Diferenças entre edições de "Sociedade Portuguesa de Autores"

1 byte adicionado ,  00h10min de 7 de maio de 2019
5 de novembro de 2018</ref>
 
Tem sido criticada por muitos artistas e membros da sociedade civil, nomeadamente no âmbito do seu envolvimento na revisão à Lei da Cópia Privada, de acordo com a qual os consumidores finais deveriam pagar uma taxa à SPA por cada que em teoria permita copiar uma obra com direitos de autor. Segundo essa revisão à lei, passariam a ser alvo de uma taxa especial todos os computadores, discos rígidos, máquinas fotográficas, cartões de memória e fotocopiadoras, mesmo que nunca viessem a ser usadas com propósitos ilegais (ou mesmo que, ironicamente, fossem usadas pelos próprios artistas para criar e armazenar os seus conteúdos). [[António Vitorino]] alertou para o facto de esta lei, se aprovada, vir a taxar duplamente os consumidores, <ref>[http://www.publico.pt/tecnologia/noticia/antonio-vitorino-alerta-para-duplo-pagamento-na-copia-privada-1582881 António Vitorino alerta para duplo pagamento na cópia privada]</ref> e o [[CDS-PP]], partido da [[XIX Governo Constitucional de Portugal|coligação governante]] na XII legislatura em Portugal, afirmou não ver necessidade na revisão da lei existente, que já taxa alguns suportes físicos, como o [[CD]], o [[DVD]] e a [[cassete]]. <ref>[http://www.publico.pt/cultura/noticia/cds-nao-ve-necessidade-de-revisao-lei-da-copia-privada-proposta-pelo-governo-1581416 CDS não vê necessidade de revisão da lei da cópia privada proposta pelo governo]</ref>
 
== Lemas ==
Utilizador anónimo