Diferenças entre edições de "Herman José"

2 058 bytes removidos ,  12h32min de 9 de maio de 2019
Eliminada secção de caráter difamatório, sem qualquer referência a fontes. ver {{mais notas-bpv|data=junho de 2017}}
(Eliminada secção de caráter difamatório, sem qualquer referência a fontes. ver {{mais notas-bpv|data=junho de 2017}})
* 2009 ''Adeus, vou ali já venho''
* 2013 ''One (Her)Man Show''
 
==Processo Casa Pia==
Herman José foi desde o primeiro minuto um defensor ruidoso do apresentador [[Carlos Cruz]] na sequência da sua detenção no âmbito do [[Processo Casa Pia]]. A 29 de Dezembro de 2003, depois de uma muito comentada notificação a horas de entrar no ar em direto no seu programa HERMANSIC, é constituído arguido no âmbito do mesmo processo. Em finais de 2003, o [[Ministério Público de Portugal|Ministério Público]], sem nunca facultar a data nem os dados constantes da acusação, propõe ao artista o arquivamento provisório da acusação contra o pagamento de 10.000 euros a uma organização de solidariedade, proposta que este recusa liminarmente, optando por ir a julgamento. Tornada pública a acusação, esta referia ''"um crime de abuso sexual a adolescente"'' alegadamente ocorrido na madrugada de sexta-feira 8 para sábado 9 de Fevereiro de 2002 nas traseiras do seu restaurante de Alcântara, num carro preto e grande. Na abertura do Jornal da Noite da SIC depois de ter sido tornada pública a acusação, [[Rodrigo Guedes de Carvalho]] dá a notícia de que na data da acusação, o artista se encontraria no Brasil ao serviço do canal fazendo a cobertura do Carnaval desde o Rio de Janeiro, na companhia dos seus colegas [[Maria Rueff]], [[Ana Bola]], [[Nuno Lopes]], [[Maria Vieira]] e [[Joaquim Monchique]]. Durante a semana a que se refere a acusação é tornada pública a sua estadia numa suite do [[Copacabana Palace]] pela própria direção do hotel. Aberta a instrução do processo e depois de apresentadas as provas, a juíza Ana Teixeira e Silva ''(falecida a 13 de Abril de 2016)'' manda arquivar a acusação. O [[Ministério Público de Portugal|Ministério Público]] recorreu da decisão para o Tribunal da Relação, mas viu confirmada a não-pronúncia do humorista. Apesar de se ter remetido ao silêncio, aquele que é considerado pelos seus pares como o maior humorista português não deixa aqui e ali de mostrar algum desconforto com a situação que garante já ter ultrapassado.
 
{{Referências}}