Abrir menu principal

Alterações

2 189 bytes adicionados ,  29 maio
m
Resgatando 17 fontes e marcando 0 como inativas. #IABot (v2.0beta15)
===Roteiro===
{{quote box|quote='''DE VOLTA PARA M-O E WALL-e'''<BR/>''M-O termina de limpar o chão.''<br/>''Wall-E está fascinado.''<br/>''Maliciosamente faz outra marca.''<br/>M-O (bipa): [Olhe, continua limpo. Entendeu?]<br/>''Wall-e enxuga a parte de baixo de sua esteira no rosto de M-O.''<br/>''M-O perde o controle.''<br/>''Esfrega seu próprio rosto.''|source=Stanton escreveu o roteiro para se focar nos visuais e como um<br/>guia para os efeitos sonoros necessários.<ref name=roteiro />}}
[[Andrew Stanton]] concebeu ''WALL·E'' durante um almoço com os parceiros [[John Lasseter]], [[Pete Docter]] e [[Joe Ranft]] em 1994. ''[[Toy Story]]'' estava quase completo e eles tiveram as ideias para os próximos projetos—''[[A Bug's Life]]'', ''[[Monsters, Inc.]]'' e ''[[Finding Nemo]]''—nesse almoço. Stanton perguntou, "E se a humanidade tivesse de deixar a [[Terra]] e alguém se esquecesse de desligar o último robô?".<ref name=notas /> Tendo lutado por anos para fazer os personagens de ''Toy Story'' parecerem atraentes, Stanton achou que sua simples ideia no estilo ''[[Robinson Crusoe]]'' de um robô solitário em um planeta deserto era muito forte.<ref name=desowitz >{{citar web|url=http://www.awn.com/articles/stanton-powers-iwall-ei|título=Stanton Powers Up WALL•E|primeiro =Bill|último =Desowitz|obra=Animation World Network|data=7 de abril de 2008|acessodata=11 de julho de 2011 }}</ref><ref name=robinson >{{citar web|url=http://www.avclub.com/articles/andrew-stanton,14263/|título=Andrew|obra=The A.V. Club|data=25 de julho de 2008|primeiro =Tasha|último =Robinson|acessodata=11 de julho de 2011 }}</ref> Stanton fez de WALL·E um coletor de lixo já que essa era uma ideia instantaneamente compreensível, e porque era um trabalho servil de baixa categoria que o fez simpático.<ref name=basham >{{citar web|url=http://www.worldmag.com/articles/14127|título=WALL•E world|obra=World|data=28 de junho de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Megan|último =Basham }}</ref> Stanton também gostou da imagem de cubos de lixo empilhados.<ref>{{citar web|url=http://www.canada.com/vancouversun/news/arts/story.html?id=398f8b3e-09c9-45e1-b705-c0ba4691bc47|título=The last robot left has to put out the trash|obra=The Vancouver Sun|data=25 de junho de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Jamie|último =Portman |arquivourl=https://web.archive.org/web/20080702061126/http://www.canada.com/vancouversun/news/arts/story.html?id=398f8b3e-09c9-45e1-b705-c0ba4691bc47|arquivodata=2008-07-02|urlmorta=yes}}</ref> Ele não achou a ideia sombria porque ter um planeta coberto de lixo era, para ele, um desastre infantil.<ref name=quicktime>{{citar web|url=http://creativescreenwritingmagazine.blogspot.com/2008/12/andrew-stanton-wall-e-q.html|título=Andrew Stanton: Wall-E Q&A|obra=Creative Screenwriting|data=16 de dezembro de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|formato=Aúdio Quicktime }}</ref>
 
Stanton e Pete Docter desenvolveram o filme sob o título de ''Trash Planet'' por dois meses em 1995, porém eles não sabiam como desenvolver a história e Docter acabou escolhendo dirigir ''Monsters, Inc.''.<ref name=white>{{citar jornal|título=How We Made WALL-E|obra=Total Filme|primeiro =James|último =White|data=abril de 2008|páginas=113-116 }}</ref><ref>Hauser, pág. 11</ref> Stanton teve a ideia de fazer WALL·E encontrar uma planta, porque sua vida como o único habitante do planeta lembrava Stanton de uma planta crescendo entre pavimentos.<ref name=ball /> Antes de concentrarem suas atenções em outros projetos, Stanton e Lasseter pensarem em ter WALL·E se apaixonando, já que era a progressão necessária para longe da solidão.<ref name=quicktime /> Stanton começou a escrever ''WALL·E'' novamente em 2002, enquanto ainda completava ''Finding Nemo''.<ref name=cava >{{citar web|url=http://www.usatoday.com/life/movies/news/2008-06-24-wall-e-main_N.htm|título='WALL-E' focuses on its hero's heart|obra=[[USA Today]]|data=25 de junho de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Marco R.|último =della Cava }}</ref> Stanton formatou seu roteiro de maneira reminiscente do roteiro de Dan O'Bannon para o filme ''[[Alien]]''. O'Bannon escreveu seu roteiro de uma maneira que fez Stanton lembrar de um ''[[haikai]]'', onde as descrições visuais eram feitas em linhas contínuas de poucas palavras. Stanton escreve os diálogos de seu robô de forma convencional, porém colocando-os entre colchetes.<ref name=robinson /> No final de 2003, Stanton e outros criaram um rolo de história dos primeiros vinte minutos do filme. Lasseter e [[Steve Jobs]] ficaram impressionados e oficialmente começaram o desenvolvimento,<ref name=billington >{{citar web|url=http://www.firstshowing.net/2008/interview-wall-es-writer-and-director-andrew-stanton/|título=Interview: Wall-E's Writer and Director Andrew Stanton|obra=FirstShowing.net|data=23 de junho de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Alex|último =Billington }}</ref> apesar de Jobs ter dito que não havia gostado do título, originalmente ''W.A.L.-E.''.
 
Enquanto primeiro ato de ''WALL·E'' "caiu do céu" para Stanton,<ref name=quicktime /> ele originalmente queria que alienígenas colocassem EVA para explorar a Terra e o resto do filme seria muito diferente. Quando WALL·E chega na ''Axiom'', ele incita uma rebelião estilo ''[[Spartacus (filme)|Spartacus]]'' nos robôs contra os remanescentes da espécie humana, que eram os cruéis alienígenas Gels (completamente involuídos, gelatinosos, sem ossos, transparentes, verdes que se parecem com gelatina). James Hicks, um fisiologista, mencionou para Stanton o conceito de atrofia e os efeitos prolongados pela falta de peso que os humanos sofreriam ao viverem no espaço por um período extremamente longo.<ref name=notas /><ref>{{citar web|url=http://www.today.uci.edu/iframe.php?p=/Features/profile_detail_iframe.asp?key=369|título=‘WALL-E’ and the professor|obra=UCIrvine Today|data=23 de julho de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =James|último =Hicks |arquivourl=https://web.archive.org/web/20110727115106/http://www.today.uci.edu/iframe.php?p=%2FFeatures%2Fprofile_detail_iframe.asp%3Fkey%3D369|arquivodata=2011-07-27|urlmorta=yes}}</ref> Dessa forma, essa foi a inspiração para os humanos degenerarem até se tornarem os Gels,<ref name=cenas >{{citar jornal|título=''WALL·E'' - Cenas deletadas com introdução de Andrew Stanton|obra=DVD|data=2008|publicado=Walt Disney Pictures }}</ref> e sua ancestralidade seria revelada em um final ao estilo ''[[Planet of the Apes (1968)|Planet of the Apes]]''.<ref name=fritz >{{citar web|url=http://www.newsarama.com/film/080704-wall-e-stanton-2.html|título=How Andrew Stanton & Pixar Created WALL*E – Part II|obra=Newsarama|data=4 de julho de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Steve|último =Fritz }}</ref> Os Gels também falariam uma língua sem nexo aparente, porém Stanton descartou a ideia porque achou que seria muito complicado para o público e que assim eles poderiam ser facilmente tirados da história principal.<ref name=diario >{{citar jornal|título=''WALL·E'' - Diário do Capitão: A Evolução dos Humanos|data=2008|obra=DVD|publicado=Walt Disney Pictures }}</ref> Os Gels tinham uma família real, que realizariam um baile em um castelo na parte de trás da nave, e a ''Axiom'' se transformaria em uma bola ao retornar para a Terra nesta versão da história.<ref name=diario /> Stanton decidiu que tudo era muito bizarro e desinteressante e concebeu a humanidade como "grandes bebês".<ref name=fritz /> Stanton desenvolveu o tema metafórico dos humanos aprenderem a ficar de pé novamente e "crescendo",<ref name=stanton /><ref name=fritz /> querendo que a relação de WALL·E e EVA inspirasse a humanidade, pois ele achava que poucos filmes haviam explorado a forma com que sociedades utópicas se formaram.<ref name=capone >{{citar web|url=http://www.aintitcool.com/node/37209|título=Andrew Stanton Gives Up the Goods on WALL-E and JOHN CARTER to Capone!|obra=Ain't It Cool News|data=24 de junho de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Steve|último =Prokopy }}</ref> O processo de mostrar os descendentes da humanidade como eles aparecem no filme foi bem lenta. Stanton primeiro decidiu colocar narizes e orelhas para que o público pudesse reconhecê-los. Eventualmente, dedos, pernas, roupas e outras características foram adicionadas até chegar ao conceito de seres parecidos com fetos, para permitir que o público se reconhecesse nos personagens.<ref name=diario />
 
Em uma versão posterior do filme, Auto vai até a doca para pegar a planta de EVA. O filme teria seu primeiro corte para o capitão, porém Stanton mudou isso porque achou que era muito cedo para sair do ponto de vista de WALL·E. Como uma homenagem a ''[[Get Smart]]'',<ref name=starnes >{{citar web|url=http://www.comingsoon.net/news/movienews.php?id=45885|título=WALL•E Writer/Director Andrew Stanton|obra=ComingSoon.net|data=13 de junho de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Joshua|último =Starnes }}</ref> Auto pegaria a planta e iria para as caldeiras da nave até uma sala que lembrasse um cérebro, onde assistiria a vídeos da Buy-n-Large sobre o esquema de limpar a Terra ter falhado. Stanton removeu isso para manter o mistério do porquê a planta é tirada de EVA. O capitão parece não ser inteligente, porém Stanton queria que ele fosse apenas alguém que nunca foi necessário; de outra forma ele não seria simpático.<ref name=cenas /> Um exemplo de como a falta de inteligência do capitão seria mostrada inicialmente, era de que ele usaria seu chapéu de cabeça para baixo, consertando apenas quando ele desafiasse Auto. Na versão final, ele apenas o usa casualmente no topo da cabeça, apertando-o quando assume o real comando da ''Axiom''.<ref name=diario />
 
[[Ficheiro:WALL-Eiluminação.jpg|thumb|left|WALL·E encontra um sutiã. [[Roger Deakins]] e Dennis Muren foram consultados sobre iluminação realista, incluindo fundos que são menos focados que o primeiro plano.<ref name=billington />]]
Stanton também queria que a iluminação fosse realista e evocasse os filmes de ficção científica de sua juventude. Ele achou que a Pixar havia capturado bem a física de se estar de baixo d'água com ''[[Finding Nemo]]'', então para ''WALL·E'' ele queria levar isso ao espaço. Foi revendo alguns de seus filmes de ficção científica favoritos que ele percebeu que os filmes da Pixar não tinham um visual de [[70 mm]] e suas distorções, trocas de foco e brilhos nas lentes.<ref name=desowitz /> O produtor Jim Morris convidou [[Roger Deakins]] e Dennis Muren para darem conselhos sobre iluminação e atmosfera. Muren passou vários meses na Pixar, enquanto Deakins teve uma conversa e recebeu o pedido para ficar por mais duas semanas. Stanton disse que a experiência de Muren veio de integrar animações computadorizadas com cenários reais, e Deakins os ajudou a entender como não complicar o trabalho de câmera e a iluminação.<ref name=capone /> O primeiro teste de iluminação consistia em construir uma réplica tridimensional de WALL·E, filmá-lo com uma câmera de 70&nbsp;mm, e então tentar replicar tudo no computador.<ref>{{citar web|url=http://uk.movies.ign.com/articles/865/865021p1.html|título=Wall•E Preview|data=7 de abril de 2008|obra=IGN|acessodata=13 de julho de 2011|último =Horn, Steven; Moro, Eric |arquivourl=https://web.archive.org/web/20080412104219/http://uk.movies.ign.com/articles/865/865021p1.html|arquivodata=2008-04-12|urlmorta=yes}}</ref> Stanton citou as lentes rasas do trabalho de [[Gus Van Sant]] como uma influência, já que criava intimidade em cada close. Stanton escolheu os ângulos de câmera virtuais do mesmo modo que um diretor iria escolher em um cenário normal.<ref name=quicktime />
 
Stanton queria que o interior da ''Axiom'' se parecesse com [[Xangai]] e [[Dubai]].<ref name=desowitz /> Eggleston estudou pinturas da [[NASA]] da década de 1960 e artes conceituais originais para a Tomorrowland para criar o interior da ''Axiom'', e para refletir o senso de otimismo da era.<ref name=notas /> Stanton comentou "Nós provavelmente somos bem similares em nossos fundos aqui [na Pixar] em que todos nós sentimos falta da Tomorrowland que nos foi prometida no apogeu da [[Disneyland]]", e queria um sentimento "mochila à jato".<ref name=desowitz /> A Pixar também estudou a Disney Cruise Line e visitou [[Las Vegas]], que foi útil para entender sobre iluminação artificial.<ref name=notas /> Eggleston baseou seus desenhos da ''Axiom'' na arquitetura futurística de [[Santiago Calatrava]]. Eggleston dividiu o interior da nave em três seções; a classe econômica traseira tem uma textura de concreto cinza básica com os gráficos mantendo o vermelho, azul e branco da [[Buy n Large|BnL]]. A classe turística com espaços de habitação e compras tem formato de "S" já que as pessoas sempre estão procurando "o que tem na próxima esquina". Stanton queria ter várias propagandas coloridas, porém percebeu que isso iria sobrecarregar a público e acabou indo com a ideia original de Eggleston de um pequeno número de placas grandes. A primeira classe é um enorme spa estilo zen com cores limitadas a turquesa, creme e castanho, e vai para os aposentos aconchegantes e com madeira do capitão e a ponte elegante e escura.<ref name=barbagallo /> Para manter a sensação artificial da ''Axiom'', os movimentos de câmera foram modelados como uma [[steadicam]].<ref>{{citar web|url=http://www.awn.com/articles/production/hello-iwall-ei-pixar-reaches-stars|título=Hello, WALL•E!: Pixar Reaches for the Stars|publicado=Animation World Network|data=27 de junho de 2008|acessodata=13 de julho de 2011|primeiro =Bill|último =Desowitz }}</ref>
 
O uso de cenas com atores reais foi um trampolim para a Pixar, já que Staton estava planejando fazer de ''[[John Carter (filme)|John Carter]]'' seu próximo projeto.<ref name=desowitz /> Derek Thompson, desenhista de storyboards, notou que introduzir cenas reais significou que o resto do filme deveria ser ainda mais realista.<ref name=utichi >{{citar web|url=http://www.rottentomatoes.com/m/wall_e/news/1741516/exclusive_the_world_of_wall_e|título=Exclusive: The World of WALL-E|obra=Rotten Tomatoes|data=16 de julho de 2008|acessodata=12 de julho de 2011|primeiro =Joe|último =Utichi }}</ref> Eggleston adicionou que se os humanos históricos fosse animados e levemente caricaturados, então o público não iria perceber quão séria a devolução foi.<ref name=barbagallo /> Stanton escolheu Fred Willard como o diretor executivo histórico da Buy-n-Large porque "Ele é o mais amistoso e insincero vendedor de carros que eu posso pensar".<ref name=fritz /> O diretor executivo diz "permanecer no curso", que Stanton achou engraçado.<ref name=roberts >{{citar web|url=http://www.moviesonline.ca/movienews_14899.html|título=Andrew Stanton Interview, Wall-E|obra=MoviesOnline|acessodata=12 de julho de 2011|primeiro =Sheila|último =Roberts |arquivourl=https://web.archive.org/web/20080626061223/http://www.moviesonline.ca/movienews_14899.html|arquivodata=2008-06-26|urlmorta=yes}}</ref> A [[Industrial Light & Magic]] fez os efeitos visuais dessas cenas.<ref name=notas />
 
===Animação===
 
===Som===
O produtor Jim Morris recomendou [[Ben Burtt]] como o desenhista sonoro de ''WALL·E'' porque Stanton ficava usando [[R2-D2]] como uma referência para os robôs.<ref name=starnes /> Burtt havia terminado de trabalhar em [[Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith]] e disse à sua esposa que ele nunca mais iria trabalhar em filmes com robôs, porém achou ''WALL·E'', e sua substituições de vozes por sons, "fresco e excitante".<ref name=notas /> Ele gravou 2.500 sons para o filme, que era duas vezes o número médio de um filme de ''[[Star Wars]]'',<ref name=cava /> e um recorde em sua carreira.<ref name=notas /> Burtt começou a trabalhar em 2005,<ref>{{citar web|url=http://articles.latimes.com/2008/jun/30/entertainment/et-burtt30|título=The Man Who Gave These Two Their Beeps|obra=Los Angeles Times|data=30 de junho de 2008|acessodata=12 de julho de 2011|primeiro =Tom|último =Russo }}</ref> e experimentou filtrar sua voz durante dois anos.<ref>{{citar web|url=http://network.nationalpost.com/np/blogs/theampersand/archive/2008/07/03/bob-thompson-bet-on-burtt-to-get-the-right-wall-e-sounds.aspx|título=Bob Thompson: Bet on Burtt to get the right Wall-E sounds|obra=National Post|acessodata=12 de julho de 2011|data=3 de julho de 2008|primeiro =Bob|último =Thompson |arquivourl=http://archive.wikiwix.com/cache/20110722163841/http://network.nationalpost.com/np/blogs/theampersand/archive/2008/07/03/bob-thompson-bet-on-burtt-to-get-the-right-wall-e-sounds.aspx|arquivodata=2011-07-22|urlmorta=yes}}</ref> Burtt descreveu suas vozes de robô "uma língua universal de entonação. 'Oh', 'Hum?', 'Ah!', sabe?".<ref>{{citar web|url=http://www.azcentral.com/ent/movies/articles/2008/06/28/20080628wallevoice.html|título=Voice of 'WALL-E': Robot sounds toddler-inspired|data=28 de junho de 2008|acessodata=12 de julho de 2008|obra=The Arizona Republic }}</ref>
 
Durante a produção Burtt teve a oportunidade de olhar itens usados por Jimmy MacDonald, desenhista sonoro da Disney em muitos de seus clássicos. Burtt usou muito dos itens de MacDonald em ''WALL·E''. Por Burtt não estar simplesmente adicionando efeitos sonoros na pós-produção, os animadores estavam constantemente avaliando suas criações e ideias, que Burtt achou uma experiência incomum.<ref name=som >{{citar jornal|título=''WALL·E'' - Construindo Mundos a Partir do Som|obra=DVD|publicado=Walt Disney Pictures|data=2008 }}</ref> Ele trabalhou em sincronia com os animadores, devolvendo suas animações depois de adicionar sons para dár a eles mais ideias.<ref name=notas /> Burtt escolheria sons cientificamente corretos para cada personagem, porém se ele não conseguisse encontrar um que funcionasse, ele iria escolher um som dramático mesmo sendo não realista.<ref name=som /> Burtt criaria centenas de sons apenas olhando os desenhos conceituais dos personagens, antes que ele e Stanton se sentassem para discutir um robô específico.<ref name=desowitz />
===Música===
{{Vertambém|WALL-E (trilha sonora)}}
[[Thomas Newman]] colaborou com Stanton em ''WALL·E'' , após ambos já terem tido um bom relacionamento em ''[[Finding Nemo]]''. Ele começou a escrever a trilha sonora em 2005, esperando que ao começar a tarefa cedo o deixasse mais envolvido com o filme final. Porém, Newman comentou que como a animação é tão dependente de programação, ele deveria ter começado a escrever a trilha mais cedo ou quando Stanton e Reardon ainda estavam trabalhado no roteiro. O tema de EVA foi arranjado pela primeira vez em outubro de 2007. Seu tema, quando tocado pela primeira vez, na cena em que ela voa pela Terra, originalmente usaria mais elementos orquestrais, e Newman foi encorajado a fazê-lo soar mais feminino.<ref>{{citar web|url=http://www.aintitcool.com/node/38356|título=ScoreKeeper Chats With Composer Thomas Newman!!|obra=Ain't It Cool News|data=17 de setembro de 2008|acessodata=10 de julho de 2011 }}</ref> Newman disse que Stanton teve várias ideias sobre como ele queria que a música soasse, e o compositor geralmente tentou segui-las já que ele achou difícil o trabalho de compor para um filme parcialmente mudo. Stanton queria que toda a trilha fosse orquestral, porém Newman se achou limitado por essa ideia, especialmente nas cenas abordo da ''Axiom'', indo usar eletrônicos também.<ref>{{citar web|título=E-notes: Thomas Newman gives a chilling workout in 'Revolutionary Road' and some robotic impulses in 'WALL-E'|url=http://ifmagazine.com/feature.asp?article=3193|data=19 de janeiro de 2009|obra=iF Magazine |datali=outubro de 2010|acessodata=2011-07-11|arquivourl=https://web.archive.org/web/20100102204821/http://ifmagazine.com/feature.asp?article=3193|arquivodata=2010-01-02|urlmorta=yes}}</ref>
 
[[Ficheiro:WALL-ETakesMoment.jpg|thumb|left|Um clipe da canção "It Only Takes a Moment" do filme ''[[Hello, Dolly!]]'', que inspira WALL·E a segurar as mãos de EVA.]]
Stanton originalmente queria justapor as tomadas de abertura do espaço com música [[Swing (jazz)|swing]] francesa da década de 1930, porém ele viu ''[[Les triplettes de Belleville|Les Triplettes de Belleville]]'' e não queria parecer estar copiando. Stanton então pensou na canção "Put On Your Sunday Clothes", do musical ''[[Hello, Dolly!]]'', já que ele havia interpretado o personagem Barnaby Tucker em uma produção escolar na década de 1980.<ref>{{citar web|url=http://www.scificool.com/wall-e-wins-best-animated-film-at-2008-oscars/|título= Wall-E Wins Best Animated Film at 2008 Oscars|acessodata=10 de julho de 2011|data=23 de fevereiro de 2009|obra=SciFiCool.com }}</ref> O diretor descobriu que a canção era sobre dois jovens ingênuos buscando o amor, que era bem similar a esperança de companhia de WALL·E. Jim Reardon sugeriu ter WALL·E encontrando um vídeo do filme, e Stanton incluiu "It Only Takes a Moment" e o clipe dos atores de mãos dadas, porque ele queria um modo visual para mostrar que WALL·E entende amor e quer transmiti-lo para EVA. Jerry Herman, compositor de ''Hello, Dolly!'', permitiu que as canções fossem usadas sem saber para que; quando ele viu o filme, Herman disse que a incorporação delas foi "genial".<ref>{{citar web|url=http://www.ew.com/ew/article/0,,20211943,00.html|título='WALL-E' Meets 'Dolly!'|obra=Entertainment Weekly|data=14 de julho de 2008|primeiro =Chris|último =Willman|acessodata=10 de julho de 2011 }}</ref> Coincidentemente, o tio de Newman, Lionel, trabalhou em ''Hello, Dolly!''.<ref name=notas />
 
Newman viajou para [[Londres]] para compor a canção dos créditos finais, "Down to Earth", com [[Peter Gabriel]], que era um dos músicos favoritos de Stanton. Depois, Newman retrabalhou algumas partes do filme para incluir a composição da canção, para assim ela não parecer intrusiva quando tocada.<ref name=notas /> A versão de [[Louis Armstrong]] de "[[La vie en rose|La Vie en Rose]]" foi usada para uma montagem onde EVA ignora WALL·E na Terra. O roteiro também especificava o uso de "Stardust", de [[Bing Crosby]], para quando os dois robôs estão dançando ao redor da ''Axiom'',<ref name=roteiro >{{citar web|url=http://live.disneyrsvp.trapeze.com/|título=WALL·E screenplay|último =Stanton, Andrew; Reardon, Jim|obra=Disney.com |acessodata=2011-07-11|arquivourl=https://web.archive.org/web/20110614201004/http://live.disneyrsvp.trapeze.com/|arquivodata=2011-06-14|urlmorta=yes}}</ref> porém Newman pediu para compor a música da cena. Uma troca similar ocorreu na sequência em que WALL·E tenta acordar EVA através de várias maneiras; originalmente, a montagem teria uma versão instrumental de "[[Raindrops Keep Fallin' on My Head]]", porém Newman queria desafiar si mesmo e compor algo original.<ref name=stanton />
 
==Temas==
{{cquote|Eu percebi que aquilo que eu estava querendo com esses dois robôs programados era o desejo deles de tentar e entender o significado de viver ... foi necessário esses dois atos irracionais de amor para que se descobrissem ... percebi que isso era uma metáfora perfeita para a vida. Todos caímos em nossos hábitos, nossas rotinas e nossos trilhos, conscientemente ou não para evitar a vida. Para tentar não fazer a parte trabalhosa. Para evitar ter relações com outras pessoas. De lidar com o próximo. É por isso que podemos pegar nossos celulares e não ter de falar pessoalmente. Eu pensei, 'Essa é uma amplificação perfeita do objetivo do filme'. Eu queria funcionar junto com a ciência em um modo que logicamente projetasse isso.<ref name=fritz />}}
 
O diretor percebeu que muitos comentaristas colocaram ênfase no aspecto ambiental da complacência humana, porque "essa desconexão será a causa, indiretamente, de tudo que acontecerá de ruim na vida da humanidade ou do planeta".<ref>{{citar web|url=http://gloucestertimes.com/punews/local_story_054221319.html|obra=Glaucester Times|acessodata=6 de janeiro de 2012|título=An Oscar shout-out|data=23 de fevereiro de 2009|primeiro=Jonathan|último=L'Ecuyer |arquivourl=https://archive.is/20120527035746/http://gloucestertimes.com/punews/local_story_054221319.html|arquivodata=2012-05-27|urlmorta=yes}}</ref> Stanton disse que ao tirar o esforço do trabalho, os robôs também tiraram a necessidade da humanidade de investir em relacionamentos.<ref name=robo /> O jornalista cristão Rod Dreher viu a tecnologia como a complicada vilã do filme. O estilo de vida artificial dos humanos abordo da ''Axiom'' os separou da natureza, transformando-os em "escravos da tecnologia e de seus próprios apetites básicos, tendo perdido aquilo que os faz humanos". Dreher contrastou o trabalhador, e coberto de sujeira, WALL·E com os robôs limpos da nave. Porém, são os humanos que são os redundantes e não os robôs, e durante os créditos finais os humanos e os robôs trabalham juntos para reconstruir a Terra. "''WALL·E'' não é um filme sobre o [[Luddismo|ludismo]]", disse ele, "Ele não demoniza a tecnologia. Ela só afirma que a tecnologia é usada adequadamente para ajudar os seres humanos a cultivar sua verdadeira natureza—que deve ser subordinada ao florescimento humano, e ajudá-lo a seguir em frente".<ref name=dreher >{{citar web|url=http://blog.beliefnet.com/roddreher/2008/07/walle-aristotelian-crunchy-con.html|título="Wall-E": Aristotelian, crunchy con|obra=Beliefnet|data=5 de junho de 2008|primeiro=Rod|último=Dreher|datali=junho de 2017}}</ref>
 
Stanton, um cristão,<ref name=basham /> nomeou EVA em homenagem a [[Adão e Eva|personagem biblíca]] porque a solidão de WALL·E o fez lembrar de [[Adão e Eva|Adão]], antes de Deus criar sua esposa.<ref>{{citar web|url=http://www.christianitytoday.com/movies/interviews/andrewstanton.html|arquivourl=httphttps://web.archive.org/web/20080731105235/http://www.christianitytoday.com/movies/interviews/andrewstanton.html|título=The Little Robot That Could|arquivodata=2008-07-31 de julho de 2008|primeiro=Mark|último=Moring|data=24 de junho de 2008|obra=Christianity Today|acessodata=6 de janeiro de 2012 |urlmorta=no}}</ref> Dreher percebeu o nome bíblico de EVA e viu sua diretriz como uma inversão da história; EVA usa a planta para dizer a humanidade que ela precisa voltar para a Terra e se afastar do "falso deus" da BnL, e o preguiçoso estilo de vida que ela oferece. Dreher também notou esse desvio dos pontos de vista clássicos do [[cristianismo]], onde Adão é ''amaldiçoado'' ao trabalho; ''WALL·E'' afirma que é o trabalho duro que faz os humanos serem humanos. Ele enfatiza os paralelos de falso deus da BnL na cena em que um robô ensina as crianças que "B é de Buy n Large, sua melhor amiga", que ele compara com as corporações modernas, como o [[McDonald's]] criando uma lealdade com nas crianças.<ref name=dreher /> Megan Basham da revista ''World'' achou que o filme crítica a procura do ócio, enquanto que WALL·E, em seu papel de intendente, aprende a realmente apreciar a criação de Deus.<ref name=basham />
 
Durante a criação do roteiro, um empregado da Pixar disse a Jim Reardon que EVA era reminiscente da [[Columbidae|pomba]] com o ramo de oliveira da história da Arca de Noé, e a história do filme foi retrabalhada com EVA encontrando a planta para retornar a humanidade de sua viagem.<ref>Hauser, pág. 83</ref> O próprio WALL·E foi comparado a [[Prometeu]],<ref name=starnes /> [[Sísifo]]<ref name=dreher /> e Butades: em uma dissertação discutindo WALL·E como o representante do próprio empenho criativo da Pixar, Hrag Vartanian comparou WALL·E a Butades na cena em que o robô expressa seu amor por EVA ao fazer uma escultura dela com peças sobressalentes. "A tradição da [[Grécia Antiga]] associa o nascimento de uma arte com uma donzela conríntia que desejava preservar a sombra de seu amante em uma parede antes dele partir para a guerra. O mito nos lembra que a arte nasceu do desejo e que ela frequentemente significa mais para o criador do que para a musa. Do mesmo modo que Stanton e sua equipe da Pixar nos contaram uma história profundamente pessoal sobre seu amor ao cinema e sua visão da animação através do prisma de todos os tipos de relacionamentos.<ref>{{citar web|url=http://hragvartanian.com/2008/10/21/wall-e/|título=“Wall-E” as a Return to the Promise of Animation|obra=Hrag Vartanian.com|acessodata=6 de janeiro de 2012|primeiro=Hrag|último=Vartanian|data=21 de outubro de 2008 }}</ref> Este filme é ótimo para assistir na aula de Inglês.
 
===Crítica===
''WALL·E'' foi aclamado pela crítica especializada. O site [[Rotten Tomatoes]] reporta que 96% dos críticos deram uma resenha positiva ao filme, baseado em uma amostra de 229 resenhas, com uma nota média de 8,5/10. O consenso é "charmoso, audacioso e oportuno, a magia despreocupada de ''WALL·E'' e seus visuais estelares confirmam mais uma vez a engenhosidade da Pixar".<ref name=rotten /> No agregador [[Metacritic]], o filme possui um índice de aprovação de 94/100, baseado em 39 resenhas, indicando "aclamação universal".<ref>{{citar web|url=http://www.metacritic.com/movie/walle|título=WALL-E|obra=[[Metacritic]]|acessodata=10 de julho de 2011 }}</ref> A indieWire elegeu ''WALL·E'' como o terceiro melhor filme do ano, baseado em uma pesquisa anual envolvendo 100 críticos de cinema,<ref>{{citar web|url=http://www.altfg.com/blog/film-movies/indiewire-critics-poll-top-ten/|título=indieWIRE’s Critics’ Poll: Top Ten|obra=indieWire|publicado=Alt Film Guide|acessodata=19 de fevereiro de 2012|data=26 de dezembro de 2008|primeiro=Andre|último=Soares }}</ref> enquanto que o Movie City News mostrou que o filme apareceu em 162 listas diferentes de melhores do ano, de um total de 286 listas pesquisadas, o maior número de menções do que qualquer outro filme lançado em 2008.<ref>{{citar web|url=http://moviecitynews.com/awards/2009/top_ten/00scoreboard.htm|obra=Movie City News|data=2008|primeiro=David|último=Poland|título=The 2008 Movie City News Top Ten Awards |datali=junho de 2017|acessodata=2012-02-19|arquivourl=https://web.archive.org/web/20090121082159/http://moviecitynews.com/awards/2009/top_ten/00scoreboard.htm|arquivodata=2009-01-21|urlmorta=yes}}</ref>
 
Richard Corliss da revista ''[[Time (revista)|TIME]]'' elegeu ''WALL·E'' como seu filme favorito do ano (e mais tarde da década),<ref name=corliss /> dizendo que o ele foi bem sucedido ao "[se] conectar com um grande público" apesar de seus personagens principais não terem fala e "significantes emocionais como uma boca, sobrancelhas, ombros [e] cotovelos". O filme "evoca[va] o esplendor do passado do cinema", e Corliss também comparou a relação de WALL·E e EVA com a química de [[Spencer Tracy]] e [[Katherine Hepburn]].<ref>{{citar web|url=http://www.time.com/time/specials/packages/article/0,28804,1855948_1863826_1863827,00.html|título=The Top 10 Everything of 2008|obra=TIME|primeiro=Richard|último=Corliss|acessodata=19 de fevereiro de 2012|data=3 de novembro de 2008 }}</ref> Outros críticos que elegeram ''WALL·E'' como seu filme favorito de 2008 incluem Tom Charity da [[CNN]],<ref>{{citar web|url=http://www.cnn.com/2008/SHOWBIZ/Movies/12/31/best.2008/|título=Review: The best (and worst) films of 2008|primeiro=Tom|último=Charity|acessodata=19 de fevereiro de 2012|obra=[[CNN]]|data=31 de dezembro de 2008 }}</ref> Michael Phillips do ''[[Chicago Tribune]]'', Lisa Schwarzbaum da ''[[Entertainment Weekly]]'', A. O. Scott do ''[[The New York Times]]'', Christopher Orr do ''[[The New Republic]]'', Ty Burr e Wesley Morris do ''[[The Boston Globe]]'', Joe Morgenstern do ''[[The Wall Street Journal]]'' e Anthony Lane do ''[[The New Yorker]]''.<ref>{{citar web|url=http://www.metacritic.com/film/awards/2008/toptens.shtml|obra=Metacritic|data=2008|título=Metacritic: 2008 Film Critic Top Ten Lists |datali=junho de 2017}}</ref>
 
Todd McCarthy da ''[[Variety]]'' disse que o filme era a "nona maravilha consecutiva da Pixar", também falando que era imaginativo porém simples. Ele afirmou que ele criou novos limites para a animação ao equilibrar ideias esotéricas com algumas mais acessíveis, e que a diferença principal entre ''WALL·E'' e outros filmes de ficção científica baseados no apocalipse era seu otimismo.<ref name=mccarthy >{{citar web|url=http://www.variety.com/VE1117937536.html|título=WALL-E Review|acessodata=1 de março de 2012|obra=Variety|primeiro=Todd|último=McCarthy|arquivourl=httphttps://web.archive.org/web/20080822092815/http://www.variety.com/VE1117937536.html|arquivodata=2008-08-22 de agosto de 2008|data=26 de junho de 2008 |urlmorta=no}}</ref> Kirk Honeycutt do ''[[The Hollywood Reporter]]'' declarou que ''WALL·E'' superou todas as realizações dos oito filmes anteriores Pixar, e que ele era provavelmente sua obra mais original. Ele disse que o filme possuía o "coração, alma, espírito e romance" dos melhores filmes mudos. Honeycutt afirmou que o aspecto mais brilhante do filme foi o uso de imagens de arquivo e gráficos de computador para desencadear as propensões românticas de WALL·E. Ele elogiou o desenho sonoro de Burtt, dizendo "Se é que existe tal coisa como um truque fonético de mão, é isso".<ref>{{citar web|url=http://www.hollywoodreporter.com/hr/film/reviews/article_display.jsp?JSESSIONID=stXDLjWG25pv31dwl2yynPgffjhWyvSk96w52TwNp9jZphdLSkRG!-209288430&&rid=11329|título=WALL-E|acessodata=1 de março de 2012|data=25 de junho de 2008|obra=The Hollywood Reporter|primeiro=Kirk|último=Honeycutt|arquivourl=httphttps://web.archive.org/web/20080630095618/http://www.hollywoodreporter.com/hr/film/reviews/article_display.jsp?JSESSIONID=stXDLjWG25pv31dwl2yynPgffjhWyvSk96w52TwNp9jZphdLSkRG!-209288430&&rid=11329|arquivodata=2008-06-30 de junho de 2008 |urlmorta=no}}</ref>
 
==Prêmios==
''WALL·E'' venceu o [[Meus Prêmios Nick 2008]], [[Oscar de melhor filme de animação|Oscar de Melhor Filme de Animação]] (Andrew Stanton) e foi indicado para [[Oscar de melhor roteiro original|Melhor Roteiro Original]] (Andrew Stanton, Jim Reardon e Pete Docter), [[Oscar de melhor banda sonora|Melhor Trilha Sonora]] (Thomas Newman), [[Oscar de melhor canção original|Melhor Canção Original]] (Thomas Newman e Peter Gabriel por "Down to Earth"), [[Oscar de melhor edição de som|Melhor Edição de Som]] (Ben Burtt e Matthew Wood) e [[Oscar de melhor mixagem de som|Melhor Mixagem de Som]] (Tom Myers, Michael Semanick e Ben Burtt) no [[Oscar 2009]].<ref name=awards /> A Walt Disney Pictures também tentou uma indicação para [[Oscar de melhor filme|Melhor Filme]],<ref>{{citar web|url=http://www.nytimes.com/2008/10/28/movies/28stud.html?_r=1&oref=slogin|título=Studios Are Pushing Box Office Winners as Oscar Contenders|data=27 de outubro de 2008|acessodata=11 de julho de 2011|obra=[[The New York Times]]|primeiro =Brooks|último =Barnes }}</ref> porém sem sucesso, provocando controvérsias se a Academia deliberadamente restringiu ''WALL·E'' a categoria de Melhor Animação;<ref>{{citar web|url=http://money.usnews.com/money/blogs/risky-business/2009/01/22/academy-awards-controversy-wall-e-gets-snubbed-for-best-picture-oscar|título=Academy Awards Controversy: Wall-E Gets Snubbed For Best Picture Oscar|obra=U.S. News & World Report|data=22 de janeiro de 2009|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Matthew|último =Bandyk }}</ref> Peter Travers comentou que "se alguma vez houve um momento quando um filme de animação merecia uma indicação a melhor filme, é ''WALL·E''".<ref>{{citar web|url=http://www.abc.net.au/news/stories/2009/01/23/2473002.htm?section=entertainment|título=Academy accused of snubbing Dark Knight, Wall-E|data=23 de janeiro de 2009|acessodata=11 de julho de 2011|obra=[[ABC]] }}</ref> Anteriormente, ''[[Beauty and the Beast (1991)|Beauty and the Beast]]'' foi o único filme de animação a ser indicado ao Oscar de Melhor Filme, em 1992. Um refletivo Stanton disse que não estava desapontado por ficar restringido a Melhor Filme de Animação porque ele estava maravilhado pela recepção positiva do filme, e eventualmente "A linha [entre animação e realidade] está ficando tão embaçada que acho que a cado ano vai ficar mais difícil dizer o que é um filme de animação e o que não é".<ref name=ball >{{citar web|url=http://www.newsweek.com/blogs/pop-vox/2009/01/23/mr-oscar-tear-down-this-wall-andrew-stanton-on-how-animated-films-are-pigeonholed-and-how-wall-e-is-every-man.html|título=Mr. Oscar, Tear Down This Wall! Andrew Stanton on How Animated Films are Pigeonholed -- and How Wall-E is Every Man|obra=Newsweek|data=23 de janeiro de 2009|primeiro =Sarah|último =Ball|acessodata=11 de julho de 2011 }}</ref>
 
''WALL·E'' faz várias aparições em círculos de prêmios ao final de 2008, particularmente na categoria de Melhor Filme, onde as animações são frequentemente ignoradas. Venceu o prêmio, ou seu equivalente, da Sociedade de Críticos de Cinema de Boston (empatado com ''[[Slumdog Millionaire]]''),<ref>{{citar web|url=http://www.slashfilm.com/afis-top-10-movies-of-2008-boston-critics-name-wall-e-and-slumdog-best-picture/|obra=/Film|acessodata=11 de julho de 2011|título=AFI’s Top 10 Movies of 2008; Boston Critics Name WALL-E and SlumDog Best Picture|primeiro =Peter|último =Sciretta|data=14 de dezembro de 2008 }}</ref> a Associação de Críticos de Cinema de Chicago,<ref>{{citar web|url=http://www.chicagofilmcritics.org/index.php?option=com_content&view=article&id=61:wall-e-cleans-up-chicago-film-critics-awards&catid=3:newsflash&Itemid=65|título=WALL-E Cleans Up Chicago Film Critics Awards|obra=Chicago Film Critics Association|data=18 de dezembro de 2008|acessodata=11 de julho de 2011 }}</ref> a Central de Críticos de Cinema de Ohio,<ref>{{citar jornal|título='WALL-E' picks up top honors|obra=The Columbus Dispatch|data=10 de janeiro de 2009|primeiro =Frank|último =Gabrenya }}</ref> a Sociedade de Críticos de Cinema Online,<ref>{{citar web|url=http://news.bbc.co.uk/2/hi/entertainment/7839300.stm|título=Online film critics back Wall-E|obra=[[BBC]]|acessodata=11 de julho de 2011|data=20 de janeiro de 2009 }}</ref> e mais notavelmente a Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, se tornando o primeiro filme de animação a vencer o prestigiado prêmio.<ref>{{citar web|url=http://www.variety.com/article/VR1117997085?refCatId=13&ref=ra|título=L.A critics wire for 'Wall-E'|primeiro =Justin|último =Chang|acessodata=11 de julho de 2011|data=9 de dezembro de 2008|obra=[[Variety]] |arquivourl=https://web.archive.org/web/20121114072146/http://www.variety.com/article/VR1117997085?refcatid=13|arquivodata=2012-11-14|urlmorta=yes}}</ref> Foi escolhido como um dos dez melhores filmes de 2008 pelo [[American Film Institute]] e pela [[National Board of Review|National Board of Review of Motion Pictures]].<ref>{{citar web|url=http://www.variety.com/awardcentral_article/VR1117996815.html?nav=news&categoryid=1983&cs=1|título=NBR names 'Slumdog' best of year|obra=Variety|data=4 de dezembro de 2008|primeiro =Dade|último =Hayes|acessodata=11 de julho de 2011 }}</ref><ref>{{citar web|url=http://www.afi.com/tvevents/afiawards08/default.aspx|título=AFI AWARDS 2008|obra=[[American Film Institute]]|acessodata=11 de julho de 2011 }}</ref>
 
Venceu Melhor Filme de Animação no [[Prêmios Globo de Ouro|Globo de Ouro]] de 2009 e no [[Critics' Choice Award]]s de 2008.<ref>{{citar web|url=http://www.goldenglobes.org/nominations/year/2008/|título=HFPA - Nominations & Winners - 2008|obra=[[Golden Globe Award]]|publicado=Hollywood Foreign Press Association|acessodata=11 de julho de 2011 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20100818135524/http://www.goldenglobes.org/nominations/year/2008/|arquivodata=2010-08-18|urlmorta=yes}}</ref><ref>{{citar web|url=http://www.variety.com/article/VR1117997072?refCatId=13|título=Critics Choice favors 'Milk', 'Button'|primeiro =Dade|último =Hayes|obra=Variety|acessodata=11 de julho de 2011|data=9 de dezembro de 2008 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20110817172224/http://www.variety.com/article/VR1117997072?refCatId=13|arquivodata=2011-08-17|urlmorta=yes}}</ref> Foi indicado a vários prêmios no [[Annie Award]] de 2009, incluindo Melhor Filme de Animação, Efeitos Animados (Enrique Vila), Animação de Personagem (Victor Navone), Direção (Andrew Stanton), Direção de Arte (Ralph Eggleston), Storyboard (Ronaldo Del Carmen) e Atuação de Voz (Ben Burtt);<ref name=annie >{{citar web|url=http://www.annieawards.org/foryourconsideration.html|título=36th Annual Annie Award Nominees and Winners (2008)|obra=[[Annie Award]]|acessodata=11 de julho de 2011 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20081202192706/http://www.annieawards.org/foryourconsideration.html|arquivodata=2008-12-02|urlmorta=yes}}</ref> porém perdeu em todas as categorias para ''[[Kung Fu Panda]]''.<ref name=annie /> ''WALL·E'' venceu o prêmio de Melhor Filme de Animação nos prêmios [[British Academy Film Awards|BAFTA]] de 2009, sendo ainda indicado em Melhor Música (Thomas Newman) e Melhor Som (Ben Burtt, Tom Myers, Michael Semanick e Matthew Wood).<ref>{{citar web|url=http://www.empireonline.com/news/story.asp?NID=24160|título=Slumdog Bags The BAFTAs|obra=[[Empire (revista)|Empire]]|data=9 de fevereiro de 2009|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Emily|último =Phillips }}</ref> [[Thomas Newman]] e [[Peter Gabriel]] venceram o [[Grammy Award]] por "Down to Earth" e Newman sozinho por "Define Dancing".<ref name=awards /> Venceu todos os três prêmios a qual foi indicado pela Sociedade dos Efeitos Visuais: Melhor Animação (Andrew Stanton, Jim Morris, Lindsey Collins e Nigel Hardwidge) Melhor Animação de Personagem (Ben Burtt, Victor Navone, William Austin Lee e Jay Shuster pela sequência de WALL·E e EVA no caminhão) e Melhores Efeitos em um Filme de Animação (Jason Johnson, Keith Daniel Klohn, Enrique Vila e Bill Watral).<ref>{{citar web|url=http://www.animationmagazine.net/vfx/button-walle-dominate-ves-awards/|título=Button, WALL‘E Dominate VES Awards|obra=Animation Magazine|data=22 de fevereiro de 2009|acessodata=11 de julho de 2011|primeiro =Thomas J.|último =McLean }}</ref> Se tornou o primeiro filme de animação a receber o prêmio dos Editores de Cinema da América para Melhor Edição em Comédia ou Musical (Stephen Schaffer).<ref name=awards /> Em 2009, Stanton, Reardon e Docter venceram o [[Nebula Award]] e também o [[Prêmio Hugo de Melhor Apresentação Dramática#Forma Longa|Hugo Award de Melhor Apresentação Dramática, Forma Longa]].<ref>{{citar web|url=http://www.sfsite.com/news/2009/04/26/nebula-winners/|título=Nebula Winners|obra=SF Site|data=26 de abril de 2009|primeiro =Stephen H.|último =Silver|acessodata=11 de julho de 2011 }}</ref><ref>{{citar web|url=http://www.thehugoawards.org/hugo-history/2009-hugo-awards/|título=2009 Hugo Awards|publicado=World Science Fiction Society|acessodata=6 de janeiro de 2011|obra=[[Prémio Hugo|The Hugo Awards]] }}</ref> Também venceu Melhor Filme de Animação e foi indicado a Melhor Diretor no [[Saturn Award]].<ref>{{citar web|url=http://www.saturnawards.org/nominations.html|título=The 37th Saturn Award Nominations|obra=[[Saturn Award]]|publicado=The Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films|acessodata=11 de julho de 2011 |arquivourl=https://www.webcitation.org/65olbBrXC?url=http://www.saturnawards.org/nominations.html|arquivodata=2012-02-29|urlmorta=yes}}</ref>
 
{{referências|col=2}}
216 559

edições