Diferenças entre edições de "Imunoglobulina"

389 bytes adicionados ,  09h44min de 23 de abril de 2019
Resgatando 2 fontes e marcando 1 como inativas. #IABot (v2.0beta14)
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 181.220.202.104 (alteração de grafia), com Reversão e avisos)
(Resgatando 2 fontes e marcando 1 como inativas. #IABot (v2.0beta14))
A forma ancorada à membrana de um anticorpo poder-se-ia chamar imunoglobulina de superfície (sIg) ou imunoglobulina de membrana (mIg), uma vez que não é segregado: sempre está associado à membrana plasmática. Faz parte do receptor do linfócito B (BCR), que permite que este detecte quando um antígeno específico está presente no organismo, desencadeando a activação do linfócito B.<ref>{{citar periódico|autor =Parker D|título=T cell-dependent B cell activation|periódico=Annu. Rev. Immunol.|volume=11|número=1|páginas=331–360|ano=1993|pmid=8476565|doi=10.1146/annurev.iy.11.040193.001555}}
 
</ref> O BCR é composto por anticorpos IgD ou IgM ligados à superfície de membrana e aos seus heterodímeros associados Ig-α e Ig-β que têm capacidade de realizar a transdução de sinais do reconhecimento do anticorpo para o interior da célula.<ref name="Wintrobe">{{citar livro|autor =Wintrobe, Maxwell Myer|autorlink = Maxwell Wintrobe|editor1=John G. Greer |editor2=John Foerster |editor3=John N Lukens |editor4=George M Rodgers |editor5=Frixos Paraskevas |título=Wintrobe's clinical hematology|edição=11|publicado=Lippincott Williams & Wilkins|local=Hagerstown, MD|ano=2004|páginas=453–456|isbn=978-0-7817-3650-3}}</ref> Um linfócito B humano comum tem entre 50 000 e 100 000 anticorpos unidos à sua superfície.<ref name="Wintrobe" /> Após o acoplamento do antígeno, estes agrupam-se formando grandes adesivos cujo diâmetro pode ser superior a 1μm em balsas lipídicas que isolam os BCR (receptores da célula B) da maior parte dos restantes receptores de sinalização celular.<ref name="Wintrobe" /> Estes adesivos poderiam melhorar a eficiência da resposta imune celular.<ref name="pmid18275475">{{citar periódico|vauthors=Tolar P, Sohn HW, Pierce SK |título=Viewing the antigen-induced initiation of B-cell activation in living cells|periódico=Immunol. Rev.|volume=221|número=1|páginas=64–76|data=Fevereiro de 2008|pmid=18275475|doi=10.1111/j.1600-065X.2008.00583.x|url=http://www.blackwell-synergy.com/openurl?genre=article&sid=nlm:pubmed&issn=0105-2896&date=2008&volume=221&spage=64}}{{Ligação inativa|1={{subst:DATA}} }}</ref> Nos seres humanos, a superfície celular encontra-se livre de outras proteínas ao redor dos receptores dos linfócitos B em distâncias com alguns milhares de ''[[ångström]]s'',<ref name="Wintrobe"/> o que reduz de tal maneira as influências que competem com a sua função, que pode-se dizer que isola os BCR.
 
== Isótipos, alótipos e idiótipos ==
 
== Previsão da estrutura ==
A importância dos anticorpos na saúde e indústria [[biotecnologia|biotecnológica]] demanda um conhecimento das suas estruturas em [[Resolução de imagem|alta resolução]]. Esta informação é utilizada na [[engenharia de proteínas]], modificando a afinidade de união aos antígenos, e identificando um epítopo dum determinado anticorpo. Um método comummente utilizado para determinar as estruturas dos anticorpos é a [[cristalografia de raios X]]. No entanto, cristalizar um anticorpo costuma ser trabalhoso e leva muito tempo. Os métodos computacionais proporcionam uma alternativa mais barata e rápida à cristalografia, mas os seus resultados são mais incertos, uma vez que não produzem estruturas empíricas. Os [[Servidor (computação)|servidor]]es ''web'' em linha como ''Web Antibody Modeling'' (WAM)<ref>{{webarchive |url=https://www.webcitation.org/5uK04d3mA?url=http://antibody.bath.ac.uk/abmod.html |date=18 de novembro de 2010}}<br /> [http://antibody.bath.ac.uk/abmod.html WAM]</ref> e ''Prediction of Immunoglobulin Structure'' (PIGS)<ref>{{citar periódico |vauthors=Marcatili P, Rosi A, Tramontano A |título=PIGS: automatic prediction of antibody structures |periódico=Bioinformatics |volume=24 |número=17 |páginas=1953–1954 |ano=2008 |doi=10.1093/bioinformatics/btn341 |pmid=18641403 |url=http://biocomputing.it/pigs/ |arquivourl=https://www.webcitation.org/5uK06XmYO?url=http://arianna.bio.uniroma1.it/pigs/ |arquivodata=18 de novembro de 2010 |urlmorta= não |df=dmy }}<br /> [http://biocomputing.it/pigs/ ''Prediction of Immunoglobulin Structure'' (PIGS)] {{WebCite|url=https://www.webcitation.org/5uK06XmYO?url=http://arianna.bio.uniroma1.it/pigs/ |date=20101118022407 |dateformat=iso }}</ref> permitem fazer os modelos computacionais de regiões variáveis dos anticorpos. O ''Rosetta Antibody'' é um novo servidor para a previsão de estruturas da região F<sub>V</sub> de anticorpos, que incorpora técnicas sofisticadas para minimizar os bucles [[Região determinante da complementariedade|CDR]] e optimizar a orientação relativa das cadeias leve e pesada, assim como modelos de [[homologia (biologia)|homologia]] que prediz a união bem-sucedida dos anticorpos com os seus antígenos específicos.<ref>{{webarchive|url=https://www.webcitation.org/5uK07ARPr?url=http://antibody.graylab.jhu.edu/ |date=18 de novembro de 2010 }}<br />[http://antibody.graylab.jhu.edu RosettaAntibody]</ref>
 
A capacidade de descrever o anticorpo pela afinidade de união ao antígeno é suplementada pela informação sobre a estrutura de anticorpos e sequências de aminoácidos com o propósito de registar patentes.<ref>{{citar web|título= Written Description Problems of the Monoclonal Antibody Patents after Centocor v. Abbott|último = Park |primeiro = Hyeongsu |url= http://jolt.law.harvard.edu/digest/patent/written-description-problems-of-the-monoclonal-antibody-patents-after-centocor-v-abbott| website = jolt.law.harvard.edu|acessodata= 12 de dezembro de 2014|arquivourl= https://web.archive.org/web/20141213031525/http://jolt.law.harvard.edu/digest/patent/written-description-problems-of-the-monoclonal-antibody-patents-after-centocor-v-abbott|arquivodata= 2014-12-13|urlmorta= yes}}</ref>
 
Existe uma variedade de métodos utilizados para sequenciação dum anticorpo, incluindo a [[degradação de Edman]], [[DNA complementar|ADNc]], etc; apesar de um dos métodos modernos mais comuns para a identificação de peptídeos/proteínas seja a [[cromatografia]] líquida acoplada à [[espectrometria de massa em tandem]] (LC-MS/MS).<ref>Pham, V. et al. De novo proteomic sequencing of a monoclonal antibody raised against OX40 ligand. Anal. Biochem. 352, 77–86 (2006).</ref> O alto volume de métodos de sequenciamento de anticorpos requer abordagens computacionais para a análise de dados, incluindo o [[sequenciamento De Novo de peptídeos|sequenciamento "De Novo" de peptídeos]] directamente de espectros de massa em tandem<ref>Ma, B. et al. PEAKS: Powerful Software for Peptide De Novo Sequencing by Tandem Mass Spectrometry. Rapid Commun.Mass Spectrom. 17(20), 2337–2342 (2003).</ref> e métodos de pesquisa na base de dados que utilizam o armazenamento de [[Estrutura primária|sequências de proteínas]].<ref>Zhang, J. et al. PEAKS DB: De Novo Sequencing Assisted Database Search for Sensitive and Accurate Peptide Identification. Mol. Cell. Proteomics 10.1074/mcp.M111.010587 (2011).</ref><ref>Cottrell, J. S. & London, U. Probability-based protein identification by searching sequence databases using [[mass spectrometry]] data. Electrophoresis 20(18), 3551–3567 (1999).</ref> Muitas versões de sequenciamento de proteína shotgun são capazes de aumentar a cobertura utilizando métodos de fragmentação CID/HCD/ETD<ref>Bandeira, N., Tang, H., Bafna, V. & Pevzner, P. Shotgun protein sequencing by tandem mass spectra assembly. Anal. Chem. 76, 7221–7233 (2004).</ref> e outras técnicas, alcançando progressos significativos na tentativa de conseguir um sequenciamento total de proteínas, principalmente anticorpos. Outros métodos têm assumido a existência de proteínas similares,<ref>Liu, X., Han, Y., Yuen, D. & Ma, B. Automated protein (re)sequencing with MS/MS and a homologous database yields almost full coverage and accuracy. Bioinformatics. 25(17), 2174–2180 (2009).</ref> uma conhecida sequência genómica, ou combinação de abordagens do "topo para a base".<ref>Liu, X. et al. De novo protein sequencing by combining top-down and bottom-up tandem mass spectra. J. Proteome Res. 13(7), 3241–3248 (2014).</ref> As tecnologias actuais têm a capacidade de montar sequências de proteínas com elevada precisão, integrando o sequenciamento "De Novo" de peptídeos, intensidade, e resultados posicionais confiáveis a partir do banco de dados e pesquisas [[Homologia (biologia)|homólogas]].<ref>Tran, N.H. et al. Complete De Novo Assembly of Monoclonal Antibody Sequences. Scientific Reports. 6(31730). (2016).</ref>
226 962

edições