Novos tigres asiáticos: diferenças entre revisões

Resgatando 0 fontes e marcando 1 como inativas. #IABot (v2.0beta14)
(removeu informações úteis ao artigo)
(Resgatando 0 fontes e marcando 1 como inativas. #IABot (v2.0beta14))
Os novos tigres têm uma economia centrada na exportação de produtos para nações altamente industrializadas. Em muitos casos, políticas fiscais foram implementadas para que a população local fosse desencorajada a consumir produtos de outras nações, semelhante a política adotada pelo [[Japão]] durante o [[Milagre econômico japonês|milagre econômico]].<ref>{{citar web|url=http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000122011000100067&script=sci_arttext&tlng=pt |título=O novo norte do sul: emergentes como vetores da globalização no mundo em desenvolvimento |publicado=3° Encontro Nacional ABRI 2011/Scielo |autor=MAGALHÃES, Diego Trindade d'Ávila |ano=2011 |local=Belo Horizonte}}</ref>
 
Os Novos Tigres optaram por dar isenção fiscal (diminuição de impostos) para que multinacionais se instalassem em seus territórios. Numa direção puramente [[neoliberal]], flexibilizaram as leis trabalhistas e ambientais, além de forçar a massa salarial para que permanecesse extremamente baixa, dando espaço para uma maior lucratividade para as empresas.<ref>{{citar web |url=http://173.203.31.59/UserFiles/P0001%5CFile%5CRevolu%C3%A7%C3%B5es%20Comerciais.pdf |título=Revoluções Comerciais |publicado=Portal EducarBrasil }}{{Ligação inativa|1={{subst:DATA}} }}</ref><ref>{{citar web|url=http://www.brasilescola.com/historiag/asiatico.htm |título=Os Novos Tigres |publicado=Brasil Escola}}</ref>
 
Nos Novos Tigres há crescimento econômico, mas ao contrário dos "Velhos Tigres", não há um desenvolvimento econômico de fato, pois os indicadores sociais dos referidos países, após mais de 30 anos de crescimento acelerado, ainda permanecem baixos.<ref>[http://www.diarioliberdade.org/mundo/laboral-economia/34425-tigres-asi%C3%A1ticos%E2%80%9D-e-europa-oriental-o-aprofundamento-da-crise-capitalista.html "Tigres asiáticos” e Europa Oriental: O aprofundamento da crise capitalista] - Diário Liberdade</ref>
230 312

edições