Diferenças entre edições de "Ramessés I"

94 bytes removidos ,  21h54min de 13 de junho de 2019
sem resumo de edição
|filhos = {{lknb|Seti|I}}
|pai = Seti
|cônjuge = [[SatraSatré]]
|morte_data = {{morte|||-1294}}
|sepultamento = [[KV16]]
[[imagem:Ramses I Mummy.jpg|thumb|upright=1.2|Múmia de Ramessés]]
 
Ramessés era filho do comandante de tropas Seti e começou suaa carreira sob [[Horemebe]] {{-nwrap|r.|1323|1295}}, quando era oficial militar no [[Delta do Nilo|Delta Oriental]] e então ascendeu à posição de [[vizir]] ([[tjati]]). Incapaz de produzir herdeiro e vendo nele um amigo íntimo e confidente, Horemebe adotou-o como herdeiro como indica umaa inscrição adicionada ao interior de [[granito]] do ataúde (no [[Museu Egípcio do Cairo]]) que foi aparentemente feito enquanto ainda era vizir.{{sfn|name=Sh240|Shaw|1995|p=240}} Ramessés já devia estar em idade avançada, talvezquiçá nosem seus 50, e não era de sangue real, com sua família sendo proveniente da área de [[Aváris]], a antiga capital dos invasores [[hicsos]].<ref name=Cl140 /> Apesar disso, sua família tinha grande estatuto no reino como verificável pelo casamento de seu tio Caemuassete, outro oficial militar, com Tamuadjessi, matrona do harém de [[Amom (deus)|Amom]] e parente de Hui, vice-rei de [[Reino de Cuxe|Cuxe]].{{sfn|Cruz-Uribe|1978}} O próprio Ramessés, para além de suas funções no Estado e no exército, era alto sacerdote de [[Seti (divindade)|Seti]].{{sfn|Montert|1974|p=197}}
 
Ramessés era casado com [[SatraSatré]], cujo pai também era um soldado, e ela lhe deu seu herdeiro {{lknb|Seti|I}}. Seu breve reinado, de no máximo dois anos, foi marcado pela construção de templos em [[Abidos (Egito)|Abidos]], a conclusão do segundo [[pilone]] de [[Carnaque]] e a quase conclusão de sua tumba no [[Vale dos Reis]] ([[KV16]]), cuja decoração tinha cenas do ''[[Livro das Portas]]'' como a tumbana de Horemebe.<ref name=Sh240 /> SuaA sua pequena tumba foi encontradaachada por [[Giovanni Battista Belzoni]] em 10/11 de outubro de 1817 e nela há indícios da pressa com o qual a escavaram; a câmara sepulcral estava inconclusa e talvez devia ser antecâmara para uma tumba maior. Como éde comumpraxe, foi saqueada na Antiguidade, mas parte dos bens mortuários permaneceram, particularmentesobretudo o grande sarcófago de granito, um par de estátuas de madeira de quase dois metros do reidele que originalmentede início estavam cobertas folha de ouro fina, e algumas estatuetasfiguras de madeira das divindades do submundo com cabeças de animais (no [[Museu Britânico]] de [[Londres]]).{{sfn|Clayton|1994|p=140-141}} Segundo a descrição de [[Joyce Tyldesley]], sua tumba:
 
{{Citação2|bq=s|cinza=s|
1=[era um túmulo incompleto, cujas] paredes, após uma camada apressada de [[gesso]], foram pintadas para mostrar o rei com seus deuses, com [[Osíris]] numa posição de destaque. O sarcófago de granito vermelho também foi pintado em vez de esculpido com inscrições que, por sua preparação corrida, incluíam vários erros infelizes.{{sfn|Tyldesley|2001|p=37–38}}}}
 
O sacerdote egípcio [[Manetão]] atribui-lhe um reinado de 16 meses, mas este faraó certamente governou o Egito por um mínimo de 17 meses com base numana data conhecida de seu reinado, presente na [[estela]] do Ano 2 II Perete dia 20 ([[Louvre]] C57), encontrada emde [[Uádi Halfa]], que ordenou fornecimento de novas doações de alimentos e sacerdotes ao templo de [[Ptá]] dentro da fortaleza egípcia de [[Buém]].{{sfn|Brand|2000|p=289, 300 e 311}} [[Jürgen von Beckerath]] observa que Ramessés morreu apenas 5 meses depois - em junho de {{AC|1290|x}} - desde que seu filhopois Seti sucedeu-o sucedeu em III Xemu dia 24.<ref name=Be190 /> Seti construiu mais tarde uma pequena capela com belos relevos em memória de seu falecido pai em Abidos. Em 1911, [[John Pierpont Morgan]] doou vários relevos desta capela ao [[Museu Metropolitano de Arte]] de [[Nova Iorque]].{{sfn|Ranke|1939}}
 
== Redescoberta e repatriação ==
 
Uma múmia que acredita-se ser a de Ramessés foi roubada do Egito e exibida num museu canadense privado por muitos anos antes de ser repatriada. A identidade da múmia não pode ser conclusivamente determinada, mas é provavelmente que seja ele com base em tomografias computadorizadas, raios X, medidas de crânio e testes de datação por carbono porde pesquisadores da [[Universidade Emory]], bem como interpretações estéticas da semelhança familiar. Ademais, os braços da múmia estavam cruzadas no alto do peito, que era uma posição reservada exclusivamente para a realeza egípcia, até {{AC|600|x}}.{{sfn|National Geographic|2003}}
 
A múmia havia sido roubada pela família Abu-Rassul de ladrões de túmulos e levada para a [[América do Norte]] por volta de 1860 pelo Dr. [[James Douglas]]. Foi então colocado no [[Museu das Cataratas do Niagara]], [[Ontário]], [[Canadá]]. A múmia ficou ali, com sua identidade desconhecida, ao lado de outras curiosidades e as chamadas aberrações da natureza por mais de 130 anos. Quando o dono do museu decidiu vender sua propriedade, o empresário canadense [[William Jamieson]] comprou o conteúdo do museu e, com a ajuda do egiptólogo canadense Gayle Gibson, identificou seu grande valor.{{sfn|National Geographic|2003}} Em 1999, Jamieson vendeu os artefatos egípcios da coleção, incluindo as várias múmias, ao [[Museu Michael C. Carlos]], na Universidade Emory, em [[Atlanta]], na [[Geórgia (estado)|Geórgia]], por dois milhões de dólares. A múmia foi devolvida ao Egito em 24 de outubro de 2003 com honras oficiais e está em exibição no [[Museu de Luxor]].{{sfn|BBC|2003}}