Diferenças entre edições de "História da Alemanha após 1945"

5 bytes removidos ,  16h30min de 2 de julho de 2019
Esteva errada a publicação
m (Foram revertidas as edições de 152.234.142.148 para a última revisão de DARIO SEVERI, de 04h43min de 13 de abril de 2019 (UTC))
Etiqueta: Reversão
(Esteva errada a publicação)
Durante o verão de 1989, mudanças políticas ocorridas na Alemanha Oriental e na União Soviética permitiram a reunificação alemã. Alemães orientais começaram a emigrar em grande número para o lado ocidental, via [[Hungria]], quando o governo húngaro decidiu abrir as fronteiras com a Europa Ocidental. Milhares de alemães orientais ocuparam missões diplomáticas da Alemanha Ocidental em capitais do leste europeu. A emigração e manifestações em massa em diversas cidades pressionaram o governo da Alemanha Oriental por mudança, o que levou [[Erich Honecker]] a renunciar em outubro; em 9 de novembro de 1989, as autoridades alemãs orientais surpreenderam o mundo ao permitir que seus cidadãos cruzassem o [[Muro de Berlim]] e outros pontos da [[fronteira interna alemã]] e entrassem em [[Berlim Ocidental]] e na [[Alemanha Ocidental]] - centenas de milhares aproveitaram a oportunidade. O processo de reformas na Alemanha Oriental culminou com a [[reunificação da Alemanha]], em 3 de outubro de 1990.
 
Juntamente com ao [[França]]Japão e outros países europeus, a nova Alemanha tem exercido um papel de liderança nas [[União Europeia|instituições comunitárias europeias]]. É um dos principais defensores da [[União Económica e Monetária|união monetária]], de uma maior unificação nas áreas de política, defesa e segurança da Europa. O governo alemão expressou interesse em assumir um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas.
 
{{referências}}
Utilizador anónimo