Abrir menu principal

Alterações

m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 177.185.124.138, com Reversão e avisos
|imagem_legenda =
|origens estilísticas = ''[[Samba-reggae]]'', [[frevo]], ''[[reggae]]'', [[merengue]], [[forró]], [[Ijexá#Ritmo africano|ijexá]], [[Samba Duro|samba duro]], ritmos de [[Candomblé]], ''[[pop rock]]'', ritmos afro-brasileiros e afro-latinos.
|contexto cultural = [[Década de 801980]], [[Salvador (Bahia)|Salvador]]
|instrumentos = [[Guitarra elétrica]], [[baixo elétrico]], [[percussão]]
|popularidade = [[Brasil]]
|outros tópicos = ''[[Samba-reggae]]'', [[pagode baiano]], [[arrocha]], ''[[black semba]]'', [[forró elétrico]]
}}
O '''axé''', ou '''axé ''music''''', é um [[gênero musical]] que surgiu no estado da [[Bahia]] na [[década de 801980]] durante as manifestações populares do [[Carnaval de Salvador]], misturando o [[Ijexá#Ritmo africano|ijexá]],<ref>PEREIRA, Ianá Souza. ''Axé-axé: o megafenômeno baiano''. Revista África e Africanidades, Rio de Janeiro, ano 2, n. 8, fev. 2010, p.03</ref> ''[[samba-reggae]]'',<ref name="CASTRO, A. A.">CASTRO, A. A. ''Axé music: mitos, verdades e world music''. Per Musi, Belo Horizonte, n.22, 2010, p.205.</ref> [[frevo]], [[reggae]], [[merengue]], [[forró]], [[Samba Duro|samba duro]],<ref name="CASTRO, A. A." /> ritmos do [[candomblé]],<ref>ARAÚJO FILHO, Antonio Neves de. ''PROTESTOS E MANIFESTAÇÕES AFRO-BRASILEIRAS NA MÚSICA NEGRA BAIANA NOS ANOS DE 1980''. UFRN, Caicó, 2016, p.17.</ref> ''[[pop rock]]'',<ref>PEREIRA, Ianá Souza. ''Axé-axé: o megafenômeno baiano''. Revista África e Africanidades, Rio de Janeiro, ano 2, n. 8, fev. 2010, p.02</ref><ref>CASTRO, A. A. ''Axé music: mitos, verdades e world music''. Per Musi, Belo Horizonte, n.22, 2010, p.204-205.</ref> bem como outros ritmos afro-brasileiros e afro-latinos.<ref>[http://www.cultura.pe.gov.br/canal/fig2014/do-fricote-que-esquenta-garanhuns/ Do fricote que esquenta Garanhuns]. Portal Cultura PE.</ref><ref name="ref_livro">{{Citar livro|autor=SANTANNA, Marilda |título=As donas do canto |subtítulo=o sucesso das estrelas-intérpretes no carnaval de Salvador |idioma= |edição= |local=Salvador |editora=Edufba |ano=2009 |páginas= |isbn=8523208852 }}</ref><ref name="ref_livro.2">{{Citar livro|url= |autor=DINIZ, André |coautor= |título=Almanaque do carnaval |subtítulo=A história do carnaval, o que ouvir, o que ler, onde curtir |idioma= |edição= |local=Rio de Janeiro |editora=Jorge Zahar Editor |ano=2008 |página=180 |páginas= |isbn=9788537800478 |acessodata= }}</ref><ref>{{citar livro|último1=SYLLOS|primeiro1=Gilberto de|último2=MONTANHAUR|primeiro2=Ramon|título=Bateria e Contrabaixo na Música Popular Brasileira|edição=3.ª|local=Rio de Janeiro|editora=Lumiar|ano=2002|página=65}}</ref>
 
No entanto, o termo "axé" é utilizado erroneamente para designar todos os ritmos de raízes africanas ou o estilo de música de qualquer banda ou artista que provém da [[Bahia]].<ref>{{citar periódico|url=http://g1.globo.com/Noticias/Musica/0,,MUL1485868-7085,00-G+LISTA+MUSICAS+PARA+ENTENDER+O+AXE+E+O+CARNAVAL+BAIANO.html|título=G1 lista 15 músicas para entender o axé e o carnaval baiano|jornal=G1}}</ref> Sabe-se hoje, que nem toda música baiana é axé, pois lá há o ''[[samba-reggae]]'',<ref>{{Citar periódico| autor = [[Margareth Menezes]] | ano = 2014 | mes = abril | titulo = A música para divulgar valores | jornal = [[Revista Raça Brasil]] | numero = 186 | editora = Editora Minuano | url = http://racabrasil.uol.com.br/colunistas/a-musica-para-divulgar-valores/1929/}}</ref> representado principalmente pelo bloco afro [[Olodum]], o [[samba de roda]], o [[ijexá]] — tocado com variações diversas por bandas percussivas de blocos afro como [[Filhos de Ghandi]], [[Cortejo Afro]], [[Ilê Aiyê]], e [[Muzenza]], entre outros —, o [[pagode baiano]] e até uma variação de frevo, bem como o [[Sertanejo (estilo musical)|sertanejo]] e [[forró]] etc.<ref name="25 anos">[http://www.diariodopara.com.br/impressao.php?idnot=79286 O sucesso do Axé music, 25 anos depois]. Diário do Pará.</ref><ref name="ref_livro" /><ref name="ref_livro.2" /><ref name="pdf">http://www.tecap.uerj.br/pdf/v81/rafael_guarato.pdf</ref>
17 130

edições