta= yes}}.</ref> Na década de 2000 também houve o ressurgimento da cena ''thrash metal''.
 
[[Imagem:BulletForMyValentine2006.PNG|thumb|left|220px|[[Bullet for My Valentine]], uma das principais bandas do ''[[metalcore]]'']]
 
O ''[[metalcore]]'', um híbrido de ''metal'' extremo e ''[[hardcore punk]]'',<ref>Weinstein (2000), p. 288; Christe (2003), p. 372</ref> emergiu com uma grande força comercial em meados da década de 2000. Esse estilo está enraizado em um estilo cruzado do ''thrash'', desenvolvido duas décadas antes por bandas como [[Suicidal Tendencies]], [[Dirty Rotten Imbeciles]] e [[Stormtroopers of Death]].<ref>Christe (2003), p. 184</ref> Na década de 1990, o ''metalcore'' foi em sua maioria um fenômeno ''underground''; as primeiras bandas do estilo incluem [[Earth Crisis]],<ref>{{citar web |título=Shai Hulud, interview with Punknews.org - 05/28/08 |url=http://www.ruleeverymoment.com/media/interviews/interview.php?id=43 |acessodata=17 de fevereiro de 2012 |citação=As far as coining the term 'metalcore' or coining a sound, I don’t think we did. There were bands before Shai Hulud started that my friends and I were referring to as 'metalcore'. Bands like Burn, Deadguy, Earth Crisis, even Integrity. |arquivourl=https://web.archive.org/web/20081016144924/http://www.ruleeverymoment.com/media/interviews/interview.php?id=43 |arquivodata=2008-10-16 |urlmorta=yes }}</ref><ref name="am">Mudrian, Albert (2000). ''Choosing Death: The Improbable History of Death Metal and Grindcore''. Feral House. ISBN 1-932595-04-X. p. 222-223</ref><ref name="ig">"here the term (metalcore) is used in its original context, referencing the likes of Strife, Earth Crisis, and Integrity...", Ian Glasper, ''Terrorizer'' no. 171, junho de 2008, p. 78.</ref> [[Converge]],<ref name="am"/> [[Hatebreed]]<ref name="ig"/><ref name="rh">Ross Haenfler, ''Straight Edge: Clean-living Youth, Hardcore Punk, and Social Change'', Rutgers University Press. ISBN 0-8135-3852-1 p. 87-88</ref> e [[Shai Hulud]].<ref name="killyour">{{citar web|título=Kill Your Stereo - Reviews: Shai Hulud - Misanthropy Pure |url=http://www.killyourstereo.com/reviews/169/shai-hulud-misanthropy-pure/ |acessodata=17 de fevereiro de 2012 |citação=Shai Hulud, a name that is synonymous (in heavy music circles at least) with intelligent, provocative and most importantly unique metallic hardcore. The band’s earliest release is widely credited with influencing an entire generation of musicians|língua=inglês}}</ref><ref>Mason, Stewart. [http://www.allmusic.com/artist/p202929 Shai Hulud at Allmusic]. Página acessada em 17 de fevereiro de 2012. "A positively themed metalcore band with some [[straight edge|straight-edge]] and [[Christianity|Christian]] leanings, the influential Shai Hulud have maintained a strong band identity since their original formation in the mid-'90s". {{en}}</ref> Em 2004, o ''metalcore'' melódico — influenciado pelo [[death metal melódico|''death metal'' melódico]] — tornou-se popular o suficiente para que álbuns como ''[[The End of Heartache]]'' do [[Killswitch Engage]] e ''[[The War Within]]'' do [[Shadows Fall]], chegassem à vigésima-primeira e vigésima posições, respectivamente, nas paradas da ''Billboard''.<ref>{{citar web |url=http://www.allmusic.com/album/the-war-within-r707338/charts-awards |título=Billboard charts - ''The War Within'' |acessodata=18 de abril de 2012 |publicado=[[allmusic]] |língua=inglês }}</ref>
 
''[[Fever (álbum de Bullet for My Valentine)|Fever]]'', o terceiro álbum de estúdio da banda galesa [[Bullet for My Valentine]], estreou na terceira posição na [[Billboard 200]] e em primeiro nas paradas de ''rock'' e alternativo da revista ''Billboard'', tornando-se um recorde da banda até à data.<ref name="Fever-Top3">{{citar web|url=http://www.roadrunnerrecords.com/blabbermouth.net/news.aspx?mode=Article&newsitemID=139610|título=BULLET FOR MY VALENTINE's ''Fever'' Cracks U.S. Top 3|publicado= [[Roadrunner Records]]|obra=[[Blabbermouth.net]]|data=5 de maio de 2010|acessodata= 10 de maio de 2010|língua=inglês}}</ref> Nos últimos anos, as bandas de ''metalcore'' receberam faixas de destaque no Ozzfest e no [[Download Festival]].
[[Imagem:Tuska 20130628 - TesseracT - 29.jpg|thumb|300px|[[Tesseract (banda)|TesseracT]], uma das precursoras e principais bandas do ''[[Djent]]'']]
 
Nessa década de 2010 houve o surgimento e o desenvolvimento de um novo ''gênero'' e de uma nova ''cena'' de ''metal'', respectivamente denominado por ''[[Djent]]''.<ref name="secrets" >{{citar web|último =Bowcott|primeiro =Nick|título=Meshuggah Share the Secrets of Their Sound|url=http://www.guitarworld.com/meshuggah-share-secrets-their-sound|obra=[[Guitar World]]|publicado=[[Future US]]|acessodata=17 de outubro de 2011|data=26 de junho de 2011|arquivourl=https://web.archive.org/web/20160517094739/http://www.guitarworld.com/meshuggah-share-secrets-their-sound|arquivodata=2016-05-17|urlmorta=yes}}</ref> Gênero esse na qual apresenta como característica excessivos ''[[riff]]s'' em ''[[palm mute]]'' que são fortemente [[dissonante]]s e [[Distorção (áudio)|distorcidos]], executados em constante [[contratempo]] e mesmo em [[polirritmia]],<ref>{{Citar web |url=http://www.guitarworld.com/meshuggah-share-secrets-their-sound |titulo=Cópia arquivada |acessodata=2014-12-17 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20160517094739/http://www.guitarworld.com/meshuggah-share-secrets-their-sound |arquivodata=2016-05-17 |urlmorta=yes }}</ref><ref>http://www.theguardian.com/music/2011/mar/03/djent-metal-geeks</ref> bem como ocorrendo simultaneamente uma sonoridade [[Música ambiente|ambiente]]. No ''[[Djent]]'' é comum o uso de [[guitarra]]s de sete, de oito, e até de nove cordas.<ref>http://www.metalinjection.net/editorials/heres-why-everyone-needs-to-stop-complaining-about-extended-range-guitars</ref><ref>{{Citar web |url=http://www.mayones.com/en/katalog/djentlemen_series |titulo=Cópia arquivada |acessodata=2015-09-22 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20150929050116/http://www.mayones.com/en/katalog/djentlemen_series |arquivodata=2015-09-29 |urlmorta=yes }}</ref> Entre algumas das principais bandas desse emergente gênero e cena estão o ''[[After the Burial]]'' (atualmante), o ''[[Animals as Leaders]]'', o ''[[Born of Osiris]]'' (atualmente), o ''[[Meshuggah]]'' (atualmente, sendo essa uma banda precursora do gênero), o ''[[Monuments]]'', o ''[[Periphery]]'' (atualmente), o ''[[Tesseract (banda)|TesseracT]]'' (também precursora do gênero),<ref>http://www.guitarworld.com/tesseract-unveil-new-video</ref><ref>http://www.allmusic.com/album/one-mw0002112405</ref> o ''[[The Contortionist]]'', o ''[[Uneven Structure]]'' e o ''[[Vildhjarta]]''.<ref>http://www.guitarworld.com/vildhjarta-unveil-new-album-details-post-teaser-video</ref>
 
== Ver também ==
216 545

edições