Flávio Cavalcanti: diferenças entre revisões

90 bytes removidos ,  22h21min de 28 de junho de 2019
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 189.40.89.13, com Reversão e avisos
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 189.40.89.13, com Reversão e avisos)
== [[Biografia]] ==
[[Ficheiro:Jacob do Bandolim, Flávio Cavalcanti, Taiguara e Sérgio Bitencourt.tif|esquerda|miniaturadaimagem|234x234px|Flávio em seu programa, com [[Jacob do Bandolim]], [[Taiguara]] e [[Sérgio Bittencourt]] ([[década de 60]]).]]
Flávio Cavalcante trabalhou no [[Banco do Brasil]] aos 22 anos, e no mesmo período de tempo, como repórter do [[jornal]] [[carioca|cariolca]] ''A Manhã''.<ref>{{citar web|URL=http://www.dicionariompb.com.br/flavio-cavalcanti|título=Biografia no Cravo Albin|publicado=[[Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira|dicionariompb.com.br]]|acessodata=2 de março de 2014}}</ref>
 
Flávio Cavalcante esteve nos [[Estados Unidos]] e entrevistou o presidente [[John Fitzgerald Kennedy|Kennedy]], na [[Casa Branca]]. Entrou para a televisão e tinha estilo tão marcante que marcou [[época]], pois, entre outras coisas, criou o primeiro júri da [[televisão brasileira]]. [[Chiquinho Scarpa]], [[Jorge Kajuru]] e Conrado ([[marido]] da ex-paquita [[Andreia Sorvetão]]) já foram jurados dele. Começou também a compor e influiu muito nas tendências musicais. [[Artista]]s que depois se tornaram consagrados começaram com Flávio Cavalcanti.
 
Na década de 70, todos os [[domingo]]s, às 18h, uma [[voz]] em ''off'' anunciava: "Entra no ar via [[Embratel]], para todo o Brasil, pela [[Rede Tupi de Televisão]], o programa Flávio Cavalcanti". A chamada marcava o início de um dos programas mais polêmicos da televisão brasileira e líder de audiência, comandado pelo jornalista e apresentador. Foi o primeiro programa a ser exibido para todo o país, utilizando o canal da Embratel.
 
Seu estilo era contundente. Letras medíocres e [[música]]s fracas iam para o lixo. Literalmente, quebrava os discos e jogava fora. Ele criou gestos marcantes, como a mão direita estendida para o alto e a [[frase]]: ''"Nossos comerciais, por favor!"''<ref>{{citar web|URL=http://radios.ebc.com.br/todas-vozes/edicao/2014-08/flavio-cavalcanti-declaracao-belinha-de-amor-do-homem-que-quebrava-discos|título=Flávio Cavalcanti, o homem que quebrava discos, faz declaração de amor|autor=LEITE, Marcos|data=5 de agosto de 2014|publicado=Rádio MEC AM - Rio de Janeiro (EBC Rádios)|acessodata=19 de maio de 2015}}</ref>, ao pedir o intervalo. O “tira-bota” dos [[visão|óculos]] também foi marcante. Em [[1973]], durante o Regime Militar, teve seu programa na Rede Tupi suspenso por 60 [[dia]]s pela Censura Federal, após apresentar a história de um [[homem]] inválido que teria "emprestado" a [[mulher]] ao [[vizinho]]<ref name="Telinha">{{citar web|URL=http://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/televisao/ditadura-tirou-flavio-cavalcanti-do-ar-por-fazer-sensacionalismo-4622|título=Ditadura tirou Flávio Cavalcanti do ar por fazer sensacionalismo |autor=CASTRO, Thell de|data=31 de agosto de 2014|publicado=Na Telinha|acessodata=19 de maio de 2015}}</ref>, [[fato]] que culminou uma história de problemas anteriores com o conteúdo sensacionalista do programa.
 
Flávio Cavalcante ficou na Rede tupiTupi até o fechamento da emissora, em [[1980]], e, a partir de [[1976]], seu programa passa a ser transmitido também pela TVS, de [[Silvio Santos]], para o [[Rio de Janeiro (estado)|Rio de Janeiro]]. Em [[1982]], foi para a [[Rede Bandeirantes]] apresentar o programa ''Boa Noite, Brasil''. De [[1983]] a [[1986]], fez no [[SBT]] o ''Programa Flávio Cavalcanti''. Por seus programas passaram nomes consagrados, como: [[Oswaldo Sargentelli]], [[Marisa Urban]], [[Erlon Chaves]], [[Márcia de Windsor]], entre outros. Inteligente, brilhante, inquieto, como bem mostra sua biografia, o carioca Flávio Cavalcanti, porém, teve uma vida familiar tranquila. Casou-se com dona Belinha e teve [[três]] [[filho]]s, sendo o filho que levava seu nome, Flávio Jr., um [[executivo]] de telecomunicações.
=== [[Morte]] ===
No dia [[22 de maio]] de 1986, Flávio Cavalcanti fez uma rápida [[entrevista]] em seu programa e jogou o [[dedo indicador]] para o alto: ''"Nossos comerciais, por favor!"'' Após o intervalo, quem estava lá já não era ele, e sim [[Wagner Montes]], anunciando que Flávio voltaria no próximo programa, o que não ocorreu. Flávio tinha sofrido uma isquemia miocárdica aguda durante a apresentação do programa. Levado para o [[hospital]], ele morreria [[quatro]] dias depois<ref>{{Citar periódico|ultimo=TV|primeiro=Notícias da|data=2016-10-26|titulo='Flavio Cavalcante morreu ao vivo', diz Geraldo Luis ao recusar programa|jornal=Notícias da TV|url=http://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/televisao/flavio-cavalcante-morreu-ao-vivo-diz-geraldo-luis-ao-recusar-programab--12998|idioma=pt-BR}}</ref>. No dia da sua morte, o SBT ficou fora do ar o dia inteiro em sinal de [[luto]]<ref>{{Citar web|url=http://www.sbtpedia.com.br/2013/05/o-dia-na-historia-26051986-morre.html|titulo=O Dia na História (26/05/1986): Morre apresentador do SBT e Silvio Santos tira emissora do ar em respeito|acessodata=2016-10-26|obra=www.sbtpedia.com.br}}</ref>, apenas rodando um ''slide'' com os dizeres: ''"Estamos tristes com a morte do nosso colega Flávio Cavalcanti, que será sepultado hoje, em [[Petrópolis]], às 16 [[hora]]s, quando então voltaremos com a programação normal."'' A emissora voltou ao ar após as 16h, quando o corpo do apresentador foi sepultado.
229 756

edições