Diferenças entre edições de "Academia Maranhense de Letras"

51 bytes adicionados ,  18h57min de 28 de abril de 2019
 
==Fundação da academia==
A Academia Maranhense de Letras, inaugurada às dezenove horas do dia [[10 de agosto]] de [[1908]], também demonstrou resolução de escolher o poeta [[Gonçalves Dias]] como seu patrono geral. Fundada no salão de leitura da Biblioteca Pública do Estado (o prédio, a partir de [[1950]], tornou-se sua sede), contou com vinte cadeiras e, inicialmente, doze participantes: ''Antônio Lobo'', ''[[Alfredo de Assis Castro]]'', ''Astolfo Marques'', [[Antonio Baptista Barbosa de Godois|Barbosa de Godois]], ''[[Raimundo Corrêa de Araújo|Corrêa de Araújo]]'', ''[[Clodoaldo Severo Conrado de Freitas|Clodoaldo de Freitas]]'', ''[[Domingos Quadro Barbosa Álvares|Domingos Quadro]]'', ''[[Manuel Fran Paxeco|Fran Paxeco]]'', ''[[Godofredo Mendes Viana]]'', ''[[Inácio Xavier de Carvalho|Xavier de Carvalho]]'', ''[[José Ribeiro do Amaral|Ribeiro do Amaral]]'' e ''[[Armando Vieira da Silva|Vieira da Silva]]''.
 
Além disso, os estatutos acadêmicos determinavam que mais oito membros seriam acrescentados mediante eleição e também como fundadores.
No dia [[7 de setembro]] desse ano, no mesmo prédio, houve a solenidade da sessão inaugural da academia. Assim, dava-se início às suas atividades.
 
Seu primeiro presidente foi o professor e historiógrafo [[José Ribeiro do Amaral|Ribeiro do Amaral]], por ser, entre seus confrades, o mais velho.
 
Em seus primeiros passos, a academia contou com a presença marcante de [[Antônio Lobo]], um verdadeiro líder e "agitador de idéias". Graças à sua dedicação intensa, a AML é lembrada hoje pelo cognome ''Casa de Antônio Lobo''.
Na presidência de [[Clodoaldo Cardoso]], entretanto, deu-se o processo de revigoramento da academia. Entre os acadêmicos então eleitos, o professor e historiador [[Mário Meirelles]] (que também comandou a AML) muito ajudou a casa a participar decisivamente no desenvolvimento e consolidação do [[Ensino superior|Ensino Superior]] no Maranhão.
 
A Academia Maranhense de Letras incentivou a colocação de bustos em homenagem aos grandes escritores maranhenses na [[Complexo Deodoro|Praça do Pantheon]], em São Luís. Alguns de seus membros que também foram homenageados foram Clodoaldo Cardoso e [[Josué Montello]].
 
==Academia atual==
Utilizador anónimo