Diferenças entre edições de "Catira"

9 bytes adicionados ,  19h14min de 26 de abril de 2019
m
Desfeita a edição 54956391 de 177.21.50.179
m (Desfeita a edição 54956391 de 177.21.50.179)
Etiqueta: Desfazer
 
== Origem ==
<span lang="ingles" dir="ltr">Segundo</span> [[historiadores]], a dança foi incutida no caminho das [[bandeiras]], pois era praticada pelos [[peão|peões]] dos [[Bandeirantes]], e assim foi sendo defendida pelos ''peões'' por onde eles acampavam.<ref name="Recanto Caipira">http://www.recantocaipira.com.br/catira_brasil.html</ref>
 
Diversos autores, entre eles [[Mário de Andrade]], nos contam que a catira no Brasil, se originou entre os [[índio]]s e a da Nossa Senhora da Conceição, da qual era devoto. Teria Anchieta composto versos em ritmo de catira para catequizar [[índio]]s e [[caboclo]]s e a considerada própria para tais festejos, já que era dançada somente por homens, fato que se observa, ainda hoje, em grande parte do país. Atualmente, ela é dançada também por idosos e crianças.
Há, porém, os que dizem que ela veio da [[Oceania]] junto com os australianos e outros acham que é de origem alemã. O certo é que ela adquiriu características desses três grupos citados, podendo até ter recebido influências de outros povos que para o Brasil imigraram.
 
== Evolução ==
A Catira em algumas regiões é executada exclusivamente por homens, organizados em duas fileiras opostas. Na extremidade de cada uma delas fica o violeiro que tem à sua frente a sua “segunda”, isto é, outro violeiro ou cantador que o acompanha na cantoria, entoando uma terça abaixo ou acima. O início é dado pelo violeiro que toca o “rasqueado”, toques rítmicos específicos, para os dançarinos fazerem a “escova”, bate-pé, bate-mão, pulos. Prossegue com os cantadores iniciando uma moda de viola, com temática variada em estilo narrativo, conforme padrão deste gênero musical autônomo. Os músicos interrompem a cantoria e repetem o rasqueado. Os dançarinos reproduzem o bate-pé, bate-mão e os pulos. Vão alternando a moda e as batidas de pé e mão. O tempo da cantoria é o descanso dos dançarinos, que aguardam a volta do rasqueado.
 
É uma dança trazida pelos boiadeiros, eles iam tocando os gados, rancho afora quando descobriram que no assoalho daquele rancho fazia um barulho interessante, eles brincavam de bater palmas e pés.
 
{{referênciasReferências}}
 
== Ligações externas ==
* [http://comunicacao.uniube.br/?p=2802 "Entre Palmas e Pés – Um Recortado de Histórias (2007)" - documentário sobre catira em Uberaba (MG)]
 
{{esboço-br}}
[[Categoria:Folclore do Brasil]]
[[Categoria:Danças populares]]
[[Categoria:Cultura de São Paulo]]
 
{{Festa do Divino de Pirenópolis|Catira}}
 
{{Portal3|Dança}}
 
{{esboço-br}}
{{Controle de autoridade}}
[[Categoria:Folclore do Brasil]]
[[Categoria:Danças populares]]
[[Categoria:Cultura de São Paulo]]