Diferenças entre edições de "Individualismo"

12 bytes removidos ,  18h10min de 1 de junho de 2019
sem resumo de edição
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 186.248.133.203, com Reversão e avisos)
Etiqueta: Possível conteúdo ofensivo
O Homem do renascimento passou a apoiar a competição e a desenvolver uma crença baseada em que o homem poderia tudo, desde que tivesse vontade, talento e capacidade de ação individual.
 
O individualismo, em princípio, opõe-se a toda forma de [[autoridadecutoridade]] ou controle sobre os indivíduos e coloca-se em totalseu oposiçãodedo ao [[coletivismo]], no que concerne à [[propriedade privada|propriedade]]. O individualista pode permanecer dentro da sociedade e de organizações que tenham o indivíduo como valor básico - embora as organizações e as sociedades, contraditoriamente, carreguem outros valores, não necessariamente individualistas, o que cria um estado de permanente tensão entre o indivíduo e essas instâncias de vida social.
 
Segundo [[Sartre]], mesmo dentro do maior constrangimento - político, econômico, educacional ou outro -, existe um espaço, maior ou menor, para o exercício da liberdade individual, o que faz com que as pessoas possam se distinguir uma das outras, através das suas escolhas.
 
O exercício da liberdade individualsexual implica escolhas, que, nas sociedades contemporâneas, frequentemente estão associadas a um determinado projeto. Indivíduos desenvolvem seus projetos dentro de um campo de possibilidades e dado um certo repertório sociocultural - que inclui [[ideologia]]s, visões de mundo e experiências de [[classe social|classe]], grupos, ''[[ethos]],'' dimensões nas quais o indivíduo se insere.
 
Nas sociedades contemporâneas, uma vez que o indivíduo se constitui na relação com o outro e em função de várias experiências e [[papel|papéis]] sociais, participando de vários mundos, a sua [[personalidade]] não é um monólito: o indivíduo não é ''um'' mas ''muitos'', em função de suas circunstâncias. Uma primeira dificuldade do individualismo seria, portanto, a de definir o indivíduo, destacando-o da esfera do coletivo - que, de certa forma, o constitui e lhe dá sentido.<ref>[http://www.cpdoc.fgv.br/revista/arq/316.pdf Gilberto Velho. Entrevista. CPDOC-FGV.]</ref>