Diferenças entre edições de "Lide (jornalismo)"

220 bytes adicionados ,  09h40min de 29 de abril de 2019
Resgatando 1 fontes e marcando 0 como inativas. #IABot (v2.0beta14)
m (Foram revertidas as edições de 187.126.123.86 para a última revisão de Douglasboavista, de 21h53min de 3 de abril de 2019 (UTC))
Etiqueta: Reversão
(Resgatando 1 fontes e marcando 0 como inativas. #IABot (v2.0beta14))
No Brasil , o lide chegou no ano de 1950, trazido pelas agências de notícia norte- americanas. Antes as matérias eram escritas a partir de comentários e uma combinação entre interpretação e informação em que a principal notícia ficava no final.  Esse período foi responsável pelo declínio do jornalismo literário, que era desenvolvido desde o princípio da imprensa.
 
Após a chegada do lide se desencadeava mais uma estruturação para o texto jornalístico, a pirâmide invertida que é uma técnica de hierarquização dos fatos, da ordem decrescente de relevância dos fatos. Segundo Ricardo Carde, em <ref>[{{Citar web |url=https://fasul.edu.br/portal/files/biblioteca_virtual/7/manualdejornalismo.pdf |titulo=Manual] |acessodata=2017-09-06 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20170907034301/https://fasul.edu.br/portal/files/biblioteca_virtual/7/manualdejornalismo.pdf |arquivodata=2017-09-07 |urlmorta=yes }}</ref> Manual do Jornalismo “a verdade é que o sistema do lide e da pirâmide invertida possui potencialidades que seria um erro menosprezar”, por isso é importante que o jornalista tenha domínio da técnica na construção da notícia.
 
O lide permite que a resposta se estruture no esquema da pirâmide investida:
230 298

edições